busca | avançada
57048 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Sexta-feira, 22/8/2008
Comentários
Leitores

Leia sem moderação
Muito bom o seu texto, Marcelo. Assim como todos os outros comentários acima, o meu é simplesmente para dar um merecido "parabéns". Sou estudante de comunicação e muitas vezes me perco nas palavras. Acho que deve ser um dos problemas mais freqüentes em quem tem uma certa dificuldade em escrever. Idéias não faltam, o que normalmente falta em mim, pelo menos, é organização. Mesmo assim, muito legal da sua parte tentar dar uma força a quem está começando ou simplesmente àqueles que gostam de ler. Afinal, a graça é ler sem moderação :) Parabéns novamente!

[Sobre "Como escrever bem — parte 1"]

por Lane
22/8/2008 às
18h30

Meu coração vagabundo
Não existe receita que dê certo... os anos passam, os cabelos ficam grisalhos e, ainda assim, lá no fundinho do coração as lembranças aparecem, de quando em quando, e nos maltratam. Ah! coração vagabundo, amar quem não merecia! Seu texto é incrível, descreve exatamente o que acontece com a maioria de nós, pobres mortais - que se apaixonam, "desapaixonam", e sofrem a vida inteira.

[Sobre "Como esquecer um grande amor"]

por Solange Boy Milhomen
22/8/2008 às
17h00

Apenas um cafezinho?
Incrível como me identifico com seus textos. Descreves o cotidiano como todo mortal o vive, mas com uma grande diferença - a simplicidade. Não precisamos de muito para sermos felizes, somente precisamos de "algumas coisas bobas", pequenas, mas que nos deixam tão contentes, mesmo que seja um cafezinho após um dia agitado...

[Sobre "Ligações e contas perigosas"]

por Solange Boy Milhomen
22/8/2008 às
15h51

O individual e o meio
Penso que não são 500,00 a mais no mês que fariam a diferença e sim a vontade de conhecer e vivenciar uma cultura. Quinhentas pilas a mais são 10 bons livros, mas também dá pra queimar tudo em CDs de funk, shows e afins... E a vontade é uma coisa que depende tão somente de cada um, embora seja influenciada pelo meio.

[Sobre "Nossa classe média é culturalmente pobre"]

por Kelly
22/8/2008 às
13h56

Porque sim... é resposta!
"Por que tanto livro"?. Hã? Como assim?

[Sobre "Ligações e contas perigosas"]

por Kelly
22/8/2008 às
13h45

Estou mais feliz sozinha
Nossa, que texto maravilhoso, concordo em gênero, número e grau... Com certeza, acredito, pois fiz a opção de viver sozinha... Já passei pela fase de casar e confesso não me adaptei: era muito mais triste e deprimida do que agora, que estou somente eu e minha filha.

[Sobre "Sim, é possível ser feliz sozinho"]

por Laura
22/8/2008 às
13h10

Nosso verdadeiro tesouro
Ana, mais uma vez me surpreendes com um texto exemplar. Reminiscências como essas só poderiam ter origem em seres humanos iguais a ti, que és "besta com coisa pouca". Alguém poderia até questionar: mas onde está a beleza de uma "tirada" como essa? Digo: exatamente na simplicidade dela. Talvez por isso, apegamo-nos a tudo que nos cativa, até mesmo a uma cadela, que, ingenuamente, lambe-nos - sem querer, nosso rosto. Em muitas das vezes, não sabemos o que possuímos, todavia, boa parte de nosso tesouro é composta de coisas poucas. Parabéns.

[Sobre "Ligações e contas perigosas"]

por Américo Leal Viana
22/8/2008 às
11h20

por hooby ou oby ou by
Parabéns, Pilar, e muito prazer em conhecê-la, mesmo que a polegadas de distância. Muito eclética sua escrita e curti demais, aliás, graças ao meu "bicho da seda" que é a Greice, minha filha, que também é sua apreciadora e é escritora com obra já colocada no mercado recebi o envio e fiquei muito satisfeito. Realmente voce conseguiu com muita maestria viajar do nada para lugar nenhum e nesse parco intervalo nos divertiu com uma análise que é a cara do nosso mundo. Concordo em gênero, número e grau. Também as vezes escrevo. Por enquanto, mais por hooby ou oby ou by, como voce queira, de resto quero ainda ler muito sobre seus artigos, abraços, Ney, ha, a propósito, sou auto-didata e tecnólogo e não poderia esquecer de dizer que o "bicho da seda" foi meu maior projeto realizado até hoje... Tchau!

[Sobre "Pagã or not pagã, that's the qüestã"]

por Ney Costa
22/8/2008 às
09h31

Conspiração da mediocridade
Parabéns. Vou indicar este texto. Quanto aos comentários, a maioria acima já apontou boa parte do que eu diria. Como crente convicta na "conspiração da mediocridade", só acrescentaria que essa confusão entre poder aquisitivo e classe "média" é deveras cômoda. Não é perigoso se você ganha um pouco mais, ao contrário, serve para calar a boca; perigoso é desenvolver capacidade de reflexão - coisa que o acesso à cultura (cultura mesmo, não a dança do créu, ou BBB) pode proporcionar...

[Sobre "Nossa classe média é culturalmente pobre"]

por Claire
22/8/2008 às
07h41

la Música Brasileña
Hola Julio, ¿cómo estás? Gracais por tus envíos siempre interesantes; esta vez mas especialmente que se trata de la música brasileña. Hago Estudios latinoamericanos y este año tengo una materia sobre la Música Brasileña.

[Sobre "Coleção Folha 50 Anos de Bossa Nova"]

por Marcela Diaz
22/8/2008 às
04h13

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
57048 visitas/dia
2,6 milhões/mês