Olavo de Carvalho: o roqueiro improvável | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
>>> Arte do Granja
>>> Prorrogadas as inscrições para 20ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis
>>> Projeto Trovadores Urbanos 30 anos, live cinco, “Serenata para Silvio Caldas”, segunda dia 19 de abr
>>> Livro recupera a história de Alfred Dreyfus, oficial judeu injustamente condenado há um século, em m
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Deep Purple Made in Japan
>>> The Newspaper of the Future
>>> Se eu fosse você 2
>>> Lady Gaga, uma aula do pastiche
>>> Comunicado importante: TV mata!
>>> A bolha da blogosfera
>>> O fim da revista Bravo!
>>> Entrevista: Celso Kallarrari
>>> Como elas publicavam?
>>> E o iPad não salvou os jornais e as revistas...
Mais Recentes
>>> Introdução à Economia Edição Compacta de N. Gregory Mankiw pela Pioneira Thomson Learning (2005)
>>> Rio de Assis - Imagens Machadianas do Rio de Janeiro de Aline Carrer John Gledson Pedro da Cunha e Menezes pela Casa da Palavra (1999)
>>> Introdução á Hospitalidade 2ºedição de John R. Walker pela Manole (2002)
>>> Uns papéis que voam de Flavio José Cardozo pela Ftd (2003)
>>> DC Especial vol1 - Arqueiro Verde de Brad Meltzer, Ande Parks, Phil Hester pela Panini Comics (2004)
>>> DC Especial vol.2 - Gavião Negro de Geoff Johns, James Robinson e Rags Morales pela Panini Comics (2002)
>>> Os Cães de Riga de Henning Mankel pela Companhia das Letras (2003)
>>> X-Men - Edição Histórica vol.3 de John Byrne, Chris Claremont, Terry Austin pela Mythos (2003)
>>> A bruxa da floresta de Maria goretti fernandes pela Bagaço (2009)
>>> DC Especial vol.6 - Arqueiro Verde: Segredos e Mentiras de Judd Winick, Phil Hester & Ande Parks pela Panini Comics (2005)
>>> Los Angeles Nua & Crua de Dell Shannon pela Nova Cultural (1986)
>>> A droga do amor de Pedro Bandeira pela Moderna (2009)
>>> Poesia concreta e visual de Philadelpho Menezes pela Atica (1998)
>>> Kenshin Kaden de Nobuhiro Watsuki pela JBC Mangás (2003)
>>> A Narrativa Ontem e Hoje de Organização de Lígia Vassallo pela Tempo Brasileiro (1984)
>>> Design and Form: The Basic Course at the Bauhaus and Later de Johannes Itten pela Van Nostrand Reinhold Company (1975)
>>> Umbanda: Crença, Saber e Prática de Míriam de Oxalá (Míriam Prestes) pela Pallas (2007)
>>> The Art of Color: The Subjective Experience and Objective Rationale of Color de Johannes Itten pela Van Nostrand Reinhold Company
>>> O Pecado Secreto - Curando as Feridas do Vício Sexual de Mark R. Laaser pela Luz e Vida (1996)
>>> Español Para Brasileños de Jair de Oliveira Souza pela FTd (1997)
>>> Cidade dos Deitados de Heloisa Prieto pela Sesc sp
>>> Vida e Obra de Ana inês pela Expressão Popular
>>> Mensajes de Misericordia - Livro em Espanhol de Varios autores pela Espanhol
>>> Filosofia, linguagem, arte e educação de Jean Lauand pela Coleção Humanidades
>>> Um trabalho da notícia de Perseu Abramo pela Fundação (1997)
COLUNAS

Sexta-feira, 15/8/2003
Olavo de Carvalho: o roqueiro improvável
Paulo Polzonoff Jr

+ de 27300 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Grande - se não maior - prova da qualidade da música do Los Hermanos foi a presença do mítico e sempre polêmico Olavo de Carvalho* no show da banda, no Canecão, na última sexta-feira. No meio de menininhas de saias plissadas, pit-boys tatuados, surfistas com parafina no cabelo, quarentões de bermuda e até um ou outro punk de boutique, lá estava o filósofo e caçador de comunistas. Quando o vi pulando ao som de "Pierrô", já no bis, não pude acreditar. Como num desenho animado, esfreguei os olhos para ter certeza: era mesmo ele, Olavo de Carvalho. Vencendo minha timidez e também a resistência dos fâs que se acotovelavam na pista central, me aproximei e me apresentei:

- Oi.
- Boa noite - disse ele.
- Eu sou o Paulo Polzonoff - informei.
- Ah, tá.

Não foi um começo promissor, eu sei, mas supus que o filósofo não estava me escutando direito, depois de duas horas de show. Ora, é claro que ele me conhecia. E, se não conhecesse, iria conhecer naquela noite, ah, se iria. Insisti: fiquei na ponta dos pés para alcançar o ouvido daquele muitos consideram um gigante intelectual e perguntei, gritando um pouco:

- Você me conhece, não?
- Conheço, sim.
- Vamos conversar? - propus.
- Agora eu não posso.
- Por quê?
- Estou em êxtase divino.

Eu conhecia estes arroubos espirituais de Olavo de Carvalho. Convivi com algumas pessoas de sua trupe durante um tempo e fiquei sabendo que não só ele como seus discípulos são capazes de ascensões espirituais estratosféricas diante de um texto de Aristóteles. Mas aquela submersão espiritual bem na pista central do Canecão me pareceu um exagero demasiado, quase tanto quanto não sair de casa porque a Lua não está numa posição favorável. Desconfiei: o filósofo estava me ignorando, pura e simplesmente. Mas não desisti. Fiquei ali, esperando que o êxtase divino cessasse. Pensei em lhe oferecer um Luftal. Foi ele quem me chamou, depois de uns cinco minutos.

- E então? Gostou do show?
- Gostei. Mas me surpreendi com o senhor aqui.
- Me chame de você. Já somos praticamente íntimos. Você sabe.
- Sei, é?
- Poxa, eu sou seu leitor!
- Eu fui seu leitor. Mas toda aquela coisa de comunistas e Farc e coisa e tal me cansou.
- Não falemos destas coisas desagradáveis numa noite tão perfeita - pediu.
- Tudo bem. Aliás, deixe-me fazer um elogio: o senhor, digo, você, cheira muito bem.
- Como assim?
- É que uma aluna sua me disse que o você não gostava de tomar banho. E não foi por maldade, não. Ela achou isso algo excêntrico, charmoso, sexy...
- Não sei se devo agradecer.
- Não agradeça - pedi, atentando para a gafe que cometera. - Como eu estava dizendo, me surpreendi com você aqui no meio desta garotada. Achei que eu estivesse bêbado, mas depois percebi que eu não tinha bebido nada. Vê se pode.
- Ah, eu gosto muito do Los Hermanos.
- Como assim?
- Eu gosto, oras! Desde O Bloco do Eu Sozinho.
- E "Ana Júlia"?
- "Ana Júlia" não é ruim, não. Só que cansou.
- Essa conversa vai longe. Vamos nos sentar? - sugeri.

As pessoas aos poucos deixavam o Canecão. Uma menininha de seus dezesseis anos, que estava olhando para o filósofo já há algum tempo, se interpôs no nosso caminho e lhe pediu um autógrafo. Depois da assinatura numa agenda colorida, seguimos nosso caminho. Grupos andam mais devagar, por isso teríamos alguns minutinhos para nos sentarmos nas mesas já desocupadas. Pedi à garçonete mal-humorada uma garrafinha d´água e Olavo de Carvalho pediu uma cerveja. Mas como eles não serviam Boehmia, tomou uma Coca-Cola mesmo. Enquanto nossas bebidas não vinham, conversamos. O arauto do conservadorismo brasileiro disse que conhecia o Los Hermanos de longa data e sempre botou a maior fé nos garotos.

- Eles são mesmo muito bons.

Expus minha incredulidade confessando que pensava que um homem como Olavo de Carvalho, admirador de Charles Murray e tal, só escutasse música clássica de obscuros compositores liberais. Ele riu, disse que de vez em quando gostava de reviver os áureos tempos. Não entendi e ele me explicou:

- De quando eu era jovem.

Pareceu-me uma tela surrealista, esta: Olavo de Carvalho, jovem. Eu sabia que ele, na juventude, tornara-se membro do Partido Comunista. Rindo, perguntei se ele usava camiseta com a cara do Che Guevara e ele riu novamente, diante do absurdo da pergunta. Suspiramos os dois antes de ele tocar no assunto:

- Bons meninos, né?
- Quem?
- O pessoal do Los Hermanos, ora!
- Ah...

Realmente, algo que distingue o Los Hermanos de qualquer outra bandinha de rock contemporânea (exceto, claro, pelos grupos de rock gospel) é o comportamento asseado. Eles não se vestem como maltrapilhos ou palhaços punk. Marcelo Camelo, o vocalista, parece até um daqueles menininhos inseguros para o qual a mãe, até hoje, compra camisas pólo, um número abaixo do ideal. Exatamente como as que eu uso, diga-se de passagem. Ele parece incomodado em ter de se parecer com um astro do rock, ainda que rock nacional - e ainda que rock nacional restrito. Tamanho bom-mocismo se reflete na platéia. A casa de espetáculos estava lotada, desde crianças de seus catorze anos (quando eu tinha catorze anos, odiava que me chamassem de criança) até quarentões e sessentões como Olavo de Carvalho e Nelson Motta. Não houve brigas, nem gente caindo de bêbada. No ar, não havia aquele cheiro característico dos shows de rock - o mesmo que sai da chaminé do Gabeira.

- E como são felizes, né? - comentei. - Digo, genuinamente felizes. Eu diria até que felizes porque surpresos - emendei.

Olavo de Carvalho riu. E começou dizendo que quase chorara no início do show, justamente por causa desta felicidade visível, principalmente no olhar de Marcelo Camelo e Rodrigo Amarante. Havia algo de infantil naquilo, como se fossem dois menininhos brincando de bandinha, mas com uma multidão real de fãs à sua frente. Mas não era só uma felicidade assim barata, não. Havia naqueles olhos também realização. Comentei com Olavo de Carvalho o que sabia sobre o assunto:

- Os caras começaram com "Ana Júlia", que foi hit do verão, lembra? Ninguém agüentava mais aquilo. Mas parece que eles tinham planos mais ambiciosos. Quando mostraram o segundo disco aos executivos da Abril Music, na época, os engravatados ficaram revoltados. Queriam mais músicas fáceis, como "Ana Júlia". E não músicas como cadê "teu suin-?" ou "Cher Antoine". Imagine?! Rock em francês!
- Tem um verso deles que eu adoro - disse Olavo de Carvalho.
- Verso? Mas se pode chamar de verso qualquer coisa deles? As letras são escritas em prosa! - discordei com alguma veemência. A água estava fazendo efeito em mim já.
- Que seja! É: "- Toma este anel que é pra anular o céu, o sol e o mar".
- Não acredito! - eu disse.
- Por quê?
- Eu estava justamente falando deste verso ou frase outro dia. Fala sério: o anel para anular é um trocadilho para lá de inteligente.
- E não é só isso - anunciou Olavo de Carvalho, abrindo outro parágrafo na conversa.

Discorreu o filósofo e neo-roqueiro sobre o conteúdo das letras compostas pela banda. Eu achei que, neste momento, se seguiria uma longa divagação sobre a infiltração comunista no subconsciente dos ouvintes de rock, mas que nada. Olavo de Carvalho estava exultante com o tom hedonista das letras. Até quando choravam de amor, eram brincalhões, riam da própria desgraça. Eles não ficam se lamuriando sobre a existência, não fazem considerações políticas de contestação barata, não tentam escrever um tratado de filosofia. Falam da poética pequena do cotidiano banal. O filósofo e roqueiro improvável disse ainda que o que mais gostava na música do Los Hermanos era o uso dos metais. Lembrava, claro, Os Paralamas do Sucesso, mas era algo mais elaborado. Muito mais elaborado. Ao ouvir as músicas, dava para imaginar os caras se divertindo ao compô-las. Podia-se ver que havia ali trabalho e uma paixão genuína por esta coisa pequena, minúscula, chamada rock.

- Eu achava que você achava que rock era coisa do demônio ou da Revolução Gramsciana - disse, rindo. Ele riu de volta:
- E é. Exceto Bob Dylan.

Era uma piada interna nossa.

O lugar estava vazio e pressenti que seríamos expulsos a qualquer momento. A conversa estava boa e seria um desperdício termos de ir embora. Por outro lado, não queria convidar Olavo de Carvalho para um jantar. E se, alta madrugada, ele começasse a falar sobre teorias conspiratórias? Preferia, sinceramente, manter aquela imagem insuportavelmente jovial do filósofo. Resolvi, portanto, que não daria a ele chance de me decepcionar.

- Acho que seremos expulsos.
- É. Acho que é melhor irmos embora.
- Poxa, foi mesmo um prazer te encontrar aqui - eu disse. - Jamais pensei que pudesse ser agradável conversar com você sobre rock. Assunto que, aliás, eu não domino.
- Mas quem disser que domina não só está mentindo como é um chato - sentenciou, se levantando.
- Será que eles voltam? - perguntei.
- Os comunistas?! - alarmou-se.
- Não! Los Hermanos. Faltou ingresso para as duas noites de show...
- Espero que sim. A gente pode combinar de assistir junto - propôs.
- Quem sabe?...

No caminho até a rua ele mencionou um texto meu, no qual eu descrevi a viagem que fiz com Rodrigo Amarante, um dos integrantes da banda. No tal texto, eu dizia que o Los Hermanos eram pretensiosos, mas o bom era que conseguiam corresponder à própria pretensão. Também escrevi sobre o comportamento um tanto quanto afetado do músico durante o vôo. Olavo de Carvalho me perguntou se eu tinha mudado de idéia sobre eles?

- Mais ou menos - respondi. - Hoje eu acho o tal do Rodrigo mais simpático. Mas ainda acho que o Los Hermanos é um grupo pretensioso. Ninguém entende que isso é um elogio! Eles são pretensiosos, sim, mas conseguem corresponder às expectativas.
- E você ainda continua achando o Ventura parecido com O Bloco?
- Não. É muito melhor. Não consigo parar de escutar.
- Melhor que Cole Porter?
- Ah, Olavo! Pára com isso! - brinquei, dando um tapinha nas costas dele. O filósofo estava tirando uma com a minha cara.

Já estávamos na rua. Uns poucos ambulantes vendiam cerveja, churrasquinho de gato, cachorro-quente, camisetas de bandas de rock e até discos piratas. Olavo de Carvalho foi até um deles e pediu uma cerveja. Depois, desviando dos grupinhos de adolescentes que esperavam ainda o transporte, comprou um churrasquinho de gato. Deu uma primeira mordida e ficou com a boca cheia de farofa e com um naco de carne entre os dentes. Eu desviei o olhar. Ele riu e eu perguntei por que estava rindo:

- Eu estava me lembrando de uma coisa.
- Diz, pô.
- É que eu fiquei o show inteiro reparando na cara dos garotos.
- Os da banda?
- Não. Os da platéia.
- E...
- E era legal - Juro: Olavo de Carvalho disse "legal".
- Desenvolva - ordenei.
- Sabe aqueles garotos já mais velhos, que tiveram ou tem ainda bandinhas de garagem, que um dia sonharam em ser astros? Pois então. Eles sempre tiveram desculpas na ponta da língua para o fracasso. As preferidas eram "a força das gravadoras" e "a burrice do público".
- Sim...
- E o Los Hermanos estão provando que isso era balela mesmo. Os caras fazem uma música realmente boa, bem cuidada e ainda peitaram a gravadora. Por isso, é legal ver a cara dos garotos mais velhos durante o show. Eles faziam uma cara de decepção. Estavam era decepcionados consigo mesmos. Porque perceberam que ou não tinham talento ou não tentaram com vontade. A maior prova de que estes meninos do Los Hermanos são bons é o reconhecimento destes garotos, sempre cheios de ressentimento com o sucesso alheio.

Despedimo-nos, combinando um encontro futuro. No caminho para casa, fiquei imaginando um jovem que tivesse o talento de Mozart hoje em dia. Não que os integrantes do Los Hermanos sejam Mozarts em potencial. Longe disso. Mas eu fiquei me perguntando: será que o Mozartezinho de piercing no mamilo preferiria o sucesso restrito das salas de concerto para aristocratas falidos ou o sucesso cheio de hormônios do rock? Quis me pôr no lugar de um músico talentosíssimo diante desta dúvida.

Mas daí eu desafinei e dormi.

* Olavo de Carvalho, auto-intitulado filósofo, hoje está esquecido, mas foi figura de razoável influência intelectual no Brasil do início do século 21. Considerado a voz na direita, travou batalhas retóricas com a esquerda que, naquela época, dominava os círculos intelectualizados. Quando Luiz Inácio Lula da Silva (2002-2010) assumiu o poder, O. de C. recrudesceu seu discurso e, por isso, foi chamado de paranóico. Defendeu até o fim a ligação da esquerda com o tráfico de drogas. Escreveu livros sobre filosofia, comportamento, esoterismo e alguns títulos infantis. Durante alguns anos, teve uma coluna no prestigiado jornal O Globo. Aliciou jovens até então sem destino para a sua causa e, por isso, foi chamado de guru da nova direita.

Nota do Editor
Paulo Polzonoff Jr. assina hoje o blog O Polzonoff, onde este texto foi originalmente publicado. (Reprodução gentilmente autorizada pelo autor.)


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 15/8/2003


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Quem sou eu? - 8/12/1977
03. Olavo de Carvalho: o roqueiro improvável - 15/8/2003
04. Grande Sertão: Veredas (uma aventura) - 13/4/2006
05. Está Consumado - 14/4/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/8/2003
15h57min
Apelo humanitário: Há anos esse tal de Paulo Polzonoff, que nunca vi mais gordo mas ao qual me recordo vagamente de ter dado uma entrevista por e-mail após muitas solicitações, vem mendigando um pouco da minha atenção, como se não tivesse outra razão de viver senão a esperança de tornar-se íntimo de Olavo de Carvalho. Como nunca foi atendido, a carência deve ter chegado ao limite do insuportável, de modo que o infeliz começou a buscar satisfação em sonhos, de maneira inequivocamente masturbatória, acreditando ver-me por toda parte onde nunca estive e até -- ó momento de glória! ó êxtase sublime! -- conversar comigo. Por uma simples questão de humanidade, peço aos diretores do Digestivo que me forneçam o endereço do rapaz, para que eu possa lhe enviar um autógrafo, o qual ele poderá estampar em camiseta, ostentando-o pelas ruas e alcançando assim o alívio de seus padecimentos. Se o Digestivo aceitar colaborar comigo nesse empreendimento humanitário, teremos com isso dado início à campanha COMPLEXO DE INFERIORIDADE ZERO, que poderá estender seus benefícios a milhões de polzonoffinhos Brasil a fora. Tudo pelo social, caramba!
[Leia outros Comentários de Olavo de Carvalho]
3/9/2003
12h01min
Realmente, este Olavo de Carvalho é fã de polêmicas. Tenha razão ou não, tem uma outra, cujo fruto é o lindíssimo texto "Pelos Caminhos do sr. Olavo de Carvalho", do querido Rubem Alves. Vale ler.
[Leia outros Comentários de Kelli]
22/9/2003
16h52min
O Dr. Olavo de Carvalho não gostou de ser flagrado curtindo um show de rock'n'roll, ainda mais de uma banda muito meia-boca. Mas não há dúvida que ele estava lá, pois foi visto por diversas pessoas, além do que, veja-se os comentários no diálogo, são verdadeiramente de um filósofo tão atômico como ele. Parabéns para o Paulo Polzonoff que não perdeu a oportunidade de tirar o véu do filósofo, permitindo que soubessemos suas opiniões, por exemplo sobre "Los Hermanos". Paulo Polzonoff está de parabéns e também o Dr. Olavo de Carvalho, que não deveria ficar bravo, nem ter vergonha de nada.
[Leia outros Comentários de godoy Jr.]
13/10/2003
19h51min
E qual o problema do filosofo ir a show de rock, tomar cerveja, etc? Isso nao diminui nada o valor de alguem, pelo contrario, o humaniza ainda mais.
[Leia outros Comentários de Paulo Marcio]
2/2/2007
15h08min
Ouvir rock e beber cerveja não é pecado nem demérito pra ninguém. Ainda assim é fácil perceber no texto a malícia e o deboche de Paulo Polzonoff...
[Leia outros Comentários de Eduardo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cadernos de Pagu / Trânsitos
Adriana Piscitelli e Marcia Vasconcelos
Unicamp
(2008)



Concerto para duas vozes
Fernando Lara Michel Nicolau
Dix
(2008)



Asas do Amor
Johann Warren
Intergaláctica
(1993)



Não tenha medo de ser chefe
Bruce Tulgan
Sextante
(2009)



Ou Va Le Travail Humain?
Georges Friedmann
Gallimard
(1973)



Eduardo da Rocha Azevedo. a Bovespa e a Bm-f
Ângela Ximenes
Contexto
(2008)



Revisão do Cristianismo
J. Herculano Pires
Paideia
(1996)



Face the Issues
Carol Numrich
Longman
(1996)



Minha Terra Suas Lendas e Seu Folclore
Oliveira Mello
Da Prefeitura Municipal
(1985)



Segurança da Informação
Edison Fontes Cism Cisa
Saraiva
(2006)





busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês