Meu beijo gay | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Dar títulos aos textos, dar nome aos bois
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> Acordei que sonhava
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Um Furto
>>> Nasi in blues no Bourbon
>>> De vinhos e oficinas literárias
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 14/2/2014
Meu beijo gay
Paulo Polzonoff Jr

+ de 2800 Acessos

Será que eu sou gay?

Eu me fiz esta pergunta numa noite quente do remoto ano de 1996 ou 1997. Na ocasião, meu melhor amigo me contou que era homossexual. Fiquei chocado, porque nunca percebi nenhum indício. E o cara era meu amigo de infância. Fazíamos tudo juntos, tínhamos os mesmos gostos. Ora, eu só podia ser gay!

Mas havia um detalhe importante: nunca senti atração por homens. Eu podia ser e sou gay o suficiente para reconhecer que Hugh Grant é um homem bonito, mas não sou gay o bastante para sentir atração por ele. No carro, no meio de uma movimentada avenida de Curitiba, olhei para meu amigo que, por ironia, era muito mais cobiçado do que eu pelas mulheres. Olhei para os traços nada afeminados dele. Homossexual, você? Como é possível?!, me perguntei, na minha terrível ingenuidade.

Ele era, eu não. Simples assim.

Os anos passaram e eu comecei a conviver mais com homossexuais, com os quais tive longas conversas sobre o assunto. O que me interessava nesta época não era responder à dúvida sobre minha sexualidade, dúvida que simplesmente não existia. O que me interessava era tentar compreender como nasce esta atração sexual por pessoas do mesmo sexo.

Mas, para ser franco, nunca entendi. E é daí, suponho, que nasce o ódio. As pessoas têm medo daquilo que não compreendem e reagem como bicho encurralado, isto é, com agressividade. O detalhe é que ninguém precisa entender o diferente para aceitá-lo. (Mas como explicar isso para um matuto?)

Foi então que, certa noite, um amigo me deu um selinho. Havíamos saído com nossas namoradas, bebemos um bocado. E nós nos gostávamos muito. Nunca soube o que o levou a me dar aquele selinho ao se despedir de mim no carro. Um homossexualismo enrustido? É possível. Mas acreditar nesta hipótese seria dar vazão a outra autodúvida: serei eu um homossexual enrustido? Tão, mas tão enrustido que não sou capaz de me aceitar?

Não era uma questão fácil de ser respondida. Culturalmente, sempre me senti muito próximo do mundo gay, pelo menos do mundo gay estereotipado. Eu choro em comédias românticas, por exemplo. E não tenho vergonha de reconhecer a beleza de um cara como Hugh Grant (já deu para sentir que rola uma paixão pelo Hugh Grant, né?). Gosto de teatro e balé clássico. Gosto de cozinhar. E por aí vai.

Além disso, eu tinha uma grave justificativa para ser um homossexual enrustido: meu pai. Ele jamais me aceitaria como homossexual. Ora, se ele mal me aceita como hétero. Meu pai é um homem que não aceitaria nem mesmo que eu usasse um brinco. Te coloco pra fora de casa!

Mas, novamente, a dúvida chegava a um beco sem saída quando eu pensava em atração sexual por homem. Com todo o respeito pelos meus amigos gays: arght! Imaginar um homem perto de mim me fecha a glote (para usar uma das expressões favoritas de outro amigo gay, ao se referir às meninas). Não sou gay. E, não, não sou um homossexual enrustido. E o selinho foi só uma demonstração de carinho de dois amigos sem preconceito. Viva com isso, se puder!

Anos mais tarde, convivi de perto com amigos homossexuais que se beijavam tranquilamente diante de mim. Confesso que era estranho de ver. Tanto é que eu não via. Simplesmente desviava o olhar. O que isso significa? Não tenho o menor preconceito contra homossexuais. Mas não gosto de vê-los se beijando. A minha reação é estúpida e irracional, eu sei. Mas não é expressão de ódio. Jamais me passou pela cabeça proibir os amigos gays de se beijarem em minha casa. Novamente, trata-se de aceitar que nem tudo está ao alcance da nossa compreensão e que não, não precisamos temer aquilo que desconhecemos.

Por isso mesmo considero o famoso beijo gay da novela um símbolo importante. Não de igualdade, como disseram uns otários. E sim de liberdade. Eu não sou igual aos meus amigos gays e não encaro um beijo homossexual do mesmo jeito que encaro um beijo heterossexual. Mas reconheço minha tacanhez no assunto e defendo com veemência o direito dos homossexuais de expressarem carinho entre si.

Com um pouco de sorte, meu filho não verá o beijo entre dois homens do mesmo modo que eu (não) vejo, assim como minha percepção é diferente da do meu pai.

O que está em jogo não é a carícia ou não, e sim o direito ao amor. Hoje, quando penso no selinho que meus amigos me deram, tenho plena certeza de que não foi uma expressão de desejo sexual, e sim de amor. E amor nunca faz mal a ninguém.

Nota do Editor:
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado em seu blog.


Paulo Polzonoff Jr
São Paulo, 14/2/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Casa Arrumada de Ricardo de Mattos
02. Antes que seque de Guilherme Pontes Coelho
03. O Jagunço degolado de Wellington Machado
04. A metade da vida de Guilherme Pontes Coelho
05. Humor x Desamparo de Carla Ceres


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Quem sou eu? - 8/12/1977
03. Olavo de Carvalho: o roqueiro improvável - 15/8/2003
04. Grande Sertão: Veredas (uma aventura) - 13/4/2006
05. Está Consumado - 14/4/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MERCADORIAS E FUTURO - AUTOGRAFADO
JOSÉ PAES DE LIRA/ LIROVSKY
ATELIÊ
(2008)
R$ 50,00



A ESQUIZOFRENIA
NICOLAS GEORGIEFF
INSTITUTO PIAGET
(1998)
R$ 20,00



E TUDO TAO SIMPLES
DANUSA LEAO
AGIR
(2011)
R$ 9,20



CINQUENTA TONS DE LIBERDADE
E. L. JAMES
INTRÍNSECA
(2012)
R$ 15,00



ISAAC ASIMOV - FUNDAÇÃO : O MEDO
GREGORY BENFORD ISAAC ASIMOV
EUROPA - AMÉRICA -SINTRA - PT
(1998)
R$ 140,00



ESCOLHA E ACASO
BRIAN SKYRMS
CULTRIX
(1971)
R$ 5,04



UMA MULHER CHAMADA JACKIE
C. DAVID HEYMANN
BEST SELLER
(1989)
R$ 10,00



CONEXÃO MANHATTAN- CRÔNICAS DA BIG APPLE
LUCAS MENDES
CAMPUS
(1997)
R$ 35,90
+ frete grátis



CHINAS SOUTHWEST
DAMIAN HARPER TIENLON HO THOMAS HUHTI
LONELY PLANET
(2007)
R$ 5,48



A SOMBRA DE VOSSAS ASAS
FERNANDA YOUNG
OBJETIVA
(1997)
R$ 30,00





busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês