busca | avançada
62879 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Quinta-feira, 12/11/2009
Comentários
Leitores

Qualquer um será jornalista?
Que uma coisa se propague com força não quer dizer que tem sentido ou seja certa - vide o caso Geisy, no qual, no momento, a multidão se envenenou, mas nem por isso se acha corrreto o que fizeram... O Ministro Gilmar Mendes disse que o jornalista não tem impacto na sociedade, como um médico ou um engenheiro. Vamos ver, mais adiante, quando uma dessas pessoas "noticiosas" resolver brincar com a informação... É cansativo discutir isso, quando todo mundo acha que pode exercer um profissão sem nem saber como, por quê e sob que princípios...

[Sobre "The Guardian contrata blogueiros para fazer jornalismo"]

por Aline Braga
12/11/2009 às
08h50

Parabéns pelo texto!
Depois dele, todos vão ler Zola. Temos vários mundos. Em muitos deles estão o ambiente e os personagens de "Germinal". Aqui, em Fortaleza, há um lixão chamado de "jungurussu", onde, diariamente, os feios, parecidíssimos com os de "Germinal", se batem com os animais, disputando o lixo... E tem gente que ainda acha que não vale a pena lutar... Será melhor admirar os vasos gregos e nada mais?

[Sobre "Um conselho: não leia Germinal"]

por ana tavares
11/11/2009 às
19h31

Coisa de criança, não
A Pixar mudou o mercado, pois acredita nos sonhos e os leva a sério. É uma empresa que não os trata como coisa de criança e, por isso, nunca está satisfeita. Sempre inova, com cada vez mais riqueza de detalhes, a cada animação...

[Sobre "Promoção: A Magia da Pixar"]

por Bárbara Lino
11/11/2009 às
15h51

Sem heróis típicos
Ela renovou o modo de contar uma história, modernizando seus personagens que não eram heróis protagonistas típicos, mas ganhavam a cumplicidade de quem os acompanhava. Além do visual 3D com muito mais realidade e ampliação de mercado competitivo (gerando, por sua vez, qualidade no setor). Mas nada disso tem razão senão pelo sorriso de uma criança. [Sorocaba / SP]

[Sobre "Promoção: A Magia da Pixar"]

por Camila Santos
11/11/2009 às
07h58

Nova animação 3D
Ela reinventou o mercado de animação, praticamente criando as bases para uma boa animação 3D, com ótimos trabalhos e ideias magníficas. Todas bem divertidas. [Olinda - PE]

[Sobre "Promoção: A Magia da Pixar"]

por Thales Henrique
11/11/2009 às
07h57

Fantasia e realidade
Sim. Eles devolveram a magia ao cinema de animação, tornando possível uma maior interação entre a fantasia e a realidade... [São Paulo - SP]

[Sobre "Promoção: A Magia da Pixar"]

por eurandi de oliveira
11/11/2009 às
07h56

Parabéns
Estou conhecendo agora o Digestivo Cultural (infelizmente) e gostaria de parabenizar, você, Pilar Fazito, pelo excelente texto. Me identifiquei bastante, principalmente pela linha do tempo. Estava achando que estava andando na contramão de tudo. Parabéns.

[Sobre "A graça da coisa"]

por João Paulo Matos
10/11/2009 às
14h38

As partes de um filme
A grande inovação da Pixar, na verdade, foi ter um enorme cuidado em todos os processos de um filme (roteiro, direção etc.). É isso que verdadeiramente podemos aprender com a Pixar: ser extremamente respeitoso com todas as partes de um filme, pois é assim que se fazem filmes que ficam para a História. [Rio de Janeiro - RJ]

[Sobre "Promoção: A Magia da Pixar"]

por Ulisses Teixeira
10/11/2009 às
13h20

Não, não concordo
Porque estamos em processo de resolução da crise financeira de 2008. Um acontecimento grave, como este, não tem dia e hora marcados para acabar, é digerido com o passar do tempo em estágios diferentes, nas diferentes áreas afetadas e, a meu ver, é isso o que temos hoje. [São Paulo - SP]

[Sobre "Promoção Crash de 2008"]

por Rosangela Camara
10/11/2009 às
13h19

O sistema é matar ou morrer
Sou professor, estou procurando emprego, e tudo que me dizem é: "procure um político", no caso das públicas; nas privadas, "sem contato, não vá". Como eu posso ser um professor assim, que vou pregar a democracia, a liberdade, a autoestima? Não dá, cara, o sistema é matar ou morrer. E olha que tenho dois cursos, artigos publicados, especialização, vou publicar um livro, e ninguém dá a mínima para o meu currículo. Preciso me prostituir, ou procurar um político ou ter alguém que me indique. Onde fica o mérito? O esforço pessoal? A realidade é bem mais crua que o cinema e as letras...

[Sobre "Sociedade dos Poetas Mortos"]

por Ronaldo Magella
10/11/2009 às
13h02

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
62879 visitas/dia
1,9 milhão/mês