busca | avançada
52043 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Sábado, 14/11/2009
Comentários
Leitores

Podemos mudar o mundo
Julio, ótima cobertura! Vou voltar sempre! Mas não deixei de ser um sonhador! Lógico que podemos mudar o mundo! Abs.

[Sobre "No InterCon 2009 I"]

por Gil Giardelli
14/11/2009 às
09h58

O exercício de ser o outro
Não concordo. É preciso aprender a respeitar o direito e vontade do outro. Precisamos entender que nem tudo pode, ou deve, ser comercializado. Nesse caso: se houve uma declaração expressa do autor falecido, de que não desejaria a exposição do seu trabalho inacabado, cabe a cada um de nós fazer algo simples: o exercício de se colocar no lugar do outro. [Salvador - BA]

[Sobre "Promoção: O original de Laura"]

por Daniel M. Lopes
13/11/2009 às
14h43

Simonal vive!
Fabuloso! O Livro, o Simonal e o teu texto! Já encabeça a minha lista de pedidos ao velho Noel! Dá-lhe! Simonal vive!

[Sobre "A Vida e o Veneno de Wilson Simonal, por Ricardo Alexandre"]

por Adriana
13/11/2009 às
13h26

Morreu, dançou
Mas é claro! Que me desculpem os autores mortos, mas o fato de eles estarem mortos já é uma razão a mais para editar os seus últimos escritos. Nada mais virá de suas lavras, pois então que nos deem seus restos. Se a psicografia tivesse credibilidade e a qualidade do suposto espírito incorporado, ele mesmo poderia terminar sua obra, mas aí já seria bobagem... Antes os restos que nada!!! [Almirante Tamandaré - PR]

[Sobre "Promoção: O original de Laura"]

por Leandro de Almeida
13/11/2009 às
09h13

Obra inacabada não é menor
Eu acredito que o manuscrito deve ser publicado para que possamos conhecer a "incompletude" da obra, cujo fato de estar inacabada não diminui seu valor. Quem disse que tudo precisa ter começo, meio e fim? [Rio de Janeiro - RJ]

[Sobre "Promoção: O original de Laura"]

por Julio Cesar Collares
13/11/2009 às
09h12

Por que não respeitar?
Não concordo! Se ele expressou a recusa, por que não respeitar? Deve ter tido motivos para não permitir, e merece ser respeitado em sua vontade.

[Sobre "Promoção: O original de Laura"]

por maria alcover
13/11/2009 às
09h11

Se não for mais segredo...
Sim, pois se alguém já o encontrou e leu, não é mais segredo... então pode ser dividido entre todos. [Rio Negrinho - SC]

[Sobre "Promoção: O original de Laura"]

por Elidiane Ferreira
13/11/2009 às
09h10

Independente do autor
Claro que sim: não fosse isso, quantas preciosidades não teríamos perdido? A obra existe independentemente do autor; a partir do momento em que foi escrita, ganha vida própria e responde por si mesma. Há um quê de sublime, quase transcendente, no escrever. Acredito que o autor é simplesmente um meio para realizar algo maior, de modo que a vontade/opinião dele são quase encampadas diante de suas linhas. [Campinas - SP]

[Sobre "Promoção: O original de Laura"]

por Rayssa Ávila
13/11/2009 às
09h05

Genial: almoço presencial!
Depois de meses enviando energia no Mafia Wars, colhendo frutinhas de sua fazenda, abrindo caixinhas virtuais com itens para árvores de natal, adicionando amigos em comum, dando RT no Twitter, resolvemos almoçar juntos hoje... E descobrimos presencialmente que viajamos para os mesmos países da Europa, conhecemos as mesmas figuras carimbadas da praia no Guarujá e que temos valores e aspirações em comum. Pintou clima? Não! Não era esse o objetivo, mas o estreitamento de uma amizade virtual, que, graças às redes sociais, migrou para o mundo real. Bendita rede mundial de computadores, que, paradoxalmente, nos torna cada dia mais HUMANOS!

[Sobre "Passado, presente e futuro das mídias sociais, por Erik Qualman"]

por Marcelo Zanzotti
12/11/2009 às
17h50

Li Lolita e gostei
Não sei e não tenho a mínima idéia. Mas li um livro ("Lolita", é claro) do falecido e gostei. [São Paulo - SP]

[Sobre "Promoção: O original de Laura"]

por Lajos Attila Sarkozy
12/11/2009 às
12h20

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
52043 visitas/dia
2,0 milhão/mês