busca | avançada
60272 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Quarta-feira, 22/2/2006
Comentários
Leitores

A sobrevida dos Stones
Adoro os Stones, mas a sobrevida deles deve muito aos fãs da década de 70, que hoje estão entre os maiores consumidores do mundo. Quanto ao show do milhão, quantos não foram ali para dizer que estiveram lá? Tá, nada demais nisso... Natureza humana. Mas, os shows são suspeitos. Muito mais na base da empolgação e da mídia do que do coração. Talvez o rock ja' deu o que tinha que dar... Afinal, as grandes bandas de hoje, como Oasis, são sempre coleções de referências. E os Stones, uma cópia decrépita do grupo que fez o genial "Exile on Main Street". Um grande show dos Stones, disponivel em dvd, é Rock and Roll Circus... Depois de ver o Circus, me senti ludibriado com a apresentação da banda em 98, ao qual estive presente. Mas valeu, só para poder dizer: assisti aos Stones ao vivo.

[Sobre "É apenas rock and roll, mas eu gosto"]

por Ram
22/2/2006 às
22h34

qual é a outra face de Duchamp
quem foi Duchamp, que em 1913 pintava seus cabelos de verde? que criou um movimento e por esconder-se atrás de um pseudônimo foi recusado pelos próprios seguidores? que principiou cubista... "Nu descendo a escada" empolga-me a idéia da revisão crítica sobre Duchamp, homem muito a frente do seu tempo... ou criador desse novo tempo?

[Sobre "Duchamp e o Dadá"]

por Vanice Campos
22/2/2006 às
17h44

A Outra Face de Duchamp
De fato, há que se fazer uma revisão séria e completa da obra de Duchamp, que muitos gostam de citar, mas poucos conhecem completamente. Para começar, esquecer um pouco os urinóis, as rodas de bicicletas e pás de neve, ready-mades que sempre tiveram mais função política do que poética, e ater-se mais às pouco conhecidas - e fantáticas - obras como O Grande Vidro ou Etant Donnés. O problema de Duchamp está na sua leitura feita pelos dadaístas, leitura esta tão marcante, que causa equívocos na apresentação e interpretação deste normando até hoje. Desvinculemos Duchamp do radicalismo dadá, e libertaremos o gênio e intelectual infelizmente mal-compreendido.

[Sobre "Duchamp e o Dadá"]

por Paula Mastroberti
22/2/2006 às
15h28

JK, o amante genérico
A novela história "JK", atualmente apresentada pela TV Globo, fez uma interessante inovoção, criando o "amante genérico". Sabe-se que JK teve várias amantes. Diz-se que morreu em acidente na Rodovia Dutra quando ia visitar uma amante no Rio. Porém, na história global - talvez uma exigência da parentada do ex-presidente -, esse fato passou a ser relatado de modo sui genereis, talvez único na literatura mundial: a atriz Letícia Sabatella faz uma interpretação na série que seria uma espécie de encarnação de TODAS as amantes de JK. Fica, assim, preservada a imagem do fogoso amante latino-americano: o implacável garanhão das Alterosas, o nosso querido "amante genérico"...

[Sobre "JK, um faraó bossa-nova"]

por Félix Maier
22/2/2006 às
12h28

Nostalgia da delicadeza
Parabéns pelo texto. Nesses tempos quase bárbaros, sonho com uma civilidade mínima. Não há quem, vivendo numa grande cidade, não se identifique com alguma das situações de grosseria que você lista. Sou de uma cidade minúscula do interior de Goiás (Buriti Alegre - me alegra o eco Rosiano em Buriti), mas moro em cidade grande há mais de duas décadas. E me pergunto, numa alusão a um verso de Antônio Cícero: "terei me tornado um mal-educado apenas para atender à demanda do mercado atual?". Abraço!

[Sobre "Sou da capital, sou sem-educação"]

por Tarlei
22/2/2006 às
09h18

quero mais pra mim
A vida é aquilo que você verdadeiramente sente. Sentindo-se bem, você está bem, mas se, por mais distantante que for, passar um sentimento de "quero mais pra mim", sugiro que agarre-se a essa vontade e busque mecanismos de transformação. Mude seu comportamento e foque seus desejos: tudo que precisamos está em nós.

[Sobre "A ousadia de mudar de profissão"]

por Leandro Siqueira
22/2/2006 às
08h19

Remover meu perfil
Ri muito com seu texto pq me identifiquei demais com ele. Abraços, Mônica

[Sobre "Não quero encontrar você no Orkut"]

por Mônica Medeiros
19/2/2006 às
15h48

relacionamento homem-mulher
Olá, Marcelo. Recebi seu texto de uma amiga que provavelmente deve ter recebido através do orkut. Então resolvi visitar o site, q não conhecia, pra dar um alô e dizer q gostei muito do texto. Ando observando como o orkut tem influenciado as relações reais e como sua contribuição tem sido desfavorável. Principalmente no relacionamento homem-mulher. Só tem contribuído para torná-las ainda mais superficiais. Eu mesma sou mais uma q cometeu orkuticídio. Devo estar no quinto ou sexto... Acho importante q existam artigos como este para q se discutam mais este assunto. Tenho visitado o site com frequência e comentado os textos ;) Abraços, Mônica

[Sobre "Orkut way of life"]

por Mônica Araujo
19/2/2006 às
15h43

Alguns são mais iguais
É interessante observar que, como reação ao texto, temos vários comentários "acusando" o autor do texto de ser de direita. Antigamente, quem discordava era chamado de "de esquerda" e jogado nos porões do DOI-CODI. Agora, quem discorda é chamado de "de direita" e espinafrado em público. De todo modo, ainda vigora o "calaboca". Estamos todos ferrados.

[Sobre "Cultura, Manipulação, Pobreza"]

por Daniela Castilho
19/2/2006 às
11h44

Resposta à Karen
Muito bem, eu a parabenizo, Karen, por teu feliz matrimônio e que isso tenha sido possível graças à Rede Mundial. Mas deixe-me esclarecer que alienação, como tu o disseste, refere-se a alguém obtuso, de visão estreita, que não tenha ponderado a respeito da emissão de uma opinião embasada em experiência pessoal e de observação de algumas dezenas de usuários. Quero chamar-lhe a atençao que expressei minha opinião a respeito do "conteúdo" dos ali presentes, pois, infelizmente, até que, algumas mal avisadas, consigam descobrir se o "Don Juan" é o que diz ser, poderá ter caido no conto do vigário ou ter alguns problemas. O fato é que a exposição em excesso só satisfaz o ego de indivíduos que sentem a necessidade de serem vistos e, em segundo plano, serem encontrados ou localizados. Quero dizer-te que não ajo de forma pessimista, mas cautelosa e prudente, pois escancarar minha vida, a pessoas que nem imagino, não me agrada. "Sempre pensei que a vida fosse o que fazemos dela..."

[Sobre "Orkut, um sonho impossível?"]

por Rogerio
19/2/2006 à
00h37

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
60272 visitas/dia
2,0 milhões/mês