busca | avançada
60303 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Quarta-feira, 26/5/2010
Comentários
Leitores

Tecnologia e desenvolvimento
iPad é um dos aparelhos tecnológicos que são usados por quase todas as pessoas em todo o mundo. A tecnologia está tomando conta do mundo, mas esta mudança é para garantir o nosso desenvolvimento.

[Sobre "iPad, Kindle, salvação e histeria"]

por Maí­ra Barbosa
26/5/2010 às
09h46

A conversa, o diálogo
Concordo em número, gênero e grau. A conversa, o diálogo, serve para qualquer relação humana. Qualquer. E é imprescidível para o bom andamento das coisas.

[Sobre "Simplicidade ou você quer dormir brigado?"]

por Hellen
25/5/2010 às
18h10

Debate sobre o cristianismo
Creio que é muito válido o debate. E cada um que tire suas conclusões. Uma ótima sugestão de leitura. Abraços.

[Sobre "Para que o Cristianismo?"]

por Janethe Fontes
25/5/2010 às
18h09

Difícil ser humano!
O ser humano é muito estranho. Da bondade extrema à crueldade sem precedentes. Ainda tento viver minha vida sendo um pouco heroína do meu microcosmos. Não jogo papel no chão, por exemplo. Mas xingo no trânsito... Difícil ser humano!

[Sobre "Simplesmente tive sorte"]

por Hellen
25/5/2010 às
18h03

Ateísmo não é religião
Em resposta ao Roberto: Os argumentos dos chamados ateus "atuantes" não seguem as regras do proselitismo religioso. Não são a pregação de um credo, mas a negação de credos que interferem nas vidas de todos. Nenhum ateu é contra as pessoas que consideram o aborto um pecado; o problema é que as agremiações religiosas querem impor suas leis morais como leis para toda a sociedade. E invertem, através de argumentos falaciosos, a verdade dos fatos. Legalizar o aborto não obrigará ninguém a abortar. Apenas dará uma perspectiva para quem desejar fazê-lo com segurança. Liberar o casamento gay não obrigará ninguém a casar com pessoas do mesmo sexo. Faça quem quiser. O ateísmo não possui templos, não tem uma doutrina e não cobra dízimo; logo, não é religião. Agora, por não ser religião, não quer dizer que devemos nos calar e assistir ao crescimento das religiões, até o ponto em que comecem a nos queimar em suas fogueiras.

[Sobre "Deus, um delírio, de Richard Dawkins"]

por Amâncio Siqueira
25/5/2010 às
14h42

Pelo futuro de nossas crianças
Texto muito bom e importante! Vou assistir ao filme. Se não me engano, o peixinho Nemo também tinha uma deficiência física. Sou fã da Pixar. Os desenhos andam fazendo um bom trabalho pelo futuro de nossas crianças. Parabéns, Daniel!

[Sobre "Como treinar um ser humano"]

por Carla Ceres
25/5/2010 às
11h27

Como água para chocolate
Faltou "Como água para chocolate", sem dúvida um dos melhores livros latinos-americanos ,de Laura Esquivel... Meu livro separador de aguas!!!

[Sobre "Dez obras da literatura latino-americana"]

por greicy kelly
25/5/2010 às
09h20

Uma questão de 'não gosto'
Sinceramente discordo. Não porque seja fã da moça (embora seja), mas porque, dentre tudo que o autor citou, vejo do exato contrário. Britney é formatada pela mídia. Gaga tem atributos muito contrários ao que (ao menos) era aceitável. Muitas pessoas ainda a acham estranha. A única coisa que eu realmente concordaria, quanto a ela, é que a embalagem é contrária ao conteúdo, ou seja, na música ela inova muito pouco; apenas, salvo raras exceções, produz mais canções palatáveis. Pelo jeito o autor também se incomoda com o pretenso feminismo de Gaga. Inexistente. Quanto a isso ela não é uma ameaça ao poder masculino, corrobora-o até, no clipe, se valendo de beijos entre mulheres para atrair atenção. Tônica comum, concordo. No mesmo clipe, há forte referência ao pop art, que como o feminismo também anda fora de moda. Em "Bad Romance" e no mesmo "Telephone", há o retorno dos coros. Mas música não parece ser área de dominio do autor. Pena, é disso que falamos. Parece apenas uma questão de "não gosto".

[Sobre "Lady Gaga, uma aula do pastiche"]

por Ju
24/5/2010 às
15h03

Quentes em Curitiba tão fria
Cheguei em Curitiba em 1968, vindo de um seminário por mais de oito anos; não havia encontrado um ambiente cultural no interior onde eu morava, mas Curitiba tinha tão quente vida, mesmo em noites tão frias. Bem o dizia Leminski: "O Rio tem Mar, mas Curitiba tem Bar!" Eu, sempre careta, vi logo isto muito bem em uma noite em que Juarez Machado, Fressato e este iniciante, pintavam alguns painéis para a fachada dos cinemas. Tudo estava tão calmo e produtivo, quando apareceu o Ivo com o Leminski, já vodcados, mas blindados, lúcidos e poetas de sempre! Depois deste dia, fiquei de fora, alguns ainda latiam e meu latim não combinava com isto tudo. Mas deixaram saudades que não passam, ficam como estes quentes e grandes nomes Curitibanos, na memória de nossa gente!

[Sobre "Ivo Rodrigues, um ilustre desconhecido do rock"]

por Celito Medeiros
24/5/2010 às
13h20

Galerias de arte fechando
Impresso x Digital é um assunto que tomará seu próprio rumo, independente de opiniões, mas que poderia ter algum resultado em ações. Os principais tópicos ainda serão os jornais, revistas e livros, neste primeiro momento, mas as artes também se iniciaram neste movimento até um pouco antes, e estes resultados todos já podem perceber, visto que a área de investimento nas artes está caindo, galerias fechando e a arte de reproduções, da decoração e da escolha do cliente pelo que ele gosta e pode pagar aumentou consideravelmente. É só uma questão de tempo... Alguns como eu foram radicais na pintura, abandonando completamente a técnica tradicional para investir em novas tecnologias, na nova ferramenta, o computador. A arte digital, agora já valorizada pelo alcance da tecnologia na área pictórica, acadêmica ou clássica, foi criticada quando deu seus primeiros passos. Os jornais deverão decidir por suas pesquisas, então, olhar para este o público que está chegando, pois nós senis já estamos partindo...

[Sobre "Pra que ler jornal de papel?"]

por Celito Medeiros
24/5/2010 às
13h02

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
60303 visitas/dia
1,8 milhão/mês