busca | avançada
80910 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Terça-feira, 7/1/2014
Comentários
Leitores

Não se trata de uma resenha...
Não se trata de uma resenha pura e simples, mas de sensibilíssima observação e análise apaixonada de um dos nossos melhores romances escritos pelo grande poeta que foi W. A.! Fui seu amigo, publicou meus primeiros poemas em suas generosas antologias de novíssimos poetas, e aplaudiu meus primeiros filmes com o entusiasmo de quem aposta no talento de um iniciante que era eu.Amigo, sobre ele fiz um filme-requiem após seu precoce desaparecimento, "Tanto que a gente gostava dele " . Parabéns pelo seu belo texto !

[Sobre "Cenas de um país machista"]

por Luiz Carlos Lacerda
7/1/2014 às
23h27

tenho q esquecer 1 grande a...
tenho q esquecer 1 grande amor, pois sei q nunca ira ficar comigo, cansei de ser amante, tenho q me valorizar, mais doi muito, o q faço c a saudade?

[Sobre "Receita para se esquecer um grande amor"]

por vilma
30/12/2013 às
21h38

Ótimo texto Júlio. Você ...
Ótimo texto Júlio. Você soube extrair um pouco do sumo do livro e seus comentários estão muito bem adequados. Foi extremamente prazerosa a leitura. Parabéns!

[Sobre "Schopenhauer sobre o ofício de escritor"]

por Pedro Henrique
30/12/2013 às
13h09

Mas Don Herold morreu com 7...
Mas Don Herold morreu com 77...

[Sobre "Instantes: a história do poema que não é de Borges"]

por lisandro do amaral
30/12/2013 às
10h47

Fico com Braque, Gerhard Ri...
Fico com Braque, Gerhard Richter e tantos outros artistas que ao longo de toda história disseram a mesma coisa com palavras diferentes: Falar sobre arte, explicar a arte, é desnecessário. Da primeira metade do século XX pra cá, principalmente, o observador passou a exercer papel fundamental nas obras. Percebeu-se que interpretações múltiplas podiam e deviam ser aceitas, o que não anula a questão do contexto histórico e da intenção do artista, apenas se torna, no mínimo, igualmente importante.

[Sobre "Mas isso é arte???"]

por Raphaela
28/12/2013 às
10h11

Gustavo, os ebooks só têm o...
Gustavo, os ebooks só têm o mesmo preço dos livros impressos em países idiotas como o Brasil. Quem manda o preço dos ebooks lá para as alturas ainda não compreendeu o espírito da coisa: comprar um livro impresso é uma homenagem que se faz ao autor - é luxo; comprar um ebook é experimentar uma nova escrita - é praticidade. Se esses caras entendessem de economia, perceberiam que é melhor vender 1000 ebooks a R$1,00 cada do que 100 livros a R$10,00 cada. E por que seria assim se o lucro seria o mesmo? Ora, porque serão 900 leitores a mais!

[Sobre "Passeata Contra o eBook"]

por Yuri Vieira
9/12/2013 às
09h27

Amei esse texto, quando con...
Amei esse texto, quando conheço uma pessoa sempre observo o que usa. E ultimamente a personalidade diária está sendo exposta tbm pelas sapatilhas com cores ou detalhes fortes.

[Sobre "Os sapatos confessam"]

por Cristina cavalcante
20/10/2013 às
17h28

Adorei o texto, professor. ...
Adorei o texto, professor. Sua coluna ganhou uma fã.

[Sobre "Simplicidade ou você quer dormir brigado?"]

por Mariana
16/10/2013 às
07h04

não entendi o "lobby": não ...
não entendi o "lobby": não vejo este lobby, quem financiaria? Acho que os italianos tem o seu proprio estilo, e atraem as simpatias de muita gente; ninguem é o melhor, cada povo tem sua cultura; agora os fatos: 1)a Italia foi o ambiente onde se formou a base cultural da civilização ocidental; soube incorporar a chama, o legado da cultura grega e latina e produziu o Rinascimento, que se espalhou pela Europa e pelo mundo, 2)assim como incorporou a mensagem revolucionaria de Cristo criando a Cultura do Cristianismo; 3)a Italia pela sua posição ao centro do Mediterraneo, sempre foi o ponto de encontro das culturas dos povos antigos, resultando em uma enorme variedade de tradições culturais, na arte e na vida; este patrimonio está no nosso DNA: alegria, bom gosto, criatividade, e muitos defeitos também!! :-)

[Sobre "Grandes Carcamanos da História"]

por giuseppe ferrua
26/9/2013 às
08h52

Quero aproveitar a oportuni...
Quero aproveitar a oportunidade de falar algumas palavras sobre seu artigo preconceito invertido. Invertido é uma palavra que designava homossexuais há muitos e muitos anos atrás. É tão descabida em termos linguísticos que foi esquecida. Seu artigo, na minha opinião é um poço de preconceito não invertido aos homossexuais, usando palavras grosseiras e vulgares. Tá na cara, ou tá na sua cabeça, como queira. Se me permite a franqueza, achei seu artigo um horror. O Sr. poderia ter xingado os homossexuais o tempo todo que seria mais honesto. Quanto ao seu artigo atual: "Zoológico da Malandragem", quando lí que o Sr. escreveu que sentou com seu amigo no balcão, 'em bancos separados, que fique claro (?)'. O resto do artigo eu deixei de lado.

[Sobre "Zoológico da malandragem"]

por José Solon
24/9/2013 às
02h17

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
80910 visitas/dia
2,2 milhões/mês