busca | avançada
75720 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Segunda-feira, 9/6/2008
Comentários
Leitores

arte: língua desconhecida
Um clichê conhecido eh achar que representações figurativas - que ao olhar leigo parecem tecnicamente boas - são melhores do que as não figurativas, as instalações ou as manifestações artísticas que o público leigo não chega a compreender. Arte, tanto como uma linguagem, como o conhecimento especializado, necessita de um interlocutor que saiba falar e/ou ser aberto para a "língua", a fim de que algum tipo de comunicação possa existir. Muitas exposições, instalações etc, estão aquém do conhecimento do "usuário" comum, da mesma forma como uma dissertação acadêmica corre o perigo de não ser compreendida pelo público nao-especializado... Manifestações artísticas vão além da pura especialização, pois requerem um interlocutor não soh sensível como também informado. Arte não dá para ser lida usando uma sintaxe congelada, e empobrecida, como esta que você descreve no texto acima. Talvez seja interessante aprender essa língua desconhecida, a arte.

[Sobre "A arte contemporânea refém da insensatez"]

por tati
9/6/2008 às
17h24

Jane Austen é única
Já li o livro, assisti ao seriado da BBC e assisti ao filme. Seria inútil dizer como gostei do filme. Jane Austen é única na arte de escrever... O livro consegue nos levar realmente para Longbum; é linda a maneira como ela descreve os cenários, as roupas e as casas... E, no filme, quando Elizabeth esta à beira do penhasco... O prazer que eu sinto em ver essa cena... é indescritível. A sensibildade... Maravilhoso!

[Sobre "Orgulho e preconceito, de Jane Austen"]

por Janaína de Queiroz
9/6/2008 às
16h11

Prazer em ler
Gosto muito da literatura machadiana. Li no ensino médio, obrigada. Mas me encantei pelo seu jeito irônico e crítico. Concordo, claro, com a crítica à leitura obrigatória. No colegial, fui obrigada a ler obras literárias, de algumas gostei, outras me foram forçadas... Na verdade, amo ler e sou apaixonada por literatura; graças à formação que tive em casa... Por ver meu pai lendo jornal e por ter várias obras na "biblioteca" dele... Detestei também José de Alencar e, ainda, Guimarães Rosa. Isso não quer dizer que sou menos inteligente ou que isso me descalifica. Temos que formar um país de pessoas que leiam por prazer!

[Sobre "Não gostar de Machado"]

por Tancy Mavignier
9/6/2008 às
15h30

Defesa de Joyce
"Nada me tira da cabeça que James Joyce teve intenção semelhante ao escrever e publicar Ulisses": o problema dessa opiniao eh q ela implica q Joyce passou n sei quantos anos trabalhando intensamente em Ulisses e Finnegans Wake soh pra fazer uma caricatura desses vanguardismos bobos... Pra mim, joyce estava explorando novos meios de transmitir idéias, e sensaçoes, atraves das palavras; os livros dele foram feitos mais para serem sentidos do q compreendidos, embora n estejam alem de qualquer interpretaçao, creio...

[Sobre "A arte contemporânea refém da insensatez"]

por rafael moura
9/6/2008 às
14h02

o problema da Patrícia Marx
Concordo que esses revivals "anos 80" são questionáveis e tal... Mas o problema da Patrícia Marx é outro: ela fez muita porcaria naquela época e não gosta de encarar isso de frente...!

[Sobre "This is a journey into sound"]

por Alvaro
9/6/2008 à
00h27

Aprendendo e aprendendo
Sempre tive idéias, mas não sabia como passá-las, de uma forma organizada, para o papel. Um tempo atrás havia desistido. Aí o impossivel aconteceu (é uma longa história sobre minha vida)... E novamente pude ver o mundo, os sentimentos e tudo o mais, sentindo a necessidade de tranformar isso em palavras. Agora venho me aperfeiçoando e, no decorrer do tempo, me torno mais e mais, digamos, capaz de realizar isso...

[Sobre "Como escrever bem — parte 1"]

por Erick Oliveira
8/6/2008 às
20h39

Ah, os preconceitos juvenis!
No caso de Machado, até armar um júri de brincadeira para julgar Capitu serviu de incentivo para despertar neles o gosto pela LB. Dali saíram até advogados, depois. Um bom professor faz você gostar até de Paulo Coelho (eca!) e de física quântica. Pode estar certo disso! Te recomendo apenas que não fiques sisudo a esse respeito. Mesmo com tantas críticas ao teu texto; não as leve em consideração a ponto de nunca mais retirar um Machado da estante ou buscá-lo em uma biblioteca ou livraria e lê-lo, assim, descompromissadamente, sem reminiscências e recalques, se isso te der vontade um dia e depois sentires um prazer estranho, vindo de um lugar inexplicado e recôndito de teu cérebro. Aconteceu comigo recentemente; quase trinta anos depois de ter saído do ensino médio e com as obras de Machado mesmo! Livre de preconceitos naturais da juventude, aproveitei e senti muito prazer nisso. Um grande abraço e sucesso!

[Sobre "Não gostar de Machado"]

por Daubi Piccoli
8/6/2008 às
15h06

Literatura daqui e de lá
Olá, Daniel! Embora seja um apaixonado pelas obras de Machado de Assis, concordo, em parte, com tua crítica. No entanto, o passar dos anos nos faz mudar de idéia, sim. Odiava Machado de Assis nos tempos de escola; do mesmo modo que odiava Erico Verissimo, devido aos primeiros livros (aborrecidos) que li, chamados "Clarissa" e "Música ao longe". Sendo gaúcho, sou proibido, veementemente, de não gostar dos Verissimo (Tem também o Luis Fernando; filho de Erico). No entanto, talvez hoje, relendo, entenderia aquele exagero de detalhes, uma vez que os uso em meus contos e meus leitores adoram. Sendo professor de LEM Inglês, com Especialização na Literatura Inglesa, prefiro muito mais o reino da magia, introduzido em quase 90% das obras, as quais fizeram a fama da LI no mundo. Trabalhá-la em sala de aula é muito fácil devido à ajuda dos filmes e os alunos adoram; muito mais do que a Brasileira. Mesmo assim, desenvolvi técnicas que os fazem gostar da LB também. (Segue...)

[Sobre "Não gostar de Machado"]

por Daubi Piccoli
8/6/2008 às
15h03

o novo ghost writer de Sabrina
Os textos desse sujeito na Folha têm uma empolação errada. Não sou crítico literário e não vou aqui tentar parecer ter razões objetivas, mas ele sempre me parece estar fazendo uma análise com uma mulher desinformada: com uma mulher --- porque fala de sentimentos, durante tres folhas, num canal em que homens geralmente não toleram mais que tres palavras... Falo de homens da literatura: escritores e leitores. Mulher desinformada, porque ele explica demais: bons escritores têm elipses confortáveis e prazenteiras aos bons leitores. Acho ele o novo ghost writer da Sabrina, Julia, essas coisas... respeitadas as devidas proporções. O fato de o sujeito estar semanalmente num jornal talvez também me incomode. Grandes escritores, um Campos de Carvalho, são econômicos e sabem que todos temos poucas idéias boas para publicar na vida. Não suportam o ralo semanal e uma publicação livresca ao mesmo tempo... Raríssimas exceções. Baseado nas crônicas semanais: não li e não gostei.

[Sobre "O Conto do Amor, de Contardo Calligaris"]

por Pedro Gamba
8/6/2008 às
09h01

Sherlock em carne e osso
Olá! Concordo com tudo que está escrito. Amo Sherlock Holmes, chorei até quando li a dura luta dele com o Prof. Moriarty, sem saber, é claro, que ele voltaria, o que me deixou muito feliz. Completei minha coleção e fico lendo e relendo sem me cansar. Imagino tudo: o prédio dele na Baker Street, seu físico e gestos. Pra mim, ele é realidade, já que foi inspirado numa pessoa real, o professor de Doyle, o Joseph... Valeu!

[Sobre "Sobre Sherlock Holmes"]

por Tamires Pereira
7/6/2008 às
23h15

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
75720 visitas/dia
2,6 milhões/mês