busca | avançada
37059 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Domingo, 11/3/2007
Comentários
Leitores

votar é um dever cívico
O voto não é obrigatório, é um dever cívico. E democracia não é: "não preciso votar". Democracia é: "posso escolher quem governa o meu País!"

[Sobre "A favor do voto obrigatório"]

por Jadi
11/3/2007 às
10h11

Ram, um brasileiro
Tráfico de drogas é uma face de uma atividade ilegal criminalizada e combatida pelos poderes públicos; consumo de drogas é uma atividade correlata que alimenta e potencializa os efeitos primários e secundários de ambas atividades; o consumo é tolerado e minimizado como uma patologia e o tráfico estigmatizado como fosse uma coação violenta, brutal. A verba para o ensino superior, seja de qual tamanho for, serve somente de massa crítica para potencializar a exclusão cruel e criminosa, que já é norma em nossa sociedade. O Brasil ainda é a média dos seus defeitos e suas virtudes, da mentalidade tacanha de alguns, da ingenuidade servil de um outro tanto, de uma imprensa cordial, de políticos em detrimento de administradores e vice-versa. Todos somos ao mesmo tempo algozes e vítimas, pais que não educam filhos; filhos que não questionam pais e todos acreditando que vivem num país. O Brasil precisa ser descoberto, inventado; e só então depois de algum temor e alguma dor será possível sabê-lo

[Sobre "Investimento atrás das grades"]

por Carlos E. F. Oliveir
11/3/2007 à
01h51

Virtuosos?
A natureza é cheia de exemplos de presas e predadores, não vejo nenhuma crueldade nisto; o leão se alimenta do antílope e não é mau. Ele é selvagem. Esta é a sua natureza. Quando vejo homens, individualmente ou em grupos, comunidades ou o que seja, penso qual seja a sua natureza? Vejo gente explorada e "honesta", privada de oportunidades e "honesta"; e questiono o que seja honestidade? Individualmente e em grupo, que comportamento a nossa sociedade fomenta, endossa? Quem são os exemplos de honestidade? Quantos são? E o oposto? Preciso saber do quanto de maniqueísmo está implícito nesta necessidade de não enxergar esta situação tão real da evolução de valores. Falo da dinâmica apenas, não discuto méritos. A nossa noção geral de honestidade está enfraquecida por um senso de oportunidade e os nossos valores atuais são os de resultado. Ainda que não sejam valores gerais; mas presentemente é o que se destaca. Talvez este não seja mais um mundo bom, mas bondade, já é uma outra virtude...

[Sobre "Honestidade"]

por Carlos E. F. Oliveir
11/3/2007 à
01h10

Às avessas
Muito bom este texto, pontual e afirmativo sobre a relevância de PF no nosso cotidiano. Aos que apontam equívocos em suas posturas; acredito que faça parte da opção de não se omitir ou, quem sabe, apenas corroborar com o status quo, que talvez seja mais confortável. Claramente PF não buscou o caminho fácil deste tipo de afeição bajulativa; comportamento vigente na imprensa atual. É possível não gostar de algumas de suas escolhas, é possível discordar de suas posições, mas senhores antagonistas, vossas atenções já validam tudo o que este espaço publicou sobre esta figura. Talvez ele seja tão irrelevante quanto nossos comentários.

[Sobre "Uma década no rastro de Paulo Francis"]

por Carlos E. F. Oliveir
11/3/2007 à
00h48

Rita é refresco
Conheci Rita por uma indicação do blog do Inagaki há pouco tempo. É incrível como ela passou despercebida por tanto tempo e como estávamos perdendo ao não conhecê-la. E vicia.

[Sobre "Passos enfileirados"]

por Bia Cardoso
10/3/2007 às
19h39

Saudades do Waaal!
Todos os que liam o "Diário da Corte" sentem falta de um "Waaal!" nas edições dominicais dos jornais. E dos petelecos que Caio Blinder recebia no Manhattan também.

[Sobre "Uma década no rastro de Paulo Francis"]

por Martin Froener
10/3/2007 às
16h24

Proust: sempre surpreendente
Gostei do texto. Li Proust pela primeira vez quando tinha 17, por obrigação, e acabei me encantada por suas obras, pela maneira com que fazia descrições, como ele mesmo diz em "No caminho com Swann": "parecia-me que eu era o assunto de que tratava o livro". Hoje aos vinte leio a obra pela segunda vez e não páro de me surpreender.

[Sobre "Como Proust mudou minha vida"]

por clivia vieira
10/3/2007 às
16h11

PF: espantalho para muitos
Julio: é preciso escrever também sobre o quanto o Francis da última fase é uma espécie de espantalho para muitos. Renato Russo disse, numa entrevista, que uma pessoa com quem nunca se deitaria era Paulo Francis. A recíproca com certeza deveria ser verdadeira. Outra figura que citou Francis numa música foi Gabriel O Pensador, mas, em entrevista, negou-se a comentar o referido jornalista. Talvez por penúria intelectual, ou quem sabe medo de levar uma traulitada.

[Sobre "Uma década no rastro de Paulo Francis"]

por Lúcio Jr
9/3/2007 às
18h58

mais honestidade
Ótimo texto, espero que traga mais honestidade até mesmo para os menos honestos.

[Sobre "Honestidade"]

por André Busha
9/3/2007 às
18h05

Oxigênio
Beleza de texto, Julio. Vale mais essa forma de perceber o Francis que mil análises mais formais sobre ele. E o Francis dava mesmo um gás nos seus leitores, promovia uma oxigenação geral. Seu texto é tocante. Valeu!

[Sobre "Uma década no rastro de Paulo Francis"]

por Guga Schultze
9/3/2007 às
17h40

Julio Daio Borges
Editor

busca | avançada
37059 visitas/dia
1,4 milhão/mês