busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Quarta-feira, 20/8/2008
Comentários
Leitores

Voto nulo não é protesto
(1) Américo, como você mesmo disse, sempre haverá mais de uma parte e interesses opostos. Se você consegue escolher um dos lados, não precisa anular o voto, mas deixe-me acreditar nele, já que não me sobraram muitas opções. (2) Mauro, felizmente nunca acreditei em salvadores da pátria. E por isso mesmo nunca acreditei - e nem votei - nesse candidato "carismático" e "popular". (3) Solange, todo mundo tem que fazer a sua parte, mas não podemos esquecer que é exatamente dessa esperança do eleitorado que se alimentam os políticos mais oportunistas. (4) Daniel, boa pergunta. Vai ser muito difícil alguém mexer nessa lei, pois ela interessa tanto aos políticos quanto aos partidos. Quanto ao voto nulo, para mim ele não é inócuo exatamente pelo fato de eu não encará-lo como um "protesto".

[Sobre "Voto obrigatório, voto útil... voto nulo"]

por Diogo Salles
20/8/2008 às
19h27

Obama: um terreno delicado
Você entrou em um terreno delicado. Um leitor mais incauto diria que, de certa forma, você demonstra uma certa peninha de Bush e que Obama, aproveitando-se da situação em que se encontra o império, vai tentar se dar bem. E aí a sua cor pode ser uma grande aliada, nesse contexto. Bem, mas como não sou uma leitora incauta, entendi o que há por trás de seu texto e a mensagem implícita de suas palavras. Posso dizer que quem entender, vai gostar. Mais um bom texto. Parabéns. Beijo.

[Sobre "Obama e o oba-oba"]

por Adriana Godoy
20/8/2008 às
10h47

Variações do ópio
Adriana, umas das coisas que Tosches fala no livro e que eu não falei na resenha é que o ópio vem sendo utilizado mais para a fabricação de outras drogas. O consumo puro e romântico do ópio é raridade, segundo ele. Na verdade, pelo que Tosches diz, não existe mais o ópio puro, mas sim uma variante manipulada, suja e ruim dele. Obrigado pelo comentário, abraço!

[Sobre "A última casa de ópio, de Nick Tosches"]

por Rafael Rodrigues
20/8/2008 às
10h43

Esse Tosches sabe das coisas
Interessantíssimo! Gostei! Parece que esse Tosches sabe das coisas. Outro dia vi em um documentário plantações de papoulas no Oriente (e o comércio da droga como uma questão de sobrevivência desse povo esmagado pela guerra). O negócio é violento, e os consumidores de heroína vendem realmente até a alma para umedecer as veias. Não me pareceu que a extração do ópio esteja em decadência, pelo contrário, as plantações de papoulas são vastas e a procura pela droga é crescente. Quero conferir esse livro. Parabéns pelo texto.

[Sobre "A última casa de ópio, de Nick Tosches"]

por Adriana Godoy
20/8/2008 às
10h31

Da insistência da poesia
Poema interessante... O dia-a-dia sendo engolido por compromissos, exigências tamanhas que não abrem espaço para a poesia. Valeu o "desabafo" tão intrínseco a todos os que, como você, pensam vez ou outra atirar-se, imortalizar a dor no abismo... Ah, mas vamos insistindo, e por isso poetando, abraço!

[Sobre "Abismo"]

por Mara faturi
20/8/2008 às
09h01

As paredes e as janelas
As paredes de cor bege continuam as mesmas e ainda faltam janelas! (rs) Bjs

[Sobre "Ana Elisa Ribeiro"]

por Dani
19/8/2008 às
17h15

Morte aos poucos
Torço pela morte aos poucos! Pelo menos não é hipócrita!

[Sobre "Obama, o novo imperador"]

por Hellen
19/8/2008 às
16h59

Bom senso de humor
Hehehehe... adoro seu senso de humor. Abs

[Sobre "Pagã or not pagã, that's the qüestã"]

por Karyn
19/8/2008 às
14h44

É o fim!
Após ter lido o texto intitulado "Os desafios de publicar o primeiro livro", dá-me uma angústia e sou apoderado por uma tristeza atroz. Penso seriamente em pôr no lixo os meus 65 livros de literatura infatil, ou colocá-los numa imensa fogueira e tocar fogo. Percebe-se com clareza como são amadoras as editoras no Brasil. Já li de tudo a respeito do desatino dos que avaliam livros (originais) de candidatos a escritor: alguns deixam a cargo do filho(a) (uma criança!); outros lêem 10, 20 páginas e logo descartam. Alguns gênios de muitas áreas nascem em barracos de madeira e não têm nem o que comer, mas conseguem criar obras-primas que nuncam vão ser publicadas, haja vista que os que vão analisar seus originais são meras criaturinhas, simples, pouco talentosas e bem limitadas.

[Sobre "Os desafios de publicar o primeiro livro"]

por Leônidas Gregol
19/8/2008 às
13h12

O desconforto contra o belo
Talvez o objetivo dos artistas envolvidos fosse este mesmo: causar um choque no público, criar uma tensao, mesmo que isto seja feito através da provocaçao de um "desconforto" no público. É justamente com este desconforto, provocado pela obra, que o artista tem uma oportunidade de capturar o cognitivo da pessoa e faze-la "pensar", coisa bem mais difícil de acontecer num espetáculo onde a estética do "belo" ou sua harmonia fossem parte do poder impregnante das imagens já pré-concebidas na platéia. Talvez até mesmo as declaraçoes desencontradas de Chico e Edu façam parte deste exercício.

[Sobre "Breu e 21, do Grupo Corpo"]

por José Burle
19/8/2008 às
13h02

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês