busca | avançada
60446 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Segunda-feira, 12/9/2005
Comentários
Leitores

embrutecimento do corpo
Caro, Marcelo, nesta noite por exemplo sem querer me deparei com dois excelentes textos sobre cinema e apreciação estética ao som do Charles Mingus, será que sou um erudito...? Seu texto é perfeito nas considerações secundárias, porém, penso que a questão vem do inicio, quando o moleque não tem nenhum incentivo a uma verdadeira apreciação estética... a sua angústia ao que me parece é que a tese de Walter Benjamim tenha se confirmado, o trabalhador sai do trabalho e vai ver um filme, ele quer ver as bundas e tiros e pronto, entretenimento puro e simples... penso humildemente que é uma questão de educação e curiosidade despertada, no mais, o lance é que o ser humano é descendente direto da girafa. Penso também que é uma questão de embrutecimento do corpo, só respondem aos mesmos estimulos... Excelente texto esse seu.

[Sobre "A falta de paciência com o cinema"]

por Danilo Santos Cruz
12/9/2005 à
01h32

missão cumprida
Aê, Marcelo, muito bom o texto, nunca vi uma obra desse autor, e você conseguiu o mais importante: assim que tiver oportunidade procurarei e assistirei um dos seus filmes... Não é essa a missão de quem escreve?

[Sobre "Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo"]

por Danilo Santos Cruz
11/9/2005 às
23h31

muitíssimo obigado
Prezado Julio, muitíssimo obigado por me fazer conhecer a obra de Schopenhauer, além do excelente comentário. J.D. Brito

[Sobre "Schopenhauer sobre o ofício de escritor"]

por Brito
9/9/2005 às
15h18

Um livro pode ser ordinario...
Nao sei... Nem todo matematico precisa ser Gauss. Nem todo escritor precisa fazer um classico. Acho que as coisas se constroem e se complementam. Obviamente, certas coisas tem um valor maior, mas muitas vezes nao estamos preparados ainda para receber isto. Seria como aprender sobre curvatura gaussiana antes de ter brincado de Calculo num livro nada genial do Leithold. O livro de entretenimento, alem da funcao de entreter, serve sim como porta de entrada... Eu mesmo fui ler um monte de coisas legais, porque comecei jovem e lendo entretenimento. Talvez Schopenhauer tenha criticado nao a literatura de entretenimento, mas escrever por dinheiro. Ha' uma grande diferenca. Um Stephen King ou Agatha Christie podem amar o que escrevem. Pode nao ser fundamental, mas podem ter a paixao pelo oficio... Acho que muita gente imagina que escrever um livro seja sacrossanto so' porque se deixa um monte de volumes de papel para depois que nos morrermos. Nao ha' nada de mais nisso... Um livro e' plenamente ordinario. Talvez, se ele te tocar de alguma forma, ai' e' importante. Pode ser um Agatha Christie ou Fausto. Em engenharia muita gente pula pra cima e pra baixo sobre classicos. Mas como entender as ideias classicas de engenharia se voce nao tem a base? Ou se a pessoa escreve mal como Leibnitz? Sera que alguem quer aprender Calculo com o livro dele?

[Sobre "Schopenhauer sobre o ofício de escritor"]

por Ram
9/9/2005 à
00h40

Conselhos discutíveis
Um escritor pode escrever por dinheiro e, assim mesmo, produzir obras extraordinárias. Há inúmeros exemplos na história da Literatura, como Balzac e Dostoievski. Do mesmo modo, muitos que escrevem por amor, podem dar forma a textos abomináveis (como, aliás, costuma ocorrer e muito). O seu texto, que por sinal está muito bom, só me fez reforçar a tese de que quando o assunto é arte (incluindo aí a Literatura) não existem regras absolutas que valham para todos. Quando se tenta colocar todos os escritores sob o jugo de uma classificação única e abrangente, os resultados costumam ser temerários. Além do mais, creio que entre os novos escritores, há estilo até demais; o que falta é criatividade. Quanto à validade ou não dos best-sellers essa é uma discussão prematura e inútil num país como o Brasil, onde 75% da população, segundo dados recentemente divulgados, não é capaz de ler e/ou interpretar um texto escrito. Portanto, antes de enveredarmos por esse debate, precisamos formar um contingente maciço de leitores. E os best-sellers podem, sim, prestar um grande auxílio neste sentido.

[Sobre "Schopenhauer sobre o ofício de escritor"]

por Luis Eduardo Matta
9/9/2005 à
00h23

Credora com respeito
Até para mim que fui ludibriada pela verborragia, considerei o texto procedente... já que credora de um partido dos trabalhadores que "pintava muro", "tinha posicionamento".

[Sobre "Têm sido tempos difíceis..."]

por Ana
8/9/2005 às
12h02

Mínimo múltiplo comum
Schonpenhauer, Nietzsche, Mencken, e Paulo Francis, têm algo em comum? É o que resta ser respondido, não apenas pelo temperamento deles. Mas pelo conteúdo de sua obra. Na provocação de comparar o artista que vende sua obra com uma prostituta. Na coragem de navegar contra a corrente, apesar dos inimigos que foram acumulando ao longo dos anos. Na coragem de criticar com arrogância desde que o sentimento fosse verdadeiro. Na coragem de se mostrar como se é, derrubando a fronteira entre o público e o privado. Mostrando que a felicidade só é verdadeira se completa. E como não pode ser completa jamais será verdadeira. Sou obrigado a escrever que seu artigo é majestoso. Na forma e no conteúdo.

[Sobre "Schopenhauer sobre o ofício de escritor"]

por Erwin Maack
8/9/2005 às
10h52

Também fui patrulhado
Muito antes do "Lula paz e amor" e do PT cor-de-rosa para consumo da classe média, eu sempre votei no PT (e eventualmente no PSDB... grande Covas). Também fui patrulhado, agredido verbalmente, ridicularizado. Por aí se percebe que maniqueísmo e ignorância não são exclusividade de nenhuma facção, eles estão distribuídos igualitariamente. Parece que é nossa sina vivermos em um eterno FlaxFlu. Triste.

[Sobre "Têm sido tempos difíceis..."]

por Claudio
8/9/2005 às
10h27

2 Filhos de Francisco
Sem dúvida, Eduardo Carvalho tem toda razão: o que existe de sambinha e roquinho péssimos sendo saudados como música de qualidade apenas por serem samba e rock não está escrito. Zezé di Camargo é um grande compositor popular, um grande talento musical bruto que lapidou a si mesmo, como Luiz Gonzaga e Roberto Carlos são e, mesmo assim, enfrentaram enorme preconceito até serem aceitos pela elite intelectual. Os bossa-novistas tinham horror ao baião de Gonzaga. Até o dia em que os tropicalistas e um Quinteto Violado redescobriram o Velho Lua e contribuíram para levar sua música simples, mas muitas vezes sublime, para as melhores salas de concerto, inclusive as de música erudita. Certa vez, num concerto em Goiânia, com a Orquestra Sinfônica local, regida pelo maestro Joaquim Jayme, o grande Sivuca contou ter executado "Asa Branca", numa versão sua para concerto e sanfona, com uma orquestra de câmara da Suécia e, durante a execução, a spalla da orquestra chorava, emocionada. Vejam que cena: uma violinista sueca chorando ao executar a música de um sanfoneiro pé-serra, quase analfabeto, do sertão do Brasil. No filme se pode perceber que algumas músicas de Zezé di Camargo têm essa mesma força de "Asa Branca", com a diferença de que "Asa Branca" traduz a emoção coletiva de um povo, enquanto "É o Amor", por exemplo, expressa autenticamente sentimentos individuais, mão menos legítimos do que os coletivos. Por outro lado, ao contrário do que acredita a grande maioria dos intelectuais contemporâneos, a beleza não é inimiga das lágrimas, pelo contrário - freqüentemente são irmãs siamesas. Eu me emocionei com "2 Filhos de Francisco". Ele dignifica o Brasil profundo dos Sertões de Rosa, que vai do norte do Paraná até Goiás e tem seu cerne no interior de São Paulo. E, além do mérito do diretor, há também muito mérito na decisão de Zezé di Camargo de convidar Caetano Veloso para fazer a trilha sonora do filme. Caetano, como sempre, demonstrou que é mesmo um mestre e soube dialogar com a cultura do interior do Brasil. (José Maria e Silva, Goiânia, Goiás, Brasil)

[Sobre "Um rancho e um violão"]

por José Maria e Silva
8/9/2005 às
04h49

parabens
eu achei esse texto muito bom

[Sobre "Italo Calvino: descobridor do fantástico no real"]

por giovanna bossolani
7/9/2005 às
22h41

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
60446 visitas/dia
1,8 milhão/mês