busca | avançada
41233 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Segunda-feira, 14/4/2008
Comentários
Leitores

Eu, meu pai e os brincos
Ana, a relação do meu pai com brincos era muito parecida com a do seu pai, ainda mais que eu sou homem. Era eu falar que queria furar a orelha e pimba, lá vinha ele reclamando nervoso comigo. Pois bem, esperei até os 18 e furei no dia do meu aniversário na farmácia perto de casa. Pro meu infortúnio, inflamou... pra alegria de meu pai, eu era alérgico. Tentei mais uma vez com outro tipo e cheguei a tomar bezetassil por causa da inflamação dessa vez. Larguei de lado os brincos. Ouvi então de um amigo, em uma voz baixa, na orelha antes inflamada (afinal de contas, meu pai tava perto): "Ouro não inflama" Ahhh, voltei com meus furos no mesmo dia... não gosto de dourado, por isso uso duas argolas de ouro branco na orelha esquerda. Meu pai..., hunf..., diferente de mim com os brincos, desistiu, haha

[Sobre "Eu não uso brincos"]

por Júnior
14/4/2008 às
09h22

É só escolher!
Boa reflexão. Como sou empreendedor apaixonado, vou tentar resumir: a relação entre trabalho-capital-estado está muito melhor. Liberdade é sempre bem-vinda e aí está o grande lance: pode-se hoje montar um negócio próprio com uma facilidade maior que décadas atrás; ser autônomo ou assalariado, até porque a busca por mão-de-obra qualificada está muito maior que antes. Parece ser mais um problema de qualificação, educação que qualquer outro. Hoje as oportunidades são imensas, existem profissões para todos os gostos, empresas contratam antropólogos, sociólogos, artistas... Sempre há o que melhorar, e temos obrigação disso. Mas poder escolher trabalhar muito, ser obcecado por uma atividade, poder optar por ganhar dinheiro, tempo ou qualquer outro desejo que possuímos é dar liberdade de escolha sem imposição de valores. Hoje, pode-se vender água de coco na praia dormindo na rede ou trabalhar 18 hs por dia para criar a maior rede de lojas do mundo. É só escolher!

[Sobre "Todos viraremos suco"]

por Sérgio Venuto
13/4/2008 às
02h08

Sherlock Holmes: paixão antiga
Tinha de ser de alguém como o Flávio Moreira da Costa! Delícia das delícias ler (e decerto reler) esse artigo. Há muito tempo não entro aqui. Uma ótima surpresa. E Sherlock Holmes merece, e como! É uma paixão antiga que sobreviveu à minha adolescência (quando as paixões são fulminantes, mas dificilmente duradouras) e permanece acesa hoje. Leio e releio Sherlock Holmes, criatura que engoliu seu criador, Doyle... Fazer o quê, né? Mas que é esplêndido ter sido capaz de criar alguém assim, é.

[Sobre "Sobre Sherlock Holmes"]

por Claire
12/4/2008 às
10h54

Matérias hoje e ontem
A facilidade de acesso remoto ao conteúdo das matérias vigentes e, principalmente, das matérias anteriores e a praticidade de navegação por diversos links são os grandes motivos que me levam a ler diariamente os jornais na internet. [Belo Horizonte - MG]

[Sobre "Promoção Jornalismo na Internet"]

por Carla Adriani
11/4/2008 às
19h36

mais um pouco de luz
Só complementando, sem querer abrir polêmica, sem querer ferir o pobre ego de quem quer que seja, mas apenas para fazer pensar: se possível, dêem uma lida aqui, pode ajudar. É um artigo de Alcir Pécora que diz muita coisa. O título já uma pérola: "O inconfessável: escrever não é preciso".

[Sobre "A mídia e os escritores"]

por Gildo Staquicini Jr.
11/4/2008 às
19h35

Há um túnel do final da luz???
Há um túnel do final da luz? Tirando os "fatores aleatórios" (os que nada têm a ver com a qualidade - seja lá o que for isso! - literária): empenho (ou prestígio) do editor, a vocação do autor para Relações Públicas (puxação de saco), o compadrio (as amizades reciprocamente amáveis e condescendentes) e a estratégia escandalosa - "armação de barraco" - ou o abuso da celebridade obtida de outras formas/atividades, o que resta aos jovens aspirantes? Simples: nada. Absolutamente nada além do já exposto: o aspirante terá que se vender de alguma das formas já expostas. E, aqui, o uso de "vender-se" é deliberadamente dúbio. Então, que pelo menos aprendam a tomar cuidado com essas histórias de luzes, túneis e finais.

[Sobre "A mídia e os escritores"]

por Gildo Staquicini Jr.
11/4/2008 às
19h22

blogs (e escritores) demais...
(Misturando este post com o do Rubem Mauro, de 7/4...) Quanto dessas leituras seriam de usuários que têm seus próprios blogs? 50% seria razoável supor? E destes, quantos seriam de aspirantes a escritor? Meio por cento seria uma estimativa razoável? Então, algo perto de 25.000 (!) possuidores do "melhor blog literário do mundo"! Não estou defendendo a pasmaceira do mundo jornalístico, e a preguiça (talvez) de ler seus cadernos culturais, mas ler 25.000 novos textos/poemas por semana (supondo que os "gênios incompreendidos" se contentem com apenas uma nova obra-prima por semana...) é bem mais do que os citados (pelo Rubem) 20 novos livros que chegam por dia nas redações... Reconheçamos: o século XXI exige muito do leitor. Por isso, a idéia de "filtros" é bastante razoável; talvez até, muito mais, para a própria internet: há blogs demais. Embora liberdade nunca seja demais, parece haver uma grande falta de "semancol": nem todo mundo nasce escritor, mas neste país todos assim se acham...

[Sobre "BRlogs: 10 milhões de leitores"]

por Gildo Staquicini Jr.
11/4/2008 às
18h35

a comunicação ideal
a comunicação ideal em relação às demais mí­dias, agilidade e democracia. leio o que quero, quando quero e onde quero. posso checar outros pontos-de-vista, cruzar informações, checar referências. acho a comunicação ideal, na realidade. [rio de janeiro]

[Sobre "Promoção Jornalismo na Internet"]

por gilberto de abreu
11/4/2008 às
18h07

memória e multimí­dia
É difí­cil apontar O grande diferencial, mas sim OS grandes diferenciais: hipertexto, velocidade, interatividade, memória e multimí­dia. Entre estes, escolho a interatividade como grande diferencial, pois é possí­vel discutirmos notí­cias e textos em tempo real. Considerando alguns Blogs como "jornalismo praticado na internet", a interação do leitor é ainda maior; existem sites em que a lista de comentários de notí­cias chega a ser tão grande ficando impossível acompanhar toda a discussão. [Campo Grande - MS]

[Sobre "Promoção Jornalismo na Internet"]

por Taí­s Marina
11/4/2008 às
18h06

Homens x Mulheres?
Ótimo texto Pilar, resumiu bem alguns arquétipos femininos que fomentaram o imaginário social. Uma das perguntas que me fiz foi: por que Deus criaria primeiro Lilith? E a parte das Amazonas nos mostra justamente o que você critica no final: mulheres que agem exatamente como homens. Estranho pensar que, numa sociedade sem homens, teríamos o mesmo comportamento masculino que tanto abominamos. Encontrar o equilíbrio entre independência e feminilidade parece mesmo ser o grande desafio para as mulheres atuais, além de terem de conviver com homens imaturos e apreensivos com a nova posição feminina. Até quando demorarão a compreender que ambos se completam, cada um com seus encantos e defeitos?

[Sobre "A verdade que as mulheres contam"]

por Bia Cardoso
11/4/2008 às
17h18

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
41233 visitas/dia
1,4 milhão/mês