busca | avançada
44531 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Sexta-feira, 17/10/2008
Comentários
Leitores

!
Que lindo texto!

[Sobre "O suficiente para ser feliz"]

por Carolina Borges
17/10/2008 às
10h37

Travessia de aprendizado
Ah, Lúcia, que inveja gostosa eu sinto de você, quisera eu, a exemplo de você, ter convivido com o Paulo Francis. Penso que você, Lúcia, guardará esta travessia de aprendizado por todo o resto dos seus dias. Abraços do Sílvio Medeiros.

[Sobre "Meu amigo Paulo Francis"]

por Sílvio Medeiros
17/10/2008 às
10h30

Adorei ler isso hoje
Fantástico! Alguém precisava nos dizer algumas verdades, não? Comecei bem o dia : )

[Sobre "Desventuras Prosaicas"]

por Cris Simon
17/10/2008 às
10h27

Ler: um hábito de mestre
Um velho conceito (talvez uma desculpa de Mestre!) quase sempre aceito: "a leitura começa em casa". Acredito que o estímulo ao hábito da leitura, não pode ser apenas uma responsabilidade da família. Professores que gostam de ler e amam o que fazem, acabam estimulando alunos, cujas famílias não têm esse hábito ou simplesmente não possuem condições de fazê-lo, a entrar no mundo da leitura, literatura, etc. Enfim, quanto mais mestres gostarem de ler, e ensinar, surgirão (talvez) muitos outros escritores como Miguel.

[Sobre "Miguel Sanches Neto"]

por Edi Kersting
16/10/2008 às
19h38

Um defesa de Lynch
Julgar um filme simplesmente por não entendê-lo é um pouco simplista, pois aí estaríamos jogando no lixo todo o cinema cinema que envolve o subjetivo e o surreal. Desta forma, os filmes que Buñuel e Dali também seriam reduzidos à nada. Nem sempre a "história" é o mais importante numa obra fílmica. Lynch gosta de trabalhar com as sensações mais profundas em alguns de seus filmes, e o maior exemplo disso é Império dos Sonhos. Concordo plenamente que é um filme difícil de digerir (eu até mesmo não o recomendo levianamente), mas não tiro os créditos e a ousadia de Lynch em trabalhar o inconsciente, o universo dos sonhos e o lúdico.

[Sobre "Império dos Sonhos, de David Lynch"]

por Alessandro Danielli
16/10/2008 às
17h22

Ser filha de Elis é fácil?
Não ouvi a nova música de Maria Rita. Mas lembro que gostei daquela mistura autêntica do início de sua carreira. Não deve ser fácil ser comparada com a Elis. Mesmo sendo filha, ela não precisa necessariamente cantar como a mãe. Certamente se rompesse com o sistema, ao invés de tentar se integrar a ele, Maria Rita seria mais livre pra mostrar seu talento, livre pra fazer a boa música que sempre fez.

[Sobre "Samba Meu, o DVD de Maria Rita"]

por Edi Kersting
15/10/2008 às
19h54

o deleite de apenas ser
Caro Daniel, numa sociedade justa, nenhum homem precisa esforçar-se para fazer as vezes de herói. Ao contrário, uma sociedade justa implica o deleite de apenas ser.

[Sobre "Homens Especiais"]

por Waldir
15/10/2008 às
17h48

Criticar menos, divulgar mais
Marcelo, parabéns por sua conquista. Neste mundo de ilhas de vendas cheias de traduções e auto-ajuda, é uma vitória conseguir um lugar na estante. Concordo plenamente com sua opinião. De nada adianta apenas encomendar pesquisas sobre percentuais de leitores. Somos os responsáveis por fazer esses jovens perderem o brilho diante de um livro. Critica-se demais, cerceia-se demais, ganha-se leitores de menos. Há tantos autores contemporâneos que envolvem os leitores, nas mais variadas faixas etárias. Autores nacionais ou não. Por que não divulgamos essa literatura? Porque muitas vezes só os clássicos são valorizados. Esses que são imprescindíveis conhecermos, porém que não são de leitura exclusiva nem prioritária.

[Sobre "Literatura é coisa para jovem?"]

por Ana Cristina Melo
15/10/2008 às
14h40

Longa vida à Piauí
Pelo menos esta revista pode provar que dá para fazer algo diferente. Mas o restante do jornalismo dito cultural brasileiro continua com o mais do mesmo, se rendendo às notas e críticas de livros com base no folder recebido, livros de celebridades, espetáculos patrocinados e por aí. Vida longa à Piauí.

[Sobre "Piauí 2 Anos"]

por Fernando Torres
15/10/2008 às
11h38

Um escritor devotado ao ofício
Muito boa a entrevista com Miguel Sanches Neto, um escritor sério, talentoso, competente e devotado ao seu ofício, além de muito boa praça. Suas respostas foram sensatas e precisas. Sanches Neto é uma prova de que a literatura brasileira segue em boa forma.

[Sobre "Miguel Sanches Neto"]

por Luis Eduardo Matta
15/10/2008 às
10h39

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
44531 visitas/dia
1,9 milhão/mês