busca | avançada
54801 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Quarta-feira, 30/11/2005
Comentários
Leitores

Pq o casamento não acabou...
O casamento não acabou porque é uma opção voluntária. Não é lei. E tem muita gente boa feliz no casamento... Perguntem a um tal de Sir. Paul McCartney.

[Sobre "E você, quer casar?"]

por Ram
30/11/2005 às
04h16

a espiritualidade coca-cola
Não sei, não. Se este é o único coelho na cartola, acho que teremos que comer guisado... Li Paulo Coelho quando tinha 14 anos de idade. Mais precisamente, no primeiro ano do segundo grau. Tive que ler, porque 3 livros dele foram leitura obrigatória... Ao mesmo tempo estava descobrindo os clássicos nacionais, de Amado a Machado, de Aluizio Azevedo a Mario de Andrade. E posso dizer, sem papas na lingua, Paulo Coelho escreve livros bem piores que estes. Suas estórias são superficiais e um tanto previsíveis, e o português básico. Talvez esteja aí o seu mérito. O brasileiro já não quer ler coisas sofisticadas... Não digo só o brasileiro, o cidadão médio do mundo não quer nada muito complexo. Nada melhor que livros que tenham sempre uma entonação positiva, envolvam uma magiazinha aqui e ali - a espiritualidade coca-cola que todos andam buscando - e voilà. Claro, tem seu mérito. Assim como Metallica tem seu mérito no rock: vender. E nem por isso vamos compara-los aos Rolling Stones..

[Sobre "Paulo Coelho para o Nobel"]

por Ram
30/11/2005 às
04h10

adentrar a Alma do Mundo
Giron, você lembra que no romance “O alquimista”, Paulo Coelho tece uma homenagem a diversos autores que teriam “entrado na Alma Do Mundo”? Estou convicto de que ele, como Jorge Luis Borges e Oscar Wilde, entre outros homenageados, também adentrou a Alma do Mundo, belíssimo termo da Alta Mística. Nela estiveram os Beatles, Eliot, Chico Buarque, Magritte, Borges, Millôr Fernandes, e todos os que desejando ou não, deram toques e retoques no Surreal Triângulo do Amor, da Poesia e da Liberdade. A magia do complô chega a ponto do anti-metafísico Millôr ter promovido ainda mais o recente Zahir de Coelho, comentando (provocativamente, Millôr?) “O Zahir” de Borges, como exemplo de texto que não dá para ser melhorado. De Paulo Coelho li só os dois primeiros livros. Talvez por culpa de “O Zahir” e outros de Borges, que leio ad libitum. Não acredito que a Instituição Nobel tenha decaído a ponto de contemplar Paulo Coelho ou J. K. Rowling Potter. Ambos, como diria o místico Pessoa, são “Médias”.

[Sobre "Paulo Coelho para o Nobel"]

por Mário G. Montaut
29/11/2005 às
19h22

um desabafo que não agride
A poesia tem elegância. É um desabafo que não agride. Gostei. Parabéns.

[Sobre "Suicídio da razão"]

por Edna Markus
29/11/2005 às
19h20

Nobel só pode ser piada
Penso que o motivo pelo qual não há análises profundas sobre a obra do Paulo Coelho é que ela não se presta a isso. Li três livros dele (O Alquimista, Brida e As Valquírias) e considero-os assombrosamente mal escritos. Penso que se trata de alguém com boa dose de imaginação e, provavelmente, alguma experiência mística, mas não é capaz de produzir literatura com isso. Não há dúvida de que há preconceito contra essa sua aura de escritor, mas não creio que isso se deva tanto ao aspecto alucinante e nada verossímel de seu misticismo quanto ao fato de faltarem elaboração e dimensão poética aos seus relatos. Indicá-lo para o Nobel só pode ser piada.

[Sobre "Paulo Coelho para o Nobel"]

por Sônia Portella
29/11/2005 às
17h52

Por que Coelho faz sucesso
Olá, Giron. Paulo Coelho sempre me despertou reações contrárias: admiração, pela narrativa suave e envolvente, e indignação por dedicar a maioria dos feitos de nossa vida a causas místicas ou sobrenaturais. Mas eu convivo bem com esse paradoxo. Não quero resolvê-lo. Um livro que me ajudou a entender o fenômeno PC foi o do Prof. Mario Maestri, "Por que Paulo Coelho faz sucesso", se não me engano. Este livro ajudou-me a entender o público leitor de PC. Embora as críticas de Maestri sejam por vezes ácidas e amargas demais, há muita informação interesante ali. Um abraço.

[Sobre "Paulo Coelho para o Nobel"]

por Jacques
29/11/2005 às
16h46

Lucidez... sim ou não!
O poema é muito profundo e nos remete a uma reflexão sobre a nossa lucidez, que nos leva à razão mas também pode nos impedir de fantasiar, o que talvez seja a única realidade. Parabéns à autora pela sensibilidade de tocar sentimentos nobres e contribuir para a nossa decisão de ter lucidez OU NÂO!!!

[Sobre "Suicídio da razão"]

por Sílvia Parreira
29/11/2005 às
16h42

Mais fácil do que parece
A vida as vezes é mais simples do que parece. O problema é que ficamos muito envolvidos com os "vícios", sejam eles bons ou ruins. Acho que o segredo é procurar mais pelo "mistério", e trocar de vícios. No fim somos apenas átomos!

[Sobre "A ousadia de mudar de profissão"]

por Ricardo Cabral Jahen
29/11/2005 às
14h46

perder a lucidez
Que poema maravilhoso!!! Tocou minha alma profundamente. Hoje, um dia chuvoso e de melancolia, este poema trouxe à tona sentimentos já esquecidos. É de uma sutileza surpreedente. Só o título já diz tudo. Quem não gostaria de perder a lucidez alguma vez? Parabéns à autora!

[Sobre "Suicídio da razão"]

por Rosa
29/11/2005 às
12h54

Rina Bogliolo
Adorei o poema de Rina Bogliolo. Gostaria de obter mais informações a respeito da escritora. Obrigada. Litza.

[Sobre "Suicídio da razão"]

por Litza Costa Nunes
29/11/2005 às
12h17

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
54801 visitas/dia
1,8 milhão/mês