busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Terça-feira, 3/3/2009
Comentários
Leitores

Um retrato com as palavras...
Pilar: Adorei seu texto. Sabe que é assim mesmo? Exatamente como descreveu. Bom ler você. Sua descrição perfeita me fez viajar pela cidadezinha, ficar com vontade de conhecer o Amarildo. E ainda tem mais, dar a maior risada com a bronca que o meninhinho deu na mãe. Hehe! Não pude resistir.

[Sobre "Um dândi na bolha do tempo"]

por Anny(Anna)
3/3/2009 às
14h55

As mulheres de Hollanda
Convivo com a obra de Chico Buarque, tocando-a ao piano, cantando e degustando as suas maravilhosas letras, desde 1968. Professora de Educação Musical em escola pública, foi ali, entre os adolescentes sob minha orientação, que aconteceu a minha reação maior contra a ditadura que, na época, nos obrigava ao silêncio e à submissão. Meus alunos cantavam todas as músicas do Chico, depois de fazermos o estudo do seu texto e de nos apropriarmos da mensagem embutida sob aparente inocência ("Cale-se, vai passar..."). Ainda hoje muitos deles se recordam da sua indignaçao contra o poder dos militares e das suas atitudes covardes, discutidas em nossas aulas. Percebo no Chico um grande conhecedor da alma feminina que me conquistou e a inúmeras outras mulheres com sua sensibilidade, inteligência e... seus olhos. Sua obra tem sentido atemporal; retrata emoções amordaçadas e acorrentadas pela figura feminina de todos os tempos. A peça "Mulheres de Hollanda" reflete isto muito bem!

[Sobre "Chico Buarque falou por nós"]

por Beth Castro
2/3/2009 às
20h23

Quero a receita!
Preciso desesperadamente da receita, por favor, quando (e se...) descobrir, envie para minha caixa de emails. Obrigada, Amaltea

[Sobre "Receita para se esquecer um grande amor"]

por Amaltea
2/3/2009 às
14h02

Crítica ou marketing?
Camilo, é difícil ler um texto que expresse com clareza a finalidade da crítica. A situação piora à medida que o objeto observado se encontre envolvido na subjetividade do gosto pessoal, não encontre referência acadêmica por ser notadamente um produto de vanguarda, derive de experimentações estéticas e licenças artísticas e, principalmente, na forma que o novo propõe síntese. A crítica contemporânea celebrou o fetiche produto transformando o artista em artífice, agregando ao resultado do seu trabalho um valor contemporâneo capitalista que não estabelece um valor real artístico. O consumo em massa despersonifica e todos ficam ávidos para dar um verniz de originalidade na continuidade do óbvio. Li outro dia que determinada banda tinha "atitude", é certo que tal declaração tem muito da espontaneidade que se ajusta a uma determinada faixa de público, não favoreceu em nada na compreensão do conteúdo do objeto observado. Marketing é um dos vícios destas práticas e nada tem de arte.

[Sobre "Pra que serve um crítico musical"]

por Carlos E F Oliveira
2/3/2009 às
10h25

Com a popularização da Web...
Olá, Luiz, lendo o seu artigo veio-me a seguinte questão: com tantos blogs existentes, o quadro "os brasileiros não leem e não escrevem" não estará em processo de modificação? Não estarão os blogs, através desta oportuna "igualdade de palavra para todos", contribuindo, de uma forma diferente, mas eficaz, para uma, digamos, "melhoria na educação"? Sei lá, acho que a realidade tende a tornar-se mais atraente com a crescente popularização da internet...

[Sobre "Blablablogue"]

por Angela Mendez
2/3/2009 às
10h00

Nessa imensa blogosfera
Prezado Luiz, tive a honra de ter sido aluna do Nelson de Oliveira na Unip e tenho certeza de que o livro ficará muito bom. Nelson tem muito bom gosto e sei que vai saber pinçar nessa imensa blogosfera os textos mais interessantes para os leitores. Um abraço da Bia

[Sobre "Blablablogue"]

por Bia Nunes de Sousa
2/3/2009 às
06h40

Ao menos um consolo
O Daniel me consolou!

[Sobre "Ponto de Vista"]

por jaques
1/3/2009 às
17h29

Internet demais cansa
Os jornais sempre existirão, assim como as revistas. O que sempre aconteceu de melhor com a revolução tecnológica foi o poder de escolhas que as pessoas têm. Quem vai à banca de jornais continuará indo. É gostoso folhear o papel. A geração dos anos 50 e 60 continua lendo jornais. Vejo jovens também lendo jornais porque o mesmo (internet) também cansa.

[Sobre "A Morte dos Jornais, na Time"]

por Gelza Reis Cristo
1/3/2009 às
16h11

Chinese Amazing!
Bela matéria! Chinese Democracy: it's amazing!

[Sobre "Chinese Democracy: grande disco"]

por Mystery Woman
1/3/2009 às
13h36

Scraped, do Guns
Parabéns pelo texto. Sou fã do Guns, porém sou mais fã de música, e o que eles fizeram em "Scraped" foi fenomenal.

[Sobre "Chinese Democracy: grande disco"]

por Willy Lima
28/2/2009 às
22h33

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês