Meu beijo gay | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Workbook de Carl Honoré é transformado em lives
>>> Experiência Quase Morte é o tema do Canal Angelini
>>> 20 anos de Bicho de Sete Cabeças: Laís Bodanzky, Rodrigo Santoro e Gullane se reúnem em bate-papo
>>> Arquivivências: literatura e pandemia
>>> Festival Mia Cara promove concurso culinário “Receitas da Nonna”
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Influências da década de 1980
>>> 20 de Dezembro #digestivo10anos
>>> Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II)
>>> Notas Obsoletas sobre os Protestos
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais?
>>> Pode guerrear no meu território
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> A Vida e o Veneno de Wilson Simonal, por Ricardo Alexandre
Mais Recentes
>>> Revista Mãos dadas Equilíbrio Emocional (Revista de apoio) 19 de Vários pela Viva e Ultimato (2008)
>>> O Último Cabalista de Lisboa de Richard Zimler pela Companhia das Letras (1998)
>>> O Grande Amigo de Deus 18ºed. de Taylor Caldwell pela Record (2002)
>>> O Perfume de Patrick Süskind pela Círculo do Livro
>>> O Desenho de Aldemir Martins de Oscar D'Ambróso e Rubens Matuk pela Cepar Cultural (2011)
>>> O Desenho de Aldemir Martins de Oscar D'Ambróso e Rubens Matuk pela Cepar Cultural (2011)
>>> O Homem Que Sabia: a Inquirição de um Homem pela Verdade de Russel Norman Champlin pela Nova Época
>>> Handbuch Der Wissenschaft Und Bildung - 2 de Kultur Und Wirtschaft pela Deutsche Buch Gemeinschaft (1960)
>>> The 78th Art Directors Annual de ADC Publications pela Adc Publications (1999)
>>> Biblioteca da Matemática Moderna - 5 Volumes de Antônio Marmo de Oliveira e Agostinho Silva pela Lisa (1970)
>>> Biblioteca da Matemática Moderna - 5 Volumes de Antônio Marmo de Oliveira e Agostinho Silva pela Lisa (1970)
>>> Tratado de Fisiologia Médica de Arthur C. Guyton pela Guanabara (1986)
>>> Uma Nova República: História dos Estados Unidos no Século XX de John Lukacs pela Jorge Zahar (2006)
>>> Time For Poetry: a Teachers Anthology de May Hill Arbuthnot pela Scott Foresman and Company (1951)
>>> Vers un Nouveau Charleroi de Pierre Faure pela Alexis Redier (1931)
>>> Vers un Nouveau Charleroi de Pierre Faure pela Alexis Redier (1931)
>>> Twentieth Century China de O. Edmund Clubb pela Columbia University Press (1978)
>>> Realidade da Amazônia Brasileira de Otto Gilberto de Arruda Beltrão pela Não Consta
>>> Daar zit muziek in: mechanische muziekinstrumenten van speelklok tot pierement de Jan Jaap Haspels pela Bosch & Keuning Nv (1981)
>>> Bondade de Jacob Netto pela Não Consta
>>> Arquitetura da Paisagem Água de Instituto Monsa de Ediciones pela Monsa (2006)
>>> Perfis - 2ª Série - Obra Póstuma de Humberto de Campos pela José Olympio (1936)
>>> Van Gogh's Flowers de Judith Bumpus pela Universe Books (1989)
>>> Um Mundo Só - Vol. 1 / a Alemanha por Dentro - Vol. 3 de Wendell Willkie e Louis P. Lochner pela Nacional (1943)
>>> Obras Poéticas de Gonçalves Dias - 6º Volume de Manuel Bandeira (org.) pela Nacional (1944)
COLUNAS

Sexta-feira, 14/2/2014
Meu beijo gay
Paulo Polzonoff Jr

+ de 3400 Acessos

Será que eu sou gay?

Eu me fiz esta pergunta numa noite quente do remoto ano de 1996 ou 1997. Na ocasião, meu melhor amigo me contou que era homossexual. Fiquei chocado, porque nunca percebi nenhum indício. E o cara era meu amigo de infância. Fazíamos tudo juntos, tínhamos os mesmos gostos. Ora, eu só podia ser gay!

Mas havia um detalhe importante: nunca senti atração por homens. Eu podia ser e sou gay o suficiente para reconhecer que Hugh Grant é um homem bonito, mas não sou gay o bastante para sentir atração por ele. No carro, no meio de uma movimentada avenida de Curitiba, olhei para meu amigo que, por ironia, era muito mais cobiçado do que eu pelas mulheres. Olhei para os traços nada afeminados dele. Homossexual, você? Como é possível?!, me perguntei, na minha terrível ingenuidade.

Ele era, eu não. Simples assim.

Os anos passaram e eu comecei a conviver mais com homossexuais, com os quais tive longas conversas sobre o assunto. O que me interessava nesta época não era responder à dúvida sobre minha sexualidade, dúvida que simplesmente não existia. O que me interessava era tentar compreender como nasce esta atração sexual por pessoas do mesmo sexo.

Mas, para ser franco, nunca entendi. E é daí, suponho, que nasce o ódio. As pessoas têm medo daquilo que não compreendem e reagem como bicho encurralado, isto é, com agressividade. O detalhe é que ninguém precisa entender o diferente para aceitá-lo. (Mas como explicar isso para um matuto?)

Foi então que, certa noite, um amigo me deu um selinho. Havíamos saído com nossas namoradas, bebemos um bocado. E nós nos gostávamos muito. Nunca soube o que o levou a me dar aquele selinho ao se despedir de mim no carro. Um homossexualismo enrustido? É possível. Mas acreditar nesta hipótese seria dar vazão a outra autodúvida: serei eu um homossexual enrustido? Tão, mas tão enrustido que não sou capaz de me aceitar?

Não era uma questão fácil de ser respondida. Culturalmente, sempre me senti muito próximo do mundo gay, pelo menos do mundo gay estereotipado. Eu choro em comédias românticas, por exemplo. E não tenho vergonha de reconhecer a beleza de um cara como Hugh Grant (já deu para sentir que rola uma paixão pelo Hugh Grant, né?). Gosto de teatro e balé clássico. Gosto de cozinhar. E por aí vai.

Além disso, eu tinha uma grave justificativa para ser um homossexual enrustido: meu pai. Ele jamais me aceitaria como homossexual. Ora, se ele mal me aceita como hétero. Meu pai é um homem que não aceitaria nem mesmo que eu usasse um brinco. Te coloco pra fora de casa!

Mas, novamente, a dúvida chegava a um beco sem saída quando eu pensava em atração sexual por homem. Com todo o respeito pelos meus amigos gays: arght! Imaginar um homem perto de mim me fecha a glote (para usar uma das expressões favoritas de outro amigo gay, ao se referir às meninas). Não sou gay. E, não, não sou um homossexual enrustido. E o selinho foi só uma demonstração de carinho de dois amigos sem preconceito. Viva com isso, se puder!

Anos mais tarde, convivi de perto com amigos homossexuais que se beijavam tranquilamente diante de mim. Confesso que era estranho de ver. Tanto é que eu não via. Simplesmente desviava o olhar. O que isso significa? Não tenho o menor preconceito contra homossexuais. Mas não gosto de vê-los se beijando. A minha reação é estúpida e irracional, eu sei. Mas não é expressão de ódio. Jamais me passou pela cabeça proibir os amigos gays de se beijarem em minha casa. Novamente, trata-se de aceitar que nem tudo está ao alcance da nossa compreensão e que não, não precisamos temer aquilo que desconhecemos.

Por isso mesmo considero o famoso beijo gay da novela um símbolo importante. Não de igualdade, como disseram uns otários. E sim de liberdade. Eu não sou igual aos meus amigos gays e não encaro um beijo homossexual do mesmo jeito que encaro um beijo heterossexual. Mas reconheço minha tacanhez no assunto e defendo com veemência o direito dos homossexuais de expressarem carinho entre si.

Com um pouco de sorte, meu filho não verá o beijo entre dois homens do mesmo modo que eu (não) vejo, assim como minha percepção é diferente da do meu pai.

O que está em jogo não é a carícia ou não, e sim o direito ao amor. Hoje, quando penso no selinho que meus amigos me deram, tenho plena certeza de que não foi uma expressão de desejo sexual, e sim de amor. E amor nunca faz mal a ninguém.

Nota do Editor:
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado em seu blog.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 14/2/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Apresentação - Luís Fernando Amâncio de Luís Fernando Amâncio
02. Eu quero é rosetar de Bruno Garschagen


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Quem sou eu? - 8/12/1977
03. Olavo de Carvalho: o roqueiro improvável - 15/8/2003
04. Grande Sertão: Veredas (uma aventura) - 13/4/2006
05. Está Consumado - 14/4/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Barbie Super Princesa - História para Colorir
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2015)



Xaviera: a Rainha das Aliciadoras
Xaviera Hollander; Tradução Nélson Rodrigues
Record



Encontro Em Jerusalém
Tiago Rebelo
Presença
(2005)



O Livro das Diretas: Nasce uma Nação Apesar do Estado
Júlio César Monteiro Martins (texto)
Anima
(1984)



Marketing - Departamento de Marketing da Kellogg ...
Bobby J. Calder - Alice M. Tybout
Saraiva
(2013)



Dicionário de Management para Compreender a Dinâmica da Empresa
Ceneco
Instituto Piaget
(1996)



Adobe Photoshop 5. 5
Marcos Serafim de Andrade
Senac São Paulo
(2000)



2011 Anuário do Futebol Brasileiro
Rodolfo Rodrigues e Robson Morelli (orgs)
Letras do Brasil (sp)
(2012)



Guia Astrológico para o Sexo e o Amor
Sydney Omarr
Market Books
(2000)



Jovens Com Atitude Enriquecem Mais Rapido
Kent Healy e Jack Canfield
Universo dos Livros
(2013)





busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês