busca | avançada
84642 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Terça-feira, 19/11/2002
Comentários
Leitores

Torres-Garcia
Para aqueles que não conhecem Nino Patrono,ele é um artista uruguaio, discípulo de Torres-Garcia, o grande teórico e artista, que fez parte da comunidade parisiense da Circle e Carré, revista de arte e ensaios da primeira metade do século XX. Nino dá aulas de técnica de pintura na Escola Panamericana. Grande abraço.AB

[Sobre "Matisse e Picasso, lado a lado"]

por AlbertoBeuttenmüller
19/11/2002 às
12h26

um país de preguiçosos
Acho que o Brasil é um país de preguiçosos e de pessoas que se comunicam muito mal. São Paulo uma cidade suja, poluída, descolorida e triste. Acho que a miséria e a pobeza do povo é consequência dessa preguiça à moda Macunaíma. Não me iludo mais com promessas de prefeitos, ou o quem quer que governe o país. Mas acho que essa repugnância que temos pelo povo brasileiro (classe A, B C ou menos) deve nos dar uma lição: Já que vivemos aqui e temos uma visão realista da "coisa" temos que, com pequenos gestos, mudar o rumo dessa história. Não concordo com o fato de ficarmos conformados e tristes de sabermos que "supostamente" a Argentina seja melhor do que o Brasil. Nenhum lugar é melhor do que o outro pelo simples fato de que ninguém é melhor do que ninguém. Lá na Argentina tem muito argentino detestando seu país. Mas a atitude deles é que faz a diferença. A vontade de brigar pelos direitos e de dizer não na hora certa e pagar pelas consequências de seus atos conscientemente. Bem, agora vocês vao me perguntar "quais pequenos gestos que fazem a diferença?" e eu respondo que só o fato de pararmos de jogar lixo nas ruas (por exemplo) já mudaria muita coisa. Um abraço a todos os colunistas. Denise

[Sobre "Uma verdade incômoda"]

por Denise Bacellar
19/11/2002 às
12h09

Fuí cautivado nuevamente
Caro Alberto ,leí tu texto "Matisse y Picasso lado a lado". Ya conocía la historia .Pero lo que importa siempre en las historias , es la manera como está contada .Fuí cautivado nuevamente por tu narración . Cuando era niño , pedía a mis padres que repitiesen los cuentos, No era otra la intención que la de resuscitar a los personajes y comprobar en definitiva el estilo y la creatividad del narrador .La forma de narrar puede y debe llevarnos , a la esencia de la historia en cuestión .Esto ocurre con tu exelente texto. Muchas gracias ,un gran abrazo NINO

[Sobre "Matisse e Picasso, lado a lado"]

por Nino Patrone
19/11/2002 às
11h35

individualidade
Mais uma observação sobre o comentário do Giovanni: também acho que num fórum de discussões todos temos a ganhar com cada colunista exercendo, no limite do possível, a sua individualidade, sem partir e nem chegar numa rotulação de esquerda ou de direita. Não vamos mudar o mundo aqui nessas páginas. Aliás, comecei a ler o Digestivo exatamente buscando esse tipo de texto, de impressões individuais sobre cultura e comportamento. Porém, se você observar a maior parte das colunas que provocaram polêmica, verá que foi justamente porque o articulista iniciou um ataque aos “esquerdistas”, seguiram-se críticas, e aí um grupo (cuja composição não foge muito da lista fornecida pelo Alexandre) passou a elogiar e defender o coleguinha criticado, muitas vezes com bastante agressividade. Então, acho que a definição inicial do Alexandre está correta, quando estabelece uma “identidade” para a direita política aqui no Digestivo e nos outros blogs: todos eles têm determinados mentores, ídolos ou inspiradores, todos eles agem com espírito de grupo, se citando e elogiando mutuamente, todos eles agem em bloco contra qualquer crítica a um dos membros. Uma manifestação de insegurança, talvez. De qualquer maneira, é bom que a direita se manifeste e demonstre ter um programa de idéias, raridade no Brasil. A única coisa esquizofrênica nessa história é o fato do Julio Borges afirmar que não pretende ter um blog ideologicamente fechado – e argumentar que há outras posições – mas os direitistas considerarem o blog como “coisa sua”, e tratarem os esquerdistas como intrusos.

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Helion
19/11/2002 às
10h20

Isso (vide acima) é a direita
Giovanni (m. 48), no fórum em que agora debatemos não é verdade que os esquerdistas tenham definido de início o que é a direita. Volte ao topo e você verá que foi o Alexandre quem estabeleceu quem é de direita e que apenas esses são talentosos e inteligentes. Ao longo do debate aqui no fórum, a direita se auto-definiu por duas de suas características: 1, envergonhar-se do que é; 2, argumentar de forma truculenta exibindo preconceito. Em tese, ser liberal não implica necessariamente nisso. Mas, na prática, os liberais uniram-se e unem-se à direita mais rasteira. Como o grande objetivo é “derrotar a esquerda”, tampam o nariz e vão fundo. Nesse fórum, quem pretende usar argumentos – como você, me parece - precisa tolerar a companhia e a adesão de gente encarregada de fazer o “trabalho sujo”. Acho que esta situação define quase que perfeitamente o dilema dos liberais. Algo como abominar a violência física mas ter ao lado um pit-bull solto.

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Helion
19/11/2002 às
10h17

o que é "direita"?
Um dos assuntos que mais apareceu nos comentários foi à discussão direita/esquerda, os direitistas sempre saem em desvantagem nessa discussão, já que quem decide o que é o que são sempre os esquerdistas. O ideal seria que no começo da discussão fosse definido o que é direita, já que esquerda já tem seu significado bem conhecido, ou pelo menos nunca vi ninguém discordar da definição de esquerda... Se direita é sinônimo de liberalismo, que seja dito logo, já que depois de dito isso não se pode mais falar em "ditaduras de direita", pois uma ditadura nunca poderia ser liberal. E ainda seria praticamente impossível apontar algum governo atual "de direita"... Se direita é alguma outra coisa que não liberal, então que se defina exatamente o que é essa coisa, para que depois o "direitista" possa verificar se essa definição está de acordo com o que ele "é". A maior vantagem dos esquerdistas está exatamente em não definir quem é quem no começo, e depois ele lista varias coisas do seu lado, e outras no "lado oposto", e assim ele consegue relacionar coisas que sem essa listagem inicial não fariam sentido - como ditadura e liberalismo. Alguns comentários criticaram a atitude de "não assumir o que realmente é", particularmente acho que essa atitude é a mais correta possível: "eu sou o que sou e se quiser inventar um nome para o que sou coloque o meu nome". Eu me considero direitista, apenas por estar do lado oposto da esquerda, acredito no indivíduo, e acho que todos são diferentes entre si e sendo assim qualquer discurso coletivista e "igualitário" perde o sentido, também acho que a única coisa que difere o ser humano dos animais "irracionais" (não que todos seres humanos sejam racionais) é exatamente a sua individualidade. Sou liberal? Acredito que sim, ainda tenho muito o que estudar sobre o assunto, mas se tem uma coisa que com certeza vou demorar para encontrar é um significado ruim para a palavra "liberdade".

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Giovani MacDonald
19/11/2002 à
00h53

Epa, opa
Epa, epa. Nenhuma conotação gay na cabecinha que dói em mim. Achei melhor explicar. Abraços - Alexandre.

[Sobre "Sinais de Vulgaridade - Parte II"]

por Alexandre
18/11/2002 às
23h18

Exatamente
Exato! E sabe o que é ainda pior? Quando colocam "cabeça" no diminutivo: "ela tem uma cabecinha tão boa...", etc. Não é? Obrigado pela visita, Marcia. Pensava que essas coisas só doíam em mim. E você também, Denise! Voltem sempre.

[Sobre "Sinais de Vulgaridade - Parte II"]

por Alexandre
18/11/2002 às
23h12

Vulgaridade estimulante
Caro Alexandre, não contive minha alegria ao ver a seqüência da primeira lista, que já havia sido um "estabelecimento" em termos de vulgaridade. Excelente. Só gostaria de acrescentar algo que me dá calafrios que é o fato de tratarem a cabeça como uma entidade à parte para elogiar alguém, como "fulano tem a cabeça boa", "fulano tem a cabeça excelente", ou melhor ainda... "ele tem uma puta cabeça"... o que é isso? Vida longa à sua lista!

[Sobre "Sinais de Vulgaridade - Parte II"]

por Marcia Espinosa
18/11/2002 às
22h29

furibundo desbunde
Alexandre, já percebeu como o Hélion quer sempre ter a última palavra? Qual é a desse cara? Deve ser uma característica típica de quem venera Castro, Che Guevara, Hugo Chávez... essa ânsia por calar a boca dos oponentes, e sempre poder encerrar a discussão. O mais engraçado é que ele diz nos odiar, e desprezar o que escrevemos, mas não sai de nossas colunas! Que fizemos para merecer tanta fidelidade dessa figura?
Agora duro mesmo é saber que um cara desse é pago com o nosso dinheiro.. pagamos um sujeito desses para desinformar dezenas de alunos por ano, enchendo-lhes de sub-propaganda marxista e ensinando-lhes a usar palavras como "furibundo" (deve ter acabado de aprendê-la no dicionário, eis o porquê da insistência). Com certeza meu dinheiro poderia ser melhor aproveitado se eu o jogasse no lixo. Mas fazer o quê, universidade pública no Brasil é refúgio de gente assim. Emprego mole, mole, pra gente que às 3 da tarde já tá tomando chopinho na beira da praia.
Quanto ao inglês de lanchonete... que diabos isso quer dizer? A expressão é muito, muito fraquinha. E, sinceramente, associar lanchonete com inglês é coisa do século passado, digna da cartilha do Mao Tsé-Tung. Será que você é um daqueles nacionalistas fervorosos que apedreja McDonald's, e quer traduzir o nome dos sanduíches? Ou preferia que as citações fossem en español, la lengua del comandante? Russo ou chinês, quem sabe? Talvez coreano? No dialeto da Coréia do Norte, bem entendido...

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Rafael Azevedo
18/11/2002 às
19h50

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
84642 visitas/dia
1,8 milhão/mês