busca | avançada
55418 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Quarta-feira, 18/6/2008
Comentários
Leitores

Olho artístico em palavras
Excelente: Tudo. O fato de existir um Eric Marechal por aí, para ampliar nosso olho artístico, além dos limites tradicionais... E, também, de existir um repórter, com a sensibilidade e o ímpeto necessários, para "pintar" todo o tema, com clareza e objetividade. Parabéns. ("Excelente" é o ponto mais alto da minha escala...) [ ]s

[Sobre "Bate-papo com Eric Maréchal"]

por Pedro Correa
18/6/2008 às
14h20

amar, sem demasia
Claro. Nós, seres humanos, somos dotados de inteligência e precisamos usufruir dessa dádiva. Portanto, devemos saber dosar todos os sentimentos para poder chegar a um patamar válido. Devemos amar, sem demasia, para não sofrer, sabendo encarar os problemas que aparecem com o tempo, com calma. Devemos saber tirar do envolvimento pessoal a felicidade dos momentos, pois, na vida, tudo é momento. [Santo André - SP]

[Sobre "Promoção Nada te Turbe"]

por Montserrat Montes
18/6/2008 às
13h00

Ito agradece
Muito boa entrevista! Abraço, Eric!!! E obrigado!

[Sobre "Bate-papo com Eric Maréchal"]

por Paulo Ito
18/6/2008 às
11h19

companheirismo e afeto
O amor, quando correspondido, nos leva a descobrir sentimentos diversos e nos indica o caminho da felicidade através do companheirismo e do afeto. [São Paulo - SP]

[Sobre "Promoção Nada te Turbe"]

por Célio Marcos
18/6/2008 às
11h05

um problema dos piores
Se amar é se sentir completo ao estar ao lado de quem se ama, diria que sim. Porém, se quem se ama não está correspodendo temporal e espacialmente a você, taí um problema dos piores, não se é feliz. Mas a verdade é que amar é viver de eternos momentos felizes, pois mesmo quando perdemos o objeto amado, lembraremos tristemente daqueles momentos em que fomos felizes. A felicidade não está no sucesso do amor, mas sim no sentimento em si. Se é possível amar e ser feliz eu não sei. Contudo, tenho certeza que é impossí­vel ser feliz sem amar. [Maceió - AL]

[Sobre "Promoção Nada te Turbe"]

por Jhonathan Wilker
18/6/2008 às
11h03

talvez seja inconformismo
Vivemos numa sociedade corrompida pelo descaso... Acredito que o Geraldo Vandré tenha lá seus motivos para não querer aparecer... O que é uma pena...

[Sobre "Geraldo Vandré, 70 anos"]

por Bento Bezerra
18/6/2008 às
09h30

o que há de transitório
Amar e ser feliz é uma crença que você pode alimentar ou não. Mas, afinal, o que quer dizer "ser feliz"? Seria melhor dizermos "estou feliz", pois assim preservamos o que há de transitório e de imprevisível no viver. [Porto Alegre - RS]

[Sobre "Promoção Nada te Turbe"]

por Alexandre Bueno
18/6/2008 às
08h55

a arte sob o véu da insensatez
Prezado Luis Eduardo Matta: Já tinha te escrito antes pelo teu site. Sou seu leitor de longa data, desde a publicação de "Ira Implacável" e leio sempre seus ótimos ensaios no Digestivo Cultural. Esse último que você publicou falando da arte contemporânea é, sem dúvida, um dos melhores. Aliás, você escreveu um dos melhores textos que já li sobre o tema. O Affonso Romano de Sant'Anna é outro que tem atacado essa ditadura da mediocridade na arte e acho que você e ele são as duas vozes mais respeitáveis nesse campo das idéias aqui no Brasil hoje. Como seu leitor, estou aguardando com ansiedade a publicação do "Véu". O diálogo que você colocou no artigo e a maneira como você descreveu o tema já dão uma boa pista de que o livro é fantástico. Você é um dos melhores contadores de histórias do Brasil hoje. Continue e os leitores agradecem.

[Sobre "A arte contemporânea refém da insensatez"]

por Marcelo Rezende
17/6/2008 às
20h53

Bela matéria!
Gostei muito da entrevista. O cara realmente é fascinante, principalmente pelo fato de ser um forte apoiador da arte de rua, do graffiti, que é algo tão especial e tão discriminado nos dias de hoje. Parabéns ao repórter também; seu comentário sobre o Baudelaire com certeza foi essencial para a naturalidade da entrevista. Abs

[Sobre "Bate-papo com Eric Maréchal"]

por Murilo de Souza
17/6/2008 às
19h08

Leitora induzida
Como sempre, suas resenhas fazem mais que informar. Induzem (no bom sentido) a ler o referido livro. Muito interessante o verme narrador. O tema é mais que atual e discutível. Entra para a lista. Parabéns! Quanto ao fotógrafo, difícil separar a curiosidade mórbida sensacionalista da arte de fotografar o sentimento. Beijo.

[Sobre "Cenas de um país machista"]

por Dai
17/6/2008 às
19h07

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
55418 visitas/dia
1,9 milhão/mês