busca | avançada
32489 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Segunda-feira, 18/10/2010
Comentários
Leitores

Os dois lados da história
Gostei da organização do texto em relação aos comentários do autor e os exemplos reafirmando suas teses em seguida. Abrange quase todo o contexto representado no filme e livro, apenas se concentrando nos pólos principais das ideias, para que, assim, não desgaste tanto tempo expressando os dois lados da história, coisa já feita para aquele que leu e suficientemente compreendeu o livro. Obrigado.

[Sobre "Cidade de Deus, de Paulo Lins"]

por Gustavo
18/10/2010 às
16h05

A mumificação da saudade
A nostalgia é um sub-produto da experiência de vida de cada um. As travessuras infantis transmutam-se em transgressões e imprudências até que, aos 40, começamos a pensar no que não mais faremos ou veremos. É tão bom lembrar das goiabeiras no quintal, onde se subia sem medo. Não mais existem quintais ou goiabeiras. E quem é que aos 68 anos, escalaria goiabeiras em busca de frutas? Saudade é memória recente de coisas que talvez ainda possam ser repetidas. Nostalgia, não. Não veremos, sentiremos ou faremos mais o que virou nostalgia: tomar bonde andando quando se tem 13 anos: nem bonde existe mais; ir ao baile com música de conjunto e dançar "coxa a coxa"; comer uma feijoada de combuca no Papai da Aurora à meia-noite.; fazer um terno sob medida, um sapato no Motta e sair com a namorada. E os amigos? Alguns morreram, outros sumiram. Restou a nostalgia, a mumificação da saudade.

[Sobre "A suprema nostalgia"]

por Raul Almeida
18/10/2010 às
12h32

O incrível papel dos revisores
Sinceramente, ao ler o primeiro parágrafo pensei: "Vai ser mais um texto metalinguístico chato", mas me surpreendi. Achei-o bastante esclarecedor e, de certa forma, inovador. Não escrevo nada importante, muito menos reviso. Sou uma reles leitora, contudo sempre notei o incrível papel dos revisores e, vou mais longe, o dos tradutores, que também é imprescindível. Obrigada por trazer à tona a importância desses profissionais. :)

[Sobre "Trocar ponto por pinto pode ser um desastre"]

por Dayanne
18/10/2010 às
11h13

Parabéns para os revisores
Sou formado em Letras pela Universidade Estadual de Maringá, no Paraná, mas nunca quis ir para a sala de aula. Tenho muito interesse em trabalhar nessa área de revisão, mas ainda não surgiu uma oportunidade. Em geral, enquanto estou lendo, vou anotando esses pequenos deslizes (troca de letras, erros de digitação em geral) que acabaram escapando ao autor e ao revisor. Certamente iria gostar muito de atuar nessa área. Parabéns aos revisores de texto que realmente passam despercebidos (talvez esses é que sejam os melhores!) em todo o processo editorial.

[Sobre "Trocar ponto por pinto pode ser um desastre"]

por Leandro Bispo Veras
18/10/2010 às
10h53

Votando no menos pior
Olá. Sempre "achei" (achismo é sempre uma coisa deprimente!!!) que os votos nulos fossem vazios de qualquer conotação política, uma vez que a partir dele não é possível concluir se houve de fato uma intenção do eleitor de manifestar seu descontentamento com a política, com os candidatos, com as eleições, enfim, ou se simplesmente ele errou na hora de digitar (sou da geração das Urnas Eletrônicas). Por outro lado, sempre considerei o voto em branco uma forma de manifestação política deliberadamente clara e objetiva, ou seja, ele significa que o eleitor não quer, ou não gostou, ou não aprovou nenhum dos candidatos e/ou programas de governo que lhe foram apresentados. Mas esse é um assunto irritante, quanto mais leio a respeito, mais vejo que existe uma tendência a torná-los, o voto branco e nulo, equivalentes. Para mim, isso é péssimo, pois a maioria das pessoas que conheço está sempre votando no "menos pior", segundo elas.

[Sobre "Por que votei nulo"]

por Leandro Bispo Veras
18/10/2010 às
10h15

Precisamos plantar atitudes
Se não plantarmos atitudes, se não ilustrarmos a nossa vida de acontecimentos, de poesias, com certeza nossa memória amanhã será de um vazio contemporâneo ilustríssimo. E não estaremos reclamando da nostalgia. Mas do vento que plantamos, esperando as tempestades.

[Sobre "A suprema nostalgia"]

por Manoel Messias Perei
18/10/2010 às
02h31

Se votar não fosse obrigatório
Já comentei este texto, mas me ocorreu outro pensamento: se o voto não fosse obrigatório, vocês já imaginaram como seria a disputa pela "compra" de votos dos que, supostamente, não iriam por livre e espontânea vontade às urnas? Será que estamos amadurecidos para o voto não obrigatório?

[Sobre "Voto fulo"]

por Rosangela Friedrich
17/10/2010 às
19h40

Obrigada por escrever
Obrigada por escrever, Rodrigo :)

[Sobre "Desventuras Prosaicas"]

por Camila
17/10/2010 às
11h25

Nada mudou
Engraçado... O texto foi escrito nas últimas eleições presidenciais, há 4 anos. Levei um susto ao terminar a leitura, achei que seria pra estas. Incrível, nada mudou. Aliás, mudou, sim. Alguns pontos que o Guga destacou tão bem pioraram nestes 4 anos. Tenho medo do Brasil.

[Sobre "Voto fulo"]

por Fernanda
17/10/2010 às
07h52

O democrata da mídia
A impressão que a mídia passa é que o democrata do pedaço é o Serra!

[Sobre "Jesus não vota"]

por Roberto
17/10/2010 às
02h28

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
32489 visitas/dia
1,0 milhão/mês