busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Domingo, 24/11/2002
Comentários
Leitores

RE.: textos que somem
Caro senhor, Em vez de ironizar sobre mensagens sumindo (mensagens tediosas sobre a vida particular de outras pessoas que o senhor instigou), porque voce nao vai meditar nao extensao da sua propria chatice e na sua inabilidade em escrever coisas construtivas?

[Sobre "Filhos de Francis"]

por zhaan
24/11/2002 às
22h11

textos que somem
Caro senhores Há um texto do senhor Alexandre Soares Silva que sumiu. Há um texto da senhora *Roberta* que sumiu, e há um texto meu respondendo ao texto da senhora *Roberta* que sumiu. É impressão minha, é defeito deste site, é defeito no meu micro, Ou é censura? Sinceramente, prefiro mil vezes que meu micro tenha um defeito. Se há algo que não quero de jeito nenhum é que os textos sumam. Flamarion Daia Júnior

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Flamarion Daia Júnio
24/11/2002 às
21h44

Um simples novato
Prezado Alexandre, seu texto é formidavelmente contra tudo o que eu acredito! Mas respeito, afinal há a liberdade de expressão. Cheguei aqui por indicação de um amigo, em seu blog, e pretendo voltar mais vezes mesmo discordando de certas coisas em seu texto. Uma pergunta: Existe algo sobre política em "Charade"? Abraços.

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Guilherme Reckena
24/11/2002 às
21h08

Parabens pelo texto
Parabens pelo texto, gostei muito.

[Sobre "A teoria do caos"]

por Gustavo Alckmin
24/11/2002 às
19h24

Resistência palestina???
Este artigo começa muito bem, surpreendentemente bem, com uma história da região, informação que falta no que se publica na imprensa sobre o conflito Israel-palestinos. Parabéns! Mas vai devagarinho derivando, com informações falsas ou truncadas, até terminar com a ridícula solução proposta para a situação na região: "Sugiro que ambos [Ariel Sharon e Yasser Arafat] sofram 100 chibatadas na bunda...". A história da região é complexa, muito difícil de ser resumida. Desinformar é fácil, é o que a grande imprensa faz diariamente. É o que acaba fazendo este artigo quando diz que "Herzl, fixou, por sua vez, as fronteiras do Estado, como segue: vão do Nilo ao Eufrates e da margem direita do Nilo ao Mar Vermelho e a margem esquerda do Eufrates, a maior parte do Iraque e a totalidade da Jordânia e da Síria, sem falar, naturalmente, da Palestina", citando H.Triki, e não mencionando onde o próprio Herzl teria dito isso (?), dando um impressão muito falsa da ideologia sionista. Quando fala de grupos terroristas judeus como Stern ou do massacre de Deir Yassin sem falar dos progroms árabes contra os judeus e do terrorismo árabe. Quando fala da "resistência palestina" lembrando assim a resistência contra os alemães na Europa da Segunda Guerra Mundial, mas sem desenvolver o complexo conceito de nacionalidade, do que é um palestino. Sem dizer quando surgiu esta "resistência", depois de 1967. Sem lembrar - fato relevantíssimo - que não houve "resistência palestina" quando a Cisjordania e Gaza eram ocupadas por países árabes. Quando fala da responsabilidade de Sharon no massacre de Sabra e Chatila, sem dizer que ele foi julgado pela Justiça Israelense. Quando usa o adjetivo desenfreada para ser refetir à política de assentamentos. E quando esquece de falar de todas as partes deste conflito, ao não mencionar que, ao lado da "diáspora" palestina, a expulsão dos judeus de países árabes, passando de 800.000 a zero em 5 décadas, criou outra diápora, cujas perdas e sofrimentos não estão sendo consideradas nas tentativas de se chegar a uma paz justa na região. Atenciosamente, Geraldo Coen

[Sobre "Sionismo e resistência palestina"]

por Geraldo Coen
24/11/2002 às
18h33

Ausência de espírito
Prezado Julio Entendi seu agudo artigo como uma constatação irônica do que o mundo vive hoje. Talvez isso explique o porquê de como vamos indo, não? A identificação só com o corpo é um dos males do homem, na minha humilde opinião. Você não é o "seu" corpo, que nem sequer é seu. Ele um dia será reciclado e devolvido ao reino mineral de onde foi emprestado. Abraços corporais ~sergio graciotti

[Sobre "Ausência de espírito: presença de corpo"]

por Sergio Graciotti
24/11/2002 às
14h52

Muito obrigado, Denise
Desde quando eu escrevi que a Rússia é um país tropical, Denise? O que eu disse é que, apesar de estar fora de faixa entre o equador e os trópicos, a Rússia também é um desastre. Mas muito obrigado, de qualquer forma, pelo seu comentário inteligente e indispensável. Abraço,
Eduardo

[Sobre "Uma verdade incômoda"]

por Eduardo
24/11/2002 às
14h37

Muito obrigado pela correção
De fato, Alberto - o nome do quadro é Abaporu, e não Aibaporu e nem Abapouru. A revisão tem andado displicente. Pelo que conheço dos dois países, o interior da Argentina me pareceu incomparavelmente mais decente do que o brasileiro. Mas, enfim, não é aqui que vamos resolver isso. Muito obrigado pela correção e pelas informações. Aquele abraço,
Eduardo

[Sobre "Uma verdade incômoda"]

por Eduardo Carvalho
24/11/2002 às
14h29

Errata
Onde escrevi "noite de sábado", leia-se "madrugada de domingo"

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Flamarion Daia Júnio
24/11/2002 às
11h16

Re:Whatever, dude
Caro senhor Alexandre Soares Silva Aceitando seu convite, estou de volta. Vejo que o senhor tem o hábito de dormir tarde, pelo menos sábado. Melhor assim. Podemos conversar sem peru ( no bom sentido, figurado mas bom ) de fora. Seja o perdão uma grandeza qualitativa, e não quantitativa ( existe meio-perdão? ): nesse caso, eu o perdôo totalmente por não ter dado muita atenção ao meu texto. É mesmo grande. Mas prefiro assim, que deixar alguma coisa de fora, entre admitir mil besteiras e ser seletivo e deixar algo importante de fora, prefiro a primeira alternativa. Reconhecendo porém que meu texto é mesmo longo demais, eu o perdôo. Certamente que o Martim Vasques da Cunha não precisa repetir tudo o que Paulo Francis dizia - nesse caso, para que ele escreveria alguma coisa, para começar? MAS EM ALGUMA COISA IMPORTANTE, PELO MENOS, O MARTIM VASQUES DA CUNHA DEVERIA CONCORDAR COM O PAULO FRANCIS PARA SER INFLUENCIADO POR ELE. Se Nietzsche lesse o que Mencken escreveu sobre a democracia, concordaria em gênero, numero e grau. Se Robert Louis Stevenson lesse o que Borges escreveu sobre cinema, concordaria em gênero, número e grau ( não havia cinema no tempo de R.L.S, graças a Deus, senão perderíamos alguns contos e novelas razoáveis e ganharíamos ótimos roteiros para filmes - o que na minha humilde opinião seria uma péssima troca ). O MARTIM VASQUES DA CUNHA NÃO CONCORDA COM O PAULO FRANCIS EM NADA IMPORTANTE. NADA, NADA, NADA, NADA! Serei no entanto condescendente, e admito que o senhor queira dizer por influência uma certa maneira de pensar, irreverente, debochada, auto confiante... não seja o Martim Vasques um "paulofrancista", mas um livre pensador, que ficou assim por influência do Paulo Francis. Então, aí sim, eu admito influência do Paulo Francis. Mas nada que na minha opinião, sempre humilde, não acabasse aparecendo, por outra fonte, o "Olie", por exemplo, ou o José Guilherme Melquior. Quanto ao senhor, vejo que o senhor tem bom gosto para escolher modelos. Parabéns. Não quero convencer o senhor Martim Vasques da Cunha de nada, quero que ele continue sendo o que é, que assim está ótimo ( vos sois o sal da terra! Se o sal perde o sabor, como poderá dar sabor? ). Mas se a influência é indireta, convenhamos, então não é importante. PODE O SENHOR OU QUALQUER PESSOA ME MOSTRAR UM TEXTO DO MARTIM VASQUES DA CUNHA E DIZER:"SE ELE NÃO TIVESSE LIDO PAULO FRANCIS, O TEXTO SERIA DIFERENTE."? Se puder, mudo de opinião. Eu não conheço o penteado da década de 1970, não me lembro de nada especial nas fotos da época, mas adoro o jeito da Vera Fischer dos anos 1970. O penteado dela é típico daqueles tempos? Tenho certeza que o senhor há de concordar comigo que debater sobre o penteado ( e otras cositas más! ) da Vera Fischer é muito melhor que analisar as diferenças entre a barba do seu parente distante, o senhor Luíz Inácio Lula da Silva, e a barba do senhor Fidel Castro. Mas devo dizer que nunca disse que gosto do penteado dos anos 1970 ou de qualquer época, apenas disse que com certeza é melhor que o "piercing". Isso com certeza não é gostar, assim como achar que o senhor Luíz Inácio Lula da Silva fará um mal governo não é ser influenciado pelo Paulo Francis ( e como ele estaria rindo agora! ). Bem, quando o senhor achar que é hora de ler o resto da minha mensagem, e achar que alguma coisa lá há que valha a pena ser comentada, eu então lhe darei satisfação. Espero que o senhor e sua namorada tenham uma agradável noite de sábado, vendo "Charade" - porque é evidente que o senhor estará acompanhando da sua namorada. A única razão que eu encontro para ir ao cinema, ou alugar um filme, é para minha namorada ver comigo e eu ter um pretexto para ficar sozinho com ela em casa, ou sair com ela, se para ir ao cinema ( onde sempre se pode fazer alguma coisa, estando com a namorada, se o filme for chato demais ). Espero sinceramente que o senhor e sua namorada tenham uma agradabilíssima noite de sábado. Cordialmente, Flamarion Daia Júnior

[Sobre "Filhos de Francis"]

por Flamarion Daia Júnio
24/11/2002 às
11h10

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês