busca | avançada
114 mil/dia
2,3 milhões/mês
Segunda-feira, 8/2/2010
Comentários
Leitores

Lindo
Que texto lindo, Ana! Sei que pode parecer um comentário bobo, mas meus olhos ficaram bastante cheios d'água com o último parágrafo.

[Sobre "O menino mais bonito do mundo"]

por Juliana Galvão
8/2/2010 às
18h44

Coleção Para Gostar de Ler
Fui ler seu texto por achar que haveria referência a uma antiga coleção chamada "Para Gostar de Ler", onde havia contos de autores consagrados como Rubem Braga, Drummond, Fernando Sabino e Paulo Mendes Campos, voltados para leitores adolescentes. E foi através desta coleção que eu realmente comecei a "gostar de ler"... Você descobriu a poesia, eu, os contos. Onde foram parar essas pequenas joias que iluminaram minha infância/adolescência? Será que só eu sinto falta delas?

[Sobre "Para gostar de ler?"]

por Paulo Mauad
8/2/2010 às
18h34

Ainda outra dúvida
Há propósito para a vida? A arte tem algum propósito? Aliás, há utilidade na arte? No entanto, o que pensar daquele que vive sem ela?

[Sobre "O menino mais bonito do mundo"]

por Paulo Mauad
8/2/2010 às
15h45

Não existe melhor
Todos falam bem o português. A fala não é instância de controle gramatical. Tentar fazê-lo é preconceito linguístico. Da mesma forma, não existe melhor ou pior português escrito. Existe português mais ou menos adequado, dependendo da instância em que se está comunicando. [Brasília - DF]

[Sobre "Promoção: ABC da Língua Culta"]

por Denise Macedo
8/2/2010 às
13h12

A escola sempre leva a culpa
Haha. É mesmo incrível essa coisa dos pais com as palavras. O mais engraçado é que não prestam atenção ao que eles mesmos dizem. Especialmente quando brigam e discutem (ou quase se matam) na frente dos filhos. Depois não sabem onde aprenderam a se comportar desse ou daquele jeito. Educam com violência, batendo e gritando, depois não querem filhos violentos na adolescência - e como precisam encontrar um culpado, é a escola que está ensinando o que não presta. Eu acredito que o comportamento dos alunos na escola é apenas reflexo da educação que recebem em casa.

[Sobre "Palavrão também é gente"]

por Débora Carvalho
8/2/2010 às
13h12

Leitura e conversa
Difícil dizer... Especialmente após as mudanças que nossa língua veio sofrendo nas últimas décadas com o surgimento da internet e o novo acordo ortográfico (para quem escreve). Eu continuo acreditando que quem melhor escreve ou fala o português hoje em dia é quem tem o bom hábito de leitura e quem gosta de conversar, também. Ler é uma reflexão onde o conhecimento é adquirido no silêncio do próprio eu. Assim como na leitura, também nas conversas, nos diversos contatos com os quais a pessoa pode trocar ideias todos os dias, é possível ampliar o vocabulário, deixá-lo mais rico (ou mais pobre também, mas depende da seleção que for feita). [Paulista - PE]

[Sobre "Promoção: ABC da Língua Culta"]

por Clara Albuquerque
8/2/2010 às
13h10

O mistério da vida?
O maior mistério que eu gostaria de ver decifrado é o mistério da vida. Porque: saber de onde viemos, o que fazemos aqui e para onde iremos são perguntas que não calam no íntimo de todas as pessoas. [São Paulo - SP]

[Sobre "Promoção: Segredos de O Símbolo Perdido"]

por Rosangela Camara
8/2/2010 às
13h07

Criticar o quê???
"Isso", nem filme é!

[Sobre "Lula, o filme"]

por Will
8/2/2010 às
11h01

Outra dúvida
Será que todas as coisas têm de ter um propósito? Não poderiam apenas... ser?

[Sobre "O menino mais bonito do mundo"]

por Arthur
8/2/2010 à
00h26

Chatos relativos
Antes de descrever o chato, devo dizer que o elegante nunca é chato, o famoso nunca é chato. Um cara mal vestido tentando assinaturas contra a matança de ratos não conseguiu uma só, dias depois o mesmo cara, bem trajado e no mesmo lugar, fez nova tentativa, conseguiu centenas de assinaturas, viram a diferença? Não mudei o assunto, é só para dizer que em todos os seguimentos é a mesma coisa. Às vezes um escritor que não tem a quem recorrer, tem mesmo que ser chato. É extremamente fácil uma pessoa que tudo caiu de paraquedas e no colo, dar certo, aí fica achando todo mundo um chato. Vejo escritores famosos chatos, mas ninguém ousa a chamar de chato. No Brasil tem um nordestino que é um mala, passou de chato e todo mundo acha o máximo. Quem já foi chato, tem mesmo é que ajudar o chato da vez.

[Sobre "Edmund Wilson e os chatos da literatura"]

por Candido Rubim Rios
7/2/2010 às
18h56

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
114 mil/dia
2,3 milhões/mês