busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Sexta-feira, 4/6/2010
Comentários
Leitores

Situando o leitor
Ótimo texto: descritivo, informa o evento (conversa/debate) com a candidata e situa o leitor, a partir das perguntas. Valeu!

[Sobre "Encontro com Marina Silva"]

por Sérgio Luiz Gadini
4/6/2010 às
13h11

A palavra é: conscientização
Penso que qualquer candidato deve ter no seu trabalho de plantaforma um projeto para o País, inserido no respeito universal dos seres humanos por outros seres humanos, aliado ao respeito pela natureza, na construção de um mundo desenvolvido equilibradamente. Mas a mídia não pensa assim, apenas faz a publicidade de quem tem maiores compromissos e negócios com o capital. Infelizmente nem sempre a população que vota está apta a bem escolher. Pois não discutem projetos, mas um conceito pessoal, que infelizmente tem uma boa base de corrupção e o tráfico de influências, e isto é pessimo. Mas no momento só temos que trabalhar com o conceito de conscientização.

[Sobre "Encontro com Marina Silva"]

por Manoel Messias Perei
4/6/2010 às
13h08

Texto limpo
Bravo, Julio... Texto limpo, linguagem direta.

[Sobre "Encontro com Marina Silva"]

por marcio flavio
4/6/2010 às
12h25

Foi um capricho dos deuses?
Portanto, tendo Jesus abolido o conceito de culpa/pecado, isso mostra o quão distante está Paulo do exemplo de Jesus! Em nenhum momento é citado em Paulo ou qualquer outro que Jesus deu a possibilidade da remissão de pecados, e sim a remissão propriamente dita, pois é assim retratado: "Ele morreu na cruz para a remissão dos pecados! Morreu na cruz por nós! Então, parafraseando Nietzsche: Por que um ser todo poderoso usaria o sacrifício de um inocente para remir pecados dos outros culpados? Não lhe soa estranho tal capricho de uma entidade tão poderosa? Isso não seria de realmente espantar, meu caro?!

[Sobre "O cristianismo para Nietzsche"]

por Carlos Patez
4/6/2010 às
11h48

Nossa fé é vã
Continuando, caro Mauro, o parágrafo do citado capítulo 41 de "O Anticristo": "A partir desse momento introduziram, passo a passo, na personalidade do Redentor: a doutrina do julgamento e do retorno, a doutrina da morte tal como a de um sacífício, a doutrina da ressurreição, com o conceito de bem-aventurança; a realidade total e única do Evangelho foi inteiramente escamoteada em favor de um estado após a morte! Paulo justificou essa interpretação, essa obscenidade de interpretação, com uma leviandade que ressalta nele o completo rabino". Se Cristo não ressuscitou da morte, então nossa fé é vã. E num piscar de olhos transformou-se o Evangelho na mais desprezível promessa irrealizável, na verganhosa doutrina da imortalidade pessoal... o próprio Paulo pregava-a como recompensa! Não, caríssimo Mauro, não justifica-se por si mesma essa exposição Paulina. Se para Nietzsche Jesus acabou com o conceito de culpa/pecado... (também continuo à seguir)

[Sobre "O cristianismo para Nietzsche"]

por Carlos Patez
4/6/2010 às
11h08

Modéstia idiomática do Brasil
Talvez, e eu disse só "talvez", o brasileiro, diferentemente de outros povos, não se incomode com o fato do português não ser falado em outros lugares. Estamos acostumados com o colonialismo e vamos carregar o "complexo de vira-lata" por muito tempo. Por outro lado, me incomoda a arrogância de quem chega em outro país e crê que sua lingua tem que ser falada no universo inteiro. Assim, não acho tão ruim a modéstia idiomática do brasileiro.

[Sobre "Brazilionaires"]

por Carlos Goettenauer
4/6/2010 às
09h54

Não concordo com a crítica
Julio, antes de mais nada, adianto que ainda não tenho candidato para essa eleição. Mas o tom de sua crítica, apesar de justificada em algumas partes, é errada. Por exemplo, quando diz que a Natura não possui atividades de empreendedorismo social a olhos vistos, é uma fala que mostra que você não possui conhecimento amplo do assunto. Digite no YouTube e verá o que a Natura faz na América do Sul. É ainda um tema novo na agenda de Responsabilidade Social Empresarial, por isso é difícil que tais ações sejam vistas sem desconfiança, ou até mesmo que tenham visibilidade pela grande mídia - por isso seria bom se a internet desse mais voz a esse assunto... Como brasileiro, espero que o empreendedorismo social seja algo que se expanda no Brasil e no mundo. Parênteses 2: não tenho nenhum ví­nculo direto ou indireto com a Natura. Com certeza você tem o direito de estar decepcionado, pois, como disse, não gostaria de votar em alguém que esteja alheio à sua realidade (a internet). Mas induzir que, por causa desse fato, e de outras coisas como por exemplo: "e que fala em nome da natureza (para quem se cansou da 'civilização')", a candidata é despreparada, pode ter efeitos catastróficos na formação da opinião de diversas pessoas. E haja vista que disse no primeiro parágrafo sobre você não ser um formador de opinião muito politizado, deve-se atentar mais para suas considerações (todos nós devemos). De qualquer maneira, parabéns pela coragem e iniciativa de dar voz a um assunto tão delicado como a política, pois só mesmo a partir da discussão e do reconhecimento de que devemos buscar cada vez mais conhecimento acerca desse assunto é que podemos melhorar o Brasil do futuro. Abraço!

[Sobre "Encontro com Marina Silva"]

por Pedro Paulo Barros
4/6/2010 às
09h44

Não tem, ainda, opinião?
Tive a mesma sensação ao ouvir a entrevista de Marina à rádio CBN. Para várias perguntas a resposta foi "não tenho, ainda, opinião formada sobre esse assunto". Ora, quando é que a candidata terá, durante o mandato??? Infelizmente, Marina não entende a internet, o mercado econômico e não tem visão que "vai além", embora durante anos eu tenha acalentado uma canditatura expressiva dela. Nos anos 90, a Times incluiu Marina na lista dos 100 mais influentes do mundo, mas acho que faltaram algumas lições desde então para que ela amadurecesse.

[Sobre "Encontro com Marina Silva"]

por Biulismo
4/6/2010 às
09h19

Sem pai nem mãe
Pois é, Julio, estamos meio mal. Marina, a esperança dos paladinos, é muito fraquinha mesmo, eu já tinha descoberto isso quando pensei em apoiá-la no blog. Estamos sem pai. Nem mãe.

[Sobre "Encontro com Marina Silva"]

por Noga Sklar
4/6/2010 às
08h00

Chega de gente despreparada
Perfeito, Julio: "Não tiro o mérito da senadora, mas essa mistura de ingenuidade com despreparo, com sentimentalismo, não me parece a receita para governar o Brasil do futuro (que já chegou)". Chega de gente despreparada... Precisamos de pessoas com os tais "saberes" para que possam acertar os seus "fazeres"...

[Sobre "Encontro com Marina Silva"]

por Dioní­sio Souza
4/6/2010 às
02h20

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês