busca | avançada
47877 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Quinta-feira, 14/11/2002
Comentários
Leitores

Percorra o caminho...
Caro Eduardo, tirando os fatos que até ontem p'ro mundo, Buenos Aires era a capital do Brasil, e que os poucos ícones da Argentina serem Maradona e seu pó, Evita e seu Papai, Astor e seu tango, Gardel e seu passado, Fito Paez e seu canto "afinadíssimo", e as Ilhas Malvinas serem disputa com a Inglaterra (chique isso, muito europeu), a Argentina nunca foi notícia maior que rodapé para o mundo. Acho que a gente tem de se sentir bem onde estamos e procurar enxergar o "belo" que está a nossa volta. Eu sugiro que vc vá morar na Argentina, aqui seria melhor do que já é p'ra se viver, afinal pra criticar algo... nada melhor que um argentino, vá e se naturalize. Por falar em democracia, a Argentina não é dos melhores e mais bonitos exemplos, e por favor não queira transformar nosso país na Argetina, a gente não precisa. Vá para a Argentina, e venha fazer turismo no Brasil, pelo que vejo, vc conhece bem pouco aqui, quem sabe vc não muda de idéia.

[Sobre "Uma verdade incômoda"]

por Rossi Filho
14/11/2002 às
09h46

Inteligente e leve!!!!!
Rodrigo: Seu texto é claro, leve, delicioso de ler. A leitura corre agradavelmente. E começar a resenha citando o Edmund Wilson sexagenário, para confirmar o EW de Hecate County, foi muito inteligente. Parabéns. Quando será que nossas editoras terão coragem para publicar mais EW? Por favor, escreva mais! Fernanda

[Sobre "Convite às memórias de um condado infernal"]

por Fernanda
14/11/2002 às
08h51

Um assunto relativo... Ou não?
Alexandre, Alexandre... Tisc, tisc... Já te falei que me tornei uma fã sua e, cá entre nós, esse texto realmente está fabuloso! Quanto às críticas (e até revoltas, me corrija se estiver errada), eu mesma já me acostumei com isso, pelo fato de que minhas idéias estão sempre na contra-mão! E acho isso interessante, porque considero o estilo uma das maiores virtudes do ser humano. Realmente, ser um "coitado" é mesmo muito relativo. Porém, enxergando por esse ângulo (o mesmo que você, quero dizer) há pessoas que nunca deixarão de ser coitadas, independendo de sua classe social e até mesmo nível cultural. Parabéns, novamente!

[Sobre "Lula Já É Um Coitado"]

por *Roberta*
13/11/2002 às
23h16

Um homem incomum
Prezado Rogério: Grato por suas palavras. As narrativas de EW não são, é claro, geniais; não representam um momento excepcional da literatura. Mas ocupam, na obra do autor, um espaço muito importante, pois revelam mais uma partícula, dentre tantas outras, desse homem incomum, cuja inteligência conheceu poucos limites. E, no contexto da produção editorial brasileira, tornam-se ainda mais valiosas, face ao restrito número de traduções que temos de EW. Um abraço!

[Sobre "Convite às memórias de um condado infernal"]

por Rodrigo Gurgel
13/11/2002 às
22h04

Mais uma!
Julio Já passou fome na vida? Já dormiu ouvindo tiros na parede de seu barraco de 2 cômodos? Já perdeu 4 horas por dia para se deslocar ao trabalho em pé num ônibus? Já foi mandado embora de algum emprego e teve vontade de chorar? Já foi despejado por não poder pagar aluguel? Nem eu, agora me responda, o que faz um indivíduo que sofre destes probleminhas sociais acordar todo dia e nunca meter uma bala em seu próprio ouvido? Vou dar um palpite: Esperança! Antes que você me bombardeie com seu discurso muito bem articulado e argumentado, citando celebridades literárias, para justificar seu ponto de vista, devo lhe afirmar que concordo com seu ponto de vista. Concordo também que a mídia manipula esta esperança do povo para entretê-los esvaziando seu conteúdo político. E justifico meu voto no Lula, sem patrulhamento algum, nunca votei no Collor, nunca votei no FHC, já votei no Brizola, acreditem, e sabe porque? Porque eu acreditava nas escolas que ele construia, lógico que hoje, mais maduro, não cometo este erro, mas entendo que as pessoas estão amadurecendo, assim como eu. E convenhamos, não podemos menosprezar a força do exercício e erro, não devemos criticar alguém que se esforça e tenta acertar. Leva tempo? Sim, leva , mas 30 anos se passaram e todos ficaram calados na Ditadura, desde 89 (Collor), se passaram apenas 13 anos, pouco tempo. "Não concordo com uma palavra que Tu disseste mas lutarei até a morte pelo direito de dizê-la"(Voltaire)

[Sobre "Lula: sem condições nenhuma*"]

por Eduardo Vianna
13/11/2002 às
20h38

www.garotamarota.kit.net
O blog também pode ser uma descoberta. A descoberta da escrita, de repente vc se pega conseguindo se expressar até melhor do que em palavras. Uma terapia? Não, sou mais como, um conhecimento de si mesmo. Abraço

[Sobre "A internet e os blogs"]

por Quel
13/11/2002 às
19h31

daumier no MASP é demais!
Jardel, depois de ler seu texto sobre florbela espanca decidi ler todos os outros que escreveu. são realmente muito bem escritos, muito emocionantes, inteligentes. Daumier, nem se fala. excelente, adorei mesmo. parabéns e espero ler mais e mais...

[Sobre "Um Daumier no MASP"]

por claudia
13/11/2002 às
15h02

Parabéns
Olá, Rodrigo Na minha opinião, se o livro fosse só o conto "A princesa dos cabelos dourados" já veleria a pena. É um dos textos mais bem construídos que já li. Leveza e lirismo num clima de puro erotismo. Em todas as cenas o ambiente muda de cor ao sabor das viagens espirituais do narrador. Tudo muito bem construído, principalmente a posição do narrador num ponto eqüidistante entre Imogen e Anna. Imogen, o modelo ideal e inatingível de mulher, uma musa inefável, tem sua humanidade penosamente revelada através de um problema de saúde. Enquanto isso um mundo de contingências hostis vai se interpondo entre o narrador e Anna. A perspectiva romântica se estilhaça e o narrador sucumbe ao mordorrento cotidiano do condado de Hecate. Dos demais contos, só não consegui ler o Milholland, pois as referências literárias em profusão estavam muito além da minha humilde bagagem de conhecimentos. Saudações e parabéns pela resenha.

[Sobre "Convite às memórias de um condado infernal"]

por Rogério Prado
13/11/2002 às
14h04

O preço da facilidade
Como disse o Toni na época de Gutenberg o livro foi barateado, agora é a industria fonográfica que sofre os reflexos da tecnologia de rede através da Internet, as mp3 se tornaram um drama para as grandes gravadoras mas são a felicidade dos internautas que se favorecem delas como eu , a parte boa disso eh que as gravadoras estão sendo forcadas e rever preços e outras maneiras de atrair consumidores...não só ela como muitas outras instituições da nossa sociedade. Os blogs são um bom exemplo de como a NET facilitou a difusão de idéias e disseminação do conhecimento. Agora qualquer pessoa com um computador e uma conexão dial-up pode publicar suas idèias na web. Claro que isso também banaliza um pouco as coisas, este é o preço da facilidade.Alias quem quizer visitar meu blog (www.jenny.blogger.com.br) hehehehe.

[Sobre "Megalópoles de informação"]

por Jenny
13/11/2002 às
09h58

Homo ludens
Caro Alexandre, minha intenção não era deixá-lo chateado. Reconheço que é difícil manter o charme o tempo todo. Alguns dias estamos "charmosos", outros dias charmosos e até charmosos (!?!). Mas o importante é que estamos todos nos divertindo. Você escrevendo suas colunas, algumas pessoas (eu inclusive)lendo-as, minha vizinha ouvindo axé no último volume, a prefeita Marta Suplicy dançando ao som de música eletrônica no parque do Ibirapuera, o segurança da minha rua espancando mendigos, o FFHHCC viajando pelo mundo, meu sobrinho adolescente se masturbando em salas de sexo virtual na Internet, Lula pedindo a benção de "páiiiinho" ACM na Bahia. Enfim, cada um de nós se divertindo da maneira que sabe e/ou pode.

[Sobre "Lula Já É Um Coitado"]

por Claudio
13/11/2002 às
07h58

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
47877 visitas/dia
1,6 milhão/mês