As garotas do Carlão | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
51300 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 13/9/2004
As garotas do Carlão
Lucas Rodrigues Pires

+ de 12100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Carlos Reichenbach é um dos poucos autores do cinema brasileiro dos anos 70 que permanecem até hoje na ativa. Depois de Dois Córregos, de 1998, quando buscou na lembrança o convívio com um tio comunista, ele realizou Garotas do ABC, uma forma pessoal de abordar uma questão social que se faz urgente e necessária.

O filme trata do cotidiano de um grupo de operárias na Tecelagem Mazini, no ABC paulista. São diversas mulheres, de diferentes cores e idades, que se encontram todos os dias numa rotina de trabalho junto ao maquinário. Entre chegar, se vestir, trabalhar, almoçar e o fim do expediente, conversam sobre suas vidas, seus problemas e possibilidades. A personagem principal é Aurélia Schwarzenegga, chamada assim por sua paixão pelo ator hoje governador da Califórnia. Ela é a filha de uma família negra de classe média baixa e namora um rapaz branco que anda com um grupo de neonazistas. Aliás, esse é o segundo foco do filme. Se no primeiro a presença feminina predomina, é no Bilhar Modelo o ponto de encontro dos racistas neofascistas liderados por Salesiano (Selton Mello, que tem, assim como em Lavoura Arcaica, uma dicção que quase não se entende o que ele fala). Esses dois grupos irão se cruzar após os neonazistas espancarem dois nordestinos e explodirem as dependências do Cantinho do Nordeste, um boteco freqüentado por trabalhadores nordestinos. O motivo da agressão: o irmão de um deles foi demitido da metalúrgica para dar lugar aos dois pernambucanos surrados. Eis o universo retratado por Carlão em Garotas do ABC, uma mistura de sobrevivência da afetividade feminina ante a violência burra masculina.

Dentro do cinema de Reichenbach, o feminino é um dos temas mais freqüentes. É por um viés feminino que se desenvolve Dois Córregos, na relação de três mulheres com o comunista vivido por Carlos Alberto Ricceli, e também Anjos do Arrabalde, em que a professora vivida por Betty Faria, uma das atrizes preferidas do diretor, e outras professoras suburbanas vivem a crueza do cotidiano. Em Garotas do ABC, o diretor permanece em seu universo e tem total controle de suas atrizes, a maioria novata. A órbita masculina está em segundo plano, eles são coadjuvantes no ABC. Mesmo o jornalista de Ênio Gonçalves e o sindicalista André Luis (Dionísio Neto) - figuras que antagonizam os personagens masculinos da gangue de neonazista - estão ao redor, nunca no centro da trama.

Garotas do ABC começa com uma cena que vai ficar na história do cinema brasileiro contemporâneo. Um travelling introduz as fotos penduradas na parede de uma casa até chegar ao quarto de uma jovem negra (Aurélia, interpretada pela novata Michelle Valle) que dança nua ao som da soul music de Sam Ray (uma ficção do diretor que serve de porta-voz para a criação dos músicos Nelson Ayres e Marcos Levy, responsáveis pela trilha e que buscaram se aproximar da música de Marvin Gaye). Dentro do quarto, as paredes estão infestadas de cartazes e fotos do ator Arnold Schwarzenegger. Aurélia começa a se vestir, desde a calcinha até a blusa, sem parar um segundo de dançar. A câmera fixa-se nela e aproxima-se lentamente para depois recuar até que ela termine seu ritual. O corpo negro e nu da atriz reluz maravilhosamente diante da câmera, e a música envolvente com a dança sensual seduz quem assiste logo de cara. Está apresentada a personagem principal.

Ao mesmo tempo em que as garotas são retratadas com muita compaixão e proximidade pelo diretor, os neonazistas, a facção da extrema-direita xenófoba, são seu oposto. São retratados como porcos chauvinistas, ignorantes e manipuláveis por uma mente um tanto mais evoluída que a deles - a do Dr. Salesiano, formado em Direito e líder da seita que tem como inspiradores nomes como Spengler e Plínio Salgado. A atuação do grupo é sempre pendente ao cômico, com Selton Mello caracterizado como um intelectual que cita discursos racistas para esconder sua mediocridade. São todos perdidos, agem por agir, sem convicções reais, mas criados pelo próprio fracasso, pelo próprio medo. Cômico ver um grupo de neonazistas agindo e quando chegam para deixar seu recado na parede do alvo não sabem o que escrever. Aí um deles pergunta a Salesiano, "mas o que eu escrevo?". Ouve-se a resposta: "Ah, sei lá, põe qualquer coisa, 'Baianos, go home!'". Tem-se durante todo o filme esse retrato do movimento sem ideologia real, sem fundamento, sem convicção. Eis a idéia de Carlão e o que ele quis mostrar com Garotas do ABC, tanto que termina o filme ao som de Sarará Crioulo e a frase "Todo brasileiro tem sangue crioulo". Carlão faz uma ode à miscigenação, ao brasileiro que não é uma só raça, mas todas.

O filme se torna mais atual quando se lê sobre mortes de mendigos e ataques de skinheads no metro. Sem contar os Carecas do ABC, inspiração explícita para o bando de neofascistas de Salesiano. Reichenbach quer demonstrar que a xenofobia e o racismo não apresentam fundamento nenhum. Por isso coloca personagens boçais como todo o grupo neonazista, alguns em crise (como Fábio, o namorado de Aurélia, dividido entre os conselhos dos amigos racistas e o amor pela namorada negra, e o contador, que visivelmente é um nerd misógino afetado mentalmente). Da turma deles, apenas Salesiano se salva, mas dentro de sua derrota e solidão. Seu discurso final, assim como quase todos no filme, foi tirado da obra A Decadência do Ocidente, de Oswald Spengler, um dos autores que influenciaram Hitler, e mostra um indivíduo já louco, isolado, sem mais ouvintes (a câmera reitera isso ao filmar de baixo para cima e girando ao seu redor). Ao final de tudo, um livro de Plínio Salgado, fundador do movimento fascista nacional nos anos 30, o Integralismo, desfaz-se nas ondas do mar enquanto Salesiano profere seu epílogo.

Intelectual do cinema, Carlão fez uma homenagem ao cinema e principalmente a alguns colegas do Cinema Novo e Marginal. Há diversas citações no decorrer do filme e é uma delícia quando se detecta uma delas. Rogério Sganzerla, criador de O Bandido da Luz Vermelha, é uma referência na pichação deixada no boteco explodido pelos neonazistas (eles escrevem "Quem tiver sem sapato não sobra", invertendo a pseudoprofecia contida no clássico maior do Cinema Marginal) e José Mojica Marins, o Zé do Caixão, aparece rapidamente numa entrevista na TV. Deus e o Diabo na Terra do Sol, de Glauber Rocha, é citado quando do decepamento de cabeças e não é à toa a câmera girar incessantemente ao redor de Salesiano enquanto este profere um discurso ao vazio. Além disso, uma autocitação do diretor: os cartazes nos muros chamando a atenção para Bens Confiscados, com Betty Faria (este é um filme que Carlão já terminou e espera por distribuição).

Outros cineastas são reverenciados, como Fritz Lang ao vermos a tatuagem do símbolo do Integralismo nas costas de Salesiano e a câmera se entorta para o "e" virar um "m" (de M., o Vampiro de Dusseldorf, filme de Lang, sugerindo uma analogia entre os personagens), e o Francis Ford Coppola de Apocalipse Now, na cena em que aviões voam ensandecidos em direção ao inimigo ao som de Wagner (como é sabido, Richard Wagner era o compositor preferido de Hitler). Em Garotas do ABC, Carlão compõe uma cena similar com os neonazistas rumando (pela nova Imigrantes) ao Clube Democrático para botar pra quebrar num carro rodeado de motos e os acordes de Wagner a todo vapor.

Para o diretor, fazer cinema é um prazer enorme que ele parece dividir com seus amigos e espectadores. Salve, Carlão, que nos brinde com mais garotas como essas.


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 13/9/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lares & Lugares de Ricardo de Mattos
02. A origem da dança de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2004
01. Olga e a história que não deve ser esquecida - 30/8/2004
02. Os narradores de Eliane Caffé - 5/2/2004
03. Quem tem medo de Glauber Rocha? - 19/7/2004
04. As garotas do Carlão - 13/9/2004
05. Cazuza e o retrato do artista quando jovem - 5/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/10/2004
12h01min
Meu caro Lucas, a sua crítica é tão boa quanto o filme! Coisa rara neste país raro. Estamos carentes de bons críticos de cinema, comentaristas, seja o que for, mas que o faça com conhecimento, com lucidez. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Nirton Venancio]
23/11/2004
10h48min
Parabéns, Carlos Reichenbach!!! Continuar com o cinema nacional é uma atitude louvável, e devemos isso ao senhor. Parabenizo também a atriz Betty Faria, por seu apoio incondicional a esta arte aqui no Brasil.
[Leia outros Comentários de Francisco Trigueiro ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TEJE PRESO
CHICO ANÍSIO
ROCCO
(1975)
R$ 6,90



JORNALISMO EMPRESARIAL
JUARÊS RODRIGUES PALMA
SULINA
(1983)
R$ 6,90



PINHEIRO BRAVO E PINHEIRO MANSO, CULTURA, EXPLORAÇÃO E TRATAMENTO
MÁRIO A. SILVEIRA DA COSTA
LITEXA
(1995)
R$ 39,00



SMART WORK WHY ORGANIZATIONS FULL OF INTELLIGENT PEOPLE ...
STEVEN A. STANTON
DO AUTOR
(2016)
R$ 55,00



DICIONÁRIO ENCICLOPÉDICO ILUSTRADO FOMAR VOLUME 1 A
VÁRIOS AUTORES
ED. FOMAR
R$ 26,00



OS EXÉRCITOS
EVELIO ROSÁRIO
GLOBO
(2010)
R$ 12,00



BURITI GEOGRAFIA 2 - 3ª ED
PROJETO BURITI
MODERNA
(2015)
R$ 14,00



NINGUEM E VELHO ANTES DOS 90 MAS E MELHOR ESTAR PREPARADO
REBECCA LATIMER
MANDARIM
(2000)
R$ 75,00



A LEBRE COM OLHOS DE ÂMBAR
EDMUND DE WAAL
INTRINSECA
(2011)
R$ 19,00



A FORMAÇÃO DO PROFESSOR E A QUESTÃO DA LEITURA
TANIA M. K. ROSING
UNIV DE PASSO FUNDO
(1996)
R$ 13,28





busca | avançada
51300 visitas/dia
1,8 milhão/mês