busca | avançada
47877 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Sexta-feira, 28/6/2002
Comentários
Leitores

Eu sou Cruzmaltino
Esqueci de algo: pra que serve mesmo uma elite intelectual brasileira?

[Sobre "Ludopédio em Pindorama"]

por Fernando Paiva
28/6/2002 às
09h07

Eu sou Vascaíno
Qual não foi a minha surpresa quando começei a ler as réplicas e tréplicas e me deparei com o oportuno comentário do atleticano Fred Neumann! Acrescento: o fato de achar Copa do Mundo a coisa mais importante do, transcende o dilema pão ou circo. Tem mais a ver com amor. E isso, meus caros, é impossível racionalizar ou controlar. Por amor sou vascaíno antes de ser brasileiro. Por amor - cego - sou incapaz de vociferar contra o pulha do Eurico Miranda sinceramente. Por amor, mando a ética pro espaço e comemoro triunfante um título com gol ilegal.

[Sobre "Ludopédio em Pindorama"]

por Fernando Paiva
28/6/2002 às
08h46

Comédia por dentro
Mas eu falei na comédia como um estado mental - por dentro - nada de Raskolnikov por dentro, portanto...Raskolnikov não vivia por dentro uma comédia leve francesa (nem por fora)- vivia por dentro uma tragédia nihilista alemã...Se fosse um pouquinho mais superficial, um pouquinho mais frívolo, não precisaria nem de machadadas, nem de lágrimas e redenção espalhafatosa. Não é? Mas vá tentar explicar isso para os russos...Um abraço- Alexandre.

[Sobre "Comédias leves"]

por Alexandre
28/6/2002 à
00h28

ESTRAGA PRAZERES ...
Não me alongo pois não quero estragar a leitura alheia. Mas que eu tenho certa desconfiança de quem leva a vida em uma comédia leve, isso eu tenho. Por fora "Seinfeld", por dentro Rodion Romanovich. Pode ser coisa de um velho jovem desconfiado, mas sei lá ...

[Sobre "Comédias leves"]

por RICARDO
28/6/2002 à
00h10

Eu sou Marginal
Perspica-me a inépcia para a compreensão das pessoas. Nestas horas, só posso concluir que cada um lê o que quer, as palavras escritas são apenas um estímulo para que cada um fique correndo atrás do próprio rabo. às vezes reajo, às vezes me dá uma preguiça...

[Sobre "Ludopédio em Pindorama"]

por Fina Endor
27/6/2002 às
14h57

Sem terceira opção
É mesmo, Fina? E em qual dessas duas categorias você acha que está?

[Sobre "Ludopédio em Pindorama"]

por Isabel Bispo
27/6/2002 às
13h45

Programa de Auditório
Evandro, grazie. E os programas de auditório italianos são especialmente horríveis. Lembro de um em que os convidados iam entrando no palco ao som da música-tema de Guerra nas Estrelas. Um abraço, Alexandre.

[Sobre "Grandes Carcamanos da História"]

por Alexandre
26/6/2002 às
21h32

Gustavo Corção
Não segundo Gustavo Corção. Ele é católico - para ele o Renascimento foi uma inversão de valores, e o Iluminismo foi a intensificação do mesmo processo: cientificismo, materalismo, ateísmo, superficialidade etc. Quanto a mim, quase sempre concordo com Corção - é um grande livro.

[Sobre "Grandes Carcamanos da História"]

por Alexandre
26/6/2002 às
21h20

Pra tirar uma dúvida,
caro Alexandre, você disse que ficou "...convencido quando Gustavo Corção escreveu, no seu livro “Dois Amores, Duas Cidades”, que o Renascimento foi mais um passo pra trás do que um passo pra frente- em termos filosóficos, espirituais, morais." Só para me certfificar, o contrário disto teria sido o Iluminismo?

[Sobre "Grandes Carcamanos da História"]

por Ricardo Lopes
26/6/2002 às
13h48

No jardim da infância
Ôpa, Rafael Sempre fui ruim em escrever num "estilo absurdo". E foi isso que tentei fazer escrevendo com espanto "Então foi Fídias quem descobriu o belo?". Senti-me, como resultado dessa inaptidão, um menino no jardim da infância recebendo uma lição óbvia demais para um adulto: "Rogério, a beleza já existia antes de Fídias". Mea culpa. E até o próximo texto. Abraço

[Sobre "Pi, o [fi]lme, e o infinito no alfa"]

por Rogério
26/6/2002 às
13h52

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
47877 visitas/dia
1,6 milhão/mês