busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês
Sexta-feira, 2/5/2008
Comentários
Leitores

Vale a pena!
Morar sozinha, grande aventura! Algumas observações: - A casa não fica limpa nunca, mas o que importa? Quem mora nela é você!!! - Lavar qualquer tipo de roupa é dificílimo; e passar, também. Portanto, seja mais desprendida, lance uma moda nova, ande com roupas manchadas e amassadas!!! - Tapete, uma tarefa complicada, nunca pensei que fosse tão difíl manter um pequeno tapete de banheiro com sua cor original. - Esqueça a água mineral, compre um filtro, pode ser daqueles de barro mesmo, assim você não vai ter que tomar água da torneira toda vez que chegar em casa e ver que esqueceu de comprar água mineral! - Contratempos: chegar cansada e faminta em casa e não ter nada para comer, a lâmpada queimou, o chuveiro pifou, o ralo entupiu... - Apesar de tudo, morar sozinha é, sim, a melhor coisa do mundo!!! Aproveitem essa deliciosa fase da vida.

[Sobre "Morar só: a melhor coisa"]

por Fernanda da Silva
2/5/2008 às
23h19

quer faturar? abra um blog!
Muito bom texto. E, apesar de você ter sido mal interpretado por muitos, não foi por mim. Eu concordo que é lamentável blogs de "asneiras" ocuparem os top 20, alguns eu até visito, mas falta identidade à blogosfera brasileira. Cadê blogs conhecidos de política? Educação? Saúde? Jornalismo... cadê? Vou citar um dos motivos pelos quais considero a blogosfera brasileira fraca: quer ganhar dinheiro? escreva um blog! A grande maioria dos blogueiros não gera conteúdo, eles o trasmitem e, de certa forma, muito mal. É óbvio que toda generalização é burra, e por aqui não há de ser diferente. Mas que tem muita coisa ruim nos top, isso tem!!!

[Sobre "Jovens blogueiros, envelheçam (extras)"]

por Daniel Rizzo
2/5/2008 às
17h57

Quem casa com quem?
Concordo com você. É triste observar que nosso público leitor se interessa muito mais em saber "quem casa com quem" na Globo do que sobre a vida de quem decide seu futuro em Brasília. Contudo, acho que essa é uma maturidade que virá apenas com o tempo. É necessário que as famílias e as escolas desenvolvam mais a consciência das crianças para o mundo que as cerca. Assim, teremos adolescentes e adultos mais conscientes e interessados em consumir qualidade. Hoje, mesmo na área do humor, vê-se o domínio do lixo e da cultura descartável. O talento e a elegância "do bom", já não é mais necessário para o "grande sucesso". Quem sabe se, com uma evolução da mentalidade do público, essa "volta" à percepção de que talento e qualidade são fundamentais não volte? Excelente artigo.

[Sobre "Jovens blogueiros, envelheçam (extras)"]

por Arthurius Maximus
2/5/2008 às
16h55

Não há mais estrelas
Há, há, há!! Fator estrela. Que delícia de texto. A primeira parte que aborda a questão dos médicos retrata muito bem esses caras. Os semideuses. Depois as outras profissões, num encadeamento muito original. Só que as vagas vêm e vão e para muitos não há mais vagas nesse turbilhão da vida, nesse maremoto louco que é a vida. Não há mais estrelas, nem lua, nem nada. Ótimo texto, Guga. Beijo.

[Sobre "O fator estrela"]

por Adriana Godoy
2/5/2008 às
10h58

A porta certa
"Deus quando quer dar não erra a porta"; "Os cães ladram e a caravana passa" "O amor é um pássaro que bota ovos de ferro" (Guimarães, o Rosa) [Cuiabá - MT]

[Sobre "Promoção Mario Quintana"]

por Etevaldo José
1/5/2008 às
21h53

Diga ao povo que eu fui...
Ó do Borogodó... esse é o lugar para ouvir músicas e voltar no tempo... quem não conhece não sabe o que está perdendo! chorinho e bossa velha, o melhor do que existe na nossa música popular. diga ao povo que fui!!!

[Sobre "Ó do Borogodó interpreta Altamiro Carrilho"]

por Clovis Ribeiro
1/5/2008 às
19h33

Viva à LPB!
A análise do Luis Eduardo Matta era tudo o que eu queria ler na internet sobre literatura brasileira. Parabéns pela sua opinião, Matta. Também penso assim há muito tempo; e, com certeza, milhões de potenciais leitores. O livro "Lírios Vermelhos" é um exemplo do que o povo gostaria de ler, de um autor brasileiro: amor, suspense, ação, mistério e um final "hollywoodiano" (tomara que seja publicado um dia).

[Sobre "Literatura de entretenimento e leitura no Brasil"]

por Lalor Callado
1/5/2008 às
12h06

Dendê na raiz
"Terra em que não ando, dendê dá na raiz." [Feira de Santana - Bahia]

[Sobre "Promoção Mario Quintana"]

por Erivaldo Araújo
30/4/2008 às
23h55

Eu, Ana e também Maria
Ana, como sempre, adorei seu texto. Sou outra Ana, sendo também Maria! Nos idos dos anos 50/60, no colégio interno, tinha sempre a companhia de mais 4 ou 5 Anas Marias, o que levava a sermos chamadas apenas pelo sobrenome, e o meu era Santos. Aliás, as muitas meninas com nome de Ana Maria, da minha geração, segundo meu pai, herdaram o nome de personagem de "Olhai os lírios dos campos", de Érico Veríssimo, grande best-seller do início dos anos 40. Ainda a conferir essa informação... ou melhor, você confirma?

[Sobre "Substantivo impróprio"]

por Ana Maria
30/4/2008 às
19h12

Existe, sim, e estou vivendo!
Em julho de 2007 conheci uma mulher numa sala de bate-papo. Eu na época noivo, e ela, casada. O tempo foi passando, o diálogo aumentando, e no mês de dezembro ela saiu de São paulo para Recife, para me conhecer pessoalmente. Passamos 7 dias inesquecíveis, parecia que nos conhecíamos há anos. Ficou uma promessa no ar, em voltar a nos vermos em dezembro de 2008. Eu me separei de minha ex-noiva e ela do marido. Estamos vivendo uma louca história de amor, mesmo sendo à distância, nos falando sempre seja por telefone, webcam. Mas sempre estamos presentes um ao outro. Os planos futuros é que ela venha morar em Recife para só assim vivermos uma linda e longa história de amor...

[Sobre "A internet e o amor virtual"]

por Thiago Pessoa
30/4/2008 às
15h58

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês