busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Quarta-feira, 26/7/2006
Comentários
Leitores

quem é esse tal anônimo?
Quando você descobrir quem é esse tal anônimo, que tal solicitar "Conselhos Místicos a uma Jovem Escritora"? Brincadeirinha (risos).

[Sobre "Conselhos Místicos Ao Jovem Escritor"]

por Janethe Fontes
26/7/2006 às
19h26

Não sei se moraria em SP...
Acho que não, pois nesta idade o meu ritmo... Mas não há nada que, de longe, se pareça c/ essa cidade, neste país e continente. Isto é, p/ quem gosta de viver, consumir cultura ou pseudo-cultura, comer muito bem e com exagero de variedades... Para resumir, quando vou a Sampa (e, infelizmente, pouco posso ir), sinto uma alegria enorme e sei que irei me decepcionar. Sim, pois qq tempo é pouco e quando saímos de lá fica uma sensação terrível de que não fizemos nada, embora tenhamos feito muito mais do que faremos nos próximos meses e anos até, finalmente, voltarmos à deliciosa, perigosa, feia (embora cheia de lugares muito bonitos e alguns até lindos!), latina (luso-italianíssima), cafona, chiquérrima, burguesa, proletária, interiorana (sim, a maior cidade do interior da mundo), quase praiana, múltipla, mal-educada, fraternal, hospitaleira ou não (dependendo do humor da momento), porém sempre desafiante, sempre o maior parque de diversão p/ adultos dessa latino américa.

[Sobre "Por que eu moro em São Paulo"]

por Roberto Morrone
26/7/2006 às
18h37

Gilberto Gil e Ozzy Osbourne
Até gosto do Gilberto Gil. Mesmo para ministro da cultura. Mas a comparação foi demais. Contei para os colegas daqui do trabalho e foi risada geral. Continue com o humor, que é fundamental. Toda conversa de bar, de festa, de churrascada, tem que ser regada a humor inteligente. E só leio artigos de quem sabe usar humor para criticar coisa séria (ou não muito séria). Comentários inflamados e ofendidos são o combustível disto tudo. E viva a vaia.

[Sobre "Cuidado: Texto de Humor"]

por Sergio Colotto
26/7/2006 às
15h20

Larga mão de ser temperamental
Hilário. Simples assim... E não, não é ironia... O quê? Mas eu juro que não é!... Não, pela minha mãe mortinha, não, que aí você já tá extrapolando... E quer saber? Larga a mão de ser temperamental, oras! Passar bem!

[Sobre "Cuidado: Texto de Humor"]

por Lívia Santana
26/7/2006 às
14h52

Quero colo
Marcelo, impossível ler seu ensaio sobre "Quero minha mãe" sem se expressar... Numa linguagem clara, profunda e didática, você disseca a obra e me deixa louca para ir à livraria mais próxima. Parabéns e obrigada!

[Sobre "A literatura feminina de Adélia Prado"]

por zuleica brito fische
26/7/2006 às
14h18

O que são esses comentários?
Caramba, o que são esses comentários? Na leitura do artigo torna-se claro que a referência ao “amor platônico” diz respeito a um uso ligado ao senso comum e não propriamente à filosofia de Platão. É injusto falar que o autor “cita os gregos” porque ele não o faz, logo, criticá-lo por esse motivo perde a legitimidade. Para mim, o artigo trata sobre o amor de forma despretensiosa e subjetiva, o que implica que não somos obrigados a concordar com esse ponto de vista, mas não devemos nos vendar para o fato de que é instigante e provocadora a noção de amor de que nos fala o autor. Livre de qualquer ameaça carnal que representaria o fim, o começo do fim – para tanto basta vermos os filmes de Ozon e Antonioni –, o autor propõe uma relação que desafia o estatuto do “amor” visto por lentes possessivas. Quanto aos comentários, não sei se chegaram a tocar no texto...

[Sobre "Legião o quê?"]

por Martinho Junior
26/7/2006 às
14h12

Eu te entendo!
Acredite, eu te entendo. O meu humor é muito mais ácido e corrosivo que o seu, mas as pessoas que lêem o Digestivo também não o compreendem, em sua maioria. Às vezes dou sortte e pego um leitor inteligente e com fino senso de humor que aprecia o que escrevo, mas eu recebo cada pedrada... mas eu não ligo. Continuo escrevendo o que me dá na telha.

[Sobre "Cuidado: Texto de Humor"]

por Daniela Castilho
26/7/2006 às
12h33

Amô e dô
E já que vc citou os gregos, essa associação de prazer e dor vem lá de Zeus. Diz que as serpentes que tinham esse nome eram inimigas e brigavam muito. Na tentativa de fazê-las parar, Zeus as une para todo o sempre. Daí sempre os dois sentimentos serem assim, tipo cu e bunda, unha e carne. Mas esse papo de amor sem corpo, sem carne, hum... sei não... tira dele a maior parte da graça. Bom texto, apesar da escorregada platônica. bjos

[Sobre "Legião o quê?"]

por Ana Claudia
26/7/2006 às
12h22

Platão disse outra coisa
Lucas, está tudo muito bom, está tudo muito bem, mas não põe o Platão no meio. Olha só, Platão descreveu o amor com o sentimento de completude, aquela história de metade da laranja, alma gêmea e perfeição muito bem correspondida e realizada fisicamente, sim. No Romantismo, um personagem de Goethe, o jovem Werther, declarava seu amor platônico por uma mocinha e, por não ter seu amor retribuído, se mata. Pronto, estava feita a associação com amor platônico e não-realização. Naquela época muito mais gente leu Goethe que Platão, mas citar os gregos sempre pega bem, parece chique, de modo que até hoje permanece a idéia (errada) de amor platônico (=não correspondido), espiritualizado, não concretizado, idealizado. Você pode continuar romântico, fique à vontade, é muito bom para aprofundar a sensibilidade mas se você quer um amor platônico, vai ter que batalhar sua alma gêmea e ser feliz. Abraços, Irene.

[Sobre "Legião o quê?"]

por Irene Fagundes Silva
26/7/2006 às
10h40

é de morrer de rir!!!
é sempre interessante ver alguém entregando os pontos, a não ser, é claro, que vc esteja fazendo humor agora também. pôxa, agora caiu a ficha! é de morrer de rir!!!

[Sobre "Cuidado: Texto de Humor"]

por eassis
26/7/2006 às
10h35

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês