busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Sexta-feira, 12/9/2008
O Sonho de Cassandra, de Woody Allen

Julio Daio Borges




Digestivo nº 381 >>> A crítica ficou em cima do muro, ao avaliar O Sonho de Cassandra, último lançamento de Woody Allen (agora em DVD). De fato, o filme explora um pouco da estrutura já utilizada em Crimes e Pecados (1989) e em Match Point (2005), mas o desfecho, para os protagonistas, é mais trágico. Ewan McGregor (Guerra nas Estrelas) e Colin Farrell (Alexandre) são dois "perdedores" — como eles mesmos se definem — com dívidas ou sonhos de investimentos além de suas posses, mas com um tio bem-sucedido, Tom Wilkinson, que promete remediá-los socialmente. Em troca, porém, o tio exige, dos sobrinhos, que cometam um crime. Depois de se chocar, e relutar um pouco, aceitam, e terminam por realizar um serviço bem feito (sem deixar pistas). Um deles, contudo, jamais supera a culpa, deixando-se consumir por ela até o desfecho fatal. Admirador confesso de Dostoievski, Woody Allen já havia emulado Crime e Castigo (1866) em Crimes e Pecados; agora, no entanto, preferiu dividir Raskolnikov em dois e, na luta para entregar-se ou não à polícia, condená-lo(s), mais do que à prisão na Sibéria, à pena capital. E, se em Match Point uma história de amor precisa ser ocultada, por ser socialmente inconveniente, em O Sonho de Cassandra o pecado está em negócios ilícitos, um tema menos glamoroso e sem apelo para assalariados em forma de platéia. O longa, apesar da incompreensão da audiência, tem o seu charme, numa Londres igualmente contemporânea; vale pela trilha sonora eficientíssima de Philip Glass e pela reabilitação de McGregor; poderia, ainda, consolidar uma linha de "fitas de máfia", na prolífica carreira de Allen, mais convincente até — nas suas tentativas de ser sério — do que os pastiches de Bergman. Septuagenário, contudo, o realizador não tem mais tempo para descobrir, finalmente, se a tragédia pode ser mais profunda — e mais "obra-de-arte" — que a comédia. O Sonho de Cassandra, portanto, merece ser visto; pois, mais uma vez, esboçou esse enunciado; menos inocentemente que da última vez, em Melinda e Melinda (2004).
>>> O Sonho de Cassandra
 
>>> Julio Daio Borges
Editor
 

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês