busca | avançada
57067 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Segunda-feira, 27/5/2002
Comentários
Leitores

Desculpas com certa nobresa
Aqui retorno, humilde e cabisbaixo, para confessar que não deveria ter feito uma avaliação tão precipitada, e obviamente injusta. De qualquer forma, desculpe-me, Fabio, por sugerir aquela primitiva forma de castigo. Você nem é beneditino, nem franciscano, nem jeusuíta... desconsidere a medieval indicação. Por pia penitência, tentarei ler a biografia de Stravinsky, correndo o risco de ficar decepcionado com a persona(s) do gênio. Sempre me bastou ouvir a Sagração da Primavera, sem considerar o russo feioso e narigudo que estava por detrás daquelas notas... Espero não quebrar o encanto sinfônico. Abraço de mea culpa.

[Sobre "Na zdorovie!"]

por Dennis
27/5/2002 às
15h25

Surpresinhas de Fábio
Tão interessante quanto o livro sobre Stravinsky, ou ainda mais interessante, para não dizer surpreendente, foi este meu encontro com uma nova faceta de Fabio Danese Rossi. Acredita na eficácia da autoflagelaçao monástica, da pia penitência beneditina? Experimente-a, amarrando um barbante na ponta de uma caneta bic. Não esqueça de atar um ninhozinho de pregos na outra extremidade do barbante. O resto você já sabe... Abraços, mesmo assim, porque você sempre escreve bem. Entendeu?

[Sobre "Na zdorovie!"]

por Dennis
27/5/2002 às
13h00

Resposta para Brown
Vinicius, você tem razão, os contratos normalmente são unilaterais, mas o que eu quis dizer é que o Rubinho também ganha com isso, e resolveu pagar o preço. Ele está sendo responsável com os compromissos que assumiu. Como disse no texto, não acho que essa situação seja certa. Não dá para ser maniqueísta, as situações têm várias facetas, algumas boas, outras ruins. Eu peguei só uma delas para analisar.

[Sobre "Sobre responsabilidade"]

por Adriana
27/5/2002 às
12h38

Um dia pedra, outro vidraça
Em primeiro lugar, antes de criticar a pontuação alheia, preste atenção na sua ortografia. Meu nome só tem um "n". Em segundo lugar, acho que você não entendeu o texto. Não louvo a atitude da Ferrari. E mesmo a atitude do Rubinho, só usei para exemplificar a responsabilidade. Em terceiro lugar, se você não está preparado para entender as generalizações presentes nos textos mais elaborados, atenha-se às histórias da carochinha.

[Sobre "Sobre responsabilidade"]

por Adriana
27/5/2002 às
12h33

Brilhantismo tipo B
É deveras interessante o trabalho de tão notável diretor como George A. Romero. Sintetiza-se o brilhantismo de Romero, quando no remake de "A noite dos mortos vivos" da década de 80, a personagem principal diz: "Os zumbis somos nós, nós é que somos monstros, eles só querem paz e comida".

[Sobre "Novo filme de George Romero é terror sutil"]

por Pedro Cândido
27/5/2002 às
10h15

Lamentável
Quem pensa com saudades no passado é dito nostálgico. E quem pensa com temor no futuro, que outra classificação pode ter sem ser "pessimista"? Acho raso demais falar-se em pessimismo. Talvez "enojado" seja um termo provisório adequado. Que outro sentimento ter em uma época na qual a mídia toma dessa gentinha descrita e a alça a um imerecido altar? Nem penso tanto no que essas pessoas lêem ou deixam de ler, mas procuro observar o que elas fazem de tão relevante para que dezenas as idolatrem e milhões homologuem essa baixa idolatria (quer alimentando-a através do consumo dos meios onde ela se manifesta, quer imitando, ou tentando imitar esse estilo de vida). Imagino-me no futuro: se tiver descendentes, que poderei contar a eles desta época? "Crianças, fui contemporâneo de Xuxa e Paulo Coelho!". É um legado que não compensa transmitir a nenhma criatura.

[Sobre "Assim rasteja a humanidade"]

por Ricardo
27/5/2002 às
08h45

sugestão de leitura
Caro Félix, vai aí mais uma sugestão de leitura. Ianoblefe - de Janer Cristaldo, disponível em ebook na EbooksBrasil

[Sobre "Bantustões brasileiros"]

por Person Araujo
26/5/2002 às
16h03

Ao Grande
Prezado Grande, Estava esperando os seus comentários proficionais sobre o aranha,principalmente quanto as comparações entre os HQs e o cinema.Curiosamente tenho uma ligação afetiva muito grande com o aranha,lembro-me que seus desenhos eram exibidos no programa do Capitão Asa na extinta tv Tupi,eu não perdia um. Lembro-me também que de todas as dezenas de fantasias de carnaval que usei na infância a que mais gostei foi a de Homem Aranha,tenho inclusive varios registros fotográficos na referida indumentaria. Ainda lembro que este não foi o primeiro filme do Aranha,houve um outro no final dos 70´s não me lembro se 77,78 ou 79,eu assisti aquele também valeria uma crítica comparativa das duas montagens cinematográficas.No cinema tenho certeza que você ainda não tinha idade para assistir mas já ocorreram inúmeras reapresentaçoes televisivas do Homem Aranha 1. No mais,aceite os comprimentos pelo ensaio e um grande abraço do Fernando.

[Sobre "Valeu a espera"]

por Fernando
26/5/2002 às
10h16

Figurinhas
gostei muito do comentário sobre figuinhas de vcs, me mandem mais por favor

[Sobre "Figurinhas"]

por Diego
26/5/2002 às
10h43

Rennata Concreta Elektra
Sem dúvida, você escreve muito bem e conseguiu dar um retrato perfeito não só da peça do Mario (que eu já tinha visto) com todas as tintas e particularidades das produções do Cemitério de Automóveis, como também aproveitou para colocar bem a questão da divulgação das peças "off broadway" brasileiras, que a "grande" mídia adora ignorar. Sua crítica vai ser adicionada aos meus sites favoritos. Bbeijos e continue na luta!

[Sobre "E Éramos Todos Thunderbirds"]

por Leo JazzOn
26/5/2002 às
02h29

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
57067 visitas/dia
2,6 milhões/mês