busca | avançada
84470 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Quarta-feira, 30/12/2009
Comentários
Leitores

Sobre os ensaios
No meu ponto de vista, a literatura apenas segue uma tendência minimalista mundial. Usam-se computadores para acelerar cálculos, alguns deles, inclusive, usamos sem nem saber como são feitos. A formulação matemática fica para trás em prol da interpretação do resultado. As viagens agora são de avião, e cada vez mais rápidas. Um mesmo livro é facilmente lido por vários indivíduos ao mesmo tempo, uma discussão em torno dele não pressupõe um resumo detalhado, mas pode mesmo acontecer em diálogos que nunca serão escritos em papel, ao contrário de como acontecia no passado, quando além de o encontro físico ser mais difícil, o número de cópias não possibilitava a disseminação do texto. O aumento absurdo da oferta de livros, contos e material literário quase que obriga a existência de uma modalidade catalogatória de escrita. Isso não significa, no entanto, que os resumos e ensaios tenham acabado, mas apenas que não seguiram o mesmo ritmo de crescimento que a internet.

[Sobre "Entre o jornalismo e a academia"]

por Miguel Lannes Fernan
30/12/2009 às
11h42

Função da crítica
Ronaldo, se a crítica não tem mais poder de destruir um livro, ainda teria o de promovê-lo? Ou nem isso? Ainda há críticos que conseguem olhar na multidão os diferenciados e apostarem nas promessas?

[Sobre "Entre o jornalismo e a academia"]

por Renato Lima
30/12/2009 às
10h57

Liberdade, hein, aonde?
Toda a liberdade é do tamanho da borracha de um estilingue, num país que é governado por uma república popular, você tem o limite de esticar a borracha e receber um pedrada no olho. E num país como o nosso a liberdade é comprada a preço de ouro. E qualquer blogueiro que um dia tiver que sair do país, sem ter o dinheiro pra bancar, é um Deus nos acuda. Pra receber um Prêmio no Panamá, um educador brasileiro precisou justificar com o governo do Estado, levou falta do trabalho, precisou justificar no Banco do Brasil, que ele ganhando tão pouco poderia sair do País. E conseguiu essa façanha. Com isto vejo a dificuldade em todos os níveis. Por isto a liberdade é uma ponta de expressão perdida no vazio contemporâneo em busca de um contexto cultural.

[Sobre "Yoani Sánchez no Brasil"]

por Manoel Messias Perei
30/12/2009 às
08h27

Basta cuidar do jardim
Aprenda a gostar de você, em que ele diz que não se deve correr atrás das borboletas, basta cuidar do jardim. Gosto porque faz com que aumentemos nossa autoestima e, consequentemente, melhoremos todos os setores de nossa vida. [Rio de Janeiro - RJ]

[Sobre "Promoção Haicais de Quintana"]

por Ana Paula de Brito
30/12/2009 às
08h26

Poema se sente!
Era o que mais ouvia minha vovó recitar, que saudade...! Afinal, como dizia: poema não se entende, poema se sente! [Rio Negrinho - SC]

[Sobre "Promoção Haicais de Quintana"]

por Elidiane Ferreira
30/12/2009 às
08h24

Vermelho sempre na fita
Se for socialismo o vermelho é o empregado. Se for capitalismo o vermelho é o empresário. O legal é que não precisa mudar a figura!

[Sobre "Um país de barnabés"]

por Francisco A Alves
29/12/2009 às
21h36

Lobby italiano?
Sou obrigado a concordar com o Antonio Panizzi. Sinceramente, atribuir o desdém brasileiro pela cultura portuguesa (desdém que inegavelmente existe e do qual eu parcialmente partilho) a um lobby italiano só pode ser piada. Assim como é piada tentar comparar a contribuição italiana à cultura ocidental com a pífia contribuição portuguesa, que começa e acaba em Fernando Pessoa (ninguém, rigorosamente ninguém fora dos países lusoparlantes sabe quem é Eça ou Camões, dois escritores de segunda linha). É até ultrajante colocar os dois legados lado a lado. Portugal é e sempre foi um país periférico na Europa, enquanto a Itália é um dos grandes centros da cultura ocidental. Isto é um fato simplesmente indiscutível e incontornável. Quanto aos imigrantes, bem....os italianos foram tão ignorantes quanto os portugueses. A diferença é que os primeiros legaram as riquíssimas cidades do Sul do país, enquanto os portugueses legaram botecos imundos :-) E olha que sou neto de portugueses!!!

[Sobre "Grandes Carcamanos da História"]

por Zé DH
29/12/2009 às
21h35

MPB e a turma do protesto
Interessante lembrar que os talentosos Caetano, Chico e outros grandes da nossa música eram "engajados" como meio de vida, ganharam bastante dinheiro gravando suas músicas em gravadoras multinacionais, protestar dava uma boa grana...

[Sobre "O Rei Roberto Carlos e a Ditadura"]

por Ed
29/12/2009 às
17h06

Pedra rolada
Meu poema preferido é "Pedra rolada". Um poema lindo, que explica a importância das pessoas que encontramos em nosso caminho... [Fortaleza - CE]

[Sobre "Promoção Haicais de Quintana"]

por Leustene Vieira
29/12/2009 às
14h46

Acordar para dentro
"Sonhar é acordar-se para dentro." Porque o poema não é uma representação do real, mas uma entrada para a profundidade secreta da natureza. A atração é gerada não pelo emblema retradado em fonte (Arial, Times etc.), mas puramente pela energia que a sustenta. De modo particular e espontâneo, Quintana, sem esforço ou hesitação permite que a transitoriedade das situações gere sensações que emanem de forma singela, com força e ausência de propósito exterior, apenas a relação consigo mesmo, atuar e se envolver no meio, sem ser do meio, preservando a essência nas divagações externas mediante a ação reflexiva. [Planaltina - GO]

[Sobre "Promoção Haicais de Quintana"]

por Edson Lima
29/12/2009 às
14h44

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
84470 visitas/dia
2,7 milhões/mês