busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Sexta-feira, 24/5/2002
Comentários
Leitores

para Brown
Para Brown: a pontuação é um magnífico recurso linguístico e existe para ser usada.Saudações.

[Sobre "Sobre responsabilidade"]

por moretti
24/5/2002 às
14h49

indole
Adrianna, quando você for falar da hipotetica índole fóbica do brasileiro em relação a responsabilida inclua a respectiva e correspondente indole austriaca, alemã ,italiana ,etc.Quero dizer, de todos os que assistiam o GP da Austria e vaiaram unissonamente a atitude inacreditavel que viam.E depois da maioria dos jornais europeus que fizeram o mesmo.Ou a indole humana está descambando para a inconsequencia ou essas analises no atacado são furadas.A menos que você me diga quais seus metodos de psicologia social, sua gigantesca amostra com milhares de entrevistados em todo o país me inclui fora dessa por favor.

[Sobre "Sobre responsabilidade"]

por C. Moretti
24/5/2002 às
14h24

Surpresa
Fiquei extremamente surpreso quando vi uma coluna intitulada "Joss Whedon" aqui no Digestivo Cultural e ainda mais surpreso quando li seu conteúdo. Acompanho religiosamente as duas séries citadas (aliás, você poderia ter informado que elas são exibidas na Fox às terças, a partir das 21 horas), de longe as minhas prediletas, e a cada episódio fico boquiaberto com a capacidade de criação do Joss. Pena que, ao que parece, ele terá menos tempo para se dedicar a essas duas crias porque está escrevendo uma nova série para a Fox ("Firefly", na linha sci-fi, que vai entrar no lugar de "Dark Angel" e, suponho, tentar até preencher uma lacuna deixada com o fim de "Arquivo-X").

[Sobre "Joss Whedon"]

por Diego Sana
24/5/2002 às
14h06

Do jazz
Mudando completamente de assunto: Alexandre, o que você acha do jazz ?Sei que você é um cara refinado, leitor dos clássicos, culto e por isso achei que era o melhor para dirimir uma angustia que me atribula.Eu não gosto de jazz e pra falar a verdade chego às vezes a detesta-lo.Ate que ouço uns cinco minutos mas depois simplesmente aqueles solos de bateria ou de bongô não dá para engulir nem a pulso.O que está havendo comigo?Seria eu um tosco que não admira o hoje refinado estilo musical norte-americano(mas que no passado era considerado um enlatado).Serei eu um blasfemo contumaz ,um ímpio que se recusa a ofertar no altar sacrossanto dessa divindade?Não sei mas concordo com quem disse que depois que inventaram o jazz triplicou a população mundial de chatos e que um dos nefastos produtos da Lei Seca foi, além da mafia, o jazz .Por outro lado o blues tem alma, tem vida.Indescritivel ouvir Eric Clapton ou B.B. King.É contagiante!Me desculpa se te ofendi ou a algum leitor que porventura gostem do dito cujo.

[Sobre "Joss Whedon"]

por j. baraúna
24/5/2002 às
13h48

Ainda me restam 35 anos
Olá, Alexandre Depois que saí da infância, daquela época em que para tremer de medo no sofá me bastava a voz da Cuca (hoje tenho medo da Dona Benta), comecei a nutrir preconceito contra a TV. Confesso que atualmente esse preconceito continua, e é tão imenso quanto bobo e desnecessário. Gostaria de ver mais TV, pois a presença dessa caixinha no canto da sala pode ser útil e agradável. Não é possível que nos trinta e cinco anos que me restam de vida não surja um Joss Whedon que possa encontrar portas abertas na TV brasileira. Juliano, não sei de cor a grade da programação televisiva, mas posso afirmar, com preconceito e tudo: canais abertos são lixo total, escorrendo salmoura. Já vi, não gostei, não vejo mais (exceto um futebolzinho de vez em quando ou um filme antigo na madrugada). O orçamento nunca me permitiu fazer uma assinatura de TV, mas depois de ler a coluna do Alexandre talvez eu pense duas vezes antes de jogar fora o próximo panfletinho de promoções para novos assinantes. Abraços Rogério

[Sobre "Joss Whedon"]

por Rogério Macedo
24/5/2002 às
13h11

trabalhadores do Brasil
O que o povo brasileiro mais faz é trabalhar, do misevel ao bem-alimentado(a maioria deles pelo menos).Pergunte ao sujeito que mora na periferia de Sao paulo acorda as quatro da madrugada, passa seis horas por dia no transito e mal consegue viver.Isto porem não quer dizer que o Estado deva ser uma figura paternal que acolha em suas asas os desafortunados os pobres.Sabemos o que isso causa e julgo que o maior exemplo disso é a Argentina e sua tragica herança de peronismo e populismo.O varguismo brasileiro tambem é outro exemplo ainda que menos ilustrativo.Entraanto como já disse o braasileiro trabalha muito e nosso estado apesar de paquidermico é tudo menos welfare, não é um estado- mãe mas um estado- parasita e patrimonialista.Como eu disse no meu texto anterior a afimative action que o Brasil precisa é investimento maciço em educação e as bolsas governamentais não são más .Permitem a uma familia manter o filho na escola mas não são essa fortuna toda que permita a uma familia folgar e viver as custas do estado.Fazemos má idéia dos pobres.A maioria deles tem ambições e não se contenta com quinze reais.Quanto à Lula penso que ele não é o mais indicado para ser presidente entretanto ele é a imagem do que você falou:um homem que venceu pelo trabalho,que mudou sua condição, que ascendeu em relação aos seus pais e avós: a perfeita imagem do imigrante vencedor como penso que foram seus antepassados e como foram os meus.O buraco é mais embaixo.

[Sobre "Bantustões brasileiros"]

por novoa
24/5/2002 às
12h54

Pra variar...
...sua coluna está ótima. Parabéns de novo! Seu primeiro parágrafo está arrebatador! Sempre pensei o mesmo sobre quem generaliza o baixo nínel da TV. Afinal, eu mesmo faço TV, não é?

[Sobre "Joss Whedon"]

por Juliano Maesano
24/5/2002 às
12h38

Boa garimpada
Aí Denis, bela busca que você deu na galera! Espero que volte a escrever e faça uma lista de atrizes, tipo Molly Ringwald, Kelly LeBrock, Ally Sheedy, etc e tal...

[Sobre "Onde estão os ídolos juvenis dos anos 80"]

por Juliano Maesano
24/5/2002 às
12h29

Pense nisso!!!
Realmente desabafei só que nada que eu coloquei é novidade, opinião não muda o mundo eu sei disso. Só que contratos geralmente usa-se a submissão de uma das partes que ao ver como funciona o sistema se sente preso . Logo para quebrar tais contratos vem a tal da indole que se adquire até meados da juventude. Então o alemão que não consegue se relacionar nem com seu irmão este ao término da corrida olhou para ele com uma cara de desprezo que me chamou a atenção. Só faltou o Ralph falar poxa vc não é o melhor para que aceitar este vexame, não foi isso que aprendemos me casa. E tb vc nem comentou sobre o homem aranha não ama e nem arranha.

[Sobre "Sobre responsabilidade"]

por Vinicius Brown
24/5/2002 às
10h22

MAIS UMA VEZ ...
... reparo em mim algo de exilado. Hoje eu assisto muito mais televisão do que há alguns anos atrás. Por que? Porque me exilei nos canais pagos. Nunca assistí "Buffy", nem "Angel", mas sei que existem pois vi-os programados nos seu canal, nas vezes que estou fazendo "zapping" quando um programa termina e espero outro começar. O que prevalece na TV aberta é o gosto do populacho, sendo necessário então que a abandonemos. Caindo na TV por assinatura, tudo muda. Chega até ser irritante quando em certas ocasiões, dois, três, quatro!, bons programas passam ao mesmo tempo, e precisamos sacrificar ao menos um. Está certo, é um "pantagruelismo" televisivo, mas assim que eu gosto. Mas com o povo não se compete, surgindo com isso, duas opções: unir-se a ele em gosto, OU o exílio. Exilando-se o autor da coluna "descobriu" Joss Whedon, mas quantos outros tão bons quanto ele não estão escondidos, esperando ser descobertos? E, sinceramente, embora já tenha visto boas adaptações, prefiro programas escritos "diretamente" para a televisão, pois quem os elabora tem em vista o meio de veiculação. Dostoieviski, ao escrever "Crime e Castigo", por exemplo, não deve ter pensado: "Escrevo isso até aqui, pois em caso de adaptação, haverá um intervalo comercial, daí fica interessante dividir a cena em duas partes". Na minha cabeça de leigo acho que mesmo para o Cinema, essa obra daria trabalho de adaptação, pois a maior parte do enredo passa dentro da cabeça do personagem (a lembrança da morte do cavalo, a febre nervosa, etc). Concluindo: compreendo a satisfação do autor ao deparar-se com um trabalho feito para a televisão, mas com estofo, um trabalho no qual ele encontrou elaboração e cuidado.

[Sobre "Joss Whedon"]

por Ricardo
24/5/2002 às
09h06

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês