busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Segunda-feira, 21/2/2005
Comentários
Leitores

Romance de formação
O termo "romance de formação" não se refere às obras capitais para o desenvolvimento intelectual -- uma das qualidades atribuídas aos "clássicos". Romance de formação, ou de aprendizagem, é um subgênero do romance -- é como dizer, numa comparação meio boba, mas enfim, romance de aventura, ou de capa e espada... A característica principal desse tipo de romance é ter por tema o desenvolvimento de seu protagonista. A obra que "inaugura" o termo é o "Wilhelm Meister", de Goethe -- daí outro nome para a coisa ser alemão: "Bildungsroman". Outros exemplos conhecidos são "O retrato do artista quando jovem", de Joyce, e, no Brasil, obras como "Encontro marcado", de Fernando Sabino.

[Sobre "Os Clássicos e a Educação Sentimental"]

por Francesca
21/2/2005 às
22h42

sem ar puro o livro puro
Cara Fernanda, obrigado pela leitura e pelo comentário. Fica meio difícil sair e respirar um pouco de ar puro aqui em campinas para sentir a vida melhor. talvez esta seja uma das razões pelas quais eu me tranque em casa para ler e só ler... jardel

[Sobre "O crime e o castigo de um clássico"]

por jardel
21/2/2005 às
13h29

O que há por trás da dislexia
Suas palavras são apropriadas para o momento em que estamos vivendo. Louvo sua perceptível formação filosófica, evidenciada pelas citações de autores clássicos. Gostaria apenas de acrescentar que, se a minoria letrada dos jovens deste país possui os relatados sintomas, isso é resultado do desmonte da formação humanística neste país. Uma sociedade tecnicista, formada para fornecer matéria-prima barata e abundante em troca de kits eletro-eletrônicos de alta tecnologia, não precisa pensar, ou melhor, não deve pensar. O stress de informação age como um desorientador e paralisa qualquer possível articulação política, anulando uma eventual reação contra o papel que nos é imposto pelas nossas elites, completamente vendidas ao interesse estrangeiro por migalhas que as permitam acessar os shopping centers, outlets e malls. Seria uma versão atualizada das miçangas e espelhos oferecidos aos índios na época do "achamento". Nossas peruas e venais caciques manipulam as informações na mass media em prol de seu privilegiado status de amigos dos saqueadores. Sempre foi assim. Assim será até que a última gota de água do Aquífero Guarani seja transportada e então nada mais restará deste espoliado continente.

[Sobre "Apocalípticos, disléxicos e desarticulados"]

por Marcelo Zanzotti
21/2/2005 às
12h29

o talento e o desencanto
Colega, tenho medo de (sermos) acorretados pelo desencanto. Gostaria de falar com você e outros autores nessa situação.

[Sobre "Os desafios de publicar o primeiro livro"]

por Carlos Kahe
21/2/2005 às
08h09

releitura
um fato importante foi traçado aqui: a releitura... a maturidade na experimentação da catarse que o texto oferece...

[Sobre "Sobre Os Clássicos"]

por Camila Zaguini
20/2/2005 às
23h50

ne sutor ultra crepidam...
Um sujeito que, aluno de Letras, deixa de ler Machado de Assis "porque a política estudantil não dava tempo" acaba de definir-se como aquilo que Mário de Andrade chamava de "uma reverendíssima b..."! Gustavo Aguiar Rocha da Silva

[Sobre "Machado e Érico: um chato e um amigo"]

por Gustavo A. R. Silva
20/2/2005 às
22h11

Carta a Ana Elisa Ribeiro
Prezada Ana Elisa Ribeiro: seu aprendizado na década de 80 foi muito parecido com o meu na década de 50. Lemos muitas coisas em comum, você leu alguns autores que não li e de minha parte li outros que você não mencionou. Concordamos no que é essencial: ler nada faz pelo ser humano, a não ser torná-lo melhor. Por favor, diga quem foram os idiotas que se reuniram para dizer besteiras sob os auspícios do banco Itaú. Cordialmente, Gustavo Aguiar Rocha da Silva

[Sobre "O clássico e a baleia quadrúpede"]

por Gustavo A.R.Silva
20/2/2005 às
22h04

o seu silêncio
São tão intrigantes, os campos de idéias desse escritor, o tratamento que a vida lhe deu e então o seu silêncio. A hipótese que me vem rodeiam certas interrogações sobre ele: No momento em que nega uma disposição com o outro, expressa que não a quer de ninguém? Quando não escreve mais, não acredita mais no homem? Se não acredita mais no homem, é pq se conheceu de tal forma que julga que não há um porquê? A existencia não é um risco? Se não se sente uma energia extraordinária em algum momento que faça tudo valer a pena, no que se apoiar quando se está boiando no esgoto? Se há a lembrança dessa energia, por que não desejar que ela continue a existir, mesmo que não todo o tempo, e sinta que existe algo pelo que se empenhar, caminhar, correr e por que não dançar? Não acho que Raduan parou de escrever por que há um excesso de verdade no mundo, mas talvez não tenha encontrado (no sentido mais profundo de encontro) mais motivação e sentido para sua energia criadora, para qualquer crença que o inspire, que passem pelo seu crivo individual. Acho que suas obras foram gritos desafogados de si e pensando que "o escritor escreve-se para que o leitor se leia" o corte dessa "comunicação" foi por uma distância incalculável que se deu.

[Sobre "A solidão povoada de Raduan"]

por beatriz
18/2/2005 às
18h09

Sábias palavras de um amigo
Gostaria de parabenizar meu mestre e amigo pelo excelente texto, aproveitando o ensejo para convidá-lo a visitar a velha turma da 1AFIN (hoje, 3AFIN) na sala 106C.

[Sobre "Sobre a leitura dos clássicos"]

por Marcelo Zanzotti
18/2/2005 às
17h23

para onde se está indo...
Oi, Julio! Mais uma vez leio teu texto com grande prazer. E vou contar que houve uma identificação com a parte "somos pobres de conteúdo", pois me deparei com uma situação minha assim há um tempo atrás. Despertei para a procura de um entendimento mais profundo sobre o meio e sobre mim há pouco tempo, aos 17 anos, tarde não? Pois é, foi quando pude entrar em um cursinho particular, e me encantar com Aulas (com letra maíscula, porque só o aluno que vive sabe a grande diferença entre uma aula ministrada por um professor que tem uma boa capacitação e disposição e os que não tem -sem esquecer neste caso o estímulo da remuneração e bom local de trabalho-) e a existência do extraordinário conhecimento me deu um banho, e passei, pelo que observo hoje, por estágios comuns dessa procura. A Filosofia, idealismos, entre outros interesses, tiveram efeitos vazios em um primeiro momento, pois não encontraram algum respaldo de noções que pudessem direcioná-los. E estive como "mero produto do meio". No entanto, a melhor coisa foi que continuei caminhando, e num sinal percebi como estava vazia, como era falso achar que tinha e emitia opiniões minhas, quando parava para pensar, e encontrava pouca bagagem intelectual (também por ler pouco). Não que esperava ter uma compreenssão incrível de algo, nem maturidade para perceber o mundo como é, mas tinha muito pouco, tanto que sentia que havia um potencial, pois havia vontade, mas me sentia presa a uma restrição de informações que poderiam enveredar para conhecimentos. Enfim, não que pense que hoje já cheguei em algum lugar, pois percebo que é uma inclinação a um exercício constante, de ler, ver, refletir, viver, e cada vez mais reconhecer o quão pouco é diante do que existe. Mas como é bom na passagem do ano, parar e sentir que o tempo não simplesmente passou, mas sim ele aconteceu, ele foi produtivo e analisando entendimentos de ontem, percerber que eles estão mudando, sendo acrescentados, transformados. Penso hoje que, não sei se todos, mas em momentos na vida o mais importante não é onde está, mas para onde se está indo... Um abraço

[Sobre "Apocalípticos, disléxicos e desarticulados"]

por Beatriz
18/2/2005 às
16h50

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
74271 visitas/dia
2,0 milhões/mês