busca | avançada
75720 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Sexta-feira, 15/5/2009
Comentários
Leitores

Ele é inesquecível
Sim, já vivi um amor proibido, porque quando o conheci ele era casado, mas eu não sabia... Ele me falou pouco tempo depois. Terminei, mas as afinidades foram mais fortes (papo, educação etc.) e namoramos muito tempo mesmo, contra tudo e todos. Mas, depois de muita felicidade, e também choros, não deu certo, pois alguém nos separou. Ele é inesquecível... [Campina Grande - PB]

[Sobre "Promoção Elogio da Madrasta"]

por bianca
15/5/2009 às
11h36

Diferença social
Sim. Meu primo se apaixonou por uma moça humilde, mas a família era totalmente contra. Ele lutou, lutou e, como a família dele não a aceitava, teve de abrir mão de toda estabilidade/riqueza para viver esse amor. Hoje, passados vinte anos, estão super bem, com filhos, e dizendo aos quatro ventos que tudo aquilo valeu demais a pena! [São Paulo - SP]

[Sobre "Promoção Elogio da Madrasta"]

por Wilian Valter Losche
15/5/2009 às
11h35

Zuenir cronista
Em suas palavras, realidade e ficção se fundem e confundem de uma maneira irresití­vel e inteligente. [Rio de Janeiro - RJ]

[Sobre "Promoção Sábado dos Meus Amores"]

por Marcela Rodrigues
15/5/2009 às
11h34

Paixonite sarada
A pior das situações quando fui adolescente foi estar encantada, apaixonada por um rapaz e de repente ele chegar e pedir minha ajuda para conquistar uma amiga minha por quem ele estava apaixonado. Me desconcertou. Acabei por sondá-la para ele, mas ela não se interessou. Continuei amiga dos dois e, anos depois, contei a ele, quando minha paixonite já havia sarado. [Curitiba - PR]

[Sobre "Promoção Elogio da Madrasta"]

por joseane baratto
15/5/2009 às
11h34

Marido nervoso
Sim, ao namorar uma mulher casada que fugiu e foi morar comigo com três filhos, e seu marido tentava me matar todos os dias. Salvei-me. Amém! [Porto Alegre - RS]

[Sobre "Promoção Elogio da Madrasta"]

por Vitor Hugo Vieira
15/5/2009 às
11h34

Questões in...
Sim, todos os meus amores foram proibidos, por uma questão "in": incompatibilidade, incompetência, intolerância, intocabilidade, intransigência; nessa mesma ordem ou vice-versa, só mudando os caras! [São Paulo - SP]

[Sobre "Promoção Elogio da Madrasta"]

por Selma Santos
15/5/2009 às
11h33

Diferenças afastaram
Já. Mas não teve um final feliz. Ele era casado e durante um tempo foi legal. Mas, depois, as diferenças acabaram falando mais alto e nós terminamos. [Porto Alegre - RS]

[Sobre "Promoção Elogio da Madrasta"]

por Debora Lemos
15/5/2009 às
11h32

Paixão à primeira vista
Claro que sim. Ela, inocente, tinha 13 para 14 anos, ele, muito simpático, tinha 35 para 36 anos. Foi paixão à primeira vista. O momento mágico do encontro dos olhares foi na casa dela. Ela, criada sob rí­gidas regras, se apaixonou por um colega do pai dela. Ele trabalhava com maquinário para abrir loteamentos, ela, filha de dono de comércio que se sustenta com construções. Absolutamente a história mais marcante da vida de uma jovem que jamais havia namorado ninguém. E, dia por dia, ele estava lá. Ele a respeitava como nenhum outro é capaz de fazer hoje em dia. Mas, como dizem, o que é bom dura pouco, durou apenas 2 anos, isso sem ninguém saber... Somente os dois. Em uma ligação, entre tantas, ela fez uma pergunta que a fez chorar a noite inteira. "Você quer algo sério comigo?" E ele, naquela voz triste que dava até dó... "Não posso, jamais seus pais aceitariam". Depois dessa ligação, durou apenas mais 2 meses o namoro: ele teve que partir para outro loteamento. Ela jamais o esqueceu. Apesar de saber que ele já casou, apesar de ver o irmão dele na faculdade onde ela estuda, ela jura que nunca mais ligou pra ele depois que ele casou. Apesar do aperto no coração e das lágrimas rolarem de felicidade quando pronuncia o nome dele, ou quando encontra o irmão e vê em seu rosto os traços do amado, ela jura que não fará nada para destruir a vida dele. Mas ainda lembra de todos os momentos... O primeiro beijo, a primeira vez que ele pegou na mão dela, as loucuras para conseguir um telefonema para a casa dele... E até de um sonho que ela teve, em que ela tinha se perdido já fazia muitos dias, chegou em uma casa e pediu abrigo, mas, ao final da tarde, ela percebeu que quem a recebeu foi a mãe dele, e ele chegou do trabalho. Quando a viu ficou tão feliz que no dia seguinte providenciou o casamento para então poder deitar-se com ela. Para toda a vida do casal. Infelizmente, essa história não pôde terminar assim, mas ela espera que ele seja muito, mas muito feliz, onde quer que esteja e com quem quer que esteja.

[Sobre "Promoção Elogio da Madrasta"]

por Andréia Cristina
15/5/2009 às
11h17

Matou a pau!
Ana Elisa, sem mais comentários. Gostei muito do texto todo, mas o último parágrafo "matou a pau"! Grande abraço, Áurea

[Sobre "Cupido era o nickname dele"]

por Aurea Thomazi
15/5/2009 às
10h50

Pianola vulgarizou Beethoven
Já diziam há mais de 100 anos: a pianola vulgarizou as sonatas de Beethoven, coisas assim. Azar de quem se acha superior aos vulgares.

[Sobre "Olhar Direto, de Paul Strand"]

por Felipe Pait
15/5/2009 às
09h26

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
75720 visitas/dia
2,6 milhões/mês