busca | avançada
42220 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Domingo, 6/2/2005
Comentários
Leitores

Constipação da Mídia
Prezado Julio, há muito acompanho o Digestivo. Vou te dizer: concordando ou não com seus colaboradores e articulistas, é a mídia mais franca e descompromissada (no sentido de que estão c. e a. pra opinião neutro-chata ou politicamente correta da maioria das publicações do gênero) que conheço no que concerne as observações do mundo ao redor. Às vezes, tenho a impressão de que não são jornalistas que escrevem (por favor, isto é um elogio!), mas gente de carne e osso, tão deslumbrados ou estupefatos quanto eu em frente ao mundinho culto-contemporãneo. Também colaboro eventualmente com jornais, revistas e sites escrevendo sobre áreas nas quais que atuo (artes e literatura). Como não sou jornalista, também não me sinto compromissada com linha alguma, daí a identificação com o DC. Bom, tudo isso só para parabenizá-lo pelo artigo crítico e esclarecedor sobre como funcionam as entranhas dos jornais e revistas. Que vcs continuem a ser o purgante ideal para a constipação, diárréia e indigestão que acomete os órgãos da mídia.

[Sobre "A tal da linha editorial"]

por Paula Mastroberti
6/2/2005 às
09h45

Classificar para não entender
Clássico, popular, erudito, vanguarda, toda essa classi-ficação não parece coisa de quem está mais preocupado em classi-ficar do que em sentir, experimentar ou experienciar mesmo a obra?

[Sobre "Sobre Os Clássicos"]

por Barbara Pollac
5/2/2005 às
12h36

machado anti-sociológico
Caro Domingos, em relação a Machado creio que a única coisa insuportável é a leitura historico-sociológica (roberto Scwartz, Sidney chalub, e seguidores) que se tem feito dele na academia, por pessoas que não entendem patavina de sutilezas poéticas. jardel

[Sobre "Machado e Érico: um chato e um amigo"]

por jardel
4/2/2005 às
13h13

A volta do Jacarandá
Dom Domingos, talvez agora já esteja na hora de ler Dom Casmurro. Já tomou contato com a obra lá (onde mesmo?) em Machu Pichu, sentiu o gosto da Literatura (não gostou, é fato) e algo incomodou sua alma veríssima. A porta se abriu. Não tenha medo do porteiro. Haverá outros e cada um mais poderoso que o anterior. Mesmo assim, tenha cuidado. A busca pela construção lógica da realidade (e pelo suor das personagens) poderá envelhecer os objetivos que o trouxeram até aqui. Será mesmo que pertence ao autor a tarefa de mudança do mundo? Não será esse um território do leitor? Seu texto, por exemplo, ampliou bastante meu repertório de interpretações para as expressões "Babaquara" e "Jacarandá" do João Antônio. Agora entendo. Anos 80... Londrina, Bar do Jota... Depois de Machado (que naquela época afirmava ter lido) sigo curiosíssimo a espera de seus comentários sobre Dostoiévski. A propósito, para escrever sobre a possível traição de Capitu procure ler as descrições de Otelo e de Desdêmona. Aliás, Dom Domingos, quem foi ao teatro naquela noite e saiu antes do fim? Quem resolveu, já velho, contar sua história? E qual era mesmo o nome daquele pessoal do curso de Letras que lhe deu suas primeiras lições de ética ("posturas éticas diante dos acontecimentos") quando permitiram que assinasse um trabalho que não só não realizou como não leu? Um abraço. Davi

[Sobre "Machado e Érico: um chato e um amigo"]

por Davi Fazzolari
4/2/2005 às
10h31

Têm razão os leitores
Os leitores têm razão: a frase sobre o oportunismo beneficente de Clinton e os Bushes está solta e injustificada. Coisa de fim de coluna longa em que eu não queria mais delonga. Errei. Aqui vai a explicação. Primeiro, eu não quis dizer que a aparição dos três foi apenas ou puramente ou simplesmente oportunista, mas que estava INVESTIDA de oportunismo - quer dizer, havia um aspecto oportunista, assim como um aspecto humanitário e até mesmo pragmático. Segundo, por que oportunismo? Pra começar, porque Bush filho havia acabado de ser reeleito sob a acusação de governar um país dividido, chamado ao desafio de unir os EUA construtivamente em vez de acirrar a guerra entre Republicanos e Democratas. Aparecer na TV ao lado de Bill Clinton, um dos mais populares ex-presidentes e certamente o mais popular membro do Partido Democrata, pareceu a muitos críticos (inclusive eu) uma maneira fácil de sinalizar a "união" da nação. Mas união se faz também e principalmente com medidas concretas, não só com discursos, cenas na tevê e outros atos simbólicos. O outro aspecto oportunista é geopolítico. O tsunami deu a Bush a chance de mostrar que os EUA não são anti-islâmicos irredutíveis; do contrário, dispõem-se a ajudar áreas de maioria muçulmana, inclusive onde radicais islâmicos já cometeram atentados anti-ocidentais (Indonésia). Não estou dizendo que a compaixão de Bush é falsa - afinal, não estou dentro da cabeça dele pra saber. O que estou dizendo é que, além de ser necessária ou apropriada ou esperada ou caridosa, a aparição dos três políticos foi também oportuna. Sim, muito oportuna: numa época em que os EUA são demonizados por boa parte do mundo muçulmano, onde a doutrinação religiosa e ideológica floresce na ignorância e na censura, a ajuda humanitária é uma maneira de desfazer a difamação. E isso, não apenas aos olhos da população islâmica, mas do resto do mundo, que, como mencionei na coluna, anda imerso também em preconceitos. Reconhecer o oportunismo da solene aparição dos três políticos não significa ser necessariamente "contra".

[Sobre "O retorno das Cruzadas"]

por Daniela Sandler
3/2/2005 às
17h13

Resposta ao leitor Ram
O primeiro comentário levanta um aspecto importante que, de fato, explica a hostilidade das segundas e terceiras gerações de imigrantes na Europa: a integração difícil e a falta de direito à nacionalidade. Na Alemanha, ao menos, a lei foi modificada recentemente. Antes, "ser alemão" era um direito de sangue (raça): se você vem de linhagem pura alemã, mas nasceu fora do território nacional, teria direito à cidadania. Isso se aplicou especialmente a populações germânicas instaladas no leste Europeu que tiveram de mudar para a Alemanha depois da Segunda Guerra. O direito de sangue significa que, se os seus pais são turcos, imigraram, tiveram você após dez anos na Alemanha, você nasceu na Alemanha, nunca foi pra Turquia nem tem planos de ir, etc. - mesmo assim, você não é considerado alemão. Como disse o leitor Ram, você é estrangeiro (Auslander). Os conflitos vindos dessa situação, obviamente, são enormes. Por isso a Alemanha mudou a lei e agora filhos de Turcos nascidos lá podem optar pela nacionalidade alemã. Resta esperar que, com o tempo, a medida contribua para a integração social e econômica, mitigando a discriminação não-oficial que o leitor aponta em estruturas de trabalho.

[Sobre "O retorno das Cruzadas"]

por Daniela Sandler
3/2/2005 às
17h07

Texto oportuno
Marcelo, que texto oportuno! E você falou de todos os aspectos importantes do tema – a começar que a leitura não é só recepção passiva, mas também produção (de sentido e de novos textos). A gente precisa de uma sociedade menos injusta onde a urgência do quilo de açúcar não faça livro parecer supérfluo. Fiquei pensando nos metrôs europeus, onde sempre via um monte de gente mergulhada em livro, até nas escadas rolantes. Aliás, o nosso metrô da Paulista tem umas máquinas de vender livro barato – será que funcionam?

[Sobre "Política de incentivo à leitura"]

por daniela sandler
2/2/2005 às
16h55

menos burro
Saber que você assiste o Big Brother me faz sentir menos burro por assistir Smallville.

[Sobre "Desconstruindo Marielza"]

por david
2/2/2005 às
14h50

Casmurrice
Caro Domingos, suas idéias parecem estar bem consolidadas e não é meu objetivo demovê-lo de suas certezas. Entretanto, não posso deixar de anotar: o próprio Machado de Assis já havia deixado claro a propósito do teor sorumbático do livro. Basta atentar para o título da obra. Dom Casmurro. Casmurro, segundo dizem os dicionários, quer dizer "Que, ou aquele que é teimoso, implicante, cabeçudo". Assim, não há necessidade do trocadilho infame "Dom Chaturro". Antes, é melhor saber o significado das palavras. Forte abraço, parabéns pelo texto, Fabio

[Sobre "Machado e Érico: um chato e um amigo"]

por Fabio Cardoso
1/2/2005 às
10h15

Corajoso
Corajoso esse depoimento em relação a um clássico. Nos últimos anos tenho feito uma revisão do Machado - do qual, diga-se, nunca gostei - e descubro em determinados contos um Machado criativo & de humor afiado, além de inteligente; mas "Dom Casmurro", lido há tanto tempo, considero (salvo venha a reler depois e mudar de idéia) um romance difícil de engolir... O válido, o importante aqui, para mim, lendo essa crítica, é isto: a liberdade que todos nós devemos ter de criticar/discordar de um "clássico". E admitir, no final das contas, esta verdade escamoteada por pretensos entendidos em literatura: ler é sempre gosto pessoal, troca de visões de mundo, diálogo do autor com o leitor. E, se não me agrada a conversa de um escritor, tenho de ter o direito, a liberdade sagrada de dizê-lo - do mesmo modo como diria de um conhecido a quem passo a evitar: "É um chato".

[Sobre "Machado e Érico: um chato e um amigo"]

por Carla
1/2/2005 às
06h46

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
42220 visitas/dia
1,3 milhão/mês