Palavras, Palavras, Palavras | Paulo Francis

busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> A sétima temporada de 24 horas
>>> De olho neles
>>> Saudações cinemusicais
>>> 1998 ― 2008: Dez anos de charges
>>> The Book of Souls
>>> Carta ao pai morto
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
Mais Recentes
>>> Walter Benjamin: os cacos da história de Gagnebin, Jeanne Marie pela Mercado Editorial (2018)
>>> O Enigma de Teotihuacán de P. Guirao pela Hemus (1984)
>>> O mito, o ritual e o oral de Jack Goody pela Vozes (2012)
>>> O Peregrino Ilustrado de John Bunyan pela Mundo Cristão (2007)
>>> Cancioneiro para Encontro Vocacionais e de Jovens de N/t pela Loyola (1983)
>>> Cristãos Hoje de N. Maccari pela Paulinas (1976)
>>> Salmos de Edgard Armond pela Aliança (1979)
>>> Lobas, Lobos e Afins - a Eterna Busca da Liberdade... de Solange Torino pela Virgo (2001)
>>> Vida, Morte e Destino de Maria Fernanda S. e Edson Olivari de Castro pela Cia Ilimitada (1992)
>>> Rezas, Orações e Preces de Varios Autores pela Rita Carneti (1992)
>>> Como Falar em Publico e Influenciar Pessoas no Munndo dos Negócios de Dale Carnegie pela Record (1962)
>>> Uma Jornada Interior de Sara Mariott pela Pensamento (1993)
>>> Jovens e Adultos Dominical Fidelidade de Varios Autores pela Betel
>>> O Manual da Felicidade de Pe. Alberto Luiz Gambarini pela Ágape (2008)
>>> Como Enfrentar o Stress de Marilda Novaes Lipp e Colaboradores pela Ícone (1990)
>>> Auxiliares Invisíveis de C. W. Leadbeater pela Pensamento (1997)
>>> Oito Passos para Você ter Saúde de Ana Maria Freitas pela N/a
>>> O Livro do Destino de Herman Kirchenhoffer pela Círculo do Livro (1978)
>>> Eles Voltaram de Francisco Cândido Xavier pela Instituto de Difusão Espírita (1982)
>>> Os Remédios Florais do Dr. Bach de Dr. Edward Bach pela Pensamento (2006)
>>> Encontros, Desencontros e Reencontros de Florangela M. Desidério pela Paulinas (1982)
>>> Cavaleiro da Concórdia de Manoel Jacintho Coelho pela Racional (1988)
>>> Fátima, Aurora do Terceiro Milênio de João S. Clá Diaz pela Associação Cultural Nossa Senhora de Fátima (2000)
>>> I Ching, O Livro das Mutações de Juan Echenique Pérsico pela Melhoramento (2012)
>>> O Encontro, os mais Belos Encontros de Cristo de João Mohana pela Agir (1979)
ENSAIOS

Segunda-feira, 26/8/2002
Palavras, Palavras, Palavras
Paulo Francis

+ de 4000 Acessos

Nós vimos a descida da lua. Descrever o acontecimento por escrito é supérfluo. As próprias explicações técnicas ganhariam em inteligibilidade se acompanhadas de filmes. A reportagem escrita está morta. Nem toda a bestilharia de locutores de TV (em países subdesenvolvidos) pode esconder esse fato, a longo prazo.

O comentário é outra coisa. A imagem em si se expressa até certo ponto, depois vira palácio para burro. Precisa de mapas e roteiros verbais. E a síntese escrita de pensamento contém mais do que a falada. Quando nos limitamos a dizer isso e aquilo, temos de ser entendidos de pronto, ou jamais, sob pena de cairmos num didaticismo repeticioso e chato.

Pauline Kael acha que o cinema pode dar tudo que há nos romances, com as imagens reproduzindo o processo interno da mente. Comete dois erros. Sensações & emoções cabem em esquemas visuais. Na década de 1960, Resnais e Cia. copiaram o método descoberto por Edouard Dujardin em 1886, que James Joyce desenvolveu ao ápice a partir de 1916, reunindo os chamados "fluxo de consciência" e "monólogo interior". Foram considerados, comicamente, inovadores, ao transportarem para a tela essas invenções literárias. E nem ao menos a transcrição é perfeita, sendo aí que Pauline Kael se estrepa.

O cinema dá vida claríssima a imagens mentais, à sua arritmia e desconexão na ordem de aparecimento, à sua existência sem conceituações, ou seja, destituída de sentido ou objetivos específicos. Mas nossa cabeça não fica nisso. Faz também pausas de câmera em que se expressa abstratamente, cega a qualquer reprodução factual. Nossa cabeça analisa, em suma. E como se visualiza uma análise? Trata-se de um processo irreprodutível – ninguém sabe, exatamente, como pensamos. Palavras e símbolos matemáticos são capazes de preservar o raciocínio criador, em parte. Imagens cinematografáveis, nunca.

Pauline Kael também não se dá conta das relações especiais do homem com a palavra. Quando deixamos de ficar de quatro, o salto foi grande. Ao sonorizarmos, porém, a nossa identidade e as coisas em torno de nós, ameaçamos a hegemonia dos deuses no universo. Antes disso, já víamos o diabo, a nós mesmos e a outros macacos. A palavra veio depois da percepção de imagens, deu-nos um avanço evolutivo.

Os poetas até hoje celebram esse acontecimento histórico. Não vejo como se possa melhorar as imagens verbais, as cadências e ritmos de Shakespeare. Exprimem uma intimidade intangível do ser humano consigo próprio. Dispensam-se os cartões postais.

Pauline Kael é um (uma, no caso) dos raros críticos de cinema legíveis em nosso tempo, mas não escapou da falácia do visualismo obsessivo, um dos subprodutos da Guerra Fria. Os analfabetos que participam desse culto podem ser ignorados, mas é curioso que tantos intelectuais se contentem com a condição de paqueras da realidade e ainda se vangloriem disso, brandindo a verborragia desconexa de McLuhan como o novo Evangelho.

Porque, meu caro Watson, o problema é no fundo, na superfície e por todos os lados, político. As palavras levadas às suas conseqüências lógicas exprimem pensamentos, conceitos, propósitos e soluções. E a Guerra Fria, que todos nós sofremos, até em terras de samba e pandeiro, é um breve contra essas coisas. Quem quer pensar mesmo no que vai acontecer? Não há nada de bom à vista. Daí ser menos doloroso explorar aspectos antiintelectuais de nossa sensibilidade. Naturalmente as artes visuais também nos aumentam a consciência do mundo e expressam o princípio do prazer, mas quando se transformam em dogma elitista é porque houve uma atrofia do instinto de sobrevivência, que, não raro, exige raciocínio rápido e firme.

No período sibérico da Guerra Fria, quando Stálin e Dulles chocalhavam foguetes, os próprios inventores de palavras caíram em chilique. Sartre tinha a "náusea", encontrando, depois, o Alka-Seltzer na capacidade revolucionária das massas. Beckett, Pinter e Ionesco não podiam dizer "bom dia", sem demonstrarem que entre o "bom" e o "dia" estava um insondável abismo de incomunicabilidade. É uma alegria para nós, "coroas", que boa parte da juventude moderna tenha reapreendido o desejo de falar claro.

Os jornalistas, os mais humildes usuários de palavras, vinham tentando há muito tempo competir com as imagens. Os mitos da notícia e da "objetividade" visavam a dar uma impressão visual dos acontecimentos. Nada de opiniões. Só os fatos. As palavras, lembremo-nos, não apenas dominaram os objetos e a própria natureza do homem, mas, via associações, o chamado "uma coisa puxa a outra", começaram a explicar nossa ambiência e a nós mesmos. O jornalismo dito moderno, porém, fazia a palavra regredir em alcance, tornando-a meramente descritiva.

Há várias justificações plausíveis dessa atitude. O grande público, sendo "grande", continha tão diversos pontos de vista que era impossível sintetizá-los num denominador comum aceitável. O homem moderno não tem tempo para ler, logo, reduzam-se as excrescências na exposição de acontecimentos. Eu poderia encher páginas de motivos. Nenhum, entretanto, contradiz a superioridade da imagem nesse tipo de economia verbal. Vemos "o que, quem, quando, onde, como", etc., consumidores de alguns parágrafos, num único take e poucas frases.

E a objetividade da notícia, como esta própria, sempre foram falsas. Ao selecionarmos o que vai ser escrito, em estado bruto, já opinamos. Uma manchetinha que diga "Israel abre fogo contra a Jordânia", ou vice-versa, é editorial. Sem falar de sutilezas maiores. O Time insinuou coisas hediondas sobre o comportamento de Ted Kennedy, sem afirmá-las, apresentando-as disfarçadas de possibilidades. Esse e outros truques são conhecidos de qualquer estagiário atento.

Seja como for, tudo isso está acabando. A palavra sozinha, escrava de fatos, ainda que distorcidos, serve apenas de obituário da notícia, vista viva na televisão. Sempre haverá lugar para (ao menos) um grande jornal de cobertura nos centros principais, enquanto o telespectador não puder comprar o tipo de espetáculo de seu interesse. Sim, pois chegará a época em que, na nossa casa, sintonizaremos a TV com, digamos, Biafra, ou Mogi das Cruzes.

Resta a interpretação. O Life contratou Norman Mailer para escrever sobre a descida na Lua. O que ele tem a declarar, nenhuma imagem animada jamais conseguirá reproduzir, ou seja, a expressão plena de uma inteligência e sensibilidade individualizadas. Quem pode pedir mais, de si próprio ou dos outros?

Claro, os burros diante dos palácios continuarão mais numerosos do que os seres cientes. E pastando no jardim, até a hora de recolhê-los definitivamente à estrebaria.

Nota do Editor
Texto originalmente publicado no livro Certezas da Dúvida, de 1970. A transcrição deste Ensaio remete a um dos principais objetivos desta seção: republicar escritos fundamentais no âmbito da cultura, de autores importantes para o País. Entendemos, portanto, que, mais de 30 anos depois, "Palavras, Palavras, Palavras", de Paulo Francis, mantém a mesma atualidade e relevância, por isso, vem novamente à luz. Esperamos fazer jus ao nome e aos Leitores de um dos maiores jornalistas brasileiros de todos os tempos.


Paulo Francis
Nova York, 26/8/2002

Mais Paulo Francis
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




História da Ll Guerra Mundial- 1939-1945
Edgard Mc Innis
Globo
(1956)



Iniciação a Administração de Recursos Humanos
Idalberto Chiavenato
Manole
(2014)



O crime do padre Amaro (15ª ed.)
Eça de Queirós
Ática
(2001)



Teatro Grego ( Ésquilo, Sófocles, Eurípedes, Aristófanes)
Osmar Perazzo Lannes (tradução e Adaptação)
Matos Peixoto (rj)
(1965)



Renato Russo: o Filho da Revoluçao
Carlos Marcelo
Agir
(2009)



Os Dispersos - Contos
Janette Fishenfeld
Do Autor
(1966)



Um Assassinato um Mistério um Casamento
Mark Twain
Rideel
(2007)



Como Fazer do Sucesso um Hábito
Mack R. Douglas
Pro Net
(1994)



Vamos para Casa: uma História de Amor
Maria do Carmo Lima de Rezende (dedicatória)
7letras
(2004)



Gregor Mendel - Vida e Obra
Newton Freire Maia
T a Queiroz
(1995)





busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês