Blog | Digestivo Cultural

busca | avançada
27782 visitas/dia
955 mil/mês
Mais Recentes
>>> MANU LAFER APRESENTA SHOW NOBODY BUT YOU - TRIBUTO A KIKA SAMPAIO
>>> Sesc Belenzinho recebe a banda E a Terra Nunca me Pareceu Tão Distante
>>> Sesc Belenzinho recebe a atriz e cantora Zezé Motta
>>> Psicólogo lança livro de preparação para concurseiros usando a Terapia Cognitiva-Comportamental
>>> O Sertão na Canção: Guimarães Rosa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
Últimos Posts
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
>>> Nem só de ilusão vive o Cinema
>>> As Expectativas de um Recrutador e um Desempregado
>>> A Independência Angolana além de Pepetela
>>> Porque dizer adeus?
>>> Direções da véspera IV
>>> Direções da véspera IV
>>> A pílula da felicidade
>>> Dispendioso
>>> O mês do Cinemão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Memorial de Berlim
>>> The Good Life
>>> O Natal quase sempre é um problema
>>> O físico que era médico
>>> O historiador das idéias
>>> Maria Antonieta, a última rainha da França
>>> Gentili sobre o 7 a 1
>>> Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana
>>> Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
>>> O petista relutante
Mais Recentes
>>> Psicoterapia Aberta: Formas do Encontro de Wilson Castello de Almeida pela Ágora (1988)
>>> A Contorcionista Mongol de Roberto Muggiati (autografado) pela Record (2000)
>>> O Marido Perfeito Mora ao Lado de Felipe Pena pela Record (2010)
>>> O Ciclista da Madrugada de Arnaldo Block pela Record (2009)
>>> Cristal Polonês de Leticia Wierzchowski pela Record (2003)
>>> Sal de Leticia Wierzchowski pela Intrinseca (2013)
>>> A Máquina de Xadrez de Robert Löhr pela Record (2007)
>>> Caça às Bruxas Macartismo: uma Tragédia Americana de Argemiro Ferreira pela L&pm (1989)
>>> Curso De Direito Penal - Parte Especial - Vol. 2 de Fernando Capez pela Saraiva (2013)
>>> Coleção Oab Nacional - Direito Penal de Luiz Antônio de Souza pela Saraiva (2014)
>>> A casa de Hades - Percy Jackson de Rick Riordan pela Intrinseca (2013)
>>> Leituras Indispensáveis 1 de Aziz Ab'Sáber pela Ateliê (2008)
>>> O Tango da Velha Guarda de Arturo Pérez-reverte pela Record (2013)
>>> O Decimo Inferno e Luna Caliente de Mempo Giardinelli pela Record (2003)
>>> Nefrologia de M. Legrain et Al. pela Masson (1983)
>>> Paraíso de Tatiana Salém Levy pela Foz (2014)
>>> A Chave da casa de Tatiana Salém Levy pela Record (2007)
>>> Margarida La Rocque: a Ilha dos Demônios de Dinah Silveira de Queiroz pela Record (1991)
>>> Três famílias: identidades e trajetórias transgeracionais nas classes populares de Luiz Fernando Dias Duarte e Edlaine de Campos Gomes pela FGV (2008)
>>> Crítica da Divisão do Trabalho de André Gorz pela Martins Fontes (2001)
>>> O Mais Belo País é o Teu Sonho de Flávio Moreira da Costa (autografado) pela Record (1995)
>>> O sociologo e o historiador de Pierre Bourdieu e Roger Chartier pela Autentica (2011)
>>> Em defesa da sociologia de Anthony Giddens pela Unesp (2001)
>>> Irmã Morte de Justo Navarro pela Record (2011)
>>> Caos Total de Jean-claude Izzo pela Record (2002)
>>> Medicina Sexualidade e Natalidade de Henrique Augusto Lima (autografado) pela Byk (1999)
>>> Crônicas inéditas 2 de Manuel Bandeira pela Cosac Naify
>>> Adivinhadores de água de Eduardo Escorel pela Cosac Naify (2005)
>>> Flávio de Carvalho: Espaços da Arte Brasileira de Luiz Camillo Osorio pela Cosac Naify (2009)
>>> Cultura e materialismo de Raymond Williams pela Unesp (2011)
>>> O Eixo do Mal Latino-Americano e a Nova Ordem Mundial de Heitor de Paola pela Observatório Latino (2016)
>>> Marca, Imagem e Reputação: a Trajetória de Sucesso de Pessoas e Empresas de Fernanda de Carvalho e Francisco Britto e Richard House pela Da Boa Prosa (2012)
>>> Clarice, uma Biografia de Benjamin Moser pela Cosac Naify (2015)
>>> Um Barril de Risadas, um Vale de Lágrimas de Jules Feiffer pela Cia das Letras (2008)
>>> Inelegibilidades no Direito Brasileiro de Joel J. Cândido pela Edipro (2003)
>>> Recursos em matéria eleitoral de Tito Costa pela Revista dos Tribunais (2004)
>>> Direito Eleitoral & Questões Controvertidas de Antônio Carlos Martins Soares pela Lumen Juris (2008)
>>> Langage et pouvoir symbolique de Pierre Bourdieu pela Editions Fayard (2001)
>>> Les Règles de l'art de Pierre Bourdieu pela Editions du Seuil (1998)
>>> Princípios Estruturantes das Agências Reguladoras e os Mecanismos de Controle de Alexandra da Silva Amaral pela Lumen Juris (2008)
>>> Homo Academicus de Pierre Bourdieu pela Les Editions de Minuit (2005)
>>> A criança e a mídia: imagem, educação, participação de Cecilia Von Feilitzen; Ulla Carlsson pela Cortez (2002)
>>> Circulação internacional e formação intelectual das elites brasileiras de Ana Maria Almeida; Letícia Canêdo, Afrânio Garcia; Agueda Bittencourt pela Unicamp (2019)
>>> Crimes eleitorais de Suzana de Camargo Gomes pela Revista dos Tribunais (2008)
>>> Delegação e Avocação Administrativas de Regis Fernandes de Oliveira pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> Probidade administrativa. Comentários à Lei 8.429/92 e legislação complementar de Marcelo Figueiredo pela Malheiros (2004)
>>> Inquérito Policial & Competências e Nulidades de Atos de Polícia Judiciária de Anderson Souza Daura pela Juruá (2008)
>>> Agora e Para Sempre Lara Jean de Jenny Han pela Intrínseca (2017)
>>> Michael Kohlhaas de Heinrich Von Kleist pela Grua (2014)
>>> Perícias judiciais de engenharia. Doutrina. Prática. Jurisprudência de Francisco Maia Neto pela Del Rey (1999)
BLOG

Quinta-feira, 18/4/2019
Blog
Redação

 
Weezer & Tears for Fears



Via Rafael Fernandes

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
18/4/2019 às 11h33

 
Nem só de ilusão vive o Cinema

Nos últimos dias São Paulo e Rio de Janeiro receberam a 24° edição do É Tudo Verdade - Festival Internacional de Documentários. Durante dez dias viajamos por histórias passadas e atuais de diversos países. O festival ressalta a importância de uma dose de realidade no nosso dia a dia, nos ensinando através de relatos pessoais ou de um determinado grupo de indivíduos. Ainda mais, resgata na história fatos que parecem tão atuais, chamando nossa atenção para o que vem acontecendo no mundo.

Comecei o festival com 'Defensora', um documentário singular da diretora Rachel Leah Jones. Quando li o livro Inverno em Cabul, da escritora e jornalista Ann Jones, vi como era difícil uma mulher se posicionar no Oriente Médio. Pouco acreditava na existência de uma mulher como Lea Tsemel, personagem principal do doc. Advogada Israelense, ela defende palestinos há cinco décadas. Alguns deles são manifestantes não-violentos, militantes armados, fundamentalistas ou feministas, mas o que carregam em comum são as acusações de serem terroristas, mesmo quando não o são.

Meu desejo era assistir a todos os documentários. Mas seria impossível já que, infelizmente, não posso me dedicar ao cinema em tempo integral. Ainda assim consegui ver bons filmes, entre eles o excelentíssimo 'Estou me Guardando Para Quando o Carnaval Chegar', de Marcelo Gomes, que ganhou Menção Honrosa ao final do Festival (o prêmio de melhor longa nacional ficou para Cine Marrocos, diretor Ricardo Calil). Um documentário extremamente importante, que reflete sobre a situação econômica do país e a opção de trabalho autônomo. 'Meu Amigo Fela', de Joel Zito Araújo, também é uma grande produção. O lado político de Fela Kuti é desconhecido por muitos, no documentário Joel Zito busca a essência desse personagem tão peculiar.

Também gostei bastante de 'A Beira', de Alison Klayman. Nesse dia fui ao cinema para ver o que desse tempo, não me decepcionei. Acompanhando Steve Bannon durante as eleições de 2018, a diretora consegue nos inserir nos bastidores da política mundial, dando voz a muitos pontos de vista. Nesse filme notei uma das coisas boas de documentários. Nada ali age como uma propaganda do populismo pregado por Bannon, a diretora dá vazão a outras vozes, no deixando pontos de vistas diferentes de fatos que fizeram parte de sua produção.

Mas devo admitir que minha surpresa veio com 'Marceline. Uma Mulher. Um Século.', de Cordelia Dvorák, entrei na sessão completamente desprovido da história da cineasta e escritora, se passaram os 58 minutos de exibição e tudo o que eu queria era mais algumas horas daquilo. É uma pena não ter competido pelo troféu de melhor doc internacional, o prêmio ficou para 'O Caso Hammarskjöld', de Mads Brügger, que não consegui ver por motivo de sala lotada.

Festivais como o É Tudo Verdade são extremamente necessários, ainda mais em tempos como os que estamos passando. Nem só de ilusão vive o cinema. É Tudo Verdade vem para nos dar aquela dose de realidade, reavivando os questionamentos que mudaram parâmetros no passado, e outros que precisamos mudar para o futuro. O trabalho de Amir Labaki e sua equipe é primoroso. Em época em que a cultura corre risco, é ainda mais difícil organizar um festival que não atrai a grande massa, mas como em outros anos foi feito um trabalho excelente, e que venham muitos outros.

[Comente este Post]

Postado por A Lanterna Mágica
15/4/2019 às 22h49

 
As Expectativas de um Recrutador e um Desempregado


Nem todo mundo tem a oportunidade na vida de conhecer os 2 lados de um processo seletivo à uma vaga de emprego. Geralmente, a maioria fica no lado de entrevistado da mesa, sem perceber antes de criticar, como é difícil também para o recrutador tomar a decisão de contratação.

Pois saiba que essa é uma difícil escolha para qualquer contratante, num país que anseia em se recuperar de uma crise e possui um grande número de mão de obra parada. Atualmente, qualquer anúncio de emprego recebe centenas de currículos com os mais variados perfis que se encaixam bem ou são totalmente alheios a vaga descrita.

Surpreendentemente, esse mercado de trabalho dispõe de perfis óbvios que não são a opção certa, como também de candidatos azarões que são a resposta a suas preces, mas em outra situação, jamais estariam livres ou dispostos a se candidatar ao trabalho anunciado.

Já na seleção, existem muitos candidatos que não sabem se vender, são pessoas sem foco que agem pela compreensiva necessidade do sustento, parecendo seres automáticos que já desistiram de seus objetivos e fazem tudo maquinalmente por obrigação.

A maioria é de jovens recém ingressados no mercado que pulam de emprego rapidamente, fazendo bicos ou como temporários da crise. Há ainda os mais velhos que foram obrigados a contribuir com a renda familiar, mas estão há anos sem trabalhar.

Pelos currículos, pode-se perceber que tratam-se de indivíduos que tem esperanças e expectativas, descendem de boas histórias de vida e que lutam anonimamente para se destacar numa pilha de papel. Assim, os recrutadores têm a função de optar por alguém, meio que decidindo pelo bem-estar daquele que será selecionado.

Mas há também a percepção de que alguns precisam claramente se qualificar, se encontrar num conjunto de vagas que exigem foco e aptidões específicas. Além de enfrentar um grande número de pessoas bem instruídas na expectativa de que seja dessa vez, convivendo diariamente na ansiedade de não saber o que está acontecendo em relação a seu destino profissional.

Um empregador possui a difícil obrigação de acertar na escolha, mesmo percebendo a urgência que muitos candidatos têm de se empregar. Mesmo que doa cerceá-los em detrimento de outros mais preparados, pois ele precisa lembrar que independente de quem contrate, seu ato resultará em menos um profissional nesse mar imenso aí fora.

É preciso lembrar também que nem sempre o mais qualificado fica com a vaga, porque existe o candidato certo para a vaga certa, é preciso olho apurado e feeling. Mas ainda, nem sempre o encaixe perfeito acontece, sendo necessário voltar atrás em uma nova busca. Pois mesmo na crise, há profissionais que são valorizados, ficam entediados ou são seduzidos por outras propostas e metas de vida. Por isso, a contratação é só o começo dessa relação profissional que pode resultar em crescimento e aprendizado para ambas as partes ou tédio e insatisfação.

Buscando uma conclusão, percebemos que o mercado de trabalho atual é um desafio que mistura sorte e competência, cujo foco e preparação diferencia dos demais, mas ao mesmo tempo fecha as portas para determinadas oportunidades menores que poderiam ser brevemente aproveitadas.

Quem atira para todos os lados pode atingir alguma coisa, porém algo que deverá sofrer ajustes enquanto se espera por um futuro melhor. O importante é não ficar parado e esperar acontecer. Outra sábia conclusão fica por conta de que o profissional é seu próprio produto, vivendo no despertar de um tempo que preza por ideias e engrenagens para sobreviver, abolindo cada vez mais a carteira de trabalho e os direitos, em favor do bom e velho “te vira” do empreendedorismo.

E para você que conseguiu a tão sonhada colocação, foi porque alguém o escolheu entre tantos e confiou na sua habilidade e seriedade como profissional. Alguém que precisa tomar uma boa decisão para o andamento de seu sonho e continuidade do negócio.

Então, passado o entusiasmo de estar trabalhando, é claro que ninguém deve bancar o escravo de alguém, mas uma boa relação entre as partes deve ser construída, sem o jeitinho brasileiro nem o sofrimento por desistência ou acomodação. Lembrando que cada caso é um caso, mas preservar o que foi tão difícil de conseguir exige dedicação e sacrifício.

Entretanto, fica o desejo que tanto o profissional quanto o recrutador, nessa época difícil, possam encontrar aquilo que buscam num duradouro relacionamento de trabalho com amizade e respeito.



[Comente este Post]

Postado por Blog de Camila Oliveira Santos
15/4/2019 às 14h35

 
A Independência Angolana além de Pepetela

No mês de março o Grupo Ria apresentou uma série de peças adaptadas de obras literárias presentes na lista da FUVEST. Entre elas está Mayombe, que fechou mostra. A partir do livro de Pepetela, nove atores sobem ao palco para encenar a luta angolana em busca da liberdade. Isso me lembrou de um documentário que produzido entre 2014 e 2015. Angola nos Trilhos da Independência, produzido por Lucio Lara (da Fundação Tchiweca de Documentação) e pela Geração 80 (Mário Bastos, Jorge Cohen, Tchiloia Lara e Kamy Lara), mostra os resquícios da revolução angolana nas pessoas e lugares quase 4 décadas depois. Foram 57 meses de pesquisa e gravações, resultando em 900 horas gravadas, com 700 depoimentos.

Mayombe foi publicado pela primeira vez em 1980. Mas o livro foi ganhando seus parágrafos quando o próprio Artur Carlos Pestana dos Santos, vulgo Pepetela, participou da libertação. Narrando o cotidiano de alguns guerrilheiros do Movimento Popular de Libertação da Angola (MPLA), o autor montar um misto de conflitos internos e externos, recheado por uma tensão física e ideológica. Daí vem a importância do trabalho do Grupo Ria. Li Mayombe há alguns anos, mas assim que tive oportunidade, comecei a ler o livro novamente. Depois de ver um ótima encenação dos atores (Eudes Nascimento, Flávio Oliveira, Daniel Lima, Fabrizio Nasscioli, Gustavo Gaspar, João Angello, Jhon Honz, Vânia Bawe e Wagner Nunes) a leitura foi completamente diferente. A intenção do grupo teatral é apresentar suas peças para alunos do ensino médio, para motivar e facilitar a leitura dos livros (muitos irão agradecer essa ajuda com Iracema), com isso não utilizam cenário. Ainda assim, a tensão na apresentação é tão intensa que o cenário não faz falta.

Na tela a história é outra. Angola nos Trilhos da Independência traz um pós guerra. O documentário mostra a importância de se aprender com a história. Diante dos depoimentos de pessoas que estiveram envolvidas, direta ou indiretamente, com a libertação angolana dos colonialistas portugueses, vemos que as atrocidades que podem ser causadas por conflitos armados nunca são esquecidas. Em meio a vilarejos destruídos e pessoas que trazem marcas dos confrontos até os dias de hoje. A luta anticolonial é narrada por quem traz essas marcas dentro de si, é difícil imaginar a realidade de tudo aquilo, mas quando a câmera anda pelas vilas destruídas e abandonadas chegamos perto da destruição que tomou conta da Angola nos anos 1970. Um depoimento, um dos primeiros no documentário, conta a fuga de um jovem e sua família. É comovente ouvir a história de um ser humano que passou por aquilo e chegar a impressionar a coragem desse povo, lembrando de Sem Medo, personagem de Pepetela.

O que todas as obras trazem em comum é algo atual. As divergências de um povo, que fazem parte de tribos diferentes. Embora a luta seja a mesma, a libertação colonialista, as diferenças entre uma tribo e outra não é deixada de lado, tornando o conflito ainda mais difícil. Isso nos leva a um conceito geopolítico mais atual, sobre as guerras que deixaram de ser externas (com um país atacando o outro) e passaram a ser internas (com conflitos entre os povos). Para não fugir tanto do assunto, podemos ver em Angola nos Trilhos da Independência e em Mayombe a importância de aprender com o passado. Ambos ficam para que historiadores possam trabalhar com um material mais autêntico e expressivo.

[Comente este Post]

Postado por A Lanterna Mágica
8/4/2019 às 17h34

 
Gryphus Editora



[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
8/4/2019 às 08h16

 
O NAVEGANTE DO TEMPO

Tomou o bonde circular e embarcou para o século passado. O condutor com a destreza de um malabarista aproximou-se, equilibrando-se no estribo como se já tivesse nascido ali. Balançou para ele a mão direita onde as antigas moedas de níquel chacoalhavam unidas umas às outras, feito soldados numa parada militar, cobrando a passagem.

O passageiro enfiou os dedos no bolso da calça, onde só havia moedas atuais, mas o condutor que o conhecia de há muito disse não haver problema algum. Amanhã o senhor acerta tudo, doutor. E levou a mão direita à pala do quepe de seu uniforme azul-marinho num gesto de deferência.

Está tudo muito estranho neste trajeto, pensou o passageiro, vários são meus contemporâneos, mas voltaram todos ao tempo de criança e nem sequer me reconhecem...

São fantasmas do passado ou estou delirando? Não sabia responder à própria pergunta nem como embarcara naquele veículo elétrico anacrônico, cujos trilhos tinham sido removidos da cidade fazia mais de meio século.

Deteve-se então no exame minucioso do interior do coletivo, onde os longos bancos de ripas de madeira envernizada causaram-lhe a sensação de familiaridade de quem neles se sentara incontáveis vezes. No teto do veículo, os mesmos reclames de antigamente propalavam a excelência dos produtos anunciados, inclusive a propaganda de um famoso elixir cujo nome ele guardara na memória: Rum Creosotado.

Após essa inspeção interna, lançou o olhar para a paisagem urbana que se desenrolava ao longo do percurso como num filme antigo que resgatasse a arquitetura das desaparecidas casas de centro de terreno, com árvores frondosas e flores nos jardins, enquanto o velho bonde sacolejava e rangia na bitola estreita dos trilhos. Comparando-o a uma caravela em mar revolto, chegou a esboçar um arremedo de sorriso ao se considerar uma espécie de navegante do tempo. Nisso, um insólito lampejo de consciência, como se, de repente, emergisse de um sonho, sacudiu-o de cabeça aos pés -- diabos, como vim parar aqui?

Jamais deixamos de fazer este trajeto, doutor, mas só os escolhidos se apercebem disso, pareceu-lhe escutar a voz do motorneiro que, bem distante dele, movia a manivela de direção, concentrado no comando do bonde.

Daqui a duas paradas, vai subir no bonde aquele viúvo, que levava sempre consigo o seu violino para tocar no túmulo da esposa a mesma música, ele se surpreendeu pensando, com uma certeza premonitória, e, ao mesmo tempo, recriminando-se por ter, quando menino, seguido secretamente aquele homem até o cemitério, junto com uma malta de colegas do ginásio, para depois imitarem, entre risos e zombarias, numa mímica grotesca, um recital de violino.

Estava ainda às voltas com esses pensamentos terríveis quando o bonde parou para que o violinista subisse no estribo e se acomodasse no mesmo banco onde se encontrava o passageiro idoso, que, olhando-o de soslaio, surpreendeu-se ao ver que o viúvo não envelhecera como ele, era, sim, o menino de outrora, carregando o estojo do violino para aula de música. É preciso ter calma e ponderação: na verdade esse garoto que vejo é muito mais velho que eu, e pelos meus cálculos o garoto e futuro viúvo já deveria estar debaixo da terra. E esses outros passageiros também permanecem imunes à passagem das décadas, inclusive o condutor e o motorneiro, enquanto ele já velho a tudo assistia através das grossas lentes dos óculos de grau que agora usava como um apêndice indispensável. Engoliu a custo um silêncio amargo - o que fizera outrora, quando adolescente, tinha requintes de uma crueldade inominável. Sentiu-se tremendamente envergonhado. Sim, estava pagando por isso um alto preço. Teve que fazer um esforço sobre-humano para não confidenciar ao menino e futuro viúvo que não se casasse com a mulher que morreria na flor da idade. Não queria passar por maluco e nem poderia imaginar como seria a reação do estudante de violino, agora apenas uma criança. Seria certamente internado num hospício como um louco perigoso e de lá só sairia morto. 

Esse dilema trágico aumentou ainda mais seu sentimento de culpa, quando voltou à realidade absurda do retrocesso no tempo, quem sabe por escapismo ou talvez por um gesto desesperado de autodefesa, como algo que ficaria dentro de si sem resposta alguma, sob a forma de uma eterna interrogação. Matar-se, cometer suicídio? Era covarde demais para isso.

Buscava febrilmente outra solução, algo pragmático, que não iria decerto aplacar suas insônias que viraram uma constante em suas noites, e quando cochilava de pura exaustão era pior ainda, acordava berrando em agonia por causa dos pesadelos persecutórios.

Preciso encontrar, preciso encontrar, está aqui dentro de minha cabeça. Dizem que quem procura, acha, embora haja controvérsias.

Mas ele achou, pois essas coisas acontecem no universo ficcional, se o personagem conseguir impressionar o autor que o criou...

E foi isso que se deu, precedido dos toques de trombetas bíblicas que só o idoso escutou.

Vou consultar urgentemente o oculista, pois essas lentes estão fracas demais. Em seguida, retirou os óculos para limpar as lentes com o lenço, pensando que, além de fracas, estavam completamente embaçadas...

Ayrton Pereira da Silva



[Comente este Post]

Postado por Impressões Digitais
1/4/2019 às 16h38

 
Mas, afinal, qual o futuro da TV?




No dia 15 de março, a Universidade Federal do Pará sediou a palestra de Vinoba Vinayagamoorthy. Foto: Enderson Oliveira

Óculos que fotografam com apenas um click, possibilidade de escolher o ângulo da câmera em uma transmissão esportiva, envio imediato de fotos e edição em 'telas' criadas a partir de Realidade Aumentada, além de uma possibilidade gigantesca de troca de informações e conteúdos entre pessoas e veículos.
Este panorama é o que futuro - ou mesmo o agora - reserva para as Comunicações, em especial a imprensa e a produção de conteúdo colaborativo, principalmente na Televisão.
Isto e muito mais foi apresentado e discutido pela pesquisadora Vinoba Vinayagamoorthy, do departamento de Pesquisa e Desenvolvimento da British Broadcasting Corporation (BBC) de Londres, Inglaterra, na conferência “Habilitando Interações Mais Ricas: fornecendo experiências em multi-dispositivos conectados e sincronizados”, realizada no dia 15 de março, na Universidade Federal do Pará, em Belém.
A programação fez parte da Jornada de Cooperação Internacional da UFPA, realizada pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Propesp) e da Pró-Reitoria de Relações Internacionais (Prointer) da UFPA, com apoio do Núcleo de Inovação e Tecnologias Aplicadas a Ensino e Extensão (NITAE2) e Programa de Pós-Graduação Criatividade e Inovação em Metodologias de Ensino Superior (Ppgcimes).


Na palestra foram apresentados diversos cases e alternativas que estão sendo testados pela BBC em Londres. Foto: Enderson Oliveira

Na palestra, Vinoba destacou que a TV passa por inúmeras e céleres modificações em grandes centros, como no Reino Unido e a passos mais lentos em outros países, como no Brasil e, mais ainda, na Amazônia.
Ela citou que a BBC, apesar de ser um veículo independente e não apresentar propagandas, justamente para evitar se atrelar a algum objetivo financeiro externo, investe maciçamente nas inovações tecnológicas como, por exemplo, oferecer a programação ao usuário em aplicativos, seja através da conexão direta à TV via tablets, por exemplo.

Siga-me no Instagram!

Isto permite que os sujeitos possuam maior protagonismo na definição do que se assiste/ acompanha. Com o poder de escolha e personalização de seu conteúdo, passam a ter o que chamou de "experiência adaptativa". Indo além, tal possibilidade permite também aos veículos compreenderem mais facilmente os perfis dos públicos e, assim manter a cadeia de produção de conteúdo e instigar seu consumo.
Nesta cadeia, é fundamental também o feedback e atenção ao consumo de fato do público, que por vezes rejeita algumas iniciativas mais inovadoras e retoma algumas práticas mais antigas. Para isso, são aplicados testes que possibilitam a percepção do que o público nota e de fato consome da produção da BBC.

Acompanhe textos, dicas, downloads, vídeos e outros conteúdos exclusivos em meu site!

Tudo isto ocorre porque, segundo a pesquisadora, o avanço tecnológico não se encerra em si próprio. É fundamental que as pessoas entendem o que utilizam e o porquê de utilizarem daquela forma. Só isto poderá de fato colaborar para a "evolução" na produção e consumo de novas alternativas na TV.
É justamente levando isto em conta que pode-se também ousar na forma de conseguir as informações necessárias, não apenas sobre audiência, mas de que audiência se busca/ se deseja investir.
Para isso, a BBC já disponibiliza conteúdos educativos e experiências lúdicas, muitas vezes baseadas na gamificação, que não somente atraem a atenção dos telespectadores, como também ajudam a traçar o panorama de consumo, algo bem mais possível na Europa e difícil de imaginar sendo aplicado logo no Brasil e na Amazônia.


Além da conferência, a pesquisadora ministrou o workshop "Gerando ideias para o futuro da TV" (Generating ideas for the future of TV). Foto: Enderson Oliveira

PERFIL
Vinoba Vinayagamoorthy é engenheira, com doutorado em Ciência da Computação pela University College London (UCL). Sua área de atuação é a pesquisa e o desenvolvimento de experiências sincronizadas em telas complementares. Tal atuação envolve a elaboração de protótipos para experiências de exibição de conteúdo e também estudos exploratórios sobre como os diferentes públicos podem reagir a esses conteúdos.


Por Enderson Oliveira

[Comente este Post]

Postado por Blog de Enderson Oliveira
31/3/2019 às 11h37

 
Mulher, ontem hoje e sempre

Saudade define bem,
Ausência de uma mulher,
Um fonema magistral para,
Mãe, esposa ou namorada,
Vindas de onde vierem.
Mulher, uma pérola rara,
O diamante mais puro,
Modela o homem seguro,
Capaz de tudo enfrentar.
A mulher é resistência,
E com sua resiliência,
Põe a todos no lugar,
A saudade lhe cai bem,
A eternidade também,
Sem sair do verbo amar.

08/03/2019 - Parabéns

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
8/3/2019 às 03h17

 
Amor, entre o céu e o fardo

A distância entre o corpo e o tempo,
Podemos chamar de céu da alegria.
Porém o percurso do céu ao espírito,
São longínquas preces de agonia.

As veredas conduzem ao céu do amor,
Dos espíritos e corpos que se atrelam,
Não tão longe, porém, nem tão perto,
Incógnita, que nem os anos revelam.

Não falo aqui do sincretismo ou da fé,
Mas do amor e dos que o professam.
Quão difícil é, a reciproca de um outro,
Convivem, conversam e contestam.

A harmonia se quebra de véspera,
O caminho se torna longo e árduo,
O céu agora, chama-se de inferno,
Arde os pés, no lombo o peso do fardo.

Não há caminho de aventura ao amor.
O céu da alma é o mesmo dos amantes.
Não tão longe, porém, nem tão perto,
Nesse caminhar ainda somos aspirantes.

[Comente este Post]

Postado por Blog Feitosa dos Santos - Prosas & Poemas
5/3/2019 às 14h18

 
LONDON LONDRES

A aldraba da porta,

o grifo brônzeo.


Ao lado, o Hyde Park:

sombra e assombro.


Entre névoas errantes,

o andar a esmo.


Pelas ruas de Londres,

a mão inglesa


surpreende de súbito:

salto e susto.


Fish and chips

ginger ale, pubs.


A cidade sorri,

dama discreta.


No quarto do hotel,

uma remota lembrança


é déjà-vu

e magia algo estranha


para a menina do quadro

e suas tranças.


O desconcerto chega

e toma conta


dos pobres dísticos

e sua circunstância...


Ortega ri seu riso

onde se encontra


na margem oposta

do Ebro lá de Espanha.


Esquento o chá

e seu aroma eleva


o espírito das flores:

primavera.


Enquanto sorvo

a cálida tisana,


o tempo tece

as teias das aranhas.


Ayrton Pereira da Silva



[Comente este Post]

Postado por Impressões Digitais
1/3/2019 às 09h59

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INTERDISCIPLINARIDADE E PROJETOS DE PESQUISA
JOSÉ LUIZ FABRIS, JOSÉ MAURÍCIO DIASCÂNEO UND MARTA C. DE ESTIGARRIBIA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 384,00



O DESEJO DO ANALISTA: NOME DE UM AMOR MAIS DIGNO QUE A SOLIDARIEDADE
PAULA ÂNGELA DE FIGUEIREDO E PAULA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 559,00



TUTELA ESPECÍFICA DAS OBRIGAÇÕES DE FAZER
ANTÔNIO PEREIRA GAIO JÚNIOR
FORENSE
(2000)
R$ 12,00



JUVENTUDE, RELIGIÃO E ÉTICA
LÚCIA PEDROSA-PÁDUA E ZECA E MELLO (ORGS.)
PUC
(2010)
R$ 17,00



SIMULAÇÃO DO EFEITO DE CAMPOS ELÉTRICOS NA MEMBRANA CELULAR
GIULIA TUCCI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



CONTRATO DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E NOVAS TECNOLOGIAS
MANOEL J. PEREIRA DOS SANTOS & COORDENADOR
SARAIVA/GVLAW
(2019)
R$ 90,00



SÃO PAULO: NOVOS PERCURSOS E ATORES - SOCIEDADE, CULTURA E POLÍTICA
LÚCIO KOWARICK / EDUARDO MARQUES
34
(2011)
R$ 29,00



SEX & SPIRIT (5968)
CLIFFORD BISHOP
TIME LIFE BOOKS
(1996)
R$ 30,00



ATITUDES QUANDO OS FILHOS ESCOLHEM ESTILOS ALTERNATICOS DE VIDA
MARIANA CAPLAN
MADRAS
R$ 7,00



ESTAMPAS MÁGICAS: LIVRO PARA COLORIR ANTIESTRESSE
JENEAN MORRISON
BAZAR EDITORIAL - EDIPRO
(2015)
R$ 23,86





busca | avançada
27782 visitas/dia
955 mil/mês