busca | avançada
48394 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Quarta-feira, 22/2/2006
Comentários
Leitores

JK, o amante genérico
A novela história "JK", atualmente apresentada pela TV Globo, fez uma interessante inovoção, criando o "amante genérico". Sabe-se que JK teve várias amantes. Diz-se que morreu em acidente na Rodovia Dutra quando ia visitar uma amante no Rio. Porém, na história global - talvez uma exigência da parentada do ex-presidente -, esse fato passou a ser relatado de modo sui genereis, talvez único na literatura mundial: a atriz Letícia Sabatella faz uma interpretação na série que seria uma espécie de encarnação de TODAS as amantes de JK. Fica, assim, preservada a imagem do fogoso amante latino-americano: o implacável garanhão das Alterosas, o nosso querido "amante genérico"...

[Sobre "JK, um faraó bossa-nova"]

por Félix Maier
22/2/2006 às
12h28

Nostalgia da delicadeza
Parabéns pelo texto. Nesses tempos quase bárbaros, sonho com uma civilidade mínima. Não há quem, vivendo numa grande cidade, não se identifique com alguma das situações de grosseria que você lista. Sou de uma cidade minúscula do interior de Goiás (Buriti Alegre - me alegra o eco Rosiano em Buriti), mas moro em cidade grande há mais de duas décadas. E me pergunto, numa alusão a um verso de Antônio Cícero: "terei me tornado um mal-educado apenas para atender à demanda do mercado atual?". Abraço!

[Sobre "Sou da capital, sou sem-educação"]

por Tarlei
22/2/2006 às
09h18

quero mais pra mim
A vida é aquilo que você verdadeiramente sente. Sentindo-se bem, você está bem, mas se, por mais distantante que for, passar um sentimento de "quero mais pra mim", sugiro que agarre-se a essa vontade e busque mecanismos de transformação. Mude seu comportamento e foque seus desejos: tudo que precisamos está em nós.

[Sobre "A ousadia de mudar de profissão"]

por Leandro Siqueira
22/2/2006 às
08h19

Remover meu perfil
Ri muito com seu texto pq me identifiquei demais com ele. Abraços, Mônica

[Sobre "Não quero encontrar você no Orkut"]

por Mônica Medeiros
19/2/2006 às
15h48

relacionamento homem-mulher
Olá, Marcelo. Recebi seu texto de uma amiga que provavelmente deve ter recebido através do orkut. Então resolvi visitar o site, q não conhecia, pra dar um alô e dizer q gostei muito do texto. Ando observando como o orkut tem influenciado as relações reais e como sua contribuição tem sido desfavorável. Principalmente no relacionamento homem-mulher. Só tem contribuído para torná-las ainda mais superficiais. Eu mesma sou mais uma q cometeu orkuticídio. Devo estar no quinto ou sexto... Acho importante q existam artigos como este para q se discutam mais este assunto. Tenho visitado o site com frequência e comentado os textos ;) Abraços, Mônica

[Sobre "Orkut way of life"]

por Mônica Araujo
19/2/2006 às
15h43

Alguns são mais iguais
É interessante observar que, como reação ao texto, temos vários comentários "acusando" o autor do texto de ser de direita. Antigamente, quem discordava era chamado de "de esquerda" e jogado nos porões do DOI-CODI. Agora, quem discorda é chamado de "de direita" e espinafrado em público. De todo modo, ainda vigora o "calaboca". Estamos todos ferrados.

[Sobre "Cultura, Manipulação, Pobreza"]

por Daniela Castilho
19/2/2006 às
11h44

Resposta à Karen
Muito bem, eu a parabenizo, Karen, por teu feliz matrimônio e que isso tenha sido possível graças à Rede Mundial. Mas deixe-me esclarecer que alienação, como tu o disseste, refere-se a alguém obtuso, de visão estreita, que não tenha ponderado a respeito da emissão de uma opinião embasada em experiência pessoal e de observação de algumas dezenas de usuários. Quero chamar-lhe a atençao que expressei minha opinião a respeito do "conteúdo" dos ali presentes, pois, infelizmente, até que, algumas mal avisadas, consigam descobrir se o "Don Juan" é o que diz ser, poderá ter caido no conto do vigário ou ter alguns problemas. O fato é que a exposição em excesso só satisfaz o ego de indivíduos que sentem a necessidade de serem vistos e, em segundo plano, serem encontrados ou localizados. Quero dizer-te que não ajo de forma pessimista, mas cautelosa e prudente, pois escancarar minha vida, a pessoas que nem imagino, não me agrada. "Sempre pensei que a vida fosse o que fazemos dela..."

[Sobre "Orkut, um sonho impossível?"]

por Rogerio
19/2/2006 à
00h37

Lost, Pica-pau e Boris Karloff
Eu acho que essa série Lost tenta imitar de alguma forma o sucesso folhetinesco das telenovelas da Globo. Claro, as novelas da Globo são terrivelmente chatas, vulgares, repetitivas. Lost não traz nada de novo. É o clichê da história de náufragos numa ilha perdida e misteriosa. Dizem que Lost vai para o segundo ano de exibição nos EUA. Desisti de Lost e seus flashbacks. Parece um samba do crioulo doido. Aconselho a todos a reverem o Pica-pau e os filmes do Boris Karloff. Pelo menos divertem.

[Sobre "Lost"]

por rogerio
19/2/2006 à
00h20

Brasil: país escalafobético
Nem sempre um grande escritor é um bom escritor. Fenômenos de pseudogenialidade literária como o "Paulo Coelho" explicam-se por uma boa campanha de marketing por parte da editora. Existiram muitos autores, como H. P. Lovecraft, que nunca publicaram um livro em vida e morreram praticamente na miséria. A diferença é que Lovecraft é gênio, Paulo Coelho é lixo, pasto pros pseudointelectuais deste país escalafobético, estrambótico.

[Sobre "Como escrever bem – parte 3"]

por Rogério Silvério
18/2/2006 às
23h59

Eu moro em Manaus
Moro em Manaus (AM), que é uma metrópole de 1 milhão e seiscentos mil habitantes, segundo a estimativa do IBGE para o ano de 2006. Aqui convivemos com uma eterna dualidade. Manaus é, ao mesmo tempo, moderna e antiga, rica e pobre, bonita e feia, cosmopolita e provinciana. Ou seja, a capital amazonense não é muito diferente de São Paulo. Embora Manaus esteja geograficamente distante dos grandes centros do Brasil, nesta metrópole da Amazônia Ocidental podemos fazer reflexões sobre o que é viver no Brasil dos dias atuais. Gostei muito do texto de Eduardo Carvalho, pois retrata a cidade de São Paulo sem uma visão excessivamente romântica (e/ou ufanista e, por vezes irreal) da maior metrópole do país. Ele demonstra gostar de ser e de viver em São Paulo, mas não perdeu seu olhar crítico sobre a cidade.

[Sobre "Por que eu moro em São Paulo"]

por Miguel Angelo Silva
18/2/2006 às
13h06

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
48394 visitas/dia
1,1 milhão/mês