Meu beijo gay | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Promessa da Política, de Hannah Arendt
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> Por que as velhas redações se tornaram insustentáveis on-line
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
>>> Minha casa, minha cama, minha mesa
Mais Recentes
>>> Sade em Sodoma de Flávio Braga pela BestSeller (2008)
>>> Curso de Filosofia em Seis Horas e Quinze Minutos de Witold Gombrowicz pela José Olympio (2011)
>>> O pequeno Principe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> Zoloé e Suas Duas Amantes de Marquês de Sade pela Record (1968)
>>> Expressões Diante do Trono de Ministério de Louvor Diante do Trono pela Diante do Trono (2003)
>>> A separação dos amantes - uma fenomenologia da morte de Igor Caruso pela Cortez (1989)
>>> Os Titãs / A Saga da Família Kent (Volume V) de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> A Universidade em Ritmo de Barbárie de José Arthur Giannotti pela Brasiliense (1986)
>>> A Mulher Só de Harold Robbins/ (Tradução) Nelson Rodrigues pela Record/ RJ.
>>> Dependência e desenvolvimento na América Latina - ensaio de interpretação sociológica de Fernando Henrique Cardoso e Enzo Faletto pela Zahar (1970)
>>> Tubarão de Peter Benchley pela Nova Cultural (1987)
>>> O Titã de Fred Mustard Stewart pela Record
>>> O Beijo da Mulher Aranha de Manuel Puig pela Codecri/ RJ. (1981)
>>> A Traição de Rita Hayworth/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1993)
>>> Boquitas Pintadas/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1988)
>>> Kit De Estudo Para Concursos: Só concursos (3 CDs + Folheto) + Guia do Concurseiro + Redação para Concursos de Equipe Mundial Editorial pela DCL - difusão cultural do livro (2016)
>>> Numa Terra Estranha de James Baldwin pela Rio Gráfica (1986)
>>> 1934 de Alberto Moravia pela Rio Gráfica (1986)
>>> Mil Platôs Vol. 1 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca/RJ. (2007)
>>> Mil Platôs Vol. 2 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> Mil Platôs Vol. 3 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2012)
>>> Ajin - Demi-Human #01 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #02 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #03 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Incendio de Troia (capa dura couro) de Marion ZimmerBradley pela Circulo do Livro/ SP. (1994)
>>> Ajin - Demi-Human #04 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #05 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #06 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #07 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #08 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #09 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Ajin - Demi-Human #10 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Ajin - Demi-Human #11 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Estratégia da Decepção de Paul Virilio pela Estação Liberdade (2000)
>>> Ajin - Demi-Human #12 de Gamon Sakurai pela Panini (2019)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1989)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #10 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #09 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #08 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Festa Sob as Bombas - Os Anos Ingleses de Elias Canetti pela Estação Liberdade (2009)
>>> Fort of Apocalypse #07 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #06 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #05 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Fort of Apocalypse #04 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> Antologia da Poesia Parnasiana Brasileira de João Ribeiro Francisca Júlia/ Alberto Oliveira... pela Cia. Ed. Nacional/ Lazuli (2008)
>>> Antologia Poética de Ernesto Cardenal pela Salamandra (1979)
COLUNAS

Sexta-feira, 14/2/2014
Meu beijo gay
Paulo Polzonoff Jr

+ de 2800 Acessos

Será que eu sou gay?

Eu me fiz esta pergunta numa noite quente do remoto ano de 1996 ou 1997. Na ocasião, meu melhor amigo me contou que era homossexual. Fiquei chocado, porque nunca percebi nenhum indício. E o cara era meu amigo de infância. Fazíamos tudo juntos, tínhamos os mesmos gostos. Ora, eu só podia ser gay!

Mas havia um detalhe importante: nunca senti atração por homens. Eu podia ser e sou gay o suficiente para reconhecer que Hugh Grant é um homem bonito, mas não sou gay o bastante para sentir atração por ele. No carro, no meio de uma movimentada avenida de Curitiba, olhei para meu amigo que, por ironia, era muito mais cobiçado do que eu pelas mulheres. Olhei para os traços nada afeminados dele. Homossexual, você? Como é possível?!, me perguntei, na minha terrível ingenuidade.

Ele era, eu não. Simples assim.

Os anos passaram e eu comecei a conviver mais com homossexuais, com os quais tive longas conversas sobre o assunto. O que me interessava nesta época não era responder à dúvida sobre minha sexualidade, dúvida que simplesmente não existia. O que me interessava era tentar compreender como nasce esta atração sexual por pessoas do mesmo sexo.

Mas, para ser franco, nunca entendi. E é daí, suponho, que nasce o ódio. As pessoas têm medo daquilo que não compreendem e reagem como bicho encurralado, isto é, com agressividade. O detalhe é que ninguém precisa entender o diferente para aceitá-lo. (Mas como explicar isso para um matuto?)

Foi então que, certa noite, um amigo me deu um selinho. Havíamos saído com nossas namoradas, bebemos um bocado. E nós nos gostávamos muito. Nunca soube o que o levou a me dar aquele selinho ao se despedir de mim no carro. Um homossexualismo enrustido? É possível. Mas acreditar nesta hipótese seria dar vazão a outra autodúvida: serei eu um homossexual enrustido? Tão, mas tão enrustido que não sou capaz de me aceitar?

Não era uma questão fácil de ser respondida. Culturalmente, sempre me senti muito próximo do mundo gay, pelo menos do mundo gay estereotipado. Eu choro em comédias românticas, por exemplo. E não tenho vergonha de reconhecer a beleza de um cara como Hugh Grant (já deu para sentir que rola uma paixão pelo Hugh Grant, né?). Gosto de teatro e balé clássico. Gosto de cozinhar. E por aí vai.

Além disso, eu tinha uma grave justificativa para ser um homossexual enrustido: meu pai. Ele jamais me aceitaria como homossexual. Ora, se ele mal me aceita como hétero. Meu pai é um homem que não aceitaria nem mesmo que eu usasse um brinco. Te coloco pra fora de casa!

Mas, novamente, a dúvida chegava a um beco sem saída quando eu pensava em atração sexual por homem. Com todo o respeito pelos meus amigos gays: arght! Imaginar um homem perto de mim me fecha a glote (para usar uma das expressões favoritas de outro amigo gay, ao se referir às meninas). Não sou gay. E, não, não sou um homossexual enrustido. E o selinho foi só uma demonstração de carinho de dois amigos sem preconceito. Viva com isso, se puder!

Anos mais tarde, convivi de perto com amigos homossexuais que se beijavam tranquilamente diante de mim. Confesso que era estranho de ver. Tanto é que eu não via. Simplesmente desviava o olhar. O que isso significa? Não tenho o menor preconceito contra homossexuais. Mas não gosto de vê-los se beijando. A minha reação é estúpida e irracional, eu sei. Mas não é expressão de ódio. Jamais me passou pela cabeça proibir os amigos gays de se beijarem em minha casa. Novamente, trata-se de aceitar que nem tudo está ao alcance da nossa compreensão e que não, não precisamos temer aquilo que desconhecemos.

Por isso mesmo considero o famoso beijo gay da novela um símbolo importante. Não de igualdade, como disseram uns otários. E sim de liberdade. Eu não sou igual aos meus amigos gays e não encaro um beijo homossexual do mesmo jeito que encaro um beijo heterossexual. Mas reconheço minha tacanhez no assunto e defendo com veemência o direito dos homossexuais de expressarem carinho entre si.

Com um pouco de sorte, meu filho não verá o beijo entre dois homens do mesmo modo que eu (não) vejo, assim como minha percepção é diferente da do meu pai.

O que está em jogo não é a carícia ou não, e sim o direito ao amor. Hoje, quando penso no selinho que meus amigos me deram, tenho plena certeza de que não foi uma expressão de desejo sexual, e sim de amor. E amor nunca faz mal a ninguém.

Nota do Editor:
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado em seu blog.


Paulo Polzonoff Jr
São Paulo, 14/2/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Na hora do batismo de Marta Barcellos
02. A melhor Flip de Marta Barcellos
03. Wanda Louca Liberal de Marta Barcellos
04. Literatura engajada de Marta Barcellos
05. Fui pra Cuba de Marta Barcellos


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Quem sou eu? - 8/12/1977
03. Olavo de Carvalho: o roqueiro improvável - 15/8/2003
04. Grande Sertão: Veredas (uma aventura) - 13/4/2006
05. Está Consumado - 14/4/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESPAÑOL LENGUA VIVA 4 LIBRO DEL ALUMNO
SANTILLANA
SANTILLANA ESPAÑOL
(2013)
R$ 23,95



DICIONÁRIO PRÁTICO DE LITERATURA BRASILEIRA
ASSIS BRASIL
EDIÇÕES DE OURO
(1979)
R$ 20,00



PAGOS A DOBRAR
JAMES M. CAIN
LIVROS HORIZONTE
(1985)
R$ 17,70



GUIA PRÁTICO DO PORTUGUÊS CORRETO
CLÁUDIO MORENO
L&PM POCKET
(2006)
R$ 9,90



O ENIGMA DAS LETRAS VERDES
STELLA CARR
MODERNA
(2000)
R$ 4,90



A CAUSA DA SUPRESSÃO
L. RON HUBBARD
BRIDGE
(2005)
R$ 16,00



DEUS - UM DELÍRIO
RICHARD DAWKINS
CIA DAS LETRAS
(2007)
R$ 47,70



ALQUIMISTAS E QUÍMICOS -O PASSADO, O PRESENTE E O FUTURO
JOSÉ ATÍLIO VANIN
MODERNA
(1994)
R$ 4,30



ZEICHNEN IM KONSTRUKTIVEN INGENIEURBAU
RICHARD GOLDAU
BAUVERLAG
(1978)
R$ 250,00



DIREITO ELETRONICO
RENATO OPICE BLUM
EDIPRO
(2001)
R$ 33,76





busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês