busca | avançada
54240 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Terça-feira, 2/9/2008
Comentários
Leitores

Preconceito e opinião
Engraçado que o mote usado por comunidades e ONGs raciais, "onde você guarda seu preconceito?", já é um preconceito, porque parte do princípio de que sou preconceituoso. É uma acusação leviana de um crime hediondo. Mas essa é outra história... O preconceito é diferente da defesa de sua cultura e de sua opinião civilizada contra práticas e posturas (aí incluindo a opção sexual e a escolha religiosa). Entretanto, em tempos politicamente corretos, em que o petismo e o neo-socialismo estabeleceram que somos todos preconceitusos, talvez com o objetivo de transformar esse país numa guerra civil sem fim, vejo que fostes contaminado com a necessidade de mostrar que não é preconceituoso... Eu não sou preconceituoso, o que não significa que tenha que adorar hip hop ou achar paradas gay espetáculos de bom gosto. Não sou porque não transformo os meus gostos em "causa social" como andam fazendo as ONGs dos "direitos humanos". Cada um na sua...

[Sobre "Preconceitos"]

por bebeto_maya
2/9/2008 à
00h49

Amor do tamanho do mar
Tão sensível e imensurável o tamanho de um amor.... Ah, se todos pudessem dar e se aquele... soubesse receber. Cada um de nós um dia já jogou ou vai atirar ao mar um amor que não cabe dentro do peito.

[Sobre "O amor que choveu"]

por Denise Loureiro
2/9/2008 à
00h48

China é Made in China
Pós graduação em Publicidade em Oxford? Não vamos valorizar produtos de fora. Propaganda eficiente precisa de recursos para maquiar um produto, precisa de idéias atraentes, além de criar a necessidade do consumo aos futuros consumidores. Para ser mais eficiente, a qualidade do produto ñ pode ser questionada. Por isso, em termos de propaganda, ninguém foi mais revolucionário que os ditadores. Recursos nunca lhes faltaram, bastava assaltar o cofrinho doméstico. Quanto a maquiar o produto, vide as Olimpíadas de Beijing, um show de fogos de artifício. Idéias atraentes sempre existiram e a ingenuidade humana se incumbiu de inventar uma: a mudança do mundo de um dia para o outro. E os pessimistas se encarregam diariamente de criar os consumidores em potencial para esta idéia. Então,para que ir até a velha Grã Bretanha? Os diretórios de certos partidos políticos daqui mesmo estão aceitando vagas p/ o curso de publicidade. Para mestrado, vamos aprender com os mestres e entender q a China é produto made in China.

[Sobre "Made in China"]

por mauro judice
1/9/2008 às
23h56

Jornalista: o eterno estudante
É deveras interessante ler tantas opiniões, umas em concordância e outras não. Sou licenciada em Gestão de Empresas e trabalho como repórter para um canal TV. Não estudei comunicação social, mas sinto que o meu talento é exatamente por aí. Ao contrário do que muitos pensam, para exercer a profissão de jornalista é necessário continuar a estudar por toda a vida...

[Sobre "O que é ser jornalista?"]

por Guimarães
1/9/2008 às
21h58

Proposta utópica
Caro Leo, a demagogia política está transformando jovens idealistas em adultos céticos, descrentes - e não reacionários, como você colocou. Reacionários são os ideólogos (tanto à esquerda quanto à direita) que se recusam a aceitar o mundo do jeito que é hoje, onde não há mais lugar para as polarizações de ontem. Quanto à "arnaldojaborear" sem apresentar uma solução concreta, acho que o voto livre - que propus nesta coluna - pode ser considerado uma das soluções palpáveis. Seria um novo início, pelo menos. Sua idéia de concursos públicos para candidatos é até bem intencionada, mas um tanto utópica. Você acha mesmo que um proposta dessas passaria pelo congresso? Fora isso, você ainda enfretaria a fúria dos politicamente corretos de plantão, seria taxado de "elitista" e "preconceituoso"... dariam o exemplo do Lula e blá, blá, blá... (todo mundo já conhece o discurso).

[Sobre "Voto obrigatório, voto útil... voto nulo"]

por Diogo Salles
1/9/2008 às
20h04

Chico Buarque não quis Roberto
A bossa nova é o clássico brasileiro. Lástima que Roberto Carlos, que sempre foi da jovem guarda e criticava a bossa nova, tanha sido convidado para cantar bossa com Caetano. Bem fez Chico Buarque, que não aceitou cantar ao lado de Roberto...

[Sobre "50 anos de Bossa Nova"]

por Vinicius Branco
1/9/2008 às
19h58

Arnaldojaboreando
A demagogia política consegue aos poucos transformar jovens idealistas em adultos reacionários. O sonho se transforma "nisso que está aí e não vai mudar mesmo". E passamos a "arnaldojaborear" as coisas: aos muxoxos, num pessimismo cúmplice, sem nunca apresentar uma solução concreta. Acredito que há uma solução que aproveita a senilidade institucional ao nosso favor. Se um cidadão brasileiro quite com as suas obrigações pretende prestar concurso público, ele precisa passar num exame de conhecimentos que vão de Português a disciplinas mais específicas ao cargo escolhido. Ou seja, para ter um cargo público, É PRECISO MOSTRAR QUE ESTÁ APTO a EXERCÊ-LO. Aplicando essa forma de avaliação aos futuros candidatos políticos, só quem provasse alguma aptidão poderia concorrer. O que é bom, pois ele passou numa peneira que separa... o joio? Não. A brita do trigo; teríamos uma democracia à prova de idiotas, alguma administração pública de qualidade e quem sabe um pouco da dignidade como eleitores.

[Sobre "Voto obrigatório, voto útil... voto nulo"]

por Leo Cabral
1/9/2008 às
19h23

Não estou entendendo
Na Dinamarca, Noruega e Suécia, por exemplo, temos um excelente IDH (Índice de Desenvolvimento Humano). Todos sabemos que lá existe democracia há muitas décadas. Sendo assim, alguém poderia me mostrar um país sob outro regime político que tenha um grau ao menos razoável do conceituado índice? Ou devemos acreditar que a evolução da Escandinávia se deu pela circunstância de viver no local uma raça superior?

[Sobre "Voto obrigatório, voto útil... voto nulo"]

por mauro judice
1/9/2008 às
15h55

Sonho com novos políticos
Embora o voto nulo seja o efeito do descrédito, acho uma forma perigosa de expressão. Meu medo é que o nulo, juntamente com a desobrigatoriedade do voto, aqui no país em que (nem) todos os homens têm um preço, o povo se transforme em espectador de algum governo totalitário. (Onda que, ao que parece, tomou conta da América Latina.) Talvez eu seja a última crédula, mas acredito nos novos políticos. Digo, nos realmente novos, não os do círculo fechado das "velhas raposas", os dos velhos vícios, onde só entram "camaradas", e só saem aqueles "entregarem" o "esquema". Sinto até uma euforia, em pensar que as "velhas raposas" não viverão para sempre. E os novos políticos (?!)... os da geração que ouvem, desde criança, o conceito explícito, e até agora imutável, da políca suja, corrupta... esses não (não?) poderão permanecer inertes e aceitar o círculo, os vícios. Sim, sou sonhadora, acredito no voto e também que ainda existe(?) um político íntegro, fazendo o que deve ser feito!!!

[Sobre "Voto obrigatório, voto útil... voto nulo"]

por Edi Kersting
1/9/2008 às
14h10

O Conceito de Democracia
Caros leitores, do meu ponto de vista, creio que a discussão sobre voto obrigatório ou nulo, na atual circunstância política, é de pouca valia diante da disseminação da politicagem local e mundial. Aprendi com Hannah Arendt que devemos refletir sobre as questões urgentes do nosso tempo. Atualmente, dentre elas, o próprio conceito de democracia que, desafortunadamente, no panorama político atual, se confunde com uma espécie de totalitarismo das próprias massas (?!), espúrias politicagens etc. etc. Abraços do Sílvio Medeiros.

[Sobre "Voto obrigatório, voto útil... voto nulo"]

por Sílvio Medeiros
1/9/2008 às
10h41

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
54240 visitas/dia
2,0 milhão/mês