busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Quarta-feira, 4/2/2009
Comentários
Leitores

Também gostei
Concordo com o que foi dito no comentário acima (ou abaixo, não sei), gosto é realmente algo pessoal. Achei o filme ótimo e ainda melhor quando comparado a outras produções brasileiras. Além de possuir várias leituras, o filme consegue ser comercial e, ao mesmo tempo, apresentar aspectos artísticos bem interessantes. Só ratificando: Raimundo vai tentar a sorte no Sul, mais especificamente em Curitiba, e não no Sudeste como foi citado...

[Sobre "Estômago, com João Miguel"]

por Igor
4/2/2009 às
16h23

Ótima entrevista
Lúcia Guimarães é uma jornalista inteligente, culta, articulada e altamente consciente do seu trabalho. Concordo com muitas coisas que ela diz e até já disse coisa parecida em relação ao jornalismo cultural: hay que ter cultura: ler, ir a teatro, cinema, frequentar galerias e museus, enfim, saber do que rola nas áreas que se pretende cobrir e pesquisar muito. Parabéns e sucesso para ela no site onde acabei de dar uma passada. Ah, sim: ela enriqueceu muitíssimo o Saia Justa...!

[Sobre "Lúcia Guimarães"]

por Ana Lúcia
4/2/2009 às
13h50

Eu gostei
Para ver como gosto é algo realmente pessoal... rs. Gostei muito de "Estômago", especialmente das cenas com comida. É um filme para o estômago, para pensar sobre a maneira como preparamos nossos pratos e a própria vida. A relação clássica com uma prostituta, a coxinha famosa e o novo patrão... É mesmo uma história datada e já vista tantas vezes, mas achei que, por João Miguel estar lá, com aqueles trejeitos encabulados, tudo ganhou alguma graça. Além do suspense que ronda seu olhar de menino inocente. A cena do banquete para os presidiários é minha preferida. E assim segue a vida dentro ou fora da cadeia...

[Sobre "Estômago, com João Miguel"]

por Bia Cardoso
4/2/2009 às
13h50

O tempo e os comentários
É visível que os comentaristas diminuiram, que o número de blogs explodiu e que os egos andam cada vez mais aflorados, porém há outras questões que contribuem para a diminuição dos comentários. Dentro dos blogs a regra "quem comenta muito, tem mais comentários" é real. Mas para isso é preciso tempo e não dispomos tanto dele. Em Brasília, imagino que a grande maioria dos blogueiros trabalhe em algum órgão público. Eu trabalho e vários blogs e endereços são bloqueados. Fazia comentários naqueles minutos de folga que tiramos durante o dia durante o trabalho. O fenômero dos feeds ajuda bastante. Uso o Google Reader e por ele não tenho como comentar, então às vezes não comento porque o site está bloqueado no trabalho ou a página demorou para abrir. E ainda tem o que a Adriana disse, o volume de textos aumentou muito. E os bolhas, trolls e péssimos comentadores continuam por aí, sem nada melhor para fazer. Mas gosto de tecer comentários em blogs, o diálogo proporcionado ainda é o melhor...

[Sobre "Declínio e Queda do Império dos Comentários"]

por Bia Cardoso
4/2/2009 às
13h43

Desvendando os gênios
Uma viagem rápida pela história que oferece uma visão geral dos conceitos do que é ser gênio. Um texto elucidativo que vale a pena ser conferido. Parabéns.

[Sobre "Gênio: apontamentos ensaísticos"]

por Adriana Godoy
4/2/2009 às
11h22

Conheço alguns gênios...
Essa questão do que é ser gênio sempre vai deixar profundas lacunas na história da humanidade. Há aqueles consagrados, como Da Vinci, Beethoven, Einstein, Pelé (entre tantos). Todos esses inquestionáveis em seus talentos, pelo senso comum. É difícil encontrar algum ser humano que conteste essa genialidade. Mas há outros talentos geniais que se escondem em lugares diferentes do planeta que só serão reconhecidos pelos que convivem mais de perto e, provavelmente, nunca serão descobertos. Eu, felizmente, conheço alguns. Gostei de seu texto. Muito gostoso de se ler. Abraço.

[Sobre "Gênios"]

por Adriana Godoy
4/2/2009 às
11h10

Que simpática entrevistada!
Hoje os jovens jornalistas (e outras profissões) são mes ruins, por causa da péssima qualidade da educação. (Afigura-se-me que os políticos querem deixar o povo na ignorância, só para se perpetuarem no poder...)

[Sobre "Lúcia Guimarães"]

por Neli Faria
4/2/2009 às
10h33

Questão de netiqueta
Prezado Julio! Em aula, costumo "impor" algumas regras de convivência, entre elas, o celular colocado no silencioso, afinal, parece que todos usam celular, mas poucos sabem usá-lo. Talvez, este raciocínio possa valer para os comentários, expressões do tipo "muito massa", "urra, legal" não satisfazem, é preciso ter conteudo próprio, idéias próprias (e, portanto, leituras e uma mínima noção do mundo circundante) para postar comentários "inteligentes". Ouso pensar que nos faltam pessoas inteligentes, carecemos de indivíduos capazes de se posicionarem, afinal, no país do "sifu" e do presidente que afirma, categoricamente, que não lê, o que se pode esperar???

[Sobre "Declínio e Queda do Império dos Comentários"]

por Elaine dos Santos
2/2/2009 às
23h06

Meio do caminho!
Concordo em inúmeros pontos da coluna. Acho mesmo que o jornalista acredita ser superior a todos os novos conceitos da atualidade. Acontece que, nós, que somos da nova geração de jornalistas, ficamos no meio termo entre os antiweb e os vencidos pela web. Somos aqueles que gostariam de fazer à moda antiga mas sabemos que no formato atual as coisas fluem mais rápido! Obrigada pelos esclarecimentos que você colocou no espaço, foram de grande valia. Abraços, Luciana Meningue

[Sobre "Por que os blogs de jornalistas não funcionam"]

por Luciana Meningue
2/2/2009 às
14h42

Site sem comentários
Oi, Julio! Nunca pus a ferramenta de comentários, porque é cada bobagem que a gente até se desanima (como aqueles do BigBrotherBrasil). Como não faço crônicas, nem artigos sobre assuntos atuais, e apenas posto agenda semanal, contos, críticas de livros/filmes e minhas poesias, acabo preferindo que a pessoa interessada em dialogar entre em contato diretamente comigo...

[Sobre "Declínio e Queda do Império dos Comentários"]

por Paula Cajaty
2/2/2009 às
14h32

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês