busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Domingo, 9/6/2002
Comentários
Leitores

A poesia, o peso e a pluma
Acho que Mario Quintana tinha também a mesma vocação de Lear. Seus poemas são tão singelos que certa vez um militar que compareceu a um lançamento de um livro seu disse-lhe: "Gostei muito de seus poeminhas". Então, Quintana respondeu: "Muito obrigado por sua opiniãozinha". Outra demonstração - esta mais radical e sisuda - de desapreço pela mania humana de levar as coisas muito a sério é o filme "Barry Lyndon", de Kubrick. Estou chocado até hoje com a habilidade do diretor em mostrar os limites que pode atingir a paranóia humana. Parabéns pelo texto, Alexandre. Gostei do "Assunción", no comentário 4! Cara amiga Sue, não te aches pesada, pois tu és leve como uma pluma e teus argumentos são certeiros como um punhal! Saudações, Evandro.

[Sobre "A Guerra contra a Chatice"]

por Evandro Ferreira
9/6/2002 às
22h10

Nada de pepinos...
Isso aqui virou um restaurante de primeira categoria! Então lá vai a boa de hoje: filé grelhado com bacon, arroz piemontês com champignons, batata sauté. Radicalmente diferente das demais propostas, hein? Pra falar a verdade, detesto pepinos. Quando muito, os aprecio dentro de um sushi de salmão. Aliás, não posso nem falar de sushis. A última vez em que fui a um rodízio japonês, quase fui parar no hospital, de tanto que comi. A gula é coisa feia e não combina com a boa cozinha, mas às vezes é inevitável! Deve ser, portanto, exceção e não regra. Assim também a alegria de um povo sendo usada como alienação: deveria ser exceção e não regra. Mas a exceção precisa ter o seu lugar garantido. Cadeira numerada no Maracanã!!

[Sobre "O Primeiro Jogo"]

por Evandro Ferreira
9/6/2002 às
21h56

Iam, iam...
Lá vai a dieta pro espaço. Bom, com o xará e o Evandro ajudando... podemos começar com uma bruscheta com bastante alho, e por aí vai. Bom finzinho de domingo para todos. Alexandre

[Sobre "O Primeiro Jogo"]

por Alexandre Ramos
9/6/2002 às
21h41

Almoço de domingo
É verdade! É domingo... dia de se fazer uma comidinha mais especial. Senta então, Alexandre, deixa os pepinos de lado um pouco que eu vou buscar o presunto de Parma e um pão italiano. Aqui já tem um pratinho de muzzarela de búfala fatiada, temperada com azeite e orégano. Enquanto você belisca, deite-se naquela rede bem ali, que eu vou terminar de fazer o talharim ao pesto. Gosta de um tinto encorpado? Trago já, já... Beijos da Sue.

[Sobre "O Primeiro Jogo"]

por Assunção Medeiros
9/6/2002 às
16h17

Interesses
Muito obrigado pelos parabéns, Ricardo. O que acontece é que assuntos como este, de um nível ligeiramente superior ao do Saia Justa, não interessam à "elite intelectual brasileira" que me xingou no fórum do "Com a calcinha aparecendo". Aquele abraço, Eduardo

[Sobre "Em busca da pureza perdida"]

por Eduardo
9/6/2002 às
14h13

Volte sempre
Muito obrigado, Ricardo, pela leitura e pelo elogio, deste texto e, especialmente, do "Em busca da pureza perdida". Volte sempre, abraço, do
Eduardo

[Sobre "Com a calcinha aparecendo"]

por Eduardo
9/6/2002 às
13h45

Então tá então
Os pepinos estão ótimos, obrigado. Um fiozinho de azeite não vai mal. Estou com os romances do Isaias Pessotti aqui ao lado, pensando se vou reler algum deste domingão de sol, mas o problema é que se fala muito em comida nos três, e só coisa italiana boa, aí fica difícil resistir a um pulinho na geladeira para pegar um golinho de vinho, um tiquinho de queijo, sabe como é... Enfim, concordo quanto ao panem et circenses, e há um antecedente ilustre: "Noventa milhões em ação, prá frente Brasil, do meu coração..." Beijo, Alexandre

[Sobre "O Primeiro Jogo"]

por Alexandre Ramos
9/6/2002 às
12h47

Ao vencedor, os pepinos!
Caro Alexandre (Ramos), eis o seu prato de fatias de pepino... Eu cortei igualzinho eles fazem nos restaurantes japoneses... o sal, não coloquei, porque às vezes exagero no sal. :o) Enfim, aqui estão os pepinos e o saleiro, divirta-se! (Também trouxe o azeite e o limão, just in case)Enquanto você come, acho que preciso explicar melhor minha posição: eu sou do mesmo tipo de torcedora que você, e devo torcer com o mesmo entusiasmo. Não acho que a população deva ser privada de suas alegrias, pequenas ou grandes. Senti horrores quando o Senna morreu, e fiquei indignada com o Barrichelo, pelo que fez. Tudo bem passional à italiana, honrando o sangue que tenho. Nada tenho contra o Big Brother. Entretanto, eu não gosto de ver que a alegria de um povo é usada para o adormecimento de sua consciência. Não suporto o controle estatal na vida dos indivíduos. Justamente por pensar que a vida e a sociedade só acontecem entre o eu e o tu, diretamente, que não acredito em coisas como a Campanha do Betinho contra a Fome e essa exacerbação da torcida futebolística patrocinada pela Rede Globo,pois este tipo de ação institucional nunca é o que aparenta. Era a este pão e circo que me referia, ao original, à estratégia dos Césares para a dominação. Já tem pepinos o suficiente? ;o) Beijos da Sue.

[Sobre "O Primeiro Jogo"]

por Assunção Medeiros
9/6/2002 às
09h39

Ué...
Gente, entrei aqui só pra dar uma olhada, não imaginava que estava rolando essa tertúlia futebolístico-gastronômica. Por favor, quero os pepinos em fatias finas, longas, só com uma pitada de sal. Quanto a futebol, passo. Tenho uma tradição de assistir somente aos jogos da Seleção, torcer como um celerado e depois do jogo ser incapaz de dizer o nome de quem (eventualmente) fez gol. Sim, acredito em pão e circo, ou sopão e big brother, se preferirem. E um amigo, esquerdista a não mais poder, estava reclamando comigo das perversidades do "neo-liberalismo" jornalisticamente em vigor no Brasil até ficar um pouquinho consolado quando, com meia-dúzia de fatos, desses que estão encostados no nariz, observei que nunca em toda a história deste país tivemos tanta interferência do Estado na vida privada dos cidadãos como hoje. (Agora volto calado pro meu canto: já fiz por merecer os meus pepinos temperados apenas com uma pitada de sal, e é bom que venham logo)

[Sobre "O Primeiro Jogo"]

por Alexandre Ramos
9/6/2002 às
09h14

AQUI ESTÁ.
A qualidade deste texto é resposta suficiente a quem criticou de forma tão infantil o anterior. Parabéns.

[Sobre "Em busca da pureza perdida"]

por RICARDO
9/6/2002 às
02h23

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
33925 visitas/dia
1,4 milhão/mês