busca | avançada
62879 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Quarta-feira, 24/9/2008
Comentários
Leitores

Lerei o Hitchens
Achei do c*** a resenha e lerei o livro. Para a Vanessa Rosa, indico esse trecho do próprio texto: "Mas a discussão inteligente de idéias não é demagogia barata - ela é, necessariamente, elitista. Afinal, nem todos somos inteligentes. Poder intrometer sua opinião em tudo é um privilégio de um país livre, mas que imbecilidades arrogantes sejam desprezadas e esquecidas é um princípio para a construção de uma sociedade civilizada." Abraço para os dois.

[Sobre "O do contra"]

por dante
24/9/2008 às
21h58

Michael Jackson eterno
Só sei que não devemos julgar MJ por notícias veiculadas por uma imprensa duvidosa, afinal, bem aqui pertinho vemos todos os dias nossos astros sendo atacados e tendo que ir a público se defender. Sei que a música dele me acalanta, que me faz feliz e sou fã assumida. A prova disso é que dei seu nome ao meu filho, que hoje tem 30 anos. Isso prova minha admiração pelo astro, pelo homem, e não admito que ninguém o detone. Sou portadora de vitiligo, sei do preconceito, sei dos disfarces que tive de usar pra esconder minhas manchas, da vergonha que tinha no tempo da escola... Hoje sou resolvida, isso não me incomoda mais, e se pudesse teria feito exatamente o que ele fez. As pessoas colocam silicone, fazem lipo e outras cirurgias porque estão insatisfeitas com seu corpo e tudo bem; mas por que MJ tem que ser considerado bizarro? Como alguém pode dizer "fui fã"? Na verdade, nunca foi... Como pode esquecer as alegrias e emoções que ele nos propocionou esse tempo todo?

[Sobre "O enigma de Michael Jackson"]

por Davina Serra
24/9/2008 às
21h53

Caminho de trevas
Luis, esse seu título é irônico. Como precisamos ser ao falar da nossa política. Eu lembro desse dia claramente, da festa nas ruas, de vestirmos a camisa, literalmente, dos candidatos. E bandeirinhas e bonés. Era uma torcida. Estávamos mesmo esperançosos da seriedade política. Hoje, preciso lhe dizer, nem sei onde está meu título. Alienada? Prefiro. Não tenho a disposição necessária para sair de casa e votar em alguém em que não confio. Não tem um sequer em que eu confie, nem para vereador. E lutamos tanto por esse título de eleitor! Prevejo tempos piores e um longo caminho de trevas pela frente.

[Sobre "A evolução da nova democracia brasileira"]

por Andréa Trompczynski
24/9/2008 às
15h15

O homem perfeito
Até que enfim alguém escreveu de maneira decente tudo o que penso do Melhor Filme de Todos os Tempos. Guga, mulher que não ama o Michael é mulher que queima sutiã, como a Kay. Sou muito mais a Apollonia. Se soubessem como é bom ser protegida, aceitariam a porta se fechando vagarosamente no rosto delas, enquanto os peões beijam a mão do Don, na cena final do primeiro filme. Bah, as feministas... Generalizar é uma arte, Guga. Adoro generalizações e posso lhe dizer com toda certeza que o único problema verdadeiro que existe na vida é ser, o Michael Corleone, apenas uma personagem. Ontem assisti novamente a cena da discussão entre Michael e Kay, no segundo filme. Ah, se fosse a Apollonia, jamais levantaria a voz para o Mike. Kay, burra, deixou passar o homem perfeito.

[Sobre "Don Corleone e as mulheres"]

por Andréa Trompczynski
24/9/2008 às
15h03

Uzbequistão, aí vou eu!
Com a perplexidade que o texto causa, a única coisa que dá para perceber é a habilidade do autor em trazer esse universo para nós, leitores. Depois de ler do início até aqui sem ter me prestado a deixar um recado, meus parabéns e obrigado, tu escreves muito bem. Quero ir ao Uzbequistão, agora!

[Sobre "Um brasileiro no Uzbequistão (VI)"]

por bruno
24/9/2008 às
14h35

Tesouros da MPB
É muito bom saber que ainda existem grandes mitos da Bossa Nova no Brasil e no mundo todo. E suas músicas vão ficar guardadas pelo resto de nossas vidas, pois são grandes tesouros. São músicas assim que fazem um mundo novo.

[Sobre "50 anos de Bossa Nova"]

por daiana
24/9/2008 às
14h09

sejam aliados do tempo
Prezados leitores, não, eu não entraria neste barco, não! Confiram o segundo parágrafo da resposta de Odir à pergunta 9: trata-se de uma jornada fatal no que se refere a adquirir uma profunda depressão. Abraços do Sílvio Medeiros. PS. deixem o tempo passar com vagar, sejam aliados do tempo... a exemplo dos gregos, procurem não profanar a "physis": algo comum ao mundo contemporâneo.

[Sobre "Bate-papo com Odir Cunha"]

por Sílvio Medeiros
24/9/2008 às
11h45

o campo das mitologias
Prezados Heloisa Fischer e leitores, no que se refere à música clássica, eu parto da minha experiência pessoal: é preciso que se explore o campo das mitologias, como por exemplo, a mitologia sacra (Bach) e, especialmente, a mitologia grega! O prazer de ouvir uma música erudita não pode estar dissociado do conhecimento prévio dos conteúdos-ensinamentos das mitologias! Abraços do Sílvio Medeiros.

[Sobre "Heloisa Fischer"]

por Sílvio Medeiros
24/9/2008 às
11h19

Precisamos de pouco
Ter a coragem de agir de acordo com suas idéias, princí­pios e valores, vencendo as tentações da sociedade de consumo! Precisamos de muito, muito pouco para sermos realmente felizes! [São Paulo - SP]

[Sobre "Promoção Barqueiro de Paraty"]

por Suzana Silva
24/9/2008 às
11h09

Não desistir dos sonhos
A possibilidade de viver uma vida simples, com tempo para família, com tempo para música, com tempo para poesia é tão distante para mim que só em sonho alcançarei. Mas como o autor mesmo diz: Não podemos desistir do nosso sonho. Abraços. [São Paulo - SP]

[Sobre "Promoção Barqueiro de Paraty"]

por Stefano Neto
24/9/2008 às
11h08

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
62879 visitas/dia
1,9 milhão/mês