Information Society e o destino da mídia | Ram Rajagopal | Digestivo Cultural

busca | avançada
69682 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
>>> Museu de Arte Sacra de São Paulo - Imagens de ROCA e de VESTIR
>>> Mostra de Teatro de Ipatinga comemora os 15 anos do Grupo 3 de Teatro com espetáculo online
>>> Live: Como a cultura nos livros didáticos influencia a formação da criança
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Passeata Contra o eBook
>>> Sendo Humano
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jazz caricato
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> Música instrumental brasileira
>>> If God is Brazilian
>>> Agradecimentos no Oscar
>>> Anúncios em revistas caindo
>>> Cicular
Mais Recentes
>>> Efésios N Testamento Coleção Lições De Vida de Max Lucado pela Mundo Cristão (2014)
>>> Os Condenados - Obras Completas 1 de Oswald de Andrade pela Civilização Brasileira (1970)
>>> Ponta de Lança - Obras Completas 5 de Oswald de Andrade pela Civilização Brasileira (1972)
>>> A Insustentável Leveza do Ser de Milan Kundera pela Nova Fronteira (1986)
>>> A Divina Comédia de Dante Alighieri pela Nova Cultural (2002)
>>> A Luz da Estrela Morta de Josué Montello pela Nova Fronteira (1981)
>>> Quem Foi? Albert Einstein de Jess Brallier pela Dcl (2009)
>>> As Impurezas do Branco de Carlos Drummond de Andrade pela José Olympio (1974)
>>> As Filhas de Rashi de Maggie Anton pela Rocco (2008)
>>> Drummond o Gauche no Tempo de Affonso Romano de Santanna pela Lia (1972)
>>> Traição Em Família de David Baldacci pela Arqueiro (2012)
>>> Bichos de Lá e de Cá de Lia Neiva pela Ediouro (1993)
>>> O Fogo de Katherine Neville pela Rocco (2011)
>>> Desvirando a Página - a Vida de Olavo Setubal de Ignácio de Loyola Brandão; Jorge J. Okubaro pela Global (2008)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Saraiva (2013)
>>> Dom Casmurro - Obras Completas de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> The Elegance of the Hedgehog de Muriel Barbery pela Penguin Usa (2008)
>>> O Direito à Privacidade na Internet de Sidney Guerra pela América Jurídica (2004)
>>> Em Busca de Cézanne de Peter Mayle pela Rocco (2000)
>>> Nono Descobre o Espelho de José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta pela Objetiva (2007)
>>> Nós, Mulheres - Edição Especial de Silvia Bruno Securato pela Oficina do Livro (2012)
>>> Autant En Emporte Le Vent - Tomes I et II de Margaret Mitchell pela Gallimard (1938)
>>> Memória de Minhas Putas Tristes de Gabriel Garcia Marquez pela Record (2005)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (2002)
>>> Um Dia "daqueles" - um Lição de Vida para Levantar o Seu Astral de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2001)
>>> Seis Suspeitos de Vikas Swarup pela Companhia das Letras (2009)
>>> Nós, Mulheres - Vol. 10 de Silvia Bruno Securato pela Oficina do Livro (2011)
>>> Minhas Rimas de Cordel de César Obeid pela Moderna (2005)
>>> Negociações Espetaculares de Harvard Business School pela Campus (2004)
>>> Em Nome de Anna de Rudi Fischer pela Primavera Editorial (2015)
>>> De Volta às Estrelas de Erich Von Däniken pela Melhoramentos (1970)
>>> Umbanda Espírita Cristã de Norevaldo C. M. Souza pela Ideia Jurídica (2014)
>>> Entre Árabes e Judeus - uma Reportagem de Vida de Helena Salem pela Brasiliense (1991)
>>> O Poder Psíquico das Pirâmides de Bill Schul e Ed Pettit pela Record (1976)
>>> Sade, Fourier e Loyola de Roland Barthes pela Brasiliense (1990)
>>> O que é Ceticismo de Plinio Smith pela Brasiliense LTDA (2021)
>>> A Odisséia dos Essênios de Hugh Schonfield pela Mercuryo (1991)
>>> Introdução à Psicologia Fenomenológica//Agressão no Homem e nos Animais de Ernest Keen e Roger N. Johnson pela Interamericana (1979)
>>> O que é Psicanálise de Fábio Hermann pela Abril (1983)
>>> Como Administrar Conflitos Profissionais de Peg Pickering pela Market Books (1999)
>>> A Aventura Prodigiosa do Nosso Corpo de Jean Pierre Gasc pela Universo da Ciência (1981)
>>> As Mulheres Francesas Não Engordam de Mireille Guiliano pela Campus (2005)
>>> Das CPI's de Hélio Apolinário Cardoso pela Bookseller (2002)
>>> A Mulher do Viajante no Tempo de Audrey Niffenegger pela Suma de Letras Brasil (2009)
>>> O estudante II: Mamãe querida de Adelaide Carraro pela Global (1988)
>>> O Lado Bom dos Seus Problemas EAN: 9788536416199 de Maurício Horta pela Abril (2013)
>>> Julie e Julia de Julie Powell pela Record (2009)
>>> Fogo e Gelo de Julie Garwood pela Landscape (2009)
>>> Confissões de Santo Agostinho pela Folha de S. Paulo (2010)
>>> O Livro das Princesas - Novos Contos de Fada Por de Meg Cabot; Paula Pimenta; Lauren Kate pela Record (2013)
COLUNAS

Segunda-feira, 24/7/2006
Information Society e o destino da mídia
Ram Rajagopal

+ de 4000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

"Que eu me organizando posso desorganizar
Que eu desorganizado posso me organizar
Da lama ao caos
Do caos à lama"

Chico Science

Muitos acreditam que a era das grandes descobertas e aventuras já passou. Que com a descoberta do continente americano, a vida romântica e as aventuras com grandes tesouros se encerraram. Nada mais longe da verdade. Estamos vivendo hoje uma era tão ou mais intensa de descobertas e colonização. Só que a navegação, os mapas, o mundo em que se opera é que é diferente. E ao contrário da época dos grandes navegadores, muito mais pessoas têm como participar deste novo processo: a descoberta, colonização e urbanização das sociedades de informação. Se você quer prever o que vai acontecer com a "grande mídia", com repórteres e semelhantes, entender este fenômeno talvez ajude um pouco...

A sociedade teve sua era de aldeias, e aos poucos formou o mundo urbano com suas metrópoles de milhões de habitantes de todos os tipos. No entanto, aos poucos, mesmo as metrópoles urbanas passaram a conter aldeias ideológicas dentro de si. Grupos de pessoas que aderem a princípios culturais parecidos se associaram a espaços físicos pela cidade. Os alternativos, os novos-ricos, os evangélicos, cada qual tem sua turma e os locais que costuma frequentar. Ou seja, formaram-se aldeias novamente. Só que a diferença é que se você quer conhecer uma outra aldeia, ao invés de ter que viajar por várias horas e com dificuldade, hoje em dia você chega lá em minutos.

A mesma urbanização está acontecendo nas sociedades de informação. Num primeiro momento, as notícias e informações eram locais, sua distribuição limitada por distâncias geográficas. Nas pequenas aldeias as pessoas trocavam notícias pelo boca-a-boca. Cada pessoa trocando idéias com várias pessoas localizadas geograficamente próximas. Com o crescimento da aldeia, surgiram os primeiros jornais e diários. Determinadas pessoas coletavam as informações e as publicavam. Informação passava a ter um valor monetário. Ainda assim, em cada cidade haviam poucos jornais, já que o custo era alto, e nem todos eram populares.

Com a redução do custo de publicar, e o aumento no valor da informação, os meios de informação se multiplicaram e competiram entre si. Mas o aumento de oferta reduz os lucros. E ter a notícia mais quente, dos lugares mais longínquos, exigia uma grande disponibilidade de recursos e investimento. Formaram-se os conglomerados de informação, e o estabelecimento de um modelo de informação na sociedade onde os indivíduos se conectam a hubs, centrais de autoridade, de onde podem obter notícias, idéias e opiniões. Os hubs são estabelecidos em regiões geográficas, como estados ou cidades, e se comunicam entre si para trocar conteúdo. Como o custo para acessar informações longe de sua localização geográfica é alto, os consumidores se associam ao hub mais próximo fisicamente. Este modelo de satélites de informação criou e manteve os grandes conglomerados da informação durante boa parte do século passado.

Então veio a internet, ou de forma geral, as novas tecnologias de comunicação. Estas tecnologias reduziram o custo de comunicar pacotes de informação. Os hubs se adaptaram, e passaram a oferecer seus conteúdos através destas novas mídias. Em um primeiro momento, os indivíduos passaram a acessar o conteúdo destes mesmos hubs de conhecimento. No entanto, com uma redução ainda maior no custo da comunicação, e aumento na capacidade de enviar bits e bytes, a barreira geográfica ruiu aos poucos, e as pessoas passaram a acessar hubs distantes geograficamente.

Os diversos satélites competiram entre si, reduzindo ainda mais o custo de se saber alguma coisa. Por exemplo, muitos jornais passaram a permitir acesso gratuito às notícias on-line. Neste novo modelo, indivíduos consumidores se ligavam a mais de um satélite. Mas ainda tinham dificuldade de publicar, devido à complexidade de se utilizar as novas mídias. As sociedades de idéias ainda eram mais ou menos geograficamente localizadas.

Veio a segunda grande transformação: a redução no custo de publicação. Tecnologias que simplificaram tremendamente o processo de publicar conteúdo e distribui-lo para indivíduos permitiram que todos se tornassem geradores de conteúdo. O modelo das aldeias, agora sem barreiras geográficas, retorna. Conexões entre indivíduos se formam, e agora não existe mais a necessidade de estarem localizados num mesmo referencial geográfico. Os grandes hubs ainda se mantêm como provedores de informação, mas seu escopo agora é diferente, competindo com indivíduos cujo investimento de capital é muito baixo.

Esta segunda transformação teve profundas conseqüências na cultura social e na linguagem. Criou novas formas de expressão. A acurácia de uma notícia passou a ser medida estatísticamente, ao invés de aguardar pela aprovação de uma autoridade. E a capacidade de ter muitos indivíduos simultâneamente publicando e acessando uma parcela significativa do mercado dos hubs, permitiu uma diversidade nunca antes vista. As vilas agora são não-geográficas, formadas por indivíduos que compartilham idéias semelhantes.

No entanto, como é natural, a proliferação de muitos canais de informação não persiste por muito tempo. Um indivíduo sozinho chega ao limite do número de pessoas que consegue atrair. E com o modelo de links da Web, lincar e ser lincado tem o poder de chegar a um maior número de pessoas. Quase naturalmente, indivíduos que se lincam entre si, formando componentes fortemente conectados na rede, começam a formar hubs. Os hubs começam a se estabelecer como referência na nova mídia, e os consumidores passam aos poucos a se organizar também ao redor destes novos hubs.

Este é o movimento lento atual que observo na blogosfera, com a formação no Brasil, de grupos como Wunderblogs, No Mínimo e Gardenal. Se antes o capital era financeiro, e as distâncias eram geográficas, agora o capital é a força do link, e as distâncias são ideológicas. As novas cidades que se formam são cidades ideológicas. Grupos de pessoas que dividem opiniões em comum, e até mesmo hábitos culturais semelhantes, se organizando como na era do modelo satélite.

O poder do link ou o chamado efeito Google, é também o que define o sucesso financeiro de um determinado hub. Quanto mais tráfego ele atrai, maior a sua capacidade de conseguir angariar fundos e recursos a partir de terceiros. Se antes o modelo básico era a subscrição, agora passa a se tornar ad clicks. Ou seja, oferece-se aos anunciantes um número mínimo de acessos garantidos, com a vantagem de se estar num nicho claramente especificado. Afinal, os novos hubs formam satélites ideológicos e culturais.

O que irá acontecer com os antigos hubs não está claro. Muitos estão aos poucos se adaptando à idéia de um mercado ideológico ao invés de geográfico. Outros persistem no velho modelo, esperando ainda por alguma mudança ainda maior que venha acontecer na estrutura da informação. Mas como em outras épocas, provavelmente muitos desaparecerão, perdendo sua enorme influência, e outros tomarão seus lugares.

Uma das conseqüências dos modelos de informação aqui descritos é que afetam a maneira de se expressar dos autores, seu estilo. Os hubs formados por indivíduos fortemente conectados, ou mesmo por indivíduos que trabalham para uma única organização, acabam estabelecendo uma certa norma, um estilo. O estilo influencia tanto os indivíduos que participam de um hub como autores, como aqueles que se conectam para serem consumidores. Uma segunda conseqüência é a difusão rápida e cromática de um pacote de conhecimento. O que seria difusão cromática? O pacote assume as cores da cultura de cada hub ao ser apresentado como conteúdo de informação.

Uma das vantagens do novo modelo que está se estabelecendo é que as barreiras são menos claras, e um espectro mais amplo de idéias encontram um lugar ao sol. Além disso, os consumidores têm maior poder de escolha do que querem consumir, transformando o mercado de informação num mercado mais parecido com o de outros produtos.

Uma nova mudança já se conflagra no horizonte, com o aumento da banda de comunicação. Não está muito distante o dia em que a televisão e o rádio terão também suas mudanças, e talvez o modelo de hubs econômicos-geográficos esteja sepultado de uma vez. Os maiores investimentos atuais são em tecnologias que permitam o acesso rápido sem fio à Grande Rede, à transmissão e ao armazenamento de vídeos. Como ainda não se vê fim para a taxa de crescimento na capacidade de armazenar, as emissoras que se cuidem...

Portanto, se você sonha em entrar para a História em pé de igualdade com Pedro Álvares Cabral, ainda está em tempo: basta entrar em uma destas caravelas improvisadas que é um computador e navegar no mar de informação. A única diferença é que, aqui, você terá que criar seu próprio continente e as descobertas estão mais próximas da apaixonada defesa dos navegadores feita por Fernando Pessoa.

Ram Rajagopal
Rio de Janeiro, 24/7/2006



Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky de Heloisa Pait
02. Cachorros e Lágrimas de André Simões
03. Discos de Jazz essenciais de Jardel Dias Cavalcanti
04. Arte e liberdade de Diogo Salles
05. No futebol, como na vida de Marcelo Spalding


Mais Ram Rajagopal
Mais Acessadas de Ram Rajagopal em 2006
01. Sobre responsabilidade pessoal - 1/5/2006
02. Como o Google funciona - 14/3/2006
03. Como começar uma carreira em qualquer coisa - 24/4/2006
04. Música é coração, computadores, não? - 28/2/2006
05. Reflexão para eleitores - 4/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/7/2006
12h31min
Pra gente ver que não importa o que aconteça: sempre haverão grupos - ou aldeias - formados. O homem tem essa necessidade. Não importa o quanto avancemos tecnologicamente.
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
24/7/2006
16h23min
O mundo hoje é da plena tecnologia e da comunicação em tempo real, e toda esta estrutra é um passo importante para a humanidade. Só que quem faz o uso dela nem sempre está antenado, com seu papel transformador. Pois dentro do contexto ideológico precisamos, e muito, de mudanças de paradigma, estabelecer a desconstrução estrutural, para que um novo pensamento possa efetivamente estar a serviço da humanidade, que é a busca das novas identidades, ou seja: nenhum ser humano é melhor nem pior, ninguem é branco ou negro, todos são descendentes da mesma gênese, ninguem é homem ou mulher, esta é a sociedade das identidades itinerantes.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias]
24/7/2006
19h29min
Esse fenômeno, internet, que ainda nos deslumbra... trouxe tanta revolução! Os milhares de sites da Internet formam uma impressionante biblioteca digital que oferece um elenco infinito de informações e de novas alternativas educativas. Praticamente tudo, mas tudo mesmo, é possível encontrar hoje na Internet em termos de informação. "Informação". Este é o nome do poder no século 21. Sobreviverá na aldeia global somente quem estiver de fato informado e que sobretudo souber interpretar, decodificar, a avalanche de informações desencadeada pela Internet. O mundo será cada vez mais unificado pela comunicação digital. A associação entre Internet e televisão, de modo especial, vai levar milhões ou, talvez, bilhões de pessoas a um mundo novo.
[Leia outros Comentários de Claudia Aguilar ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Beleza do Corpo - uma Apreciação do Cânticos a Partir do Corpo
Pe. José Wilson Correia da Silva
Paulinas
R$ 10,00



Perto de Casa
Peter Robinson
Record
(2006)
R$ 10,00



A Revolução dos Campeões
Roberto Shinyashiki
Gente
(2009)
R$ 10,00



A Obra em Negro (Literatura Francesa)
Marguerite Youcenar
RioGráfica
(1986)
R$ 10,00



Cálculo Matemática para Todos 42-hoje o Futuro
Vários Autores - Revista
Segmento
(2014)
R$ 10,00



A Loura de Olhos Negros - 6815
Benjamin Black
Rocco
(2014)
R$ 10,00



Grandes Conceitos em Pequenas Estórias
Flávio Serra
Consulex
(1993)
R$ 10,00



Querido John
Nicholas Sparks
Novo Conceito
(2010)
R$ 10,00



O Fascinante Império de Steve Jobs 5016
Michael Moritz
Universo dos Livros
(2010)
R$ 10,00



Legislação, Jurisprudência Indígenas
Fundação Nacional do Índio
Funai
(1983)
R$ 10,00





busca | avançada
69682 visitas/dia
2,4 milhões/mês