Palavras, Palavras, Palavras | Paulo Francis

busca | avançada
36819 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 26/8/2002
Palavras, Palavras, Palavras
Paulo Francis

+ de 3700 Acessos

Nós vimos a descida da lua. Descrever o acontecimento por escrito é supérfluo. As próprias explicações técnicas ganhariam em inteligibilidade se acompanhadas de filmes. A reportagem escrita está morta. Nem toda a bestilharia de locutores de TV (em países subdesenvolvidos) pode esconder esse fato, a longo prazo.

O comentário é outra coisa. A imagem em si se expressa até certo ponto, depois vira palácio para burro. Precisa de mapas e roteiros verbais. E a síntese escrita de pensamento contém mais do que a falada. Quando nos limitamos a dizer isso e aquilo, temos de ser entendidos de pronto, ou jamais, sob pena de cairmos num didaticismo repeticioso e chato.

Pauline Kael acha que o cinema pode dar tudo que há nos romances, com as imagens reproduzindo o processo interno da mente. Comete dois erros. Sensações & emoções cabem em esquemas visuais. Na década de 1960, Resnais e Cia. copiaram o método descoberto por Edouard Dujardin em 1886, que James Joyce desenvolveu ao ápice a partir de 1916, reunindo os chamados "fluxo de consciência" e "monólogo interior". Foram considerados, comicamente, inovadores, ao transportarem para a tela essas invenções literárias. E nem ao menos a transcrição é perfeita, sendo aí que Pauline Kael se estrepa.

O cinema dá vida claríssima a imagens mentais, à sua arritmia e desconexão na ordem de aparecimento, à sua existência sem conceituações, ou seja, destituída de sentido ou objetivos específicos. Mas nossa cabeça não fica nisso. Faz também pausas de câmera em que se expressa abstratamente, cega a qualquer reprodução factual. Nossa cabeça analisa, em suma. E como se visualiza uma análise? Trata-se de um processo irreprodutível – ninguém sabe, exatamente, como pensamos. Palavras e símbolos matemáticos são capazes de preservar o raciocínio criador, em parte. Imagens cinematografáveis, nunca.

Pauline Kael também não se dá conta das relações especiais do homem com a palavra. Quando deixamos de ficar de quatro, o salto foi grande. Ao sonorizarmos, porém, a nossa identidade e as coisas em torno de nós, ameaçamos a hegemonia dos deuses no universo. Antes disso, já víamos o diabo, a nós mesmos e a outros macacos. A palavra veio depois da percepção de imagens, deu-nos um avanço evolutivo.

Os poetas até hoje celebram esse acontecimento histórico. Não vejo como se possa melhorar as imagens verbais, as cadências e ritmos de Shakespeare. Exprimem uma intimidade intangível do ser humano consigo próprio. Dispensam-se os cartões postais.

Pauline Kael é um (uma, no caso) dos raros críticos de cinema legíveis em nosso tempo, mas não escapou da falácia do visualismo obsessivo, um dos subprodutos da Guerra Fria. Os analfabetos que participam desse culto podem ser ignorados, mas é curioso que tantos intelectuais se contentem com a condição de paqueras da realidade e ainda se vangloriem disso, brandindo a verborragia desconexa de McLuhan como o novo Evangelho.

Porque, meu caro Watson, o problema é no fundo, na superfície e por todos os lados, político. As palavras levadas às suas conseqüências lógicas exprimem pensamentos, conceitos, propósitos e soluções. E a Guerra Fria, que todos nós sofremos, até em terras de samba e pandeiro, é um breve contra essas coisas. Quem quer pensar mesmo no que vai acontecer? Não há nada de bom à vista. Daí ser menos doloroso explorar aspectos antiintelectuais de nossa sensibilidade. Naturalmente as artes visuais também nos aumentam a consciência do mundo e expressam o princípio do prazer, mas quando se transformam em dogma elitista é porque houve uma atrofia do instinto de sobrevivência, que, não raro, exige raciocínio rápido e firme.

No período sibérico da Guerra Fria, quando Stálin e Dulles chocalhavam foguetes, os próprios inventores de palavras caíram em chilique. Sartre tinha a "náusea", encontrando, depois, o Alka-Seltzer na capacidade revolucionária das massas. Beckett, Pinter e Ionesco não podiam dizer "bom dia", sem demonstrarem que entre o "bom" e o "dia" estava um insondável abismo de incomunicabilidade. É uma alegria para nós, "coroas", que boa parte da juventude moderna tenha reapreendido o desejo de falar claro.

Os jornalistas, os mais humildes usuários de palavras, vinham tentando há muito tempo competir com as imagens. Os mitos da notícia e da "objetividade" visavam a dar uma impressão visual dos acontecimentos. Nada de opiniões. Só os fatos. As palavras, lembremo-nos, não apenas dominaram os objetos e a própria natureza do homem, mas, via associações, o chamado "uma coisa puxa a outra", começaram a explicar nossa ambiência e a nós mesmos. O jornalismo dito moderno, porém, fazia a palavra regredir em alcance, tornando-a meramente descritiva.

Há várias justificações plausíveis dessa atitude. O grande público, sendo "grande", continha tão diversos pontos de vista que era impossível sintetizá-los num denominador comum aceitável. O homem moderno não tem tempo para ler, logo, reduzam-se as excrescências na exposição de acontecimentos. Eu poderia encher páginas de motivos. Nenhum, entretanto, contradiz a superioridade da imagem nesse tipo de economia verbal. Vemos "o que, quem, quando, onde, como", etc., consumidores de alguns parágrafos, num único take e poucas frases.

E a objetividade da notícia, como esta própria, sempre foram falsas. Ao selecionarmos o que vai ser escrito, em estado bruto, já opinamos. Uma manchetinha que diga "Israel abre fogo contra a Jordânia", ou vice-versa, é editorial. Sem falar de sutilezas maiores. O Time insinuou coisas hediondas sobre o comportamento de Ted Kennedy, sem afirmá-las, apresentando-as disfarçadas de possibilidades. Esse e outros truques são conhecidos de qualquer estagiário atento.

Seja como for, tudo isso está acabando. A palavra sozinha, escrava de fatos, ainda que distorcidos, serve apenas de obituário da notícia, vista viva na televisão. Sempre haverá lugar para (ao menos) um grande jornal de cobertura nos centros principais, enquanto o telespectador não puder comprar o tipo de espetáculo de seu interesse. Sim, pois chegará a época em que, na nossa casa, sintonizaremos a TV com, digamos, Biafra, ou Mogi das Cruzes.

Resta a interpretação. O Life contratou Norman Mailer para escrever sobre a descida na Lua. O que ele tem a declarar, nenhuma imagem animada jamais conseguirá reproduzir, ou seja, a expressão plena de uma inteligência e sensibilidade individualizadas. Quem pode pedir mais, de si próprio ou dos outros?

Claro, os burros diante dos palácios continuarão mais numerosos do que os seres cientes. E pastando no jardim, até a hora de recolhê-los definitivamente à estrebaria.

Nota do Editor
Texto originalmente publicado no livro Certezas da Dúvida, de 1970. A transcrição deste Ensaio remete a um dos principais objetivos desta seção: republicar escritos fundamentais no âmbito da cultura, de autores importantes para o País. Entendemos, portanto, que, mais de 30 anos depois, "Palavras, Palavras, Palavras", de Paulo Francis, mantém a mesma atualidade e relevância, por isso, vem novamente à luz. Esperamos fazer jus ao nome e aos Leitores de um dos maiores jornalistas brasileiros de todos os tempos.


Paulo Francis
Nova York, 26/8/2002

Mais Paulo Francis
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONVERSANDO SOBRE A SÍNDROME DO PÂNICO
GUGU KELLER
GLOBO
(2000)
R$ 9,80



GRAMATICA REFLEXIVA 7 NOVA ORTOGRAFIA
WILLIAM ROBERTO CEREJA THEREZA COCHAR
ATUAL
(2008)
R$ 60,00



O APRENDIZADO DA MORTE
ASSIS BRASIL
NORDICA
(1976)
R$ 7,90



ASTUCIAS DA ENUNCIACAO:CATEGORIAS DE PESSOAS, ESPACO E TEMPO
JOSE LUIZ FIORIN
ATICA
(2002)
R$ 69,00



NOVO OLHAR - MATEMÁTICA 1
JOAMIR SOUZA
FTD
(2013)
R$ 33,00



DIREITO
REGIME JURÍDICO DAS CANDIDATURAS
COSMOS
(1997)
R$ 49,13



HISTÓRIAS QUE PODEM MUDAR SUA VIDA
ELLEN DASTRY
GENTE
(2009)
R$ 7,90



TIMOR LESTE ESTE PAÍS QUER SER LIVRE
SÍVIO L. SANTANNA
MARTINS CLARET
R$ 8,00



A PRÁTICA DE ASSESSORAMENTO EDUCACIONAL
CARLES MONEREO, JUAN IGNACIO POZO
ARTMED
(2007)
R$ 65,00



SARTRE A-T-IL UN STYLE?; REMARQUES SUR LANALYSE TEXTUELLE
CAHIERS DANALYSE TEXTUELLE, Nº4 DE 1962
LES BELLES LETRES
(1962)
R$ 18,82





busca | avançada
36819 visitas/dia
1,4 milhão/mês