busca | avançada
53121 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Segunda-feira, 20/4/2009
Comentários
Leitores

Nunca é tarde para cobrar
Lógico que o conteúdo deve ser cobrado. Jornalistas, escritores... não vivem de brisa. Não acho que seja tarde, Willian...

[Sobre "Jornais: conteúdo pago?"]

por Ana L.Vasconcelos
20/4/2009 às
12h38

Fã da Cultura
Eu sou mais que um cliente da Livraria Cultura, eu sou um fã dessa empresa que sabe como tratar o cliente com respeito. A revista em questão é excelente! Uma das melhores publicações culturais que temos no país, sem sombra de dúvida.

[Sobre "A Nova Revista da Cultura"]

por thomas
20/4/2009 às
10h20

Fala sério...
"A verdade é que o direito à comunicação é anterior ao direito dos jornalistas." Corolário 1 - "Logo a fofoca é nata ao ser humano social". Corolário 2 - "Os jornalistas têm o direito sobre todas as águas para lavar as mãos". Corolário 3 - "O Direito do Editor de brecar o Dever da matéria é o seu Dever para com o Direito do Leitor".

[Sobre "Pelo direito à comunicação"]

por Dalton
20/4/2009 às
08h25

Penso, logo a coisa existe
O calo do Einstein não foi na MQ. O posterior Princípio da Indeterminação do Heisenberg já era suspeitado desde o Planck, que deu nome aos Quanta. O calo estava na velocidade do Fóton, 540 mil km/s, superior aos 300 mil Máximos e Absolutos da Luz e do Michelson. Por qual razão o Trem de Einstein viajava a 240 mil no seu Paradoxo do Tempo? É só somar. Mas para provar isso Einstein teve de mostrar que na Propagação da Luz tanto Newton quanto Maxwell estavam certos, quando a Propaganda já oficializara a ideia ondular do segundo como a certa. Por Einstein, o Eletron é onda, que energizada sobe ao Nível Quântico Superior, se transforma no Corpúsculo do Newton e despenca na forma de Luz colorida, de acordo com o nível abordado, estudo "aceito" depois por Bohr. Ao confrontar Newton com Maxwell recentemente, a "Propaganda Credora" jamais poderia promover um novo confronto patrício entre Einstein e Michelson, pois Einstein estava certo: - Se não pensarmos na Coisa, ela é, apenas, Invisível.

[Sobre "A revolução dos q-bits, de Oliveira e Vieira"]

por Dalton
20/4/2009 às
08h01

Vai um sushi-pagode aí?
Sushi-jazz tudo bem. Agora, sushi-pagode não ia dar certo.

[Sobre "Sushi Jazz"]

por Renato
19/4/2009 às
19h55

A diferença está no conteúdo
Interessante a abordagem do texto. Existe, sim, um certo incômodo quando aquele restaurante até então "bem-frequentado" começa a ser invadido pela massa, pedindo pão com mortadela, falando alto e fazendo algazarra. Existe um sentimento de invasão, que o seu reduto de paz e tranquilidade (supondo que você seja o rico na história) perdeu-se em meio a uma inundação de "pobretões sem cultura". Entretanto, na internet o que define a pobreza ou riqueza acaba sendo o conteúdo, já que todos que estão ali têm o mesmo acesso a tudo. Não existe diferenciação de classes no aspecto econômico, mas sim no aspecto intelectual. Vemos de repente milhares de pessoas que não têm nada a acrescentar a não ser comunidades inúteis num português totalmente errado e que não levam nada a sério. Não se pode afirmar que essas pessoas são "os pobres". Podemos encontrar muito "playboy" nesse meio que nunca trabalhou na vida, não tem opinião sobre nada e só entra pra falar da festinha de final de semana...

[Sobre "O Orkut, o Twitter e o Existir"]

por Estevão
17/4/2009 às
20h18

O talento de cada um
Diante da massificação acadêmica e cultural da nossa sociedade o grande diferencial é mesmo o talento de cada um. [Salvador - BA]

[Sobre "Promoção Desafiando o Talento"]

por Ana Carolina Alencar
17/4/2009 às
11h33

Salário exige talento
Sim, eu acredito em talento, acredito que o talento é inerente ao homem, pois viver, nos dias de hoje, com um salário mí­nimo, por exemplo, exige talento; transitar em vias esburacadas exige talento; pagar todos os impostos e ainda manter seu negócio de pé exige talento; assistir aos telejornais, ou lê-los e não querer morrer de ódio dos nossos governantes exige talento; ou seja, ser brasileiro, exige talento e muita criatividade. [Jales - SP]

[Sobre "Promoção Desafiando o Talento"]

por Cláudia Faria
17/4/2009 às
11h32

Prática sempre supera
O talento, na verdade, vem da obstinação. Mesmo que exista, de fato, algo inato em qualquer pessoa, a prática sempre supera qualquer coisa. Eu não acredito, por exemplo, que Rubem Braga escrevesse tão bem se não praticasse, basta comparar as suas primeiras crônicas com as últimas. [Curitiba - PR]

[Sobre "Promoção Desafiando o Talento"]

por Everson Navarro
17/4/2009 às
11h32

Sucesso e escolhas
Não. Acredito que o que conhecemos como talento seja um somatório de esforços e dedicação. Uma pessoa bem-sucedida fez escolhas, não nasceu com elas. [Rio de Janeiro - RJ]

[Sobre "Promoção Desafiando o Talento"]

por Bárbara Silveira
17/4/2009 às
11h31

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
53121 visitas/dia
2,0 milhão/mês