Digestivo nº 405 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
74121 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> A Flip como Ela é... I
>>> Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana
>>> Eu & Ferrugem
>>> A perfeição de Spike Lee
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Guinga = Gênio
>>> Espectador idiota
Mais Recentes
>>> Garotos Incriveis (Wonder Boys) de Michael Chabon pela Record (2000)
>>> Vade Mecum RT 2009 Universitário de Vários Autores pela Revista dos Tribunais (2009)
>>> O Elixir da Longa Vida de Irving Wallace pela Círculo do Livro (1979)
>>> O Significado Oculto dos Aniversários de Nancy Arnott pela Ediouro (1998)
>>> Elementos de Eletrônica Digital de Ivan V. Idoeta; Francisco G. Capuano pela Érica (1984)
>>> A Arte no Horizonte Provável de Haroldo de Campos pela Perspectiva (1981)
>>> El Domador e Monstruos de Ana Maria Machado pela Ediciones Sm (2002)
>>> As Muitas Estratégias do Executivo de Robert Weisslberg; Joseph Cowley pela Pioneira (1977)
>>> Análise Transacional da Propaganda de Roberto Menna Barreto pela Summus (1981)
>>> Livro Saneamento Para Todos: Como universalizar serviços sustentáveis de água e esgoto no Brasil pós-pandemia de Rubens Naves pela Palavra livre (2024)
>>> O Aleph de Jorge Luis Borges pela Globo (1972)
>>> Cadernos Espinosanos - Estudos sobre o século xvii de Varios AUtores pela Sao Paulo (2006)
>>> Lições Sobre a Estética - Introdução de G W F Hegel pela Sao Paulo (1997)
>>> Cadernos Espinosanos I (2) de Varios AUtores pela Sao Paulo (1996)
>>> Cadernos Espinosanos IV de Varios AUtores pela Sao Paulo (1998)
>>> Livro O Desafio De Amar Dia A Dia. Um Ano De Devoção Para Casais de Alex Kendrick pela Bv Films (2009)
>>> Cadernos Espinosanos III de Varios AUtores pela Sao Paulo (1998)
>>> 3 Cadernos Espinosanos I (1,2 e 3) de Varios AUtores pela Sao Paulo (1997)
>>> Canibais e Cristãos de Norman Mailer pela Civilização Brasileira (1967)
>>> Cadernos Espinosanos II (1) de Varios AUtores pela Sao Paulo (1997)
>>> Cadernos Espinosanos II (2) de Varios AUtores pela Sao Paulo (1997)
>>> Planejamento de Ensino e Avaliação de Clódia Maria Godoy Turra e Outros pela Emma Puc (1975)
>>> AnaLytica - Metafísica e antropologia filosófica vol 12 de Varios Autores pela Analytica (2008)
>>> Corações Veteranos - Coleção Frenesi de Roberto Schwarz pela Fon-fon (1974)
>>> AnaLytica - Filosofia Medieval , Aristóteles, Kant vol 9 de Varios Autores pela Analytica (2005)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 6/3/2009
Digestivo nº 405
Julio Daio Borges
+ de 2500 Acessos




Imprensa >>> O fim (da era) dos jornais, por Paul Starr
Paul Starr escreveu, até agora, o melhor epitáfio para os velhos jornais, na New Republic. Talvez porque, de maneira inédita, ganhamos um ensaio de um veterano observador, que não foge aos fatos, que não nega a internet em toda a sua complexidade e que prevê um cenário sombrio "além do bem e do mal". Starr extrapola a extinção, em si, do antigo suporte que conhecíamos como "jornal" e procura entender o que isso significa para a nossa sociedade. O texto lamenta, por exemplo, que algumas cidades dos Estados Unidos corram, atualmente, o risco de perder seu último diário. E se algumas seções do vetusto embrulha-peixe já foram substituídas — até com vantagens — por veículos de nicho, na internet, Paul Starr não acredita que alguma organização, oriunda da WWW, vá assumir a cobertura política de outrora. Não com o mesmo "espírito cívico" — como se um repórter de política, ou de assuntos políticos, se sentisse um legítimo representante da sociedade, fiscalizando, cobrando (e até aperfeiçoando) governos, governantes e governados. Starr remete à invenção da TV a cabo e atribui-lhe a culpa pela programação de "entretenimento" que desviou a atenção das massas dos telejornais. Divorciados das hard news — por pura preguiça mental —, muitos cidadãos se alienariam politicamente, tornando-se lenientes para com a corrupção (este trecho nos soa familiar?). A escassez de cobertura política diária, combinada com uma audiência refratária à realidade em volta, resultaria num retrocesso em termos de civilização. O fim dos jornais, para Paul Starr, não seria um fato isolado, mas desencadearia o fim da era dos jornais... [5 Comentário(s)]
>>> Goodbye to the Age of Newspapers
 



Cinema >>> Na Natureza Selvagem, de Sean Penn
"A alegria de viver surge nos nossos encontros com novas experiências, e, portanto, não existe felicidade maior do que a de ter um horizonte em constante mutação, e, para cada dia, ter um novo e diferente sol". Assim falava Alexander Supertramp. Depois de se formar, Christopher McCandless resolveu mandar uma banana para seus pais "materialistas, manipuladores e dominadores", destruiu todos seus cartões de crédito, livrou-se de todos seus documentos e doou suas últimas economias para uma instituição de caridade, a fim de sair numa cruzada solitária pelos Estados Unidos da América, tendo, como objetivo final, viajar até o Alasca e vivenciar sua natureza selvagem em primeira mão. Até aí nenhuma novidade, em termos de ambição, não tivesse McCandless existido de fato — e realizado tal façanha, rompendo com a família por mais de dois anos, e morrendo, de inanição e fome (por descuido), no mesmo Alasca, sem nunca mais retornar. Foi no início dos anos 90. Jon Krakauer transformou em livro, em 1996, Sean Penn transformou em filme (roteirizando e dirigindo), no ano retrasado, e agora podemos assistir em DVD, com trilha premiada de Eddie Vedder e atuação "hipnótica" (segundo Roger Ebert) de Emile Hirsch — como "Alex Supertramp", codinome de Christopher McCandless, em sua jornada vertiginosa e fatal. Leitor de Tolstói, Thoreau e Jack London, "Surpertramp" deixaria, ainda, um diário, cartas e máximas quase filosóficas: "Tantas são as pessoas que vivem infelizes e que, contudo, não tomam a iniciativa de mudar sua própria vida — afinal, estão condicionadas a uma existência de 'segurança, conformismo e conservadorismo'; os quais, aparentemente, trazem paz de espírito — embora, na realidade, nada possa haver de mais danoso ao espírito humano do que um 'futuro seguro'". Paisagens deslumbrantes e personagens exóticos completam o quadro. A crítica foi praticamente unânime. Afinal de contas, não é todo dia que "o melhor ator de sua geração" realiza, na direção e no roteiro, um projeto tão pessoal. [7 Comentário(s)]
>>> Into the Wild
 



Literatura >>> O Outro, um conto de Jorge Luis Borges
"A cegueira gradual não é uma coisa trágica. É como um lento entardecer de verão", escreveu, ou ditou, Jorge Luis Borges, em um dos diálogos de "O Outro", conto dos anos 70, onde conversa com uma versão cinco décadas mais jovem de si próprio, como num sonho... A ideia — de dar conselhos a si mesmo —, se não era nova, foi copiada, indefinidamente, desde então. Com muita poesia, o velho Borges procurava metáforas que correspondessem a afinidades íntimas, "que a imaginação já aceitou"; enquanto isso, o jovem Borges era ardente, taxativo e, poeticamente, queria "inovar" — ainda que seus "hinos (ou ritmos) vermelhos" remetessem ao verso azul, de Rubén Darío, e à canção cinza, de Verlaine... "O poema ganha se imaginarmos que é a manifestação de um anseio, não a história de um fato", sugere o velho Borges, embora o jovem só quisesse saber de Os Demônios, de Dostoiévski ("o mestre russo [que] mais penetrou[...] nos labirintos da alma eslava")... Idealista, o jovem Borges prometia ser a voz dos que, justamente, "não tinham voz", mas o velho não lhe perdoaria o cacoete ideológico: "Sua massa de oprimidos e párias não passa de uma abstração. Só existem os indivíduos, se é que alguém existe". Rebelde contra os modernismos, era chegada a vez do velho se horrorizar com a contemporaneidade: "Não me surpreenderia se o ensino de latim fosse substituído pelo de guarani"... Perdidos num banco qualquer do tempo, depois de uma conversa (que não poderia ser um sonho), os dois se afastaram, assustados, e combinaram outra no dia seguinte, mas nunca mais voltariam a se encontrar... A história está em O Livro de Areia, relançado ultimamente, dentro da Biblioteca Borges. [2 Comentário(s)]
>>> O Livro de Areia
 

 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Verbal e o Não Verbal
Vera Teixeira de Aguiar
Unesp
(2004)



Cidade das Almas Perdidas 583
Cassandra Clare
Galera Record
(2013)



Livro Critica Literária A Guerra Invisível de Oswald de Andrade
Mariano Marovatto
Todavia
(2023)



Quietinho feito um sapo
Eline Snel
Bicicleta Amarela
(2016)



O Cavaleiro das palavras
Luiz Antonio Aguiar
Saraiva
(2009)



Eu Receberia As Piores Notícias Dos Seus Lindos Lábios
Marcal Aquino
Companhia Das Letras
(2005)



Marcenaria Básica
Como Fazer
Globo
(1990)



Toriba - Ensaios Fotográficos
Cássio Vasconcellos / Cristiano Mascaro
Metalivros
(2017)



Português, Exercícios Resolvidos e Comentados - Vol. 1
Vários Colaboradores
Gold
(2008)



Livro Religião A Celebração Litúrgica e Seus Dramas Coleção Liturgia e Teologia
Antonio Sagrado Bogaz; Ivanir Sigorini
Paulus
(2003)





busca | avançada
74121 visitas/dia
2,4 milhões/mês