busca | avançada
69457 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Sexta-feira, 20/8/2010
Comentários
Leitores

Outro problema: divulgação
Texto instigante! Tento sempre fazer ressalvas quando o negócio é discurso de editor. Normalmente eles são bastante apocalípticos. As tiragens de livros acadêmicos e de certos títulos de literatura são relativamente baixas, mas o consumo assustador presenciado em feiras que dão bons descontos deve ser sinal de alguma coisa. Falta um pouco de ousadia (ou talvez falte a mim conhecimento) às editoras brasileiras para que lancem livros mais baratos. Elas parecem ter entrado em uma espécie de zona de conforto (falo das grandes), onde manejam seus livros com preços altos mas com mercado confiável. Acrescentando um ponto ao que diz acima o Celito, outro grande problema é a divulgação dos livros, principalmente sua distribuição física dentro das grandes livrarias.

[Sobre "Sobre o preço dos livros 1/2"]

por Caio
20/8/2010 às
18h59

Utopias demais?
Concordo com a condição de editoras serem empresas. Ao mesmo tempo, o livro "on demand" é uma utopia. Para o iniciante, se um livro de trezentas páginas custar entre 50 e 70 reais, não será vendido um único exemplar. Se for assim, todos devem desistir? Ou procurar um novo formato? Essa é a questão. Se houvesse um conselho editorial nacional que, depois de ler, julgar os textos e premiá-los com uma primeira edição, seria bem aceito. E que a votação fosse pública. A leitura será aberta, como acontece hoje nos vários sites de literatura, sem ratear o custo pelos iniciantes. Utopia também?

[Sobre "Sobre o preço dos livros 1/2"]

por Cilas Medi
20/8/2010 às
18h22

O veterano era eu mesmo
O veterano da internet de Pato Branco era eu mesmo. Realmente é o menos globalizado dos municipios paranaenses com o SESC. Muito boa a oportunidade de discutir com vocês.

[Sobre "Autores & Ideias no Sesc-PR II"]

por Noah Mera
20/8/2010 às
15h53

Escritor nasce escritor
Quem é escritor, nasce escritor. Segundo já ouvi dizer, há nos EUA até escola para fabricar um escritor, ensinando a compor um texto, inventar personagens, elaborar a história etc. Ouvi dizer também que a moda anda pegando por aqui. Não adianta, é tudo bobagem. No entanto, não se pode admitir um pedreiro que não saiba lidar com a massa do cimento: como é que um escritor pode desconhecer seu idioma? É sua ferramenta de trabalho, é preciso conhecê-la bem. Para escrever bem é preciso conhecer o idioma e ler muito. Para ser um literato é preciso, além disso, ter uma coisa mágica que se chama "dom". Nesse caso, já estamos falando de uma ARTE.

[Sobre "Escrevendo com o inimigo"]

por Gil Cleber
20/8/2010 às
15h45

A poesia vive, apesar de tudo
Poesia brasileira atual nem o Brasil sabe, quanto mais os outros países latinos americanos. Existem pessoas como Floriano Martins fazendo um esforço hercúleo para aproximar as Américas hermanas, mas diante do poder de obliteração da grande mídia fica muito complicado. Além dos confrades que falam só de si, e de seu grupelho, não lendo nada que só repita o que já fazem. A poesia respira a despeito de nós.

[Sobre "Tempo vida poesia 2/5"]

por Edson B de Camargo
20/8/2010 às
13h48

A poesia que eu quero
"A poesia que eu quero, ora se quero!"
(Celito Medeiros)

Quero uma boa poesia como eu quero
Assim o quero-quero um arpão lhe cai
Peregrino das palavras como um ferro
Em doces rimas que tanto sonho atrai

Não quero mudar meu amor de outrora
Mesmo alimentando um pássaro voraz
Quero doce melodia que a palavra traz
Para encantar-me da noite até a aurora

Quero rebuscar o canto destas manhãs
Comer o doce mel das melhores maçãs
Embalado pelas sentenças mais nobres

Não quero apenas pensamentos pobres
Nem mesmo aplaudir só meros acordes
Quero contemplar as escritas de avelãs!

Quero, ora se quero... E tantas coisas que não quero.

[Sobre "Tempo vida poesia 2/5"]

por Celito Medeiros
20/8/2010 às
13h22

O problema é a distribuição
Escritor Profissional ou Diletante? Este é o primeiro diferencial que um autor deveria estar consciente em sua investida. Ou se poderia dizer: um Literato ou um Amador? A questão principal de um livro não é a edição de fato, mas a Distribuição. Um livro pode ser muito bem escrito, de excelente conteúdo, mas sem boa distribuição não chegará ao público. Grandes editoras possuem exatamente isto, distribuição nacional farta. Ao escritor iniciante, que não tenha pressa a respeito do resultado do leitor, pois um livro editado hoje poderia fazer sucesso no amanhã, ser reeditado, colocado em distribuição. Portanto, o que interessa mesmo é poder ter o livro editado e disponível, tanto para pequenas vendas, noites de autógrafos, quanto a realização do sonho pessoal. A edição ON DEMAND, como da AgBook, por exemplo, é um caminho seguro para o iniciante. Não gasta um centavo para ter o livro à disposição de impressão até de uma unidade. Então, o e-book também é um passo nesta direção.

[Sobre "Sobre o preço dos livros 1/2"]

por Celito Medeiros
20/8/2010 às
13h07

Desvalorização do poeta
Pensar na poesia brasileira, hoje, é ver a desvalorização do poeta, que virou uma farinha, desvalorizado no contexto acadêmico, ou seja, ninguém conhece um autor brasileiro vivo, nos meios culturais, nas editoras, e na internet todo o poeta é igual areia, num universo que precisa de encantamento. Não há programa pra isto. Há público em desorientação, necessitando da boa poesia.

[Sobre "Tempo vida poesia 2/5"]

por Manoel Messias Perei
20/8/2010 às
10h28

Visionários realizadores
Excelente texto dos primórdios da WWW. Nós, que não vivemos mais sem ela, precisamos conhecer suas origens e agradecer aos visionários realizadores.

[Sobre "Marc Andreessen e o Mosaic"]

por José Frid
19/8/2010 às
13h02

Grande Ryoki!
Grande Ryoki! Meu primeiro editor e um dos primeiros a apostar no meu trabalho. Ele só não conseguiu me convencer ainda de que é possível viver como escritor no Brasil. Mas é claro que isso depende de mim e não dele, que sempre conseguiu. Valeu pela entrevista, Guilherme!

[Sobre "Ryoki Inoue"]

por Yuri Vieira
18/8/2010 às
10h10

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
69457 visitas/dia
2,0 milhão/mês