busca | avançada
33835 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Quarta-feira, 4/3/2009
Na Natureza Selvagem, de Sean Penn

Julio Daio Borges




Digestivo nº 405 >>> "A alegria de viver surge nos nossos encontros com novas experiências, e, portanto, não existe felicidade maior do que a de ter um horizonte em constante mutação, e, para cada dia, ter um novo e diferente sol". Assim falava Alexander Supertramp. Depois de se formar, Christopher McCandless resolveu mandar uma banana para seus pais "materialistas, manipuladores e dominadores", destruiu todos seus cartões de crédito, livrou-se de todos seus documentos e doou suas últimas economias para uma instituição de caridade, a fim de sair numa cruzada solitária pelos Estados Unidos da América, tendo, como objetivo final, viajar até o Alasca e vivenciar sua natureza selvagem em primeira mão. Até aí nenhuma novidade, em termos de ambição, não tivesse McCandless existido de fato — e realizado tal façanha, rompendo com a família por mais de dois anos, e morrendo, de inanição e fome (por descuido), no mesmo Alasca, sem nunca mais retornar. Foi no início dos anos 90. Jon Krakauer transformou em livro, em 1996, Sean Penn transformou em filme (roteirizando e dirigindo), no ano retrasado, e agora podemos assistir em DVD, com trilha premiada de Eddie Vedder e atuação "hipnótica" (segundo Roger Ebert) de Emile Hirsch — como "Alex Supertramp", codinome de Christopher McCandless, em sua jornada vertiginosa e fatal. Leitor de Tolstói, Thoreau e Jack London, "Surpertramp" deixaria, ainda, um diário, cartas e máximas quase filosóficas: "Tantas são as pessoas que vivem infelizes e que, contudo, não tomam a iniciativa de mudar sua própria vida — afinal, estão condicionadas a uma existência de 'segurança, conformismo e conservadorismo'; os quais, aparentemente, trazem paz de espírito — embora, na realidade, nada possa haver de mais danoso ao espírito humano do que um 'futuro seguro'". Paisagens deslumbrantes e personagens exóticos completam o quadro. A crítica foi praticamente unânime. Afinal de contas, não é todo dia que "o melhor ator de sua geração" realiza, na direção e no roteiro, um projeto tão pessoal.
>>> Into the Wild
 
>>> Julio Daio Borges
Editor
 

busca | avançada
33835 visitas/dia
1,3 milhão/mês