busca | avançada
70777 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Sábado, 7/3/2009
Comentários
Leitores

Hiponga, thank God!
Graças a Deus tenho ranço de hiponguice encrustado e quando vi a capa do filme, fui direto nele. Depois que fui ver que era do Sean Penn. Fiquei embasbacada. Muito forte, muito bom. E aconteceu uma gracinha, ainda: enquanto eu o via, quis me fotografar e o fiz. Tirei um autoretrato pela primeira vez assim: vendo um filme. De tão mexida que fiquei. A hiponguice de novo "gritou", achei lindo!

[Sobre "Na Natureza Selvagem, de Sean Penn"]

por Gabriela Galvão
7/3/2009 à
00h07

A natureza é um mito
Belíssismo filme... Mas me parece que a "lição" é dizer que não existe possibilidade de retorno à natureza, pois o mito da pureza dela é destruído quando ele é envenenado pela própria natureza ao comer uma planta, que, sem as informações dos livros (domínio da ciência sobre a natureza), se tornou fatal para ele. A natureza é um mito. E é um perigo, pois cria e destrói na mesma medida. O que é da natureza o homem não come.

[Sobre "Na Natureza Selvagem, de Sean Penn"]

por jardel dias
6/3/2009 às
16h25

Jornais com os dias contados
Os jornais tradicionais que cumpriram o seu papel de jornalismo e informação durante a era de Gutemberg (seria primo do Undenberg?) estão com seus dias contados. A era digital veio introduzir uma nova maneira de ver e traduzir as notícias. A decodificação dos assuntos globalizados em produtos de consumo instantâneo... Como dizia o velho baiano Gilberto Gil, "...falam tanto de uma nova era... que esquecem do eterno é... só você poder me ouvir agora... já significa que da pé..." (belos versos). Ainda não sabemos bem para onde vamos, mas sabemos que estamos indo... Abraços, Clovis Ribeiro

[Sobre "O fim (da era) dos jornais, por Paul Starr"]

por Clovis Ribeiro
6/3/2009 às
11h00

Cara de chupa ovo
Bem, eu não gosto do Sean Penn, principalmente depois que ele deixou de ser um bom ator de comédias e resolveu provar que é capaz de ter uma profundidade intelectual qualquer, emulando Ingmar Bergman ou algo assim. O filme não se sustenta em seu roteiro triste e rígido (sim, rígido), é monótono e o brilho (se tiver algum) vem exclusivamente da fotografia. Diálogos previsíveis, situações previsíveis, déjà-vu e o final borocochô que Sean Penn prepara pacientemente para incomodar os espectadores. Como sempre. Incomodar o público é uma intenção e já deixou de ser lugar comum para se tornar cacoete dos cabeções anos 60. Ou seja, dá um pouco de preguiça de Sean Penn. Mas eu também tenho uma preguiça mortal só com a idéia básica do BBB, por exemplo. E a audiência é enorme. Acho que sou mais outsider do que Sean Penn é capaz de imaginar, eheheh. Além disso, e para ninguém me acusar de intelequitual, o Sean Penn tem uma cara de chupa ovo.

[Sobre "Na Natureza Selvagem, de Sean Penn"]

por Guga Schultze
6/3/2009 às
10h34

Qual o sentido da vida afinal?
A vida, que muitos passam anos procurando, Chris MacCandless encontrou em quase 1/4 de século. Qual o sentido da vida, afinal? Encontrar seu caminho - ainda que seja breve e viver conforme as escrituras -, ou lutar para viver um século sem encarar a vida de frente, se escondendo pelos cantos e driblando a morte? Li o livro "Into The Wild - O Lado Selvagem" e assisti ao filme "Na natureza Selvagem". Acredito que ele tenha encontrado, em sua breve jornada, a paz interior, deixando um rastro de otimismo e amizades verdadeiras, encontrando a luz que todos buscamos e morrendo com a paz espiritual almejada. Excelente texto, Borges, principalmente pelo desfecho.

[Sobre "Na Natureza Selvagem, de Sean Penn"]

por Gleiciano Sacramento
6/3/2009 às
08h52

Vida e morte na viagem
tô na espreita pra ver se passa na minha cidade... até por outros filmes "parecidos" que gosto - "inocência selvagem", "dersu uzala", "homem urso", "montanha dos gorilas" - mas, sem deslumbramento, quero entender essa de morrer de fome por descuido, parece morrer como escravo do senhor liberdade e bem maltratado - bad trip. fora ideias religiosas, Francisco (o de Assis) fez o mesmo, sofreu muito e curtiu muito mais cercado de Clara e amigos... ah, sim, o Sean Penn tem valido cada vez mais o ingresso e/ou a locadora (eu e meu filho assistiremos ainda umas quatro ou cinco vezes "I'am Sam") construindo uma bela e sólida carreira, depois de sandices juvenis rsrsrs - very good trip!

[Sobre "Na Natureza Selvagem, de Sean Penn"]

por sandra vissotto
6/3/2009 às
08h03

Por uma nova convergência
Culpar a TV a cabo pela programação? Poderíamos dizer que ela vende o que queremos comprar. Nós é que pioramos, dia após dia. Ou nos transformamos? "Agora que podemos viajar para qualquer lugar, não mais precisamos tomar os poetas e os criadores de mitos por testemunhas seguras sobre fatos questionados." Heráclito. Muita informação e pouca escolha. Estamos - momentaneamente - com a vista nublada, poluída. O nosso velho jornal vem agonizando há tempo. Perdendo leitores. Talvez a questão se resolvesse com entretenimento de boa qualidade que despertasse a curiosidade, não a morbidez. E o jornal, com o privilégio da leitura como meio, pudesse oferecer mais análises e interpretações que fatos. Essa seria uma nova convergência. Será?

[Sobre "O fim (da era) dos jornais, por Paul Starr"]

por Djabal
6/3/2009 às
07h03

Escrever me dá paz
Escrever, para mim, é uma arte. Minha habilidade com a palavra escrita compensa minha timidez e minha falta de tato para relações interpessoais. Além disso, consigo expor meus medos, minhas angústias, minha imaginação e até mesmo experiências não vividas. Escrever me traz uma paz, uma plenitude, me acalma a alma. Quando escrevo não penso em agradar e/ou conquistar leitor algum. Quero apenas deixar fluir as mais profundas prospecções a respeito da vida, do amor, pessoas, fatos e meu eu. Além disso, grande parte do que escrevo mantenho guardado, em sigilo, a sete chaves, até que a coragem me faça compartilhá-los com alguém ou publicá-los.

[Sobre "Por que você escreve?"]

por Edi Kersting
5/3/2009 às
21h42

A arte que vem da crise
Acho que é por aí, sim, que muita coisa legal acontece... sou um pouco mais velha do que você, convivi - sendo mais jovem e menos engajada - com as energias de criação de incríveis artistas nos longos anos de ditadura no Brasil e aprendi muito. "Pasquim", Henfil, Millôr, letras e melodias, textos e espetáculos teatrais, Ferreira Gullar, uma overdose: contribuição inestimável, amigo ;-)

[Sobre "A Criação em tempos de Crise"]

por Gisele Lemper
5/3/2009 às
20h50

Escrevendo para si mesmo
Por pensadores leia escritores cujas obras têm um cunho social, como Dickens: seus livros são um retrato perfeito da era Vitoriana, e também uma crítica... É claro que não falta sensibilidade à obra de pensadores, mas não é o foco. Já os sentimentais se contentam apenas em escrever seus "sofrimentos". Um choro eterno e idiota sobre a vida. Assim como Oscar Wilde, que você citou: escritor pobre e fresco. E o bom escritor não escreve para agradar os outros, nem para desagradar: escreve para agradar a si mesmo.

[Sobre "Por que você escreve?"]

por Felipe
5/3/2009 às
20h47

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
70777 visitas/dia
2,4 milhões/mês