Da relevância e do respeito musical | Rodrigo Cavalcanti da Rocha | Digestivo Cultural

busca | avançada
50039 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 24/8/2009
Da relevância e do respeito musical
Rodrigo Cavalcanti da Rocha

+ de 3700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O que faz uma banda se tornar realmente grande? Ok, ela vender muitos discos ou lotar shows por um grande período de tempo são critérios interessantes ― mas que só podem ser medidos depois da obra pronta. A questão que nos interessa aqui é como uma banda se torna artisticamente relevante, ícone de seu tempo. Pensando nas duas últimas bandas de rock realmente grandes, que extrapolaram a (hoje em dia imensa) fronteira do termo "rock" e atingiram um público muito maior, temos uma pista. Goste ou não do som, trata-se de U2 e Metallica. Você pode até pensar em Pearl Jam, mas nunca foram excepcionais vendedores de disco. Você pode pensar no Nirvana, mas não tiveram nem tempo de se estabilizar. Você pode pensar em Oasis ou até mesmo em Coldplay (e eu discordaria de você), mas são bandas que não atingiram um patamar realmente gigantesco (se o Oasis já atingiu, foi nos anos 90 e não manteve, o que coloca os Gallagher fora do nosso campo de análise).

Mas volto. Artisticamente, quais os caminhos que uma banda pode fazer para ir além de seu gueto musical? Adotando o U2 e o Metallica como exemplo, só me resta a palavra "reinventar". Arriscar, em nome da liberdade artística, da inquietação que só os grandes nomes têm. Guinadas radicais na carreira. E, curiosamente, a grande guinada para as duas bandas veio em 1991, respectivamente com os discos Achtung Baby e Metallica (ou Black Album). São sonoridades diferentes entre si, tanto quanto U2 e Metallica são diferentes, claro. Mas estes discos representaram uma virada bem-sucedida tanto economicamente (venderam pra caramba) quanto artisticamente (ganharam respeito pela coragem e ousadia). E um fator ainda une mais estes discos e artistas: deixaram os seguidores mais fanáticos de cabelo em pé, aos gritos de "traidores", "vendidos" e afins. Estes mesmos fãs que, hoje, numa discussão, podem muito bem apontar estes discos como dado inconteste da importância das bandas na história da música popular do último século. O que indica que estas bandas passaram com louvor no chamado "teste do tempo". Que é, no fim das contas, o que indica se o artista ou sua obra podem ser realmente considerados clássicos.

Vamos ao U2. Os álbuns imediatamente anteriores, The unforgettable fire, The Joshua Tree e Rattle and Hum, venderam muito, tiveram muitas músicas tocadas ad nauseum. Os dois discos continham aqueles "hinos de uma geração". Não se lembra? Então lá vai: "Pride (in the name of love)", "I still haven't found what i'm looking for", "Where the streets have no name", "With or without you", "Angel of Harlem", "Desire", fora outros sons, de discos anteriores, tão (ou mais) tocados quanto. Ou seja, uma banda alçada à condição de grande, máquina de hits radiofônicos desde a estreia, em 1980. Os irlandeses poderiam lançar mais do mesmo e colher os frutos até a fórmula se esgotar. Mas não: viraram totalmente, modernizaram o som, botaram batidas dançantes onde havia um rock duro, de raiz, conservador até ― são irlandeses, lembre-se disso. O "Messias do rock", como Bono era chamado inclusive pela imprensa (?), zombou de si mesmo, se maquiou, assumiu outras personas (The Fly, Mr MacFisto, Mirror Ball Man) e foi à luta. Ninguém entendeu, os xiitas ficaram com raiva... e o U2 nunca mais foi o mesmo. O disco já começa incomodando os puristas com Zoo Station, uma mixagem muito diferente do que o U2 havia feito. Emenda com "Even better then the real thing", no título e no primeiro verso ("me dê mais uma chance e você estará satisfeito") praticamente um recado aos fãs. O single foi "The Fly", outra música totalmente fora do padrão U2. Eles saíram da zona de conforto, arriscaram, ousaram ― mesmo ao vivo. A Zoo TV Tour mudou o conceito de shows. Palco móvel, telões de altíssima definição. Bono ligando para a Casa Branca durante os shows. Caracterizações, jogo de luz, maquiagem, tudo para o entretenimento, ainda que a mensagem continue ("One"), confunda ("The Fly") ou apenas sugira. E o U2 passou ao status de banda mítica. Produziram discos bons, regulares, voltaram ao rock básico (no bom All that you can't leave behind), cruzaram o mundo com palcos gigantes... e ainda são e serão relevantes.

E o Metallica? Ícone maior do rock de garagem, trash metal até a medula ("Fade to black" a parte), bebedeiras, calças e camisas rasgadas e velhas, atitude punk. Contra o sistema. A banda mais íntegra do metal, a que se negava a fazer vídeos ― e quando fizeram foi no quarto álbum, de "One", com a banda tocando, em preto e branco, sem concessão alguma. Essa mesma "One" e a tour do disco ... And justice for all já tinham levado o Metallica para um patamar muito superior a qualquer outra banda similar. Mas quando veio a notícia que o produtor do (glam, hard) Motley Crue, de nome "Bob Rock", havia sido recrutado para o quinto álbum da banda, ninguém entendeu nada. E quando saíam notícias da gravação, parecia um disco do Emerson, Lake and Palmer, ou do Pink Floyd. Quase um ano no estúdio. Oito meses até achar o som ideal da bateria. Guitarras gravadas em camadas, várias ― algumas com seis guitarras. Baladas, no plural. Canções mais curtas, mais refrões. Pré-lançamento do álbum e do single. E então veio "Enter Sandman". Maravilhosa, mas diferente de tudo o que fora feito antes. Curta, com imenso apelo comercial, um riff absolutamente incrível ― mas nada de trash metal. O Metallica renegou sua origem? Cuspiu no prato em que comeu? Baladas (lindas, as duas), lados B orquestrados, cover do Queen (a foderosa "Stone cold crazy"). Correram o mundo numa turnê gigantesca, quase tão ousada quanto a do U2 (nem tanto porque, afinal, eles eram muito mais sérios que Bono e companhia). Questionaram a própria sanidade (impossível não citar a declaração do baterista Lars Ulrich, no México, em 1993: "será que o Metallica virou atração de circo?"). E eles gravaram um clipe com um diretor badalado. E outro. E outro. Foram indicados ao Grammy. E entraram pra história. "Enter Sandman" ainda é presença obrigatória nos shows ― e berrada por gerações de fãs, nos shows, em festas ou bares. Seus lançamentos ainda recebem aquele "parem as máquinas". E, a julgar pelo mais recente disco (o ótimo Death Magnetic), os caras ainda têm lenha de sobra para queimar.

Enfim, goste ou não das bandas citadas, não se pode fugir dos fatos. E estas bandas, a partir destes discos, atingiram um nível que pouquíssimas bandas no mundo podem se gabar. Mais importante: ainda são mundialmente relevantes, dezoito anos depois, fora de seu universo musical. Algumas bandas perderam oportunidades de atingir este nível e estagnaram (o Iron Maiden é o primeiro exemplo que me vem). Outras atingiram patamar similar justamente por manterem-se fiéis, sem grandes viradas na carreira (veja o AC/DC). Nestes casos, em particular, ambos os artistas atingiram um patamar mítico, em maior ou menor escala. Mas isso é outra conversa, que fica para outro dia.

Nota do Editor
Rodrigo Cavalcanti da Rocha é professor e mantém o blog Seleta de Prosa.


Rodrigo Cavalcanti da Rocha
São José dos Campos, 24/8/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Vosso Reino de Luís Fernando Amâncio
02. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
03. Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva de Renato Alessandro dos Santos
04. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos
05. Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry


Mais Rodrigo Cavalcanti da Rocha
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/8/2009
08h43min
"Algumas bandas perderam oportunidades de atingir este nível e estagnaram (o Iron Maiden é o primeiro exemplo que me vem)." Iron Maiden deve ser a banda de heavy metal que mais lota os shows e mais vende CDs, sem falar das grandes mudanças que fizeram ao longo da carreira e nunca decepcionaram os fãs. Que critérios você usou para fazer este comentário?
[Leia outros Comentários de Johnny]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A AVENTURA AVENTUROSA DE ACANAI CONTRA A GRANDE COBRA SUCURI NA...
ANTÔNIO HOHLFELDT
FTD
(1990)
R$ 4,15



SMILE 1 NEW EDITION
GABBY PRITCHARD
MACMILLAN
R$ 10,00



OS THIBAULT - 5 VOLUMES
ROGER MARTIN DU GARD
GLOBO
(1968)
R$ 50,00



ESPÍRITOS ENTRE NÓS
JAMES VAN PRAAGH
SEXTANTE
(2009)
R$ 13,50



FERNAND BRAUDEL - UMA BIOGRAFIA
PIERRE DAIX
RECORD
(1999)
R$ 50,00



JAPÃO: MONSTRO OU MODÊLO?
JEAN-FRANÇOIS DELASSUS
RECORD
(1971)
R$ 8,90



MAYA
JOSTEIN GAARDER
EDICIONES SIRUELA
R$ 19,90



NELSON WAR
PETER PADFIELD
WORDSWORTH
(2000)
R$ 230,00



2 VOLS. BATMAN VERSUS PREDADOR
DAVE GIBBONS; ANDY KUBERT
MYTHOS / DC COMICS
(2002)
R$ 22,41



RECHERCHE PÉDAGOGIQUE DANS UNE CLASSE DE PERFECTIONNEMENT
DANIEL ZIMMERMANN
LES EDITIONS ESF
(1976)
R$ 43,28





busca | avançada
50039 visitas/dia
1,2 milhão/mês