busca | avançada
47547 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Quarta-feira, 29/5/2002
Comentários
Leitores

Tsc, tsc, tsc....
Tsc, tsc, tsc... pelo visto mam~~ae além de ñ ter ensinado a respeitar a mulher ñ ensinou interpretação de texto!! Como que alguém que ñ se considera machista acha que programas que realmente possuem "apresentadoras" de valor são aqueles que vespertinos que ensinam mulher a cozinhar, cuidar da casa e dão as últimas notícias de "artistas"? Eu nunca falei que era para proibirem seus textos... Só acho que um site, aparentemente de qualidade, não deveria se sujeitar a publicar um texto que ofende gnds mulheres!! Como alguém pode considerar Rita Lee uma pessoa burra????? Como alguém pode considerar burra uma mulher com tamanha cultura??? Só alguém que ñ aprendeu que antes de escrevermos um texto, temos que tomar conhecimento do seu assunto para poder publicá-lo!!!! Vc nunca deve ter lido, escutado ou visto as entrevistas dessa mulher! Ela tem muito o que ensinar, não só a vc, como muita gente!!! Agora eu me nego, a ficar discutindo que pede para "irmãs" e "amigas" escreverem comentários em seu próprio computador... Continue desse jeito, enquanto elas terão seus trabalhos, merecidamente, reconhecidos, vc vai continuar aí, no esquecimento... Ou ñ, se os programas feminos que passam a tarde são reconhecidos, quem sabe um dia vc ñ faz crítica do lado do Nelsdon Rubens, né?! Abraços para vc também, querido!!!

[Sobre "Com a calcinha aparecendo"]

por Vanessa
29/5/2002 às
21h20

Re: Nem amiga, nem irmã
Oie, Sue Primerio, obrigado pelo mocinha. :-) Tenho 28 anos, sou Engenheira, tbm particpo de um grupo de estudos de cultura celta e germânica, mas com certeza não deve ser o mesmo tipo (estilo) que o seu. ainda bem que você tem acha que titulos e carreira bem sucedida não sejam prova de inteligencia e nem de cultura. Na faculdade tive muitos Prof. Doutores que não conseguiam falar de outro assunto além das pesquisas deles. Admira-me você, com 37 anos, achar que Rita Lee é persona tão grata só por ter escrito o citado verso e pintar o cabelo de acajú. O grande problema do povo brasileiro é uma amnésia gigantesca. Os Mutantes, grupo ao qual Rita Lee pertenceu durante o final dos anos 60 e inicio dos 70, foram os responsáveis pelas maiores inovações no cenário musical brasileiro. Juntamente com os Novos Baianos, Secos e Molhados, Gil e Caetano. Rita Lee é simplesmente a compositora com maior numero de letras censuradas durante o regime militar no Brasil. Rita Lee é uma defensora da natureza e dos animais há muito tempo, quando ninguém falava em preservar o meio-ambiente. Que você não goste da Mônica Waldvogel, Rita Lee, Marisa Orth e Fernanda Young, que discorde da opinião delas, perfeito. Afinal o mundo é feito de pessoas que pensam diferente. Mas não é por discordar do ponto de vista de uma pessoa ou do que ela aparenta ser na tela de uma TV que você pode dizer que estamos nivelando as mulheres por baixo. Estariamos nivelando por baixo se em vez delas, as apresentadoras fossem Carla Perez, Tiazinha, Feiticeira e as duas Sheilas. Elas sim, com suas bundas e peitos de silicone, vendem a idéia de mulheres objeto com a sua dança (sexo quase-explicito difarçado). Elas sim, rebaixam o sexo feminino.

[Sobre "Com a calcinha aparecendo"]

por Yara Romero
29/5/2002 às
21h01

Nem amiga, nem irmã
A todas as mocinhas histéricas que infelizmente abalaram ainda mais a péssima imagem que a machaiada tem do sexo feminino: não sou irmã do Eduardo, não sou amiga dele, não o conheço, sequer moramos na mesma cidade. Não tenho vinte e dois anos, tenho 37, sou professora em duas universidades cariocas, membro de um grupo de estudos de cultura celta e germânica - antiga e medieval - e acho que posso me considerar uma mulher inteligente, apesar de não achar que títulos ou uma carreira bem-sucedida sejam prova de intelectualidade. A Rita Lee é persona tão grata porquê?? Porque algum dia escreveu uma música que dizia "Baila comigo/como se baila na tribo"? Francamente, chamar isso de grande realização, ou mesmo de rima rica é um pouco demais. Pintar o cabelo de acajú, talvez? Ah, peraí vocês estão mesmo a fim de nivelar o sexo feminino por baixo, não é não? Eduardo, se você tem mesmo só 22 anos, então está de parabéns, não só pelo português bom e claro, que as mocinhas que o agrediram tão profunda e gratuitamente mal sabem usar, mas também pelo conteúdo. Infelizmente tenho de concordar com você. Hoje não há programa de qualidade feito por mulher alguma na TV, salvo, com ressalvas, o de entrevistas da Marília Gabriela. Nosso 'sindicato' é por deveras desorganizado e pueril. Um abraço, Sue

[Sobre "Com a calcinha aparecendo"]

por Assunção Medeiros
29/5/2002 às
20h16

Letrados & nazistas
Concordo quanto ao Hitler, Alexandre. Mas e os cultíssimos nazistas/fascistas Martin Heidegger, Ezra Pound, Louis-Ferdinand Céline? Não me parece que, nesses casos, "mais e melhores leituras" tenham adiantado muito. Um abraço.

[Sobre "Quem Não Lê Não É Humano"]

por Júlio
29/5/2002 às
20h08

Ah, Globo, Globo...
Ah, Augusto, a questão da Globo é que eles às vezes, sem querer, compram uma série que presta, como COSMOS (achando, talvez, que é uma espécie de Globo Rural do espaço), e depois não passam, ou passam em horários irregulares. Sem contar a vulgaridade das chamadas. Lembro de uma, de Angel, que era mais ou menos assim: "Esse Anjo muito maluco veio pra deixar a galera arrepiada!". Não é de estranhar que você não tenha querido ver. Se o Novo Testamento fosse um filme e fosse passar na Globo, a tradução do título seria: "Um Carpinteiro Muito Louco". E a chamada seria assim: "Esse cara muito doido estava a fim de armar uma com os romanos!"

[Sobre "Joss Whedon"]

por Alexandre
29/5/2002 às
18h14

Resposta
Não seja tão relativista assim, Toni. Não me confunda com um atorzinho da Globo ou algum figurante do BBB. Se alguma fama tenho, ela se deve a 41 anos de atividade jornalística, em veículos como Tribuna da Imprensa, Correio da Manhã, Jornal do Brasil, revista Senhor (a original), Veja, Pasquim, Opinião, Isto É, Folha de S. Paulo, Estado de S. Paulo etc, e não a aparições em programas de TV ou em festas badaladas pela revista Caras. Outra coisa: não disponho de uma coluna no Digestivo. Este site apenas transcreveu dois textos de minha autoria, por acaso publicados na Bravo!, onde, aliás, também despertaram enorme interesse, embora lá eu não possa ser apontado nem como o mais “chique” nem como o mais “famoso” dos colaboradores, o que, portanto, invalida a sua tese de que aqui só me dão guarida e atenção por eu ser quem sou (ou você pensa que sou). No mais, pegou mal insinuar que o editor deste site é um oportunista ou coisa parecida.

[Sobre "Assim rasteja a humanidade"]

por Sérgio Augusto
28/5/2002 às
20h06

Abobrinhas.
Você está com a cesta cheia de abobrinhas? Que coisa, né? Vai ver pq os unicos elogios que vc recebeu foram das suas irmãs e do Oswaldo que no minimo deve ser seu amigo. Você simplesmente se acha "O Intelectual", ser intelectualizado não é apenas ler livros de autores estrangeiros, dar valor apenas ao artistas e pensadores externos. Mas parece que pra você só tem valor se algo for indicado pelo melhor canal, o Arts & Letters. Concordo que ele é excelente, mas não é o único. O Saia Justa tenta mostrar algo diferente, mulheres conhecidas e inteligentes sim dando a sua opinião sobre diversos assuntos. Mas para você só existe o Paulo Francis e o Nelson Motta. Eu assisto aos dois programas. Na verdade é uma perda de tempo discutir com alguem que estudou na FGV. Ah! Só mais uma coisa: o que você considera uma pessoa culta e inteligente?

[Sobre "Com a calcinha aparecendo"]

por Yara Romero
29/5/2002 às
15h29

Responsabilidade x seriedade
Ahhhhhhhh, agora eu entendi tudo!!!! São suas irmãs? Claro, só tendo o mesmo DNA pra concordar com você, afinal tem que dar uma forçinha pro irmãozinho adolescente que tá querendo se enfiar em alguma aréa que dê o que falar. Tá vendo que nem todo mundo que lê estas tais críticas são tão imbecis a ponto de não perceber estes 'recursos complicados da internet'? Aliás é complicado só pra você! Mas, como falou a Yara, quando vamos analisar qualquer coisa que seja, temos que ter cuidado pra tentar analisar com um mínimo de responsabilidade e seriedade porque quando não fazemos isto corremos o risco de sair por ai fazendo discursos alienados e que não condizem com a verdade, pelo simples fato de "agitar". Mônica Waldvoguel, além de ser uma excelente jornalista, é altamente culta e inteligente; Rita Lee é uma pessoa à parte, dispensa qualquer tipo de comentário, pois, até quando não fala nada, é inteligente, interessante, moderna, culta, sábia... Marisa Orth mostra que Magda e ela são pessoas dissociadas, embora poucos consiguam ter esta percepção. Tem se mostrado com boa desenvoltura e suas colocações etão a cada dia melhores. E a Fernada Young, com aquele discurso pós-moderno, também mostra que mesmo sendo escritora, tatuada, agitada, é o estereotipo da mulher brasileira atual. E desde quando o programa teve a intenção de mostrar uma conversa informal e informativa? Eles estão ali pra falar o que quiserem e muito bem. E olha que quem escreve isto aqui não é nenhuma mulherzinha medíocre que não tem o qu fazer nas quartas a noite e depois de Jade vai assistir ao Saia Justa. Ao contrário, posso dizer que faço parte da elite brasileira intelectualizada. Então, aconselho você a assistir mais uns programas e só depois disto se atrever a escrever qualquer tipo de comentário...

[Sobre "Com a calcinha aparecendo"]

por Karla Albuquerque
29/5/2002 às
15h09

Perturbar a Rede Bandeirantes
Temos que nos unir para constantemente pedir a Rede Bandeirantes volte a exibir,possuo TV por assinatura ( TVA-RJ ), mas os canais que são oferecidos em nenhum deles passa o seriado e aproveitando a oportunidade gostaria de saber se é só na Multishow que passa, e tambem gostaria de receber tudo quanto é informação. Existe alguma forma de comprar em vhs todo o seriado?

[Sobre "Anos Incríveis"]

por Wilson F. Gama Jr.
29/5/2002 às
14h55

Com a cesta cheia
Yara,
Sinceramente, eu bem que queria levar as suas também: mas suas abobrinhas são tantas, e tão pesadas, que quase não cabem mais na minha cesta. Tentemos, porém.
Eu recomendei o "Arts and Letters" porque ele é um bom canal para o que há de interessante na Internet, o que significa, para quem ainda não tem os miolos queimados pelo "Saia Justa", que ele não é a "única coisa boa que existe na face da terra". Me desculpe se todas as suas referências intelectuais são brasileiras e fracas, a ponto de definir a Mônica Wxyowglw como a "melhor repórter existente no momento", as participantes do "Saia Justa" como "algumas das mentes femininas pensantes mais importantes do final do século XX", e eu como "um americanizado metido a intelectual". Meus pêsames. Mas vai nessa, vai: continue lendo a biografia da Marisa Orth - que eu tenho mais o que fazer. Vou voltar a catar coquinho. Beijos,
Eduardo

[Sobre "Com a calcinha aparecendo"]

por Eduardo
29/5/2002 às
15h23

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
47547 visitas/dia
1,6 milhão/mês