Meu beijo gay | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> De volta às férias I
Mais Recentes
>>> Como Um Mistico Amarra os Seus Sapatos (O Segredo das Coisas Simples) de Lorenz Marti pela Vozes (2008)
>>> Sagas de Heróis e Cavaleiros - Vol 2 de Martin Beheim-Scwarzbach pela Paz e Terra (1997)
>>> O Aprendiz de Assassino de Robin Hobb pela Leya (2019)
>>> Atlas Ilustrado: Fichas Interativas (capa 3d/ pags duplas) de Andrea Pinnington e Marie Greenwood pela Ediouro (2002)
>>> Retrato do Brasil (vol. Ii): da Monarquia ao Estado Militar de Mino Carta: Diretor de Redação pela Política Edit./ Sp. (1984)
>>> Marterworks of Man & Nature: Preserving Our World Heritage de Mark Swadling: Diretor Management pela Globe Press/ Australia (1992)
>>> Tania Castelliano e J. Cabral de Entenda Seus Conflitos e Livre-se Deles pela Record (2002)
>>> 1ª Oficina de Desenho Urbano de Florianópolis de Silvia Ribeiro Lenzi (et..al): Organização pela Ipuf/ Pmf Arq./ Ufsc (1994)
>>> 1ª Oficina de Desenho Urbano de Florianópolis de Silvia Ribeiro Lenzi (et..al): Organização pela Ipuf/ Pmf Arq./ Ufsc (1994)
>>> Primeira Vez de Ivan Jaf pela Moderna (1997)
>>> Primeira Vez de Ivan Jaf pela Moderna (1998)
>>> Fe, Razon y Civilizacion: Ensayo de Análisis Historico de Harold J. Laski pela Editorial Abril/ Buenos Aires (1945)
>>> Bolofofos e Finifinos de Fernando Sabino pela Ediouro (2006)
>>> ...Quando Florescem os Ipês de Ganymédes José pela Brasiliense (1986)
>>> Robinson Crusoé A Conquista do Mundo numa Ilha de Daniel Defoe pela Scipione (1983)
>>> O Monstro do Morumbi de Stella Carr pela Moderna (1993)
>>> O Útimo Magnata de F. Scott Fizgerald / Introd.: Edmund Wilson pela Record
>>> Poesia e Prosa - (obras Completas- Avulso): Volume 3/ Encadernado de Edgar Allan Poe pela Ed. da Livr. do Globo (1944)
>>> Dama da Caridade de Antonio Cesar Perri de Carvalho pela Radhu (1987)
>>> O Castelo dos Horrores de Thomas Brezina pela Melhoramentos (1996)
>>> Rita Está Crescendo de Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual (1989)
>>> Feliz Ano Velho de Marcelo Rubens Paiva pela Círculo do livro (1989)
>>> Uma Escola para o Povo de María Teresa Nidelcoff pela Brasiliense (1980)
>>> O Mulato de Aluísio Azevedo pela Ática (1970)
>>> Uma Escola para o Povo de María Teresa Nidelcoff pela Brasiliense (1981)
>>> O Gato Sou Eu: Todos Têm o Direito de Sonhar... de Fernando Sabino pela Record (1983)
>>> O Navegador do Espaço de José Acleildo de Andrade pela Leal (2006)
>>> Os Raios Invisíveis O astral das Coisas de Acervo Papus pela Gnosis (2002)
>>> Passes e Radiações de Edgard Armond pela Aliança (1999)
>>> O Livro da Lua de Marcia Mattos pela Campus (2001)
>>> Yokaanam fala á Posteridade de Vários pela Edição do Autor (1970)
>>> Os Tecelões do Destino de Eurípedes Kühl pela Petit (2001)
>>> O Poder dos Anjos de Martin Claret pela Martin Claret
>>> Eliminando o Estresse de Brian L. Weiss M.D. pela Sextante (2006)
>>> Fenômenos Ocultos de Zsolt Aradi pela Ibrasa (1976)
>>> Los Rosacruces de Christopher Mc Intosh pela Edaf (1988)
>>> Bases Esenias ( Em 02 volumes ) de Oreb Raja Aari pela Organizacion Esenia Universal
>>> Mudando o seu destino de Mary Orser e Ricardo Zarro pela Summus (1991)
>>> Magia Organizada Planetária de Vicente Beltran Anglada pela Aquariana (1990)
>>> Muralhas do passado de Jaci Regis pela Dpl (2001)
>>> O séculos dos Cirugiões de Jürgen Thorwald pela Hemus
>>> Dicionarios de las artes adivinatorias de Gwen Le Scouézec pela Martínez Roca (1973)
>>> Há Solução Sim! de José Lázaro Boberg pela Chico Xavier (2012)
>>> A Outra Face da doença de Mokiti Okada pela Fundação Mokiti (1986)
>>> Como evitar as influências Negativas de Amadeus Volben pela Pensamento (1984)
>>> A Última Grande lição ( O Sentido da vida) de Mitch Albom pela Sextante (1997)
>>> Terceiro Milênio de Carlos E. Pesssione pela Z. Valentin gráfica (1992)
>>> Segurança Mediúnica de João Nunes Maia pela Espirita Cristã (1992)
>>> O Que é o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2008)
>>> Os Novos Pagãos de Hans Holzer pela Record (1972)
COLUNAS

Sexta-feira, 14/2/2014
Meu beijo gay
Paulo Polzonoff Jr

+ de 2700 Acessos

Será que eu sou gay?

Eu me fiz esta pergunta numa noite quente do remoto ano de 1996 ou 1997. Na ocasião, meu melhor amigo me contou que era homossexual. Fiquei chocado, porque nunca percebi nenhum indício. E o cara era meu amigo de infância. Fazíamos tudo juntos, tínhamos os mesmos gostos. Ora, eu só podia ser gay!

Mas havia um detalhe importante: nunca senti atração por homens. Eu podia ser e sou gay o suficiente para reconhecer que Hugh Grant é um homem bonito, mas não sou gay o bastante para sentir atração por ele. No carro, no meio de uma movimentada avenida de Curitiba, olhei para meu amigo que, por ironia, era muito mais cobiçado do que eu pelas mulheres. Olhei para os traços nada afeminados dele. Homossexual, você? Como é possível?!, me perguntei, na minha terrível ingenuidade.

Ele era, eu não. Simples assim.

Os anos passaram e eu comecei a conviver mais com homossexuais, com os quais tive longas conversas sobre o assunto. O que me interessava nesta época não era responder à dúvida sobre minha sexualidade, dúvida que simplesmente não existia. O que me interessava era tentar compreender como nasce esta atração sexual por pessoas do mesmo sexo.

Mas, para ser franco, nunca entendi. E é daí, suponho, que nasce o ódio. As pessoas têm medo daquilo que não compreendem e reagem como bicho encurralado, isto é, com agressividade. O detalhe é que ninguém precisa entender o diferente para aceitá-lo. (Mas como explicar isso para um matuto?)

Foi então que, certa noite, um amigo me deu um selinho. Havíamos saído com nossas namoradas, bebemos um bocado. E nós nos gostávamos muito. Nunca soube o que o levou a me dar aquele selinho ao se despedir de mim no carro. Um homossexualismo enrustido? É possível. Mas acreditar nesta hipótese seria dar vazão a outra autodúvida: serei eu um homossexual enrustido? Tão, mas tão enrustido que não sou capaz de me aceitar?

Não era uma questão fácil de ser respondida. Culturalmente, sempre me senti muito próximo do mundo gay, pelo menos do mundo gay estereotipado. Eu choro em comédias românticas, por exemplo. E não tenho vergonha de reconhecer a beleza de um cara como Hugh Grant (já deu para sentir que rola uma paixão pelo Hugh Grant, né?). Gosto de teatro e balé clássico. Gosto de cozinhar. E por aí vai.

Além disso, eu tinha uma grave justificativa para ser um homossexual enrustido: meu pai. Ele jamais me aceitaria como homossexual. Ora, se ele mal me aceita como hétero. Meu pai é um homem que não aceitaria nem mesmo que eu usasse um brinco. Te coloco pra fora de casa!

Mas, novamente, a dúvida chegava a um beco sem saída quando eu pensava em atração sexual por homem. Com todo o respeito pelos meus amigos gays: arght! Imaginar um homem perto de mim me fecha a glote (para usar uma das expressões favoritas de outro amigo gay, ao se referir às meninas). Não sou gay. E, não, não sou um homossexual enrustido. E o selinho foi só uma demonstração de carinho de dois amigos sem preconceito. Viva com isso, se puder!

Anos mais tarde, convivi de perto com amigos homossexuais que se beijavam tranquilamente diante de mim. Confesso que era estranho de ver. Tanto é que eu não via. Simplesmente desviava o olhar. O que isso significa? Não tenho o menor preconceito contra homossexuais. Mas não gosto de vê-los se beijando. A minha reação é estúpida e irracional, eu sei. Mas não é expressão de ódio. Jamais me passou pela cabeça proibir os amigos gays de se beijarem em minha casa. Novamente, trata-se de aceitar que nem tudo está ao alcance da nossa compreensão e que não, não precisamos temer aquilo que desconhecemos.

Por isso mesmo considero o famoso beijo gay da novela um símbolo importante. Não de igualdade, como disseram uns otários. E sim de liberdade. Eu não sou igual aos meus amigos gays e não encaro um beijo homossexual do mesmo jeito que encaro um beijo heterossexual. Mas reconheço minha tacanhez no assunto e defendo com veemência o direito dos homossexuais de expressarem carinho entre si.

Com um pouco de sorte, meu filho não verá o beijo entre dois homens do mesmo modo que eu (não) vejo, assim como minha percepção é diferente da do meu pai.

O que está em jogo não é a carícia ou não, e sim o direito ao amor. Hoje, quando penso no selinho que meus amigos me deram, tenho plena certeza de que não foi uma expressão de desejo sexual, e sim de amor. E amor nunca faz mal a ninguém.

Nota do Editor:
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado em seu blog.


Paulo Polzonoff Jr
São Paulo, 14/2/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Senna de Paulo Polzonoff Jr
02. Beijinho no ombro de Marcelo Centauro
03. O Muro de Palavras de Pedro Bidarra
04. Sobre os Finais de Franco Fanti
05. O turista motorista de Adriana Baggio


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Olavo de Carvalho: o roqueiro improvável - 15/8/2003
03. Quem sou eu? - 8/12/1977
04. Grande Sertão: Veredas (uma aventura) - 13/4/2006
05. Está Consumado - 14/4/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CIÊNCIAS 8 - ARARIBA PLUS
OBRA DA EDITORA
MODERNA
(2014)
R$ 70,00



TREINAMENTO AVANÇADO XML 7760
ROGERIO AMORIM DE FARIA
DIGERATI
(2005)
R$ 13,00



COMO ABRIR SEU PRÓPRIO NEGÓCIO : CESTAS DE CAFÉ DA MANHÃ
JOÃO HUMBERTO DE AZEVEDO
SEBRAE
(1996)
R$ 10,50



SÓ O AMOR É INFINITO
LAURO TREVISAN
DA MENTE
(1988)
R$ 4,00



INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
T.B. BOTTOMORE
ZAHAR
(1967)
R$ 10,00



A ILHA SOB O MAR
ISABEL ALLENDE
BERTRAND BRASIL
(2011)
R$ 13,49



A CAMA REDONDA DE MARIA BEATRIZ
MARIA BEATRIZ SOARES
PLANETA
(2005)
R$ 10,00



MANCHETE EDIÇÃO HISTÓRICA - A VERDADE DO PAPA
VARIOS AUTORES
BLOCH
(1997)
R$ 35,00



AS PAIXÕES INTELECTUAIS - VOL. 3 - VONTADE DE PODER 1762-1778
ELISABETH BEDINTER
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(2009)
R$ 62,00



AFFECTIVAS 8407
J B N GONZAGA FILHO
JORNAL DO COMERCIO
(1919)
R$ 85,00





busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês