busca | avançada
44531 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Segunda-feira, 7/11/2005
Comentários
Leitores

Não tenho vergonha virtual
Talvez eu seja esquisita, mas eu sempre postei depoimentos no Orkut. E adoro os que meus amigos escreveram para mim. Os depoimentos gosto mais da palavra inglesa testimonial, eu testemunho, o que eu digo é verdade são como um cartão de visitas para aquela pessoa... e quando alguém estranho me adiciona no Orkut vou no perfil da pessoa verificar os testimonials que ela possui. Uma pessoa com testimonial no perfil, com fotos, com recados reais no scrap é uma pessoa real e aí, as mensagens virtuais ali postadas me auxiliam a ver quem é quem. Os testimonials são como cartões de visita virtual "vejam, eu sou essa pessoa, com esses amigos que falam isso de mim". Eu considero assim. Não tenho vergonha virtual assim como não considero menos virtual um telefonema. A tecnologia existe para nos comunicarmos, não importa qual seja. E é bom ter um recurso que coloca mais perto pessoas que estão longe de nós como meus amigos baianos, na saudosa Salvador.

[Sobre "Por que eu não escrevo testimonials no Orkut"]

por Danicast
7/11/2005 às
10h31

Comentários no Blog
Legal poder fazer comentários agora!

[Sobre "O tempora"]

por Bion
6/11/2005 às
12h52

Lucidez
Muito lindo e profundo... Por que a lucidez faz o seu dia diferente? Quem sabe não é o seu dia, que por ser diferente, lhe faça lúcida? A sua vida, lúcida, lhe fez sábia...

[Sobre "Suicídio da razão"]

por Tonha
6/11/2005 às
04h21

Sou bem burrinha também
Meu Adorável Mentiroso! A mentira só tem utilidade na criação de sonhos. É um ensaio que de tanto ser amado acaba virando e revirando a realidade. Sou bem burrinha também pois vi e achei genial O dia de Maria, principalmente a mímica, e a introdução das explosões da guerra que me fez cair dos sonhos cor-de-rosa, das fadas ingênuas para um cenário ultra real, quase profético. Não sei se me fiz entender, pois não sei e não posso mentir, já que não sou escritora. Gostei da primeira e fiquei feito pateta diante dos cenários da segunda. Concordo em tudo que diz sobre a série. Outro programa genial foi Ética, da 2 filmes, transmitido ha' vários anos na TV Educativa: Marilena Chauí e José Américo Motta Pessanha deram um show. As fitas são vendidas na Fundação Anchieta. Se tiver oportunidade não deixe de ver. Você deve ser uma pessoa linda, pelo jeito gostoso de "mentir" e agradar! E não pare de me contar seus sonhos! Uma bobina de mentiras lhe desejo todo dia. Um grande abraço, Adheir

[Sobre "Hoje é dia de Maria"]

por Adheir
6/11/2005 às
02h55

Resposta ao Ram
Ram, já nem sei se carinho, amor, companheirismo fazem parte da vida atual. Tudo isso é muito lindo e todos fazem a pessoa feliz, mas vejo-os como raridade. Infelizmente, as pessoas viraram seres descartáveis. Um horror, mas é verdade.

[Sobre "E você, quer casar?"]

por Carolina Falcone
5/11/2005 às
23h44

foram 298 e não 291
Acabei de lê-lo e procurei informações: belíssima apresentação, porém uma retificação foram 298 penetrações contadas no livro e não 291. Levando em consideração o valor que a autora dá ao ato, 7 relações fariam diferença. Abraços.

[Sobre "A entrega de Toni Bentley"]

por Danielle Luz
5/11/2005 às
23h15

expor ou não sentimentos
Muito interessante a tua opinião sobre expor ou não sentimentos. Minha esposa fez um depoimento sincero e eu achei que deveria excluí-lo. Pedi a ela para que assim o fizesse e ela concordou.

[Sobre "Por que eu não escrevo testimonials no Orkut"]

por vanderlei carlos mad
5/11/2005 às
21h57

auto-ajuda filosofica
Andrea, acho interessante essa sua iniciativa de fazer um paralelo entre um pensamento que pode realmente mudar uma pessoa e outro que quer apenas domina-la. O perigo é que, como o proprio já dizia, a plebe deixa as suas marcas aonde quer que coloque as mãos. Sendo assim nestes tempos de popularização de Nietzsche, o desafio mais radical é realmente encarnar suas obras e conceitos sem fazer deles meras palavras de ordem, ou transformar-se em padres nietzschianos. Que cada um tenha a liberdade de interpretar as coisas como quiser, mais a de se ter cuidado, para não transforma-lo numa mera auto-ajuda filosofica, como vem fazendo com o Hagakure, ou com o Sun tzu... Abraços, Danilo

[Sobre "A Auto-desajuda de Nietzsche"]

por Danilo S. Cruz
5/11/2005 às
21h14

!
Bom retorno!

[Sobre "Escritora-apesar-de"]

por Julio Cesar Corrêa
5/11/2005 às
17h48

Poema lindo
Poema lindo, tocante, que evidencia a sensibilidade da escritora. Recomendo aos amantes das coisas boas da vida.

[Sobre "Suicídio da razão"]

por Paula Souto
5/11/2005 às
14h23

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
44531 visitas/dia
1,9 milhão/mês